História Sakamaki da Favela - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Comedia, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Masoquismo, Mukami, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Sadomasoquismo, Sakamaki, Shuu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Yui Komori, Yuma Mukami, Zueira
Exibições 72
Palavras 1.916
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Violência
Avisos: Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um capítulo, espero que gostem.
Obrigada pelos favoritos <3

- Isso é uma Fanfic e nada que esta escrito aqui
é recomendado fazer/ter. Até por que
você não é vampiro.

Capítulo 2 - Malas


Fanfic / Fanfiction Sakamaki da Favela - Capítulo 2 - Malas


Ayato ON:


— COMO É QUE É!? UMA MANSÃO? — Meu pai me ligou falando que a gente ia para uma mansão e que a gente fosse para frente da favela as 17h30min que iria vim um carro preto e branco pegar a gente. Todo mundo estava feliz e pulando escutando o que o nosso pai falava enquanto eu tinha botado no viva voz.


— E onde que é essa mansão?


— Pai/Telefone: No Japão, ai vai vim o cara e vão te levar para o aeroporto.
— Carai painho, mas eu não sei falar japonês.
— Pai/Telefone: Relaxa.


— Pai/Telefone: Sim, leve seus irmãos e lá as pessoas vão te ensinar a ser um bom noivo e você vai ganhar um presente no final de tudo. — Ele estava falando rindo enquanto de fundo eu ouvi som de baile de favela.


— Kanato: Painho tu ta escutando baile de favela é? Pensei que o senhor era diferente.
— Cala boca cabelo de cebola roxa, enfim, pai que papo é esse de noivo? Eu não quero ser noivo não eu tenho 17 anos ta achando o que? — Falei enquanto estava um pouco irritado por ver o Laito tentando tirar a cabeça de dentro do pote de sangue que era meu e que ele se entalou.


— Pai/Telefone: Contarei-te tudo quando chegar aqui, e lembre-se não pode levar maconha, crack e essas coisas. Até depois
- Ele desliga o telefone -


— Mano como assim vei mansão? Me da à bombinha de ar — Falava enquanto desligava o telefone e botava no meu bolso, enquanto todos ainda estavam surpresos.


— Subaru: Mas você não respira...
— Cala boca.


— Reiji: Então a gente vai ir para uma mansão... Que louco.
— Reiji: Vamos deixar a nossa casa pronta logo e arrumada e por armadilhas tipo veneno de rato, ratoeira e uma rede. — Ele estava indo ajudar o Laito a tirar a cabeça do pote que já estava desmaiado.


— Nosso pai ta podendo em pena que nossa mãe não pode ir com a gente, já que ela morreu.
— Kanato: Culpe a favela lá de onde ela morava, ela morreu de tanto fumar maconha.
— Sim, e por isso eu tirei a maconha de vocês.


— Shuu: Tanto faz, eu vou me despedir da minha namorada. — Ele saiu pela porta.
— Reiji: Enfim, Kanato, Laito e Ayato, vão pegar uma mala na casa do Cledson para a gente levar nossas roupas.


— Subaru: Diz que eu mandei ele tomar no cu
— Kanato: Cledson e Subaru, um caso de amor.
— Subaru: Ta querendo morrer muleke?


Eu peguei afastei o Subaru do Kanato e peguei todos que iriam comigo pelo braço, eu quis dar uma de foda e então me teletransportei para a casa do Cledson. Mas não era na casa dele, era na boca dos Mukami. Eu preciso saber usar esse teletransporte direito.......


— Laito: PUTA QUE PARIU AYATO EU VOU COMER O SEU CU — Ele estava vindo me dar um soco, mas o Kanato tampou a boca dele, o jogando no chão e falando baixinho pra todo mundo calar a boca. A gente estava atrás do sofá deles. Eu logo puxei o Laito que estava deitado no chão para trás do sofá e então eu escutei eles abrindo a porta e logo se sentaram no sofá que a gente estava atrás.
Meu cu ficou trancado e todo mundo começou a suar, eu sabia disso por que estava segurando eles. 


O líder da boca do Mukami se chama Ruki, mas eles nunca falam dele e também quando eu o vejo, ele sempre está com o Kou, Azusa e Yuma. Azusa é um masoquista idiota que se acha o dono da favela, mas anda com umas roupas rasgadas.
Yuma é tipo o guarda costa do Ruki, mas sem o guarda, por que se jogar uma barata essa porra sai correndo rápido.
O Kou é o bixoleta que mal se defende, mas se der uma arma ele é capaz de transformar ela em uma bomba. A criatividade dele me assusta. E o Ruki é o que tem mais maconha pra vender nessa favela, mas ele não ganha tanto reconhecimento. 
Ele sempre esta ausente e deixa o Azusa tomando conta das coisas.


— Azusa: Mano tu viu aquilo? A gente quase morreu roubando aquela puta La.
— Yuma: Sim, eu queria matar aquela vagabunda.
— Azusa: Ela é namorada de um dos Sakamakis NE? Aqueles lixinho lá que paga de foda.
— Yuma: Sim.


— Azusa: Por que a gente não vai na casa deles mostrar quem manda?
— Yuma: Ta doido!? Você não viu o que o Shuu fez? 


— O que o Shuu fez? — Pensei enquanto todo mundo estava de boca aberta.


— Azusa: É Verdade, ele quase matou a gente.
— Azusa: Ele tava bem estranho, sem falar que a boca dele tava melada de sangue.
— Azusa: Mas ele tem força para proteger aquela vadia dele.
— Kou: Que catinga é essa?


Eu olhei para o Laito e ele fez um final falando que tinha peidado. No mesmo tempo o Kanato teletransportou a gente para fora dali e graças a Deus a gente foi na casa do Cledson, por sorte, a gente parou na frente da casa dele e não tinha ninguém por perto.


— Kanato: Vocês me devem o cu de vocês.
— Laito: Então parece que o Shuu também provou um humano NE.


—A gente tem um balde e pote cheio de sangue, então por que tirar sangue dos humanos? Vocês não sentem pena? — Fava enquanto batia na porta do Cledson.


— Laito: Pena eu até sinto, mas fazer o que?
— CLEDSON ABRE A PORTA, A GENTE TA COM O SUBARU NÃO!  
— Cledson: MAS NEM FUDENDO, VOCÊS MENTEM DEMAIS VEI.


Cledson é jovem, tem 17 anos, mas sua aparência faz parecer que tem menos. O seu cabelo é foda, tem cor cinza e verde e seus olhos cor de mel. Sem falar que ele tem estilo pra se vestir e gosta de usar um colar prateado, a mãe dele trabalha e por isso ele consegue umas roupas legais. Ele é divertido e gosta de zuar, mas também quando o assunto é a gente, só falta ele jogar a gente na frente do caminhão.


— Laito: Ele ta aqui não carai, confia na gente.
— Cledson: Beleza vou confiar. — Ele abriu a porta e a gente foi logo entrando e pedindo malas.
— Cledson: Malas? Pra que malas?
— Laito: Não interessa só Da.


— Cledson: As malas são minhas, então eu tenho direito de saber.
— Kanato: O único direito que você tem é de não irritar a gente para a gente não chamar o Subaru. — Falava ele enquanto olhava pela janela o Shuu beijando a namorada dele. Shuu não sabe beijar em puta que pariu, ta quase engolindo ela. Jaja vai pra Harry Potter fazer papel de dementador.


— Cledson: Já entendi, Já entendi. — Ele foi pegar as malas.


— EI SHUU, CUIDADO PRA NÃO ENGOLIR A MENINA VISSE CARALHO? — Gritei na janela e ele apenas me olhou e mostrou o dedo, enquanto a namorada dele beijava o rosto dele. Logo ele entrou na casa dela, me pergunto o que ta rolando La.


Ayato OFF:
Shuu ON:


— Valdinéia: Isso,mais forte, mais forte.
— Calma desgraça.


Valdinéia, minha namorada que tinha um cabelo preto enorme que chegava a bater na bunda e com olhos de cor marrom.
 Ela tem um peito enorme e é muito alta. Ela é meio louca e todo mundo a chama de peituda maluca, sem falar que ela é chata, irritante. Mas às vezes eu a acho fofa e doce.


— Valdinéia: Bate essa porra de prego na parede mais forte seu pau no cu. — Ela chuta minha bunda e fica reclamando. Eu estou de saco cheio dessa mulher, mas pelo menos ela tem dinheiro pra comprar roupa pra mim.


— Pronto ta colado esse teu quadro de flores murcha e fedorenta. — Sair de cima do banco que estava e me deitei na cama dela.
— Valdinéia: Sabe, aqueles Mukamis idiota parece que é cego, não é amor? Eles confundiram sangue com suco de morango.
— Sim, até eu me assustei. — Eu estou ficando excitado, mas não sei o por que.


— Amor, vem aqui, deita na cama. 
— Valdinéia: Ui, adoro. Quer começar por onde amor? — Ela se virou e eu vi que o dedo dela estava sangrando. Acho que foi o prego...
— Vamos dormir um pouco, quero ficar de conchinha com você. 


— Valdinéia: O QUE É ISSO? SHUU!


Shuu foi em direção do pescoço de sua amada de cabelo preto e a mordeu, a fazendo sentir uma dor que fez ela tentar levantar, mas ele não deixou e apenas mordeu o pescoço dela. Tudo para Shuu era novo, aquele sangue, aquela pele, aquele cheiro. Ele estava lambendo ao mesmo tempo em que chupava e segurava a moça, que estava perguntando o que ele era e pedindo para ele parar.
O Mal posicionamento de Shuu fez que a moça conseguisse se levantar e corre, mas ele deu uma tapa no rosto dela, uma coisa que jamais pensaria que iria fazer. Ele logo pediu desculpas e a deitou no chão, voltando a morder ela, mas agora era em seu peito. Foi a primeira vez do Shuu a tirar o sangue de um humano, mas ele ainda não entende o por que
De as pessoas não gostarem disto


— É só isso que você consegue aguentar? Mulheres não deveriam ser tão fracas assim — Estava chato de chupar ela desmaiada, então apenas fui embora depois de roubar umas planta de maconha. Afinal eu vou ter ido embora quando ela acordar e se ela falar merda ninguém vai acreditar mesmo. Já que ela tem fama de louca. É melhor eu ir pra casa.


Tempo depois:


— Reiji: Vai logo, todo mundo já botou as coisas que precisa na mala? — Todo mundo estava pegando a mala para sair de casa e ir La para frente. Já era 17h20min


— Ayato: Já, e espero que ninguém tenha levado crack e maconha pra La. — Ayato falou enquanto eu, Shuu, ficava torcendo para ele não ver o que tem dentro de cada mala. Já que todo mundo menos ele e Reiji botou maconha e crack na mala. Mesmo sabendo que o nosso pai falou pra não levar.


— Kanato: Claro que não!
— Subaru: Shuu, por que você está tremendo? Percebeu que sua namorada é Trap? 


— Vai se fuder. — Todo mundo saiu de casa, trancando e com tudo fechado e desligado. A gente desceu e viu uma grande limousine.
Saiu um homem de cabelo branco fumando e com uma cicatriz que ia do seu rosto até o pescoço. Era uma cicatriz feia em formato de escorpião e que me dava agonia só de ver. Ele estava usando uma jaqueta que deixava seu peitoral aparecendo, desde quando um motorista se veste assim?


— Toki: Meu nome é Toki e eu vou ser o motorista de vocês. Irei levar vocês até a mansão que seu pai pediu, então eu peço que vocês se comportem por que eu estou sussa mas não estou pra gracinha. — Ele falava enquanto pegava em seu cabelo e abrindo a porta da limousine para a gente entrar.


— Kanato: Eu vou na frente. — Kanato já estava entrando no carro, quando eu puxei ele e disse que eu que ia na frente. Todo mundo começou a falar para a gente resolver isso logo e entraram no carro na parte de trás.


— Eu que vou na frente.
— Kanato: Vamos apostar então, eu te faço uma pergunta e se você responder certo você pode ir.
— Tudo bem, pode mandar filho. — Falei cruzando os braços e confiante.


— Kanato: Qual era a cor do cavalo branco de Napoleão?
— O Bonaparte?
— Kanato: Isso, que na verdade era marrom?


— Eu sou de exatas.


Notas Finais


WTF Bangtan <3
Personagens:

Valdinéia: http://prnt.sc/dbx53b
Cledson: http://prnt.sc/dbxatd
Taki: http://prnt.sc/dbx54p
Yuma: http://prnt.sc/dbx57h
Ruki: http://prnt.sc/dbx5af


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...