História Saga Crepúsculo: Lua Crescente - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saga Crepúsculo
Personagens Alec, Alice Cullen, Aro Volturi, Bella Swan, Benjamin, Caius Volturi, Carlisle Cullen, Charlie Swan, Edward Cullen, Embry Call, Emmett Cullen, Esme Cullen, Jacob Black, Jane, Jasper Hale, Leah Clearwater, Marcus Volturi, Personagens Originais, Rachel Black, Rebecca Black, Renata, Renesmee Cullen, Rosalie Hale, Seth Clearwater
Tags Alec Volturi, Amanhecer, Crepusculo, Eclipse, Jacob Black, Lua Crescente, Lua Nova, Renesmee Cullen, Romance, Saga Crepúsculo, Vampiros
Exibições 95
Palavras 2.461
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Entre Heróis e Vilões


 

RENESMEE CULLEN

 

 

4 MESES DEPOIS.

 

 

Alguns meses se passaram depois do meu encontro com Alec Volturi e aconteceram coisas maravilhosas em minha vida. Tia Rosalie e Tio Emmett, renovaram seus votos de casamentos; ou eles se casaram, nunca irei saber. A festa aconteceu, bem no dia do aniversário da minha mãe, foi uma festa das grandes. Bem no estilo daqueles famosos que passam na TV, tinha vampiros de todos os lugares do mundo. Alguns eu já conhecia como as Amazonas, os egípcios, os nômades europeus e americanos, e meus “primos” do Alaska. Não sei quantas vezes eu tive que escutar “Nossa como você cresceu. ” “Quando vi você, era apenas uma garotinha. ” – Essas coisas de gente “velha” se é que vocês me entendem. – Depois da festa minha mãe me deu de presente uma matricula na escola de Port Angeles, já que a de Forks foi demolida.

Eu sinceramente fiquei feliz com aquele meu presente, poderia me fazer sentir mais humana do que já sinto. Agora eu poderia ser “normal”, mesmo não precisando de escola. Graças ao crescimento avançado, eu era como posso dizer... Superdotada só tinha 5 anos de idade e já sabia coisas do último ano do ensino médio. Então me adaptar com que os outros alunos estavam estudando não seria difícil.

Durante esses 4 meses eu e o Jacob resolvemos dar uma chance para nosso destino chamado “Imprinting”, então com o consentimento do meu pai, começamos a namorar. Mas não passávamos de selinhos e andar de mãos dadas por La Push, ou dormir juntinhos. Tínhamos um limite até onde poderia ir se tivéssemos nos pegando, pois eu tinha medo de me alimentar do sangue enquanto ele estava na forma de humano. Isso traria problemas para nós dois.

Meu avô estava procurando sobre crianças hibridas, se tinha alguma verdade no meio de mitologias. Já que o menino que ajudou a provar que eu não era única, não foi do mesmo jeito que eu mais intenso ao ponto de congelar seu coração. Mas não havia nada que pudesse provar que era uma coisa “normal” que acontece comigo. Então ele sempre pedia para que eu ficasse longe de situações estressantes, onde tenha brigas e adrenalinas; assim eu não viraria o “O Incrível Hulk” como dizia meu tio Emmett.

 

 

Hoje eu estava chegando na escola e a minha colega Iris já vinha em minha direção saltitando ao meu encontro. Iris Baker era filha do diretor da escola, uma fofa e muito adorável, ela tinha pele parda como de Jake, cabelos cacheados e castanhos escuros chegando a ser preto, usava óculos e tinha olhos da mesma cor que seus cabelos.

 

- NESSIE – Disse ela ao me abraçar.

- Oi Iris – Ri me segurando para não sentir o cheiro dela. – Como vai?

- Vou bem, a não ser que tive de passar 3 dias com você longe da escola...

Fez biquinho, me fazendo rir.

- Bom eu voltei... – me afastei um pouco dela e olhei para o Jacob que estava sentado encostado na sua moto me observando.

- Desculpa falar isso – riu Iris – Mas o seu namorado é um gato.... Seu irmão também o Edward, seu pai também não é de se jogar fora...

- Iris – olhei para ela incrédula. Acenei para Jacob e entrei na escola com ela.

- Mas é verdade.... Sua família é bem bonita. Deveria ter o próprio programa de TV quem as Kardashian Family... Cullen Family – riu ela me fazendo gargalhar.

- Quem assistiria esse programa, com uma família mais branca que papel e que tem costumes estranhos – Descrevi do mesmo jeito que a Iris descrevia minha família. – Minha família é muito estranha para ser transmitida em TV.

- Eu assistiria – riu ela dando de ombros.

- Você só assistiria porque é a minha amiga...

 

 

Eu não contei para Iris sobre o outro lado da minha família, que era beber sangue de animal e evitar dias ensolarados. Mas as mesmas histórias que meus tios contavam para os humanos eu contava para as pessoas dos meus círculos de amigos, somos adotados. Esme tinha problemas de engravidar, então acabou adotando adolescente “problemáticos”. Eu não sei se eu realmente era uma boa mentirosa, ou os humanos eram burros de mais. Sempre achei descartei a primeira opção, nem minha mãe que não sabia mentir.... Mas mentia bem para os humanos, talvez erámos bem convincentes.

Faltava mais duas aulas para terminar o dia na escola, todas as quartas feiras era dia de educação física.  Eu e a Iris estávamos na quadra fazendo os exercícios, o treinador e professor de educação Toshiro, mandou as meninas formarem dois times para jogar queimada.

 

- Se prepare para ficar no chão Cullen. – Disse Emily Simpsons.

- Por que não volta para o programa de TV Simpsons.

 

Rebati e fui para o outro lado com a Iris e outras duas meninas.

 

Emily Simpsons era a menina que me odiava, sem ter motivos. Iris sempre dizia porque eu era mais bonita que ela e chamava a atenção por onde eu passava, por mais que eu não gostasse realmente quando eu passava perto dos meninos, eles comentavam sem nenhuma censura em seus comentários. E uma das vezes acabei tomando um comentário positivo do namorado Emily. Emily tinha cabelos louros e liso, olhos castanhos claro, seu corpo era mediano, nem tão chamativo e nem tão magro; porém ela usava roupas vulgares, com decotes chamativos, saias curtas – a mais desnecessário possível – ou calças apertadas. Sem contar que usava salto, que fazia um barulho irritante. Emily queria mostrar o que não tinha e isso a tornava a pessoa mais desnecessária do mundo. Sem contar que uma vez, eu me atrasei na aula de química – onde eu admito que na prática eu sou péssima. – Emily estava dando em cima de Jacob, eu obviamente não dei muita trela a ela, já que eu sabia das minhas condições com o Jake. E ele não seria louco de me trair.

 

 

- Você sabe que a Emily é boa na queimada... – Disse Iris – Ela vai comer seu fígado viva...

- Ela pode ser boa na queimada – ri – Mas eu sou mais rápida...

- Já que diz.

 

Quando o Sr. Toshiro deu o sinal, eu fui consegui pegar duas bolas antes da Emily pegar. Entreguei uma para Iris e arremessei sem muita força para acertar outra menina que acabei acertando a fiel seguidora da Emily, Joyce Kendall. Joyce me olhou como se quisesse me matar eu dei de ombros para ela e andei em direção a Iris.

 

“Acaba com ela Emily.”

 

Ouvi a Joyce dizer para Emily, eu abrir um sorriso desafiador e olhei para a mesma. Depois de alguns minutos, só estava do meu time eu, Iris e Isabella uma menina emo que não falava com ninguém. Iris era meio lerda e um pouco desastradas nos esportes, eu sempre defendia dela das boladas e também ela tinha um valor sentimental por seus óculos. Não queria que quebrasse para ela ficar reclamando. No time de Emily havia também apenas 3 meninas uma era a melhor amiga dela e outra era a menina que me odiava só porque eu ri do trabalho dela, eu não tive culpa. Mas foi engraçado ela usar a raça de vampiros para seu trabalho de criaturas mitológicas, as coisas que ela falava sobre nós vampiros era tipo superengraçada, que não poderíamos sair no sol se não viramos cinza, caixões, masmorras, mulheres virgens, presas.

 

- Acho que estamos acabadas – disse Iris.

- Eu estou fora – disse Isabella saindo da quadra e se sentando na arquibancada como as outras.

- Vamos acabar com e a sua namoradinha Cullen... – Disse Emily.

- Só quero ver – rebati a olhando.

 

Olhei para Iris e então o Sr. Toshiro deu o sinal para começarmos a jogar novamente. Emily e a garota do trabalho jogaram as bolas na direção da Iris, eu corri e me coloquei na frente dela e peguei as duas bolas uma em cada mão, dei uma para Iris que jogou na melhor amiga da Emily acertando ela.

 

- Boa Iris – comemorei com ela.

 Então de repente veio uma bolada na minha direção, eu peguei me virando “rápido” para pegá-la e joguei com força. – Juro que não queria com tanta força, mas acabei arremessando muito forte para uma menina humana de 15 anos. – A bola pegou em cheio na Emily, fazendo a mesma voar por alguns centímetros e cair no chão.

 

- Por favor levanta, por favor levanta... – falo murmurando rapidamente torcendo para que ela não esteja morta, ou com a cara amassada. Ela demorou para se levantar – Por favor  que não esteja morta, que não esteja morta.

- Clarie acho que você matou ela...

- O que?

 

Eu olhei para Iris mais assustada ainda, então pegaram a Emily no colo e o cheiro de sangue subiu. Então foi coisas de segundos para me transformar no “Hulk”.

 

- Clarie você está bem? Clarie?

 

A voz da Iris estava muito distante de minha mente, eu cambaleei para o lado sentindo meu corpo mudar.

- Eu não posso ficar aqui...


Sai correndo para fora da quadra,  me afastando longe dos humanos. Eu sumi ficando em cima do telhado da escola. Me joguei no chão vendo aquele dia nublado sobre minha cabeça, por pouco eu exponho minha identidade secreta. – Isso soou muito heroico. – Mas era a verdade, eu tremo só de pensar se souberem que existe vampiros. Pior ainda, o que a minha família teria que fazer, para abafar o caso?

Depois de ficar mais calma, desci do telhado e fiquei do lado de fora, minha cabeça ainda girava pelo sangue humano. Eu naquela escola era uma alcoólatra em um mar de whisky, me segurando para não cair em tentação.

De longe, perto da entrada do estacionamento da escola, avistei meu pai com a minha mãe ao lado do Volvo prateado, eu fui até eles.

 

- Achei que Jacob me buscaria – disse ao chegar perto deles.

- Jacob teve problemas na reserva. – Respondeu minha mãe. – Então resolvemos vir te buscar e aproveitar para passar na casa de Charlie...

- Eu tenho saudades do vovô – sorri e olhei para Iris que estava encostada em uma caminhonete preta e lendo.

 

Graças aquele dia chuvoso o piso do estacionamento estava escorregadio, pois quando cheguei com o Jacob quase caímos da moto. Então um carro vermelho desgovernado começou a sair do trajeto de saída e começou a avançar nos carros que estavam estacionados, aquele carro iria acertar onde a Iris estava parada. Todo se movia devagar, eu corri em direção a Iris o mais rápido que pude; me coloquei entre carro e ela, abraçando a mesma com uns dos meus braços e parei a lateral do carro com o outro.

 

- Você está bem? – Olhei em seus olhos. Iris ainda olhava o carro assustada. – Iris...

- Eu estou Nessie – disse ela olhando em meus olhos.

- Fique abaixada – falei e empurrei o carro de leve para o lado, para dar espaço para me mexer.

 


O tumulto tomou conta do estacionamento, Iris tentou se levantar e sair dali. Mas os adultos não deixaram, olhei meu pai de longe falando com um professor. A cara dele estava séria ao me encarar de longe; saberia que seria julgada. Deixei que os médicos me examinassem, ao entrar na mesma ambulância que Iris.

Ela ainda me olhava desconfiada, eu apenas falei que explicaria para ela depois que chegarmos no hospital.  Ao chegar no mesmo não fui atendida pelo meu avô ao contrário de Iris, mas por outro lado, meus pais estavam me esperando no corredor do hospital.

 

- O que foi aquilo Renesmee? – Disse meu pai. – Quer chamar atenção dos Volturi?

- O que você queria que fizesse? – Encarei ele – Deixasse o carro esmagar minha amiga.

- O que você fez foi imprudente sem contar...

- Edward já chega – disse minha mãe – Você fez a mesma coisa comigo, quando era humana.... Salvou a minha vida o que a Renesmee apenas fez a mesma coisa. Salvou a vida da amiga dela, não devemos julgá-la do mesmo jeito que Rosalie julgou você.


Meu pai suspirou pesado e saiu do hospital.

 

- Desculpa mãe, eu juro que não queria – olhei para ela.

- Tá tudo bem Nessie – disse ela beijando minha testa – Sua amiga quer falar com você...

 

Me virei para atrás e vi Iris parada no canto, suspirei pesado e caminhei até ela.

 

- Como você está? – Olhei para ela.

- Não foi como ser quase esmagada por um carro – riu – Eu queria dizer obrigada, seja lá o que você fez...

Suspirei aliviada por ela não me encher de perguntas.

- Não podia deixar o carro matar minha parceira do crime – sorri – É errado isso...

- O que você é? – Ela olhou em meus olhos – Eu vi seus olhos ficarem vermelhos rubi...

- Se eu te contasse você piraria – ri.

- Por que não conta?

- Porque esse segredo não é só meu – suspirei a olhando. – Tem mais pessoas envolvida nele, tanto pessoas boas, como pessoas más. Eu não me perdoaria se acontece algo com você, por saber a minha verdade.

- É tão sinistro assim? – Perguntou ela.

- Você não imagina o quanto – respondi olhando o chão – Mas eu prometo que, eu sou meio diferente das outras pessoas...

- Mais diferente de ter o pai mais gato do mundo e uma família que saíram de capa de revistas de estética – riu ela.

- Sim – ri junto com ela – Bem mais diferente... Só isso que você pode saber.

- Eu já fico feliz de saber que a minha amiga é a Mulher Maravilha – riu batendo no meu braço e ri dela. – Ou uma Vingadora...

- Por favor para...

 

“Vamos Iris”

Ouvi a mãe da Iris chamar ela.

- Bom eu tenho que ir... – disse ela me abraçando. – Te vejo na escola amanhã?

- É claro... – Me despedi dela e me lembrei – Iris não se esqueça que eu contei aqui para você é o nosso segredo.

- Pode deixar....

 

Horas mais tarde, estava deitada no meio da clareira do meu pai com Jacob deitado do meu lado olhando as estrelas. Eu contei para ele todo ocorrido desde do momento que apaguei a Emily Simpsons até a parte da Iris, ele parecia se divertir bastante com isso. Mais do que o meu tio Emmett...

 

- Eu queria estar lá só para ver, minha X-Men em ação – riu ele.

- Para Jacob – ri e o olhei – Se eu não for o herói, se por acaso eu for a vilã?

- Acho que você não é a vilã, mas também não é a mocinha.... Talvez tudo que você precisa é saber onde você se encaixa na história.

- Bom modo de pensar – sorrio. Jacob deu um selinho em mim e olhou em meus olhos.

-  Nessie queria fazer um pedido para você...

- Diga – sorri.

- Casa comigo?


Notas Finais


SERÁ QUE RENESMEE VAI ACEITAR O PEDIDO DE CASAMENTO DE JACOB?


MEUS AMORES ESTAMOS QUASE A 100 FAVORITOS, E SE A FANFIC CHEGAR A 100 FAVORITOS EU POSTAREI AS RESPOSTAS DAS PERGUNTAS QUE VOCÊS ME MANDARAM COMO UM ESPECIAL DE COMEMORAÇÃO... E UM BREVE SPOILER DA SEGUNDA TEMPORADA FANFIC, QUE JÁ ESTÁ CONFIRMADA...

ENTÃO MANDEM MAIS PERGUNTAS...

UM BEIJO NA TETA ESQUERDA, E ATÉ PROXIMO CAPÍTULO :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...