História Salvation (NamJin) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Hoseok, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjin, Namjoon, Rap Monster, Seokjin, Suga, Taehyung, Yoongi
Visualizações 111
Palavras 2.137
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Violência, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


I'm come back ❤
Gente, eu recebi muito apoio com a fanfic logo no meu primeiro capítulo, então eu tenho que agradecer vocês. Muito obrigada, eu não seria nada sem vocês.

Mas voltando, tenham uma boa leitura :)

Capítulo 2 - Gritos silenciosos


[25 de Março de 2010, Sábado, 01:00 P.M, Daegu, Coreia do Sul]


-Kim SeokJin!- O grito furioso do pai foi ouvido por toda casa.

SeokJin se encolheu na cama. Sabia muito bem o porque da raiva do pai, e sabia o que aconteceria quando o mesmo entrasse no quarto. E assim aconteceu. A porta foi aberta com brutalidade, enquanto SeokJin o encarava assustado, encolhido no canto da cama.

-Achou que poderia esconder isso de mim?- disse amassando o boletim e jogando nele.- você é uma vergonha, SeokJin! Eu invisto tudo o que eu tenho nos seus estudos, e é assim que você me retribui?- desafivelou o próprio cinto da calça, retirando o mesmo.

SeokJin sentiu quando o acessório de couro acertou sem dó suas costas, fazendo com que um estalo pudesse ser ouvido. Depois sentiu a pele de sua coxa arder como se ali fosse o próprio inferno, já sendo incapaz de não ceder ás lágrimas, que gritavam silenciosamente em desespero.

O garoto não contou quantas vezes o cinto bateu contra sua pele, mas soube que foram muitas, pois ardia tanto, que era quase insuportável para ele. SeokJin só viu que estava sozinho quando seus soluços já eram audíveis em todo o quarto.

Se levantou da cama, sentindo suas pernas fraquejarem pela quantidade de cintadas, tendo que se apoiar na parede para não colidir com o chão. Sentiu vergonha de si mesmo por estar naquele estado.

Passou lentamente a mão pelo local no qual tinha sido golpeado, sentindo a região um pouco inchada, e que com certeza estaria em diferentes tonalidades de roxo mais tarde. Fechou os olhos com força, tentando se esquecer da dor e do acontecimento. Levou a mão destra até o rosto, limpando as lágrimas e sentindo o mesmo quente. Sentiu seus olhos arderem, e uma terrível dor de cabeça, acompanhada do sono que só se agravou, depois de tanto chorar.

Percorreu os olhos pelo quarto, encontrando sua mochila jogada ao lado da cama. Se lembrou do papel que NamJoon tinha o entregado no dia anterior e o pegou, relembrando o que NamJoon tinha dito a ele.

"Amanhã é sábado, se quiser, vá na minha casa e podemos começar amanhã. Se não, me ligue para podermos combinar o melhor dia para você."

Refletiu naquelas palavras por um momento, e chegou a uma conclusão: iria até a casa de NamJoon.

Se estava com vontade de sair e se tinha condições de estudar? Não. Mas no momento, qualquer lugar que não fosse a própria casa era a melhor opção para ele. Não aguentava mais estar no mesmo ambiente que seu pai.

Decidiu que seguiria para a casa de NamJoon naquele momento, não se importando com as roupas, com a aparência, com mais nada. Sua cabeça estava quente naquele momento, então aquilo seria algo que ele provavelmente não iria fazer caso estivesse em sua condição mental normal.

-Aonde você vai?- o pai perguntou assim que viu que o filho iria sair.

-Estudar. Na casa de um amigo.- respondeu sem ânimo, rodando a maçaneta da porta da sala e a abrindo em seguida.

Alguma coisa foi dita a ele no momento em que saiu, mas na verdade ele não se importou, e nem ouviu, para ser sensata. Sua cabeça tinha dado atenção a apenas o rumo que ele deveria seguir agora.

E assim foi feito. SeokJin andou até a casa de NamJoon, e parou em frente a porta. Olhou para o próprio corpo, agredecendo por não estar de pijama, e ajeitou o próprio cabelo, para pelo menos ter uma aparência apresentável. Tocou a campainha com um frio na barriga presente. Estava nervoso, e se sentia um completo mal educado por estar chegando a casa de outra pessoa sem avisar, ainda mais por não ter nenhuma intimidade com ela.

A porta foi aberta por uma mulher jovem, bonita, e de tamanho médio. Encarou por algum tempo o garoto tímido que estava parado em frente a porta, tentando se lembrar se já o conhecia.

-Pois não?- se pronunciou.

-Kim NamJoon está?- perguntou baixo, e com a cabeça do mesmo jeito.

-Sim, está. Quem é você?

-Meu nome é Kim SeokJin… seu filho me chamou aqui, para podermos estudar juntos…- respondeu a olhando, finalmente, nos olhos.

A mãe de NamJoon sorriu. Sentia orgulho de seu filho nunca parar de estudar, e ainda ajudar outras pessoas.

-Tudo bem, querido. Pode entrar, NamJoon está no quarto dele.

SeokJin entrou, mais tímido do que quando tinha encarado pela primeira vez a mãe de NamJoon. Acenou para o que deduziu ser o pai, e então subiu as escadas, tendo permissão da mãe antes disso.

Assim que parou em frente a porta do quarto, bateu duas vezes, pedindo para que NamJoon não desse uma bronca nele. Ainda que o desse, este já tinha tantas, que apenas iria incluí-la em sua lista.

A porta foi aberta, e junto com ela, a figura de um NamJoon imóvel. Estava surpreso, pois não esperava que Jin realmente fosse ir até sua casa.

-Olá…- disse, ainda com a cabeça baixa.

NamJoon se recuperou de tudo aquilo, e sorriu gentilmente, dando espaço para que o garoto entrasse em seu quarto.

-Fico feliz em te ver aqui…- disse, tentando quebrar o clima tenso que estava entre eles. Jin sorriu.- eu vou procurar onde estão as coisas que eu usava quando estava estudando, e então começamos, tudo bem?- assentiu.

-Me desculpe… eu sei que cheguei aqui de surpresa…- SeokJin abaixou a cabeça, tímido. Não iria dizer o real motivo pelo qual estava ali.

-Tudo bem, eu disse que poderia vir aqui.- NamJoon respondeu ainda sem tirar os olhos do guarda-roupa.

Assim que NamJoon encontrou o material de inglês que ele usava para estudar, voltou e os espalhou pela cama, bagunçando os lençois, e depois se sentando na mesma.

-Vamos, pode sentar.- disse se referindo a SeokJin.

O garoto se sentou ali timidamente, quase nem fazendo a cama afundar. Seu corpo ainda doía, e ele sentia dificuldade em fazer certos movimentos, mas não deixou transparecer tão facilmente.

O mais novo notou que tinha alguma coisa diferente em SeokJin. O garoto era tímido, mas não chegava ao ponto de ficar imóvel e sem dizer uma única palavra. Contanto, não disse nada, pois sentiu que não era pra dizer. Ambos se conheciam a literalmente vinte e quatro horas, e NamJoon não tinha intimidade para perguntar se havia algo de errado ou não.

-Bem… acho que podemos começar. Qual seu nível no inglês?

-Como assim?

-O quanto você consegue falar e entender?

-Ah… eu entendo algumas coisas, acho que o básico talvez…

-Então vamos começar com ele. Eu vou falar e você vai me responder, tudo bem?- assentiu.- Hi!

-Hello…

-How are you?

-I'm good.

-Errado.- NamJoon se sentia mal o corrigindo, mas não iria ensinar algo errado.- Good é sinônimo de bom, fine é sinônimo de bem. Vamos tentar de novo. How are you?

-I'm fine…

-Bom.- NamJoon sorriu, tentando fazer o mais velho ficar mais a vontade.- what's your name?

-K-kim SeokJin.

-And how old are you?

-I have seventeen years old.

Os dois não perceberam quanto tempo ficaram ali, mas souberem que foi bastante tempo, pois já estava escurecendo quando SeokJin se deu conta de que ainda precisava voltar para casa.

A única coisa que Jin não queria era voltar para casa. Se sentia desconfortável na própria residência, tanto por seu pai, quanto por sua mãe, que era tão ingênua ao ponto de não perceber que o marido praticamente espancava o próprio filho por motivos diversos quando a mesma não estava presente, mas precisava voltar. Era algo que estava querendo fugir, mas sabia que não saía do lugar.

Quando chegou em casa, mesmo cansado por conta de seu dia de estudos, não fugiu das palavras do pai, que insistiam em procurar atingir o alvo e o derrubar.

-Você vai passar a noite estudando hoje.- disse sério.

-Acabei de voltar da casa de um amigo, e estudamos a tarde inteira.- procurou explicar de uma maneira que não perdesse a paciência.

-Não quero saber, o que estou dizendo é que você vai estudar a noite inteira.

-Tudo bem, eu posso estudar mais um pouco antes de dormir…

-Dormir não. Estou dizendo que você vai realmente virar a noite estudando, sem dormir.

Parou o que estava fazendo para encarar o pai, incrédulo. Ansiava por uma noite de sono a semana inteira, mas agora tudo parecia ter desmoronado.

-C-como?

-Você me entendeu. Agora, pro quarto. Sua mãe vai chegar em pouco tempo.

Como o esperado, ou não, Jin não o respondeu, até porque se o respondesse, provavelmente ele apanharia de novo, e seu corpo já estava dolorido demais para ganhar mais marcas por agora. Mas com certeza, sua mente diria as palavras mais violentas para seu pai naquela hora.

Se trancou no quarto, enterrando a cabeça no travesseiro e chorando, pela segunda vez no dia. Gritava silenciosamente por ajuda. SeokJin desejava ser entendido, mas sabia que ninguém se importava em tentar entendê-lo. Seu olhar negro era completamente vazio, sem nenhum sentimento. Seu lindo sorriso era completamente falso, pois ele não se sentia feliz de fato. Sua beleza era invejável, afinal ele tinha a maioria dos padrões, mas do que adiantava ser bonito e não ser feliz?

-Filho?...- sua mãe entrou no quarto.

-Oi omma…- limpou as lágrimas, para que sua mãe não se preocupasse. Se não fizesse, provavelmente não iria pensar em uma desculpa boa o suficiente para convencer a sua mãe.

-Está tudo bem?- disse se sentando na cama, ao lado do filho, que apenas assentiu.

Mas ela sabia que não estava. Pelo menos, tinha reparado que algo em Jin estava diferente.

-Jin... você já tem quase dezoito… ano que vem você irá atingir a sua maioridade, e eu quero saber o que você quer fazer. Você vai sair de casa?

Ah, definitivamente. Sair daquele lugar e viver a própria vida, com as próprias regras, sem ter que se preocupar em esconder marcas roxas pelo corpo, era tudo o que SeokJin queria. Era pecado estar extremamente ansioso para sair de casa e talvez nunca mais ver a própria família?

-Sim…- respondeu simples, como se não fizesse diferença.

Mas ele mesmo sabia que não podiam saber o que realmente se passava em sua cabeça, e era muito agradecido por isso. Talvez ficasse paraplégico caso descobrissem.

-Mas… irá sozinho? Sem ninguém?- a mãe perguntou preocupada. Consigo entender o lado dela, pois a mesma estava praticamente se preparando para deixar seu filho, ou bebê, como prefere chamar, ir embora.

SeokJin suspirou, entendendo o que a mãe queria dizer com aquilo. A última vez que tinha namorado foi com uma garota, á dois anos atrás. Não foi algo que ele poderia chamar de relacionamento sério, mas foi a última vez que se envolveu com alguém. Talvez esse lado da solidão ainda tocasse um pouco em seu lado sensível, mas ele não sentia falta dela, só se sentia… sozinho.

-Omma, eu ainda tenho quase dois anos pela frente. Se alguém se interessar por mim, tudo bem. Mas se nada acontecer, eu irei sozinho mesmo. Não tenho problemas com isso.- respondeu, visivelmente irritado com a persistência da mãe em arrumar alguém logo.

Ops, parece que um fato importante quase passou despercebido. "Se alguém se interessar por mim", mas por que não seria 'Se eu me interessar por alguém'?

Ah, SeokJin certamente era alguém difícil de ser interpretado de primeira, não é mesmo? Ou talvez seja falta de interesse, sugiro eu… mas vamos esquecer disso por um momento. Garanto que em algum momento iremos entender mais a cabeça de SeokJin.

Pelo visto, a mãe não se ligou nesse pequeno fato. Ou até percebeu, mas deixou passar, como se não fizesse importância para ela. Para a mãe de SeokJin, ela tinha apenas alguns sonhos em relação ao filho: queria que o mesmo terminasse o colegial, se formasse em uma faculdade, e se tornasse um pai de família.

Mas será que ela tinha perguntado se Jin realmente queria e iria fazer essas coisas?

-Tudo bem, Jin… vou deixar você dormir em paz.- suspirou, se lavantando e deixando Jin sozinho novamente.

SeokJin suspirou, se deitando e deixando o cansaço tomar conta de seu corpo novamente.

Fazia dias que Jin não dormia direito. As vezes porque não podia, e as vezes porque não conseguia dormir, já que seu psicológico não deixava. Por causa de uma maldita nota de inglês, agora o único dia que Jin poderia repor suas energias tinha ido por água abaixo.

Como ele queria que sua mãe descobrisse as coisas que seu pai impunha a ele… ah, como queria.

Naquele dia, SeokJin se deitou sem nem ter a certeza do dia seguinte. Se deitou apenas querendo dormir. Talvez desse jeito, ele se livrasse dos problemas, da pressão e da tristeza enorme que sentia, nem que fosse por algumas horas.

  Talvez, também, o sono excessivo tenha o consumido sem nem o mesmo perceber, fazendo com que dormisse profundamente, consequentemente passando por cima das ordens do pai. Pela manhã, nem eu nem você saberemos o que irá acontecer com ele, mas eu garanto, o que SeokJin realmente queria, era dormir para sempre.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...