História Saint Seiya - Nova Era. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Personagens Originais, Saori Kido (Athena), Seiya de Pégaso
Tags Anjos, Cavaleiros De Ouro, Filhos, Saint Seiya, Seiya De Sagitário
Visualizações 22
Palavras 1.058
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Saint Seiya pertence a Masami Kurumada, incluindo todos os personagens da série original. Estou criando essa fic a partir do Hades Chapter, não irei colocar ligações com nada que tenha dado um novo futuro a série ( SS Ômega, Sainta Shô... ).

Capítulo 1 - Epílogo.


--- Ilha de Santorini --- 

Em uma das mais belas praias da famosa Ilha de Santorini localizada a duzentos quilômetros ao sudeste da Grécia, um casal passeava de mão dadas enquanto na frente duas crianças de aparentemente seis a sete anos andavam animadas. 

- Papai, mamãe, vamos rápido, eu quero chegar rápido. - disse o garoto de cabelos vermelhos apontados para trás e olhos azuis como safiras . 

- Eu também quero chegar logo. - acrescentou a menina de cabelos loiros como o brilho do Sol e olhos cor de lavanda fazendo biquinho. 

- Calma gente, por que não aproveitar essa bela paisagem? - respondeu o rapaz de cabelos castanhos rebelde fitando o mar com sorriso. 

- Porque a gente quer chegar logo. - responderam juntos logo olhando um para o outro e começando a gargalhar. 

- Tudo bem. Vamos então. - pronunciou a moça soltando-se do noivo e pegando a loirinha nos braços, logo sendo seguida pelo rapaz que também pegou o garoto ruivo nos braços. 

Chegando em seu destino: uma casa de porte luxuoso com vista para o mar. O casal com as crianças adentram a quase mansão sendo recebidos por um homem de porte alto e careca e de bigode grisalho. 

- Boa noite, senhorita. - a cumprimentou logo dando passagem para que os quatro entrassem. 

- Boa noite, Tatsumi. - disse colocando a garotinha no sofá da sala ao lado ruivo também adormecido. - Poderia preparar o nosso jantar, Tatsumi? 

- As suas ordens, Senhorita Saori. - respondeu retirando-se. 

- Perseu? Alana? Nós já chegamos. - disse o moreno sacudindo de leve o ombro de cada criança. 

- Deixe eles, Seiya. Estão exaustos. - pediu a não mais reencarnação de Atena enquanto fazia carinho nos fios escarlate do menor. - Dá até uma saudade quando se pensa que irão mudar tanto. 

- Eles vão crescer fortes e unidos, confie em mim, Perseu será um grande cavaleiro, e Alana... bem, ela vai conseguir controlar... - completou sorrindo carinhoso ao lado da loirinha. 

--- Na manhã seguinte ---

Os quatro estavam a fazer um pequine em uma colina na ilha. 

- Mano olha que bonitinha. - chamou Alana à olhar uma lagarta. 

Perseu estava a observa os animais que estavam por ali perto quando escutou algo:

- "Perseu... Perseu... eu preciso de você, venha até mim, Perseu". - dizia uma voz dentro de sua cabeça. 

Ele começou a olhar para todos os lados até ver alguns fios de cabelo ruivos atrás de uma árvore. 

Caminhando lentamente até a mesma ele encontrou encostado à árvore um homem de cabelos vermelhos como os seus, porém, mais longos e presos num rabo de cavalo a partir da nuca e um pouco abaixo da cintura. 

Ele levou o cigarro que tinha entre os dedos até os lábios e terminou de fuma-lo e disse:

- Olá, Perseu. 

--- Onze anos depois ---

Um rapaz de cabelos vermelhos como o sangue olhava o por-do-sol encostado no para-peito do terraço quando sentiu algo atrás de si e logo sua visão foi tampada. 

- Adivinhe quem é! - disse uma voz feminina e suave como a de um anjo. 

- Oi, Alana. - responde com um sorriso e pondo as mãos por cima das da irmã. 

- Que droga! Nunca consigo te surpreender. - reclama inchando as bochechas e fazendo o mais velho gargalhar. 

- Calma, um dia você consegue. - disse com um sorriso tão belo que a fez corar. 

- Como você consegue ser tão belo? - o perguntou sem prestar atenção no que dizia. 

Naquela hora não se sabia quem estava mais corado; Alana ou Perseu. 

A loira estava nos braços do mais velho, algo bastante comum para ambos na verdade, as suas finas e delicadas mãos no peito do irmão. 

- Faz tanto tempo que não ficamos a sós. - comentou o ruivo. 

- É. Já faz um bom tempo. - acrescentou com um olhar triste quase a chorar. - Nós afastamos tanto um do outro. 

- Ei, calma. Não quero ver você assim. - diz segurando o queixo da menor. - Quero você sorridente como sempre. - continuou. - Quero ver aquela garota que sempre me tirava das encrencas que eu mesmo me metia e que estava lá pra me bater sorrindo. - terminou arrancando uma gargalhada da loira. 

- Ah, Perseu, só você mesmo pra me fazer sorrir assim. 

O rosto de ambos estava tão próximo que era possível sentir o hálito quente de cada. 

- Estou enterrompendo algo? - pergunta uma voz vinda da entrada do terraço. 

- Pai, oque tá fazendo aqui? - perguntou Alana se soltando do irmão. 

- Eu estava procurando o seu irmão para o nosso treino noturno. - respondeu dando ênfase ao "irmão". 

- Já estou indo pai. Quer nos acompanhar? 

- Desculpa maninho, mas prometi à nossa mãe que a ajudaria com as malas para nossa viagem em família. 

- É mesmo, tinha me esquecido. 

Logo os irmãos se separam indo cada um para o seu devido dever. 

Perseu e Seiya estavam a treinar socos e chutes quando o mais velho começou a fala. 

- Nunca vi, você e a sua irmã tão juntos, já faz um bom tempo que estão tão "separados". - disse o sargitariano parando a troca de golpes. 

- É, temos andado mais com nossos deveres de adolescentes-quase-adultos que quase nunca ficamos juntos. - respondeu sentando-se no chão de terra. 

- Sabe, eu estive pensando e acho que deveria dar uma folga a vocês dois. - comentou o moreno. 

- Como assim? - indagou o mais novo. 

- Você e Alana tem andado muito ocupados, e pensei que dar um tempinho livre a vocês faria bem a ambos. - respondeu. 

- Tá querendo dizer que... 

- Sim. Vocês vão sozinhos nessa viagem. - cortou.

--- Ruínas de Serpentario ---

Um pouco abaixo da montanha onde as Doze Casas estavam encravadas, bem no meio de Escorpião e Sagitário, as ruínas de uma antiga construção estavam a tremer. 

E bem ao centro uma decima-terceira Casa Zodiacal apareceu saindo do chão, e dentro da mesma; um homem de longos cabelos vermelhos e olhos azuis apareceu trajando uma veste que não era semelhante as gregas, mas oque mais se destacava no homem era às enormes asas negras em suas costas. 

- Perseu, eu estou voltando. - disse ao vento abrindo a enorme envergadura e levantando vôo. 

Continua...


Notas Finais


É isso aí, criem suas teorias sobre quem é esse sujeito e a sua ligação com Perseu.
Espero que tenham gostado e prometo continuar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...