História Sans High School - Capítulo 34


Escrita por: ~ e ~MoniLovely

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Frisk, Mettaton, Muffet, Napstablook, Papyrus, Sans, Toriel, Undyne, W. D. Gaster
Tags Afterdeath, Aus, Ensino Medio, Errorink, Hentai, High School, Nightcross, Paperfresh, Poth, Romance, Scifell, Sportshoes, Suspense, Underswap, Xclusiv, Yaoi
Visualizações 246
Palavras 1.947
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 34 - Capítulo 32: Pensamento genocida - Parte 1


Depois que os beijos cessaram, Error resolveu tentar acalmar um pouco os nervos do pintor, já que os batimentos do mesmo parecia chegar a mil, se continuasse assim ele provavelmente ia ter uma parada cardíaca. O maior puxou Ink para seu colo, apoiando a cabeça do mais baixo em seu peito e acariciando suas costas de leve, ambos apenas querendo aproveitar o momento.

Ink ainda tentava processar tudo o que havia ocorrido. Uma parte de si sequer conseguia pensar que aquilo tudo realmente estava acontecendo, ainda pensava que era tudo um sonho que a qualquer momento fosse acordar e voltaria à sua vidinha “normal”. Mas mesmo sendo um sonho ou não, ele planejava aproveitar o máximo que pudesse. De repente, um pequeno pensamento brotou em sua cabeça, fazendo com que um pequeno rubor aparecesse em suas bochechas.

- Hum… Error?

- Hm?

- Hum… A-agora que a gente confessou tudo… Nós estamos… Você sabe… Namorando? - o maior arregalou os olhos por um instante, mas logo substituiu a expressão surpresa por um simples sorriso. Acariciou a nuca de Ink com movimentos suaves e apoiou sua cabeça na dele.

- Se é o que você quer, por mim tudo bem. - o pintor apertou um pouco mais os dedos na blusa de Error, como se estivesse nervoso com algo, o que acabou por chamar a atenção do maior. - … Com o que você tá preocupado? - perguntou com um suspiro.

- Hm? O que quer dizer? E-eu não estou preocupado com nada.

- Ink, eu te conheço há um bom tempo pra saber quando você está nervoso. Fala aí o que é que foi. - o menor desviou um o olhar.

- É que eu tava pensando se… Os outros não vão começar a pegar no seu pé também se a gente começar a namorar.

- Por que ficariam? Elas devem ter coisa melhor pra fazer além de cuidar da vida dos outros. - Ink ficou quieto. - Está com medo de te desprezarem de novo?

- … É que… Não faz muito sentido todos aqui serem homofônicos. Pelo que eu sei, ninguém ficou olhando o Eraser e o Boots feio quando eles começaram a ficar, ainda mais quando oficializaram o namoro. Eles só olham feio pra mim, e eu não entendo o porquê… É como se todos tivessem algo contra mim, mas eu não consigo entender o que eu fiz de errado! - Error suspirou, abraçando Ink com mais força.

- Você não fez nada errado, essa escola que tá cheia de gente babaca que adora ficar se intrometendo na vida dos outros. - Ink soltou um gemido baixo, como se não estivesse muito convencido da resposta do maior. Error notou isso com grande facilidade. Levou uma mão até o queixo de Ink e virou seu rosto na direção do dele. - Olha, eu posso não ter muita certeza de que ninguém vai te julgar, mas eu preciso que confie em mim quando eu digo que não vou deixar ninguém relar um dedo em você, a não ser que você tenha um daqueles seus ataques de paranoia, aí alguém tem que colocar juízo na sua cabeça. - Ink riu baixo, aliviando um pouco a tensão do momento. - Mas sério Ink, você tem que parar de deixar a opinião das pessoas te afetar tanto. O que a opinião delas vai mudar tanto na sua vida.

- Você mentiu pra ninguém te julgar pelas vozes que você escuta.

- Existe uma grande diferença entre ser julgado por ser gay e ser julgado por ouvir vozes possivelmente perigosas na cabeça. O que eu quero dizer, é que você tem que aprender a priorizar as opiniões de quem realmente importa pra você, Ink. - voltou a abraçá-lo, tomando sua mão livre na dele. - Você não precisa da opinião dos outros pra viver. Nem todos são tão significantes assim.

- Sua opinião sempre foi importante pra mim. Depois do baile… O jeito que as pessoas me olhavam… Me lembravam exatamente do ódio nos seus olhos quando me rejeitou no baile. - sentiu seus olhos marejarem. - Talvez seja por isso que eu não gosto quando me olham daquele jeito…

- Para. Para de falar se não você vai começar a chorar. - o menor suspirou, escondendo o rosto no casaco do maior. - Não pense tanto mais nisso ok? As coisas não são mais iguais a como eram há meses atrás. Eu não quero que fique pensando nessas pessoas como se fosse eu te encarando com ódio, porque isso está longe de ser como eu me sinto em relação à você. E você sabe que eu não gosto nem um pouco de te ver chorar, então não pensa mais nisso, ok?

- Eu vou tentar. - o maior abriu um pequeno sorriso. Tirou o rosto do menor de seu casaco e o deitou em seus braços, pegando Ink de surpresa.

- É essa determinação em você que eu gosto de ver. Ah e caso não dê certo ignorar, só imagine que cada um deles são falsianes que vão receber um belo chute na bunda se mexerem com você.

- E-Error! Não precisa de violência!

- O que posso fazer? As vozes dão ótimas sugestões de como punir pessoas.

- Error! O que eu acabei de falar?! - franziu o cenho. O maior soltou uma risada. Se aproximou do rosto do menor, um leve rubor espalhando-se pelo rosto de ambos.

- Eu não disse que punir tem que ser no sentido de violência, Inky. - abriu um sorriso malicioso e atacou a boca de Ink. O menor ficou extremamente corado, mas logo retribuiu o contato, este sendo um tanto mais “invasivo” que os demais.

Error teria intensificado um pouco mais as coisas com o menor, mas de repente ambos ouviram um barulho extremamente alto forçando-os a se separarem.

- O que foi isso? - perguntou Ink, parecendo preocupado.

- Tá parecendo até… Um tiro. - o menor arregalou os olhos, lembrando do que seus amigos falaram na parte da tarde.

- Error, eu tenho que ir. - tentou se levantar da cama mas foi impedido pelo maior.

- Pera aí. Você vai lá fora? Sozinho? Sem chance.

- Eu tenho que ver se o pessoal tá bem. Eles iam entrar no grupo de astronomia hoje. E se algo acontecer… - Error suspirou.

- Tudo bem então, mas eu vou com você.

- Error...

- Eu não vou te deixar ir sozinho lá fora nem a pau. Ou eu vou com você, ou você não sai.

- Hm… O-ok. Mas você tem que prometer que não vai contar pra ninguém o que está acontecendo. - o maior assentiu, concordando com a condição do parceiro. - Tudo bem, então vamos logo.

Ai, ai, ai, se alguma coisa acontecer com eles eu não vou me perdoar!

Algum tempo antes...

- Já conseguiu encontrar a constelação de peixes, Outer? - perguntou Xcellence, aguardando a resposta do de vestes azuis. Outer tirou o olho do telescópio, parecendo meio pra baixo.

- Nop. Parece que as nuvens não estão muito estão com vontade de nos deixar ver alguma coisa...

O grupo de astronomia era o único grupo que tinha permissão de sair da escola além das dez da noite, já que precisavam sair à campo para realizar seus estudos e pesquisas. As coisas tinham se tornado um tanto difíceis para o grupo depois dos ataques de Dust. Muitos alunos sugeriram de eles cancelarem as reuniões do grupo em campo aberto até que o encapuzado fosse capturado, mas nem todos concordaram com aquela ideia. Vários alunos estavam muito empolgados para as reuniões do grupo, e não queriam cancelar apenas por um boato de que Dust invadiu uma das salas. Outer suspirou.

- Talvez devêssemos cancelar por hoje… Não vamos conseguir ver nada com o céu assim.

- Ah, mas já? - disse uma voz que se aproximava do restante do grupo. O de vestes azuis e o espadachim viraram-se e encararam um grupo de pessoas que se aproximava. - Estávamos tão ansiosos pra ver as estrelas hoje. - Xcellence franziu o cenho.

- O que eles estão fazendo aqui? - perguntou apontando para o grupo.

- Palette, Caster, Reboot e Halluciv farão parte de nosso grupo agora, não te contei?

- Tá de brincadeira né, Outer? Por que escolher eles?!

- Eles se candidataram, não podia dizer não. E nosso grupo está perdendo muitas pessoas, se continuar assim vamos ter que cancelar.

- Então cancele logo essa reunião, porque não vai dar pra ver porra nenhuma!

- Na verdade se esperarem uns 15 minutos deve dar pra ver algumas constelações. - disse Halluciv. Todos os presentes encararam o de capuz, que corou um pouco com os olhares em si. - H-hm… D-digo, com a velocidade do vento, a nuvem deve sair da frente de onde querem ver em 15 minutos…

- Psh, e o que você sabe sobre constelações sua anta? Já estudou algo que não estivesse nos meus livros roubados?

- Xcellence, não seja rude. - disse Outer.

- Rude? Estou só expondo um fato. Esse idiota não sabe porra nenhuma de astronomia, deve ter vindo aqui só pra me stalkear ou tentar alguma merda. Não é isso, Hallu- - interrompeu a própria frase ao perceber que o menor estava chorando.

- S-se me o-od-deia tanto… S-só precisava dizer! - gritou e saiu correndo em direção à sede do grupo de jardinagem.

- HALLUCIV! - gritou Reboot, correndo atrás do amigo. Palette e Caster se viraram em direção a Xcellence o encarando com caras feias.

- Você podia aprender a deixar a boca fechada né seu filho da puta. - disse Palette. O de chapéu puxou o monocromático pelo pulso e ambos correram em direção ao fugitivo. Xcellence ficou estático, não sabendo como reagir a tudo aquilo, mas Outer sabia como reagir.

- Vou falar com a diretora pra que você perca os dois pontos que ganhou no clube. Tratar os outros bem também faz parte dessa aula. Talvez devesse aprender boas maneiras antes de tentar conviver com os outros, senhor Xcellence.

Palette e Caster logo conseguiram alcançar Halluciv e Reboot, que já estavam na cabana, usando seus celulares como lanternas.

- Lucy! Você tá bem? - perguntou Caster, o mesmo muito preocupado com o amigo.

- É claro que eu estou. - respondeu com um sorriso fofo no rosto. Sorriso este que confundiu ambos Palette e Caster

- M-mas e o que aconteceu agora pouco? Você parecia tão chateado com o Xcellence.

- Nah, aquilo foi só uma desculpa pra podermos vir investigar sem eles nos seguirem. Todos sabem que eu nunca desistiria do senpai de verdade.

- Mas você tava chorando! - disse Palette.

- Vocês nunca me viram chorar~ - provocou Halluciv, sorrindo de canto. Palette e Caster não sabiam exatamente como se sentir quanto a isso. Era tudo tão… Estranho.

- Me lembre de nunca mexer com o Halluciv. - sussurrou Palette. Caster assentiu. - Enfim, acharam alguma coisa?

- Nada interessante. É como se ele nem tivesse passado por aqui…

- Estranho, pelo que eu me lembre, Dust nunca foi de limpar a própria bagunça, ele sempre tinha alguém pra fazer isso pra ele…

Vasculharam o local um pouco mais, logo chegando à conclusão que realmente não encontrariam pista nenhuma ali. Voltaram para a frente da casa de jardinagem e Palette grunhiu.

- Mas que droga! A gente realmente não vai encontrar nada desse desgraçado, ele vai simplesmente sumir de novo?!

Antes que pudessem falar algo ouviram um grito, vindo exatamente da direção de onde vieram. O quarteto se entreolhou, não demorando que partissem correndo na direção do som.


Notas Finais


=)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...