História Sakura: A Conselheira Amorosa 2 - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Visualizações 819
Palavras 2.129
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Cheguei gente boa noite!

Capítulo 3 - Reencontros


Sakura

A Conselheira Amorosa

— Você precisa entender sua esposa, tire um tempo para ela e conversem como dois adultos civilizados. Traição não vai adiantar nada pois ela vai descobrir meu amigo, custe o tempo que for ela vai descobrir e você irá perde-la para sempre.

— Nossa você tem razão, irei voltar para casa agora mesmo, obrigado moça. — o homem beijou minhas mãos e saiu correndo.

— Vai na sombra. — acenei passando geleia nas minhas torradas.

Esses homens imaturos, ainda bem que eu existo para colocar juízo neles. Onde já se viu trair a esposa porque não consegue entender o motivo dela não querer transar todo dia? Ainda diz que a ama. Dá vontade de dar uns tapas em um homem desses.

— Não me diga que aquele cara estava pedindo seu número. — Sasuke apareceu puxando uma cadeira ao meu lado.

— Era só mais um coitado com problemas no casamento. — respondi mordendo minha torrada o vendo se sentar com uma carranca.

— Engraçado, todos parecem ter problemas só para passar cinco minutos com você. Por que me deixou sozinho na cama? — me olhou emburrado roubando uma maçã da mesa farta de café da manhã.

Sasuke sempre acordava de mal humor quando não fazia sua “refeição” matinal, que eu era o prato principal é claro

— Estava com fome e se fosse esperar você acordar morreria.

— Onde estão as crianças?

— No parque temático do restaurante. — apontei com a cabeça em direção aos milhares de brinquedos que tinha naquele lugar.

Só assim eu tinha paz e sossego. Até estava tendo inspirações legais para escrever meu livro. Sarada e Daisuke me deixava exausta.

— Hn. — Sasuke murmurou mordendo sua maçã.

— Não vai me dar um bom dia adequado?

— Faria isso se você não estivesse fugido de mim. — acusou me olhando feio.

Sasuke era tão rancoroso, já tô até vendo que terei que pagar por isso depois.

— Não guarde rancor meu amor.

— Irritante.

— Também te amo querido. — mandei um beijo o vendo revirar os olhos.

Peguei meu notebook que estava em um canto da mesa e o abri começando a passar minhas ideias enquanto Sasuke estava entretido em tomar seu café da manhã.

Eu estava indo bem até meu amado marido vir até mim e fechar meu notebook me atrapalhando por completo.

— Ei — resmunguei.

— Nada de trabalho lembra? — me repreendeu com aquele olhar irresistível.

— Mas.

— Mas nada, você vai voltar pra cama comigo.

Fui erguida e arrastada contra minha vontade.

— Ah não quero.

— Para de fazer charme.

— Chato.

(...)

— Xeque Mate.

— Essa foi sorte. — fiz bico emburrada quando Sasuke ganhou de novo.

— Minhas habilidades no jogo não tem nada haver com sorte. — sorriu convencido.

Eu conseguia dar uma surra em todos os seus primos e irmão mas era impossível ganhar de Sasuke no Xadrez. Isso era humilhante para uma jogadora nata como eu.

Se ele continuar a ganhar assim vou ter que colocar veneno na sua comida. Eu sou bem rancorosa em relação a perder, não nasci pra sentir o peso da derrota.

— Tudo bem pode jogar na minha cara que é melhor que eu, não me importo. — virei a cara zangada.

Se ele fizer eu juro que corto suas bolas.

Sasuke empurrou o tabuleiro de Xadrez para o lado e me puxou para seu colo rindo da minha cara má.

— Você fica sexy irritada. — sussurrou beijando meu pescoço.

— E você fica sexy de qualquer jeito. — elevei um pouco seu ego só porque sou boazinha.

Sorri agarrando seus cabelos desalinhados o puxando para um beijo quente.

Caímos deitados no colchão Sasuke tentando arrancar meu vestido e eu apertando sua bunda durinha o puxando contra mim.

— Está pronta pra receber seu castigo? — ele levou minhas mãos para o alto marcando meu pescoço com aquela boca deliciosa.

— Me castiga meu amor, acaba comigo.

Batidas na porta acabaram com o clima.

Mas claro que tinha que aparecer alguém para atrapalhar minha transa matinal. E seria meus amados filhos, tô começando a cogitar a ideia de manda-los de volta para o Japão.

— Papai você ta ai? — Sarada voltou a bater na porta.

— O que ouve Sarada? — gritei arranhando as costas de Sasuke que não parecia nenhum pouco afim de me soltar.

— É que eu tava pulando no pula-pula e um menino caiu em cima de mim, ele era um tarado mamãe e teve a audácia de me beijar, na boca ainda que nojento. — a voz dela saiu toda séria.

A não.

— Mas o que?

Sasuke pulou para fora da cama tão rápido que eu nem percebi. Suspirei apoiando os cotovelos no colchão o vendo abrir a porta e puxar Sarada para a saída do quarto praguejando deus e o mundo.

— Onde está esse delinquente minha filha? Eu vou extermina-lo da face da terra.

— O Senhor vai mata-lo papai?

— Vou.

— Ele também disse que eu sou bonita. — Sarada continuou a colocar lenha na fogueira.

— Cortarei a língua dele fora. — ouvi Sasuke grunhir ao longe.

Me levantei desanimada ainda de pernas bambas descendo meu vestido que estava todo embolado na cintura e corri para tentar impedir uma morte. Mas meu celular tocou em cima do criado mudo e eu tive que voltar para pega-lo e atender enquanto corria para fora do quarto.

Não é fácil ser eu.

— Sakura falando. — atendi ofegante entrando no elevador apressada atraindo os olhares das pessoas.

É eu estava toda suada e descabelada com a maior cara de quem iria transar, se não fosse interrompida é claro. Sim eu estou revoltada.

— Cunhadinha do meu coração.

Eu conhecia muito bem aquela voz.

— Shisui? O que você quer?

— Sabe eu estava com saudades e resolvi ir visitar meus sobrinhos mas quando chego em Tóquio descubro que estão viajando.

— Você está em Tóquio? Pensei que Naori não pudesse viajar já que está enjoada por conta da gravidez.

— Eu vim sozinho.

— Sozinho? Ta legal fala logo o que tá acontecendo. — levei a mão a cabeça soltando um suspiro impaciente.

Anda logo elevador.

— Naori me deu um pé na bunda. — ouvi sua voz sofrida do outro lado da linha.

A não.

— O que você fez dessa vez criatura?

— Eu não sei, essa gravidez está a deixando louca ela está mais paranoica que o normal. Eu tô sem teto Sakura e preciso de um lugar pra ficar até minha mulher me aceitar de volta.

— Por que não fica na casa do vô Madara ou do Obito?

— Eles também me deram um pé na bunda. E como eu sei que você é a única que tem bom coração nessa família eu estou aqui na sua casa. — disse na maior cara dura.

— Como você entrou na minha casa criatura? — rosnei querendo mata-lo.

— A mulher do Naruto me deu a chave.

O elevador se abriu e eu sai apressada já vendo a confusão que Sasuke estava fazendo.

— Shisui escuta aqui... Droga Sasuke.

— Você está falando comigo ou com Sasuke?

— Shisui te ligo depois e vê se não destrói minha casa ou vai conhecer a fúria de uma mulher. — gritei a última parte o ouvindo rir nervoso.

— Sei muito bem como é a fúria de uma mulher estou casado com uma leoa, não se preocupe eu vou me comportar prometo.

Ata que eu acredito, ele vai destruir minha casa igual fez com a do Obito na primeira vez que Naori o colocou pra fora. Quando não estavam de grude os dois viviam em pé de guerra.

— Ta.

Desliguei o celular e corri em direção ao meu Marido que segurava um garotinho no ar o balançando como se ele fosse um boneco de plástico.

— Eu vou perguntar só mais uma vez e se você não responder vou te colocar de cabeça pra baixo entendeu? — ele ameaçou o menino que assentiu rapidamente.

— Sasuke solta o garoto. — parei ao seu lado sendo ignorada.

— Por que beijou minha filha?

— Ela é bonita Senhor e é menina, papai disse que eu posso beijar todas as meninas que tem vagina mas não posso beijar os meninos que tem piupiu. — ele disse seriamente.

Me engasguei com a saliva ao escutar aquela barbaridade. Que pai fala uma coisa dessas pro filho?

Vi o olhar de Sasuke escurecer.

— A o seu pai disse isso é? Pois escuta aqui garoto, você beijou a menina errada e vai ter que pagar por isso.

— Eu posso casar com ela se o Senhor quiser. — o garoto se ofereceu sorridente.

Tive que rir agora pois ele era uma gracinha, parecia um hominho e era bem bonitinho com os cabelos ruivos bagunçados e os olhos castanhos grandes e redondos.

Engraçado ele até me lembrava alguém, só não me lembro quem.

— Eco, pode castigar ele pai. — Sarada cruzou os braços olhando para o garoto com um sorriso maligno.

Não sei pra quem essa menina puxou tão mau.

— Você não vai casar com ninguém seu pivete. — Sasuke rosnou colocando o menino de cabeça para baixo.

Agora sei.

— Uuu eu tô voando, mais alto tio. — o garotinho sorriu batendo os braços.

— Eu não sou seu tio pirralho. — Sasuke se irritou mais ainda.

— Será que você pode colocar meu filho no chão? — ouvi uma voz um tanto familiar e quando ergui o olhar para o homem que parou a nossa frente quase tive um infarto.

Abri a boca esbabacada e completamente incrédula, isso só pode ser sacanagem. Depois de tantos anos eu achei que essa criatura já tinha morrido.

— Papai esse moço é bem divertido. — o menino sorriu pulando quando Sasuke o soltou.

— Acho que você precisa rever seu conceito de divertido meu filho.

Me aproximei do meu Marido que encarava o ruivo com o cenho franzido.

— Sakura quanto tempo, como o mundo é pequeno não é mesmo? — ele riu segurando a mão do menino.

— Sasori.

Estava mortificada, mas não era a volta de um ex namorado maluco que já tentou me sequestrar que deixou-me nesse estado. Eu estava incrédula era com a mulher que estava ao seu lado.

Que diabos era aquilo?

O cabelo da mulher era rosa meu deus, bem desbotado por sinal, sem falar nos olhos verdes que estava na cara que eram lentes de contato.

Ela era simplesmente um clone mal feito da minha exuberante e magnifica pessoa.

Eu não tô bem, acho que vou ter um treco, meus lindos e maravilhosos olhos não suportam ver tanta feiura.

Essa criatura está arruinando minha imagem.

— Pensei que estivesse internado em uma Clínica Psiquiatra. — Sasuke olhou para Sasori com seriedade.

— Consegui sair de lá a alguns anos atrás e encontrei minha esposa Yumi em um bordel, tivemos um lindo filho James e agora estamos tirando férias em família. — ele sorriu falsamente abraçando sua mulher e filho.

Aquela copia horrorosa me olhava com superioridade, coitada será que ela já se olhou no espelho?

Provavelmente não, acho que ela nem sabe o que é isso.

— Hn. Não me interessa a sua merda de vida só mantenha distância da minha família e leve sua cria pra bem longe da minha filha. — Sasuke disse entre dentes lançando um olhar nada amigável para o ruivo.

Faz alguns anos mas ele nunca se esqueceu do dia em que Sasori me sequestrou. Nem eu, e por falar nisso nunca mais vi o loirinho do Deidara. Um amor de pessoa aquele homem.

— Foi bom revê-la Sakura a gente se vê por ai. — Sasori fez um acenou com a cabeça me olhando por inteiro antes de se afastar com sua família estranha.

— Papai eu vou me casar com aquela menina. — ainda ouvi o filho dele falar ao longe.

Sasuke apertou os olhos fazendo menção de ir atrás deles e eu segurei seu braço.

— Sasuke me segura que eu vou desmaiar, o mundo não merece uma barbaridade dessas. — ofeguei caindo em seus braços.

Meu marido me segurou gritando por uma enfermeira.

— Que cruel Sasuke, você viu o que fizeram com minha imagem? Tem um clone mal feito de mim a solta por ai, alguém por favor prenda aquela criatura feia que esta degradando minha imagem. — chorei o abraçando enquanto ele me levantava.

— Não surta agora Sakura.

— Mamãe o Daisuke sumiu. — Sarada falou na maior calma do mundo me matando do coração.

— Ah meu deus.

Agora eu desmaiei de verdade.


Notas Finais


Daisuke meu filho onde você se meteu?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...