História Safe and Sound - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chandler Riggs, The Walking Dead
Personagens Beth Greene, Bob Stookey, Carl Grimes, Carol Peletier, Daryl Dixon, Glenn Rhee, Hershel Greene, Lizzie Samuels, Maggie Greene, Michonne, Mika Samuels, Rick Grimes, Rosita Espinosa, Tyreese
Tags Amigos, Apocalipse, Carl, Chole Greene, Família, Perigo, Rick, Romance, The Walking Dead, Walkers
Exibições 455
Palavras 4.223
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii de novoo!!! MAIS UMA SURPRESA DE FERIADOO!!! Decidi postar esse capitulo mais rápido como presente a vcs que me fazem felizes só de comentar e favoritar a fic. Muito obrigado mesmo <3 <3 Espero que gostem do cap, desculpem qualquer erro, não se esqueçam de favoritar e comentar, e até o proximo XOXO

Capítulo 25 - See my dreams all die


Fanfic / Fanfiction Safe and Sound - Capítulo 25 - See my dreams all die

Chloe P.O.V

Hoje de manhã acordei e deparei-me com um clima diferente na comunidade. O sol não estava brilhando como antes, algumas nuvens cinzas se aproximavam, mas nada que comovesse preocupação, por mim era até mais fácil caminhar por aí sem sentir suas costas sendo queimadas pelos raios solares, apenas torcia para que nenhum temporal se aproximasse.

Desci em direção a cozinha e percebi que havia sido a última a acordar, provavelmente por ter ficado até tarde na casa de Carl lendo quadrinhos e zelando o sono de Judith. Revirei a geladeira em busca de algo que pudesse comer, mas no final optei por pegar uma maça em nosso cesto de frutas, sempre tive curiosidade de onde eles conseguem tantas frutas assim.

As ruas de Alexandria estavam praticamente vazias. Algumas pessoas caminhavam calmamente e conversavam entrei si, outras apenas estavam sentadas na varanda de suas casas observando o movimento, a tranquilidade nesse lugar chegava a me assustar as vezes. Mirei meus olhos em direção aos portões e consegui avistar um movimento estranho em volta do mesmo, parecia que estavam prestes a sair, um carro e uma moto, e para minha surpresa Daryl montava a moto apenas esperando que abrissem o portão para partir.

Apressei meus passos quase correndo em sua direção e parei ao seu lado impedindo que ele partisse em sua moto. Permaneci em silencio por alguns segundos enquanto Daryl me olhava confuso pela interrupção e cruzei os braços arqueando a sobrancelha.

-Onde está indo? – Perguntei serrando os olhos confusa

-Não interessa, criança- Daryl respondeu com sua simpatia de sempre e eu revirei os olhos- Não devia estar na escola?

-Rick sabe que está saindo? – Ignorei sua pergunta tentando enxergar quem estava no carro e avistando Aaron no banco do motorista observando a nossa conversa- Onde pensa que está indo, Daryl?

-Estuca pirralha, eu faço parte do recrutamento agora- ele disse impaciente e eu relaxei minha postura entendendo o que ele queria dizer- Eu vou voltar logo, quer dizer, se você me deixar ir embora, eu irei voltar logo.

-Tenha cuidado- Disse me afastando de sua moto e ele assentiu como resposta antes de partir para fora de Alexandria com o carro de Aaron o seguindo.

Apertei o casaco contra meu corpo e continuei meu caminho por Alexandria sem saber ao certo onde ir. Estava completamente perdida em meus pensamentos quando ouvi passos se aproximando, segurei o cabo de minha faca no cós de minha calça e me virei rapidamente dando de cara com Noah o fazendo rir de meu susto.

-Calma loirinha- ele disse rindo e eu apenas sorri fraco soltando o cabo de minha faca e relaxando meus músculos- Pelo visto ainda não se acostumou com a segurança deste lugar.

-É tão estranho- disse enquanto caminhávamos lado a lado- Às vezes me esqueço que não existem errantes por aqui.

-Qualquer dia ainda vai acabar esfaqueando alguém- brincou me fazendo rir assentindo- O que estava fazendo?

-Apenas caminhando- dei de ombros- Fazia tempo que não ficava com tanto tédio assim.

-Lá fora é difícil sentir tédio- ele disse e eu assenti colocando as mãos dentro do bolso do casaco

-O que estava fazendo antes de me encontrar? – Perguntei puxando assunto

-Sabe guardar segredo? – Perguntou e eu assenti como resposta- Estava pensando em aprender algumas coisas de arquitetura com Reg.

-Quer ser arquiteto? – O olhei confusa

-Quero assegurar que os muros continuem de pé.

-Acha que podem cair? – Perguntei

-Acho que podem ser derrubados- respondeu olhando em volta- Pode ser daqui dias, ou anos, mas algo pode acontecer, e não faria mal se eu soubesse pelo menos um pouco de como construí-lo de volta.

-Não apenas para os muros- disse sorrindo com a ideia- Para as casas, ou até novas construções. Para a expansão de Alexandria.

-Pensa em um futuro para este lugar? – Perguntou parando de andar e eu o olhei sorrindo

-Você não pensa? – Dei de ombros- Acho que nossa chegada fez muito bem para todos, podemos conseguir fazer este lugar durar, podemos construir um novo mundo aqui.

-Não sabia que era tão inteligente- ele disse voltando a andar e eu sorri em resposta- Sabe, antes eu não tinha esperanças, mas agora acho que estamos no caminho certo para a restauração do mundo.

-Juntos nós vamos conseguir- sorri esperançosa- Precisamos disso.

-Você parece muito com sua irmã- Noah disse com um sorriso triste no rosto me fazendo entender de qual irmã ele se referia- Não cheguei a conviver muito tempo com ela, mas percebi que ela tinha esperança, igual a você.

-Eu costumava a ter mais esperança como ela- admiti sem tirar os olhos de meus pés enquanto caminhávamos- Até ela...até...

-Mas você ainda tem- ele me interrompeu ao perceber minha dificuldade para falar do assunto- Conheci pessoas que morreram por perderem todas as esperanças, no fundo, todos nós ainda temos um pingo de esperança, e é isso o que nos mantem vivos.

-Acho que está certo- sorri fraco avistando a casa de Deanna a poucos metros de distância- Preciso ir falar com Maggie e Deanna agora.

-Claro- assentiu- Até depois então.

-Até- sorri me afastando.

Bati na porta algumas vezes e esperei até que a mesma fosse aberta por um homem no qual ainda não havia tido a oportunidade de conhecer, porém me lembrava muito bem de seu rosto. Sempre tentei não julgar as pessoas antes de as conhecer, porém não conseguia esconder minha aflição por este homem que havia discutido com Glenn há alguns dias atrás, havia escutado uma conversa entre ele e Maggie, e pelo o que eu entendi, esse cara era um verdadeiro babaca.

-Posso ajudar? – Perguntou notando meu silencio e eu cruzei meus braços levantando a guarda

-Maggie está aí?

-No escritório com a minha mãe, pode entrar se quiser- respondeu abrindo o caminho para que eu entrasse-Me chamo Aiden, a propósito.

-Legal- murmurei antes de entrar seguindo até o escritório aonde Deanna e Maggie estavam sentadas discutindo sobre alguma coisa, porém pararam assim que me viram passar pela porta

-Chloe- Maggie sorriu em minha direção- Acordou tarde hoje.

-Acabei dormindo um pouco tarde demais- respondi sorrindo constrangida enquanto me aproximava- Sobre o que estavam falando?

-Alguns geradores de energia falharam ontem à noite- Deanna disse parecendo frustrada com a notícia- Achei que durariam por mais tempo, mas pelo visto me enganei.

-Não temos outros na comunidade? – Perguntei me sentando ao lado de Maggie

-Infelizmente não- respondeu- Estamos organizando uma busca hoje mesmo para ir pegar alguns outros em um galpão não muito longe daqui.

-Eugene disse que sabe quais são os certos- Maggie disse pensativa- Acho que ele deveria ir junto, para garantir que não trarão errado.

-Eugene? Ele não pode sair daqui- protestei- Ele não consegue nem cuidar de si mesmo.

-Os outros irão protege-lo- Deanna disse- É necessário.

-Quem vai junto dele? – Perguntei curiosa

-A equipe de busca- Maggie respondeu e eu a olhei arqueando a sobrancelha- Glenn, Tara, Noah, Aiden e Nicholas.

-Não sei se é uma boa ideia Glenn e Aiden irem juntos- Disse um tanto aflita- Eles não parecem se dar muito bem.

-Já conversei com meu filho sobre isso- Deanna disse parecendo segura da ideia de mandar os dois juntos para fora da comunidade- Ele prometeu que irá se comportar.

-Espero que sim- murmurei cruzando meus braços- Será que eu...

-Não- Maggie me interrompeu já sabendo o que eu pediria e eu bufei irritada- Nem pense nisso, Chloe.

-Eu nem terminei de falar- protestei

-Você não vai com eles- negou rapidamente- Sem chances.

-Por que não? – Perguntei me levantando- Nem é tão longe, e eu sei me cuidar, Glenn vai estar junto.

-Chloe. Não- ela me olhou séria e eu me sentei novamente inconformada com a resposta de minha irmã- Tenho certeza que Glenn concordaria comigo.

-Sem querer me intrometer- Deanna disse chamando nossa atenção- Não acho que seja uma boa ideia você ir, Chloe.

-Eu sei me cuidar- voltei a dizer indignada- Por favor, eu não preciso ir, não aguento mais ficar aqui dentro.

-Chloe...

-Eu sei que você se preocupada- a interrompi- Mas você sabe que eu sei o que fazer, consegui sobreviver longe de você por um bom tempo lá fora, você sabe que eu consigo.

-Vamos conversar com Glenn- Maggie disse ainda meio relutante e eu não pude deixar de sorrir- Isso não foi um sim.

-Mas não foi um não- sorri indo em direção a saída do escritório- Nos vemos na hora do almoço.

(...)

-Não acredito que concordou com isso- Maggie dizia para Glenn enquanto eu arrumava minhas coisas em uma mochila que havia arranjado com Deanna- Pensei que concordaria comigo.

-Ela não é mais uma criança- Glenn disse me fazendo sorrir- Sabe se cuidar, e eu estarei lá, prometo que nada irá acontecer com ela.

-E nem com você- minha irmã disse e pude ouvir a risada de Glenn- Estou falando sério.

-Voltaremos hoje mesmo- ele disse e eu me virei em direção dos dois já com a mochila pronta em meus ombros- Pronta?

-Sim- sorri indo em direção a Maggie- Vamos conseguir.

-Eu sei- ela sorriu- Sempre conseguem.

-Tente não se matar de preocupação- brinquei e ouvir Glenn rir

-Difícil- ele disse colocando a mão em meu ombro- Acho que tem alguém querendo falar com você.  

Me virei confusa na direção onde Glenn apontava e avistei Carl parado ao lado da van me encarando seriamente com os braços cruzados. Olhei para Glenn e Maggie uma última vez e me afastei indo em direção ao garoto que parecia querer me matar com os olhos.

-Oi- sorri me aproximando

-Oi? – Ele diz incrédulo me fazendo desmanchar o sorrindo confusa- O que pensa que está fazendo, Chloe?

-Como? – Indaguei sem saber do que ele tratava- O que eu fiz?

-Não ia me contar que estava saindo com eles?

-Ah- murmurei olhando para baixo entendendo o motivo de sua raiva- Sobre isso...

-Você não vai- me interrompeu balançando a cabeça freneticamente e eu o olhei incrédula

-Eu vou sim- cruzei os braços assim como ele

-Não- Disse novamente- Não pode sair sozinha.

-Não vou estar sozinha- disse- Vou com o grupo de busca.

-É perigoso! – Exclamou alterando o tom de voz

-Carl- disse tentando manter a calma- Eu sei me cuidar.

-Se acontecer alguma coisa com você, eu juro que vou...

-Ei- sorri segurando seu rosto entre minhas mãos- Nada vai acontecer, eu vou voltar logo.

-Eu vou com você- ele disse firmemente e eu suspirei o soltando- Isso! Eu só vou pegar minhas coisas e...

-Você não vai comigo- o interrompi- Não preciso de uma babá.

-Mas eu....

-Carl- o interrompi novamente- Dá para confiar em mim? Estou dizendo que nada vai acontecer. Eu prometo.

-Por que não posso ir com você? – Perguntou ainda contrariado e eu sorri

-Porque isso seria uma prova que você confia em mim- disse colocando meus braços sobre seus ombros e finalmente o vendo sorrir- Você confia em mim, não é?

-Confio- suspirou e voltou a ficar sério- Promete que irá se cuidar?

-Sim, papai- brinquei o fazendo revirar os olhos- Voltarei logo.

-Tudo bem- assentiu colocando suas mãos em minha cintura- Tenha cuidado.

-Eu terei- respondi antes de selar nossos lábios rapidamente sem que ninguém percebesse- Estranho.

-O que? – Perguntou

-Fazer isso- respondi- Como se fossemos...

-Namorados? – Completou e eu assenti franzindo o nariz- Somos?

-Não sei- Respondi me afastando-Te respondo quando voltar.

-Irei cobrar- ele disse sorrindo e eu soltei uma risada antes de pular para a traseira da van aonde percebi que todos já estavam em seus lugares, apenas me esperando para partir.

-Eu vi aquilo- Tara provocou me fazendo revirar os olhos sorrindo- Depois teremos uma conversa, mocinha.

Antes que eu pudesse responder um remix começou a tocar dentro da van fazendo com que todos se entreolhassem segurando o riso. Isso era novidade para mim.

-Ajuda a espantar os errantes- Glenn explicou me fazendo rir enquanto sentia o automóvel começar a se locomover para fora da comunidade.

O caminho não parece ter sido muito longo, pois me distrai a maioria do percurso conversando e “aproveitando” da música que tocava dentro da van. Pulamos para fora da van observando o galpão a nossa frente, não parecia tão perigoso visto do lado de fora, mas mesmo assim me causava arrepios pensar no que havia dentro daquele lugar.

-É ali? - Tara perguntou enquanto carregávamos nossas armas

-Aquela porta é a entrada e a saída mais próxima- Aiden respondeu distraído com sua arma

-Devemos verificar todas as saídas primeiro- Glenn se manifestou- Assim temos um plano B.

-Já temos um- Nicholas disse ironicamente- Chama-se sair pela frente.

Desviei minha atenção da pequena discussão deles ao ouvir um grunhido vindo em nossa direção. Levantei minha arma em direção ao errante que se arrastava louco para nos morder e atirei no mesmo que caiu morto automaticamente.

-Belo tiro- Aiden disse parecendo surpreso- Glenn tem razão, devemos verificar o perímetro antes, checar todas as saídas.

-Chloe, você vem comigo e com o Noah- Glenn disse e eu assenti enquanto Tara e Eugene iam para a direção oposta e Aiden e Nicholas para outra- Belo tiro aquele.

-Andei praticando em alvos- disse sorrindo enquanto caminhávamos em direção a saída principal- Às vezes tenho vontade de praticar no Aiden.

Glenn e Noah começaram a rir me contagiando e logo nós três parecíamos três idiotas rindo para o nada. Ouvi alguns grunhidos não muito longe de onde estávamos e parei de rir cutucando os dois para que ficassem quietos e assim fizeram. Caminhamos com cuidado até algumas grades e vimos uma horda enorme de errantes circulando em volta da saída da frente.

-Não vamos sair pela frente- Glenn murmurou enquanto observávamos os errantes.

Voltamos para o local onde tínhamos estacionado nossa van e encontramos o resto do grupo a nossa espera. Contamos da saída infestada de errantes e combinamos que deveríamos sair pelo mesmo lugar que entraríamos. Preparamos nossas armas e fomos em direção a porta dos fundos do armazém abrindo a mesma e não enxergando nada além de escuridão. Glenn bateu na porta algumas vezes esperando alguma movimentação estranha, porém nada aconteceu.

-Espere mais um segundo- ele murmurou- É um lugar grande, pode ter algum lá dentro.

-Digamos que tenha- Aiden sugeriu- Vamos devagar.

-Certo.

Entramos no armazém em uma fila iluminando o lugar apenas com nossas lanternas. Era cheio de caixas e prateleiras para todos os lados, o silencio chegava a ser perturbador, tivemos que nos dividir entre os corredores e eu segui o Glenn para o corredor do meio, eu estava certa quando disse que sabia me cuidar, mas não queria correr o risco de perde-lo de vista. Percebi que Noah e Aiden vieram atrás de nós e continuamos o caminho até ouvirmos alguns grunhidos de não muito longe.

-Estão presos em algum lugar- Glenn murmurou

-Como sabe? – Aiden perguntou

-Não sei- Respondeu enquanto olhávamos em nossa volta a procura dos grunhidos- Mas não estão aqui. Vamos lá. Fiquem atentos.

Continuamos a andar com cuidado e viramos seguindo para outro corredor. Estávamos todos em silencio até um errante surgir através de uma grade nos assustando. Suspirei tentando tranquilizar meus batimentos cardíacos e observei a grade que prendia alguns errantes, não dava para saber ao certo quantos, pareciam ser muitos.

-Vocês são bons nisso- Aiden disse impressionado

-Ficamos um bom tempo lá fora- Tara disse surgindo ao nosso lado- Eu e Eugene vamos atrás do gerador.

Os dois novamente sumiram entre os corredores enquanto o resto de nós ia em verificar o resto do local. Estava distraída observando a minha volta quando ouvi uma movimentação estranha do outro lado das prateleiras e junto de Glenn vimos Aiden tentando atirar em um errante que usava armadura de policial.

-Ele tem uma armadura, deixe que se aproxime- Glenn disse, porém ele não pareceu dar muita atenção

-Deixe comigo- Respondeu atirando no pé do errante fazendo com que o mesmo caísse no chão.

Notei algo de estranho preso na armadura do errante e arregalei meus olhos ao notar que se tratava de uma granada. Cutuquei Glenn e apontei para onde eu olhava o fazendo assim como eu arregalar seus olhos.

-Aiden! Pare! - Eu gritava sendo ignorada pelo mesmo que continuava atirando- Aiden!

Ele atirou em direção a granada fazendo a mesma explodir me jogando de costas em uma estante onde eu bati minha cabeça. Fechei os olhos por alguns segundos sentindo minha cabeça girar e tossi algumas vezes por conta da fumaça a minha volta, minha lanterna havia sido arremessada para longe e eu não enxergava nada a minha volta.

-Chloe- Ouvi a voz de Glenn me chamando- Está tudo bem?

-Sim- respondi me levantando com um pouco de dificuldade- Onde você está? 

-Merda- ouvi sua voz próxima de mim e logo o encontrei me aproximando- Não olhe.

Ignorei seu aviso e mirei meus olhos na direção que ele olhava encontrando Aiden preso em uma espécie de lança de metal, o objeto atravessava seu corpo e ele não se movia. Estava morto.

-Noah? Tara? Eugene? – Glenn gritava enquanto eu não conseguia tirar meus olhos do corpo de Aiden- Você está bem?

-Estou- ouvi a voz de Noah e me virei aliviada

-O portão se abriu. Eles estão saindo- Glenn disse e só então eu pude perceber os grunhidos se aproximando- Precisamos encontrar...

-Aqui- Ouvimos o grito de Eugene e apressamos nossos passos em direção ao mesmo- Aqui.

Glenn e Noah colocaram suas lanternas entre algumas prateleiras e avistamos Eugene parado a alguns metros do corpo inconsciente de Tara. Uma pontada de desespero invadiu meu corpo ao pensar em nossa amiga morta e eu tentei me controlar para não entrar em pânico.

-Ela está respirando? – Glenn perguntou 

 -Não consigo ver daqui- ele respondeu nervoso- Errante!

-Eugene- Glenn disse tentando acalma-lo enquanto víamos um errante se aproximar do mesmo- É seu. Acabe com ele.

Eugene levantou suas mãos tremulas segurando sua arma em direção ao errante que caminhava em sua direção, porém antes que ele pudesse fazer qualquer coisa, outro errante surgiu o derrubando no chão enquanto ele lutava para não ser mordido. Glenn me entregou sua lanterna rapidamente e se estreitou entre a estante pulando para o lado de Eugene e matando os dois errantes. Eu e Noah também passamos para o outro lado e enquanto eles ajudavam Eugene a se levantar, eu fui correndo em direção a Tara chegar seus batimentos cardíacos.

-Ela está viva- disse olhando para os três que se aproximavam

-Vão até aquele escritório enquanto eu levo Tara- Glenn ordenou enquanto eu me levantava- Agora!

Corremos em direção a um escritório e Glenn veio atrás de nós carregando Tara em seus braços, logo a colocando em cima de uma mesa de metal.

-Como ela está? – Perguntei preocupada

-Ela sofreu um traumatismo, está perdendo muito sangue- Glenn disse observando sua testa sangrar

-Como paramos? – Noah perguntou

-O kit médico estava na bolsa que explodiu do Aiden- Nicholas que até então eu havia esquecido que estava aqui, entrou na sala nervoso- Tem outro na van.

-Ela está muito mal- Eugene disse desesperado- Precisamos leva-la.

-Certo, vamos.

-Socorro!

Corri em direção a janela da sala junto de Glenn e Nicholas, e avistamos o corpo de Aiden se mexendo tentando sair de onde estava preso.

-Ele está vivo? – Murmurei confusa

-Eu verifiquei. Pensei que...

-Precisamos pega-lo- Noah disse interrompendo Nicholas

-Precisaremos de todos nós- Glenn disse

-Temos tempo? – Noah perguntou se virando para Eugene

-Tirar Aiden de lá pode mata-lo- Nicholas protestou atraindo nossa atenção

-Quer deixa-lo? – Indaguei incrédula

-Vão, salvem-no- Eugene disse- Ela faria isso, eu sei que faria. Ficarei com ela e a protegerei, prometo que vou.

-Vamos pega-lo- Glenn disse e se virou para Nicholas- Ainda tem o sinalizador?

-Tenho.

-Jogue nas prateleiras- ordenou indo em direção a porta- Atrairei mais alguns. Os outros pegaremos mano a mano. Estão prontos?

-Prontos- Noah respondeu por nós.

-Certo. Vamos.

Glenn empurrou a porta e Nicholas atirou com o sinalizador em direção as prateleiras enquanto nós atirávamos nos errantes que vinham em nossa direção indo até onde Aiden estava.

-Vai ficar tudo bem- Glenn tentava acalma-lo – Vamos te tirar daqui.

-Não. Não- ele repetia chorando de dor enquanto Glenn repetia algumas palavras para acalma-lo

-Ei- disse parando em sua frente afastando Glenn de perto- Precisamos que fique quieto, certo? Pode fazer isso?

Aiden ficou em silencio me observando por um tempo até que assentiu em resposta me fazendo sorrir fraco. Me afastei dando meu lugar para Glenn e Nicholas que se posicionaram prontos para tira-lo de lá e eu me virei na direção oposta evitando aquela cena.

-Um, dois, três...

Aiden gritou fazendo com que eu fechasse os olhos imaginando sua dor.

-O sinalizador está se apagando- Noah avisou

-Vamos, de novo- ouvi Glenn dizer atrás de mim enquanto Aiden gemia de dor

-Não vamos conseguir- Nicholas protestou

-Vamos sim- Glenn voltou a dizer- Mas eu preciso da sua ajuda. Você consegue.

-Nick, não me abandone- Aiden implorava enquanto eu e Noah atirávamos em alguns errantes que se aproximavam

-Tudo bem.

Continuei atirando em alguns errantes que se aproximavam enquanto ouvia os gemidos de dor vindo de Aiden. Ouvi uma pequena discussão entre Glenn e Nicholas, e Nicholas se afastou deixando Glenn sozinho tentando retirar Aiden daquela lança de metal.

-Eles estão chegando- eu disse percebendo a quantidade de errantes aumentar a nossa volta

-Não. Não- Aiden disse impedindo Glenn de puxa-lo- Vão. Vocês precisam ir.

-Mas...

-Eles estão aqui- Noah gritou puxando Glenn pela camisa e juntos saímos correndo enquanto ouvíamos os gritos de Aiden sendo devorado vivo.

Saímos correndo na mesma direção onde Nicholas corria enquanto gritávamos pelo seu nome. Ele estava indo em direção a saída da frente, a mesma saída onde havíamos encontrado uma horda de errantes.

-Nicholas! Pare! – Glenn gritava- Você nunca vai conseguir.

Nicholas passou por uma porta giratória, porém parou ao perceber a quantidade de errantes se aproximando e começou a atirar. Dos nossos lados mais errantes se aproximavam fazendo com que nós atirássemos também, porém nem todas as balas do mundo seriam o suficiente para acabar com todos eles.

-Estou sem munição- Glenn gritou

-Vamos! – Noah me puxou pelo braço e Glenn veio atrás em direção a porta giratória.

Nicholas parece ter tido a mesma ideia, pois enquanto nós estávamos presos em uma das divisões, ele estava em outra, enquanto isso os errantes se aglomeravam tentando empurrar as portas e nós as segurávamos com toda nossa força.

 -Talvez possamos passar por eles, vocês ainda têm armas- Nicholas gritou por cima dos grunhidos

-E você tem as munições- Glenn gritou de volta enquanto empurrávamos as portas

-Precisamos fazer algo- Nicholas gritou desesperado- Vamos morrer aqui.

-Precisa haver outro jeito. Tem que ter- Noah dizia fazendo força na porta enquanto eu tentava tranquilizar minha respiração e manter a calma.

 De repente um barulho alto veio do lado de fora do armazém atraindo tanto nossa atenção quanto a dos errantes. Eugene dirigia a van com o remix tocando no último volume enquanto buzinava e gritava chamando os errantes. Sorri orgulhosa pelo nosso amigo enquanto os errantes que estava do lado de fora saiam em direção a van, restando apenas aqueles que estavam do outro lado.

-Ei! – Glenn gritou chamando nossa atenção- Preciso que mantenham a porta firme, certo? Eu vou quebrar o vidro. Nós saímos e você, e empurra, então pegamos o rifle. Pronto?

Assenti empurrando as portas de vidro com todas as minhas forças, Glenn bateu na porta com sua arma, porém nenhum arranhão, a porta apenas de moveu. Ele bateu novamente, e a porta se abriu um pouco ao lado de Nicholas, o fazendo se desesperar.

-Não! – Ele gritou- Não é seguro!

-É o único jeito- Eu gritei com a voz abafada enquanto empurrava a porta junto de Noah

-Ela não vai quebrar- ele dizia em pânico

-Ela vai- eu disse tentando o olhar através do vidro- Nós podemos segurar. Nós podemos.

-Confie em mim, beleza? – Glenn disse tentando acalma-lo- No três. Um, dois...

Antes que Glenn pudesse fazer qualquer coisa, Nicholas começou a empurrar a porta para que pudesse sair deixando uma brecha ao nosso lado fazendo com que alguns errantes colocassem a mão para dentro.

-Nicholas! Não! Por favor! – Eu gritava em desespero ao ver que Noah era o alvo mais fácil dos errantes- Por favor!

Nicholas ignorou os nossos gritos e continuou a empurrar a porta até que estreitou no pequeno espaço que abriu e conseguiu sair, abrindo ainda mais o nosso lado, fazendo com que um errante segurasse Noah pela perna o fazendo cair.

-Noah! Não! – Eu gritei o segurando com força, e ao perceber que não tinha mais jeito, Glenn se agachou ao meu lado tentando puxa-lo de volta

-Não solte- Noah implorava enquanto eu sentia as lagrimas começarem a deslizar pelas minhas bochechas

-Noah! Noah!- eu gritava sentindo suas mão soltarem das minhas- Segure firme.

Então foi tudo rápido demais. Os errantes puxaram Noah para o outro lado a porta fazendo com que a mesma se fechasse com ele do outro lado, deixando apenas eu e Glenn naquela parte. Eu permaneci em choque enquanto ouvia os gritos de Glenn. O corpo de Noah foi jogado contra o vidro fazendo Glenn se calar enquanto nós víamos os errantes o devorando vivo. Glenn se sentou ao meu lado e me abraçou com seus braços trêmulos puxando meu rosto para que eu não visse aquela cena. Porém era tarde demais, eu já havia visto.

CONTINUA...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...