História Satiríase: Amor ou Prazer? - Capítulo 42


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, Dakota Fanning, Ian Somerhalder
Personagens Dakota Fanning, Ian Somerhalder
Tags Amor, Colegial, Dor, Drama, Prazer, Sadomasoquismo
Exibições 185
Palavras 1.533
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Colegial, Crossover, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiee amoress sinto muito pela demora okay? mais touuu aqui, então gente, estou planejando coisas muitooo terríveis pra todos entauuumm isso significa que vem mais tretas por ai, e adivinhem sam estará envolvido e outras pessoinhas, espero que gostem desse cap, e me desculpem pelos possíveis erros que aparecerem. Vou deixar de enrollarr e mandar logo ele, bjinhooos na pepeca minhas safadenhas do meu corriiii que amuu!😇😁😁👌

Capítulo 42 - O que vou Fazer Com Você Dakota?


― o que? Como assim eu não entendi. Ele parece não acreditar no que eu falo

Respiro fundo e tomo coragem de novo ― é isso mesmo que está ouvindo Ian, se quiser ter relações comigo vai ter que abrir mão do seu quarto torturador, eu estou assim porque tive que mentir pra minha mãe, e agora ela pensa absurdos de mim.

― quer que eu te peça desculpas é isso me fala que eu me esforço.

― não Ian não é isso, eu não quero terminar com você, e nem quero discutir caso não queira abrir mão do seu quarto vermelho. Continuaremos sendo namorados e tudo.

Ele me olha parecendo aliviado ― sério?

― uhum...Mais não vai poder ter relações comigo. Viro de costas e dou um sorrio fraco

― não, você só pode estar brincando comigo, para com isso ta ouvindo. Ele aperta meus braços

― chega Ian, eu já falei o que tinha pra falar, ou faz o que eu digo ou então seremos como dois irmãos, pronto, nada me fará mudar de idéia. Vou em direção da porta

― aonde vai?

― vou te esperar lá fora. Bato a porta

Eu deveria ter o colocado na parede antes muito antes, nada me fará mudar de idéia nada. Sento no sofá enquanto olho uma revista. De repente entra um cara vestido de capuz óculos escuro andava agitado com as mãos no bolso. Eu estranhei aquilo, continuei vendo a revista e aquele cara parecia olhar pra mim. Vejo Ian saindo de sua sala e vindo até mim.

― podemos ir agora, e terminaremos aquela história em casa, no meu quarto. Ele me puxa e eu continuo mirando os olhos naquele cara. Entramos no helicóptero e sobrevoamos a cidade em questão de algumas poucas horas chegaremos a Seattle

Ele coloca a mão em minhas pernas acariciando elas, e eu como estou lhe dando uma lição as retiro empurrando

[...]

Assim que chegamos, Ian me puxa até o quarto. Ele me derruba em cima da cama

― ou, ou, ou o que acha que vai fazer?

― tudo, primeiro vou chupar todo o seu corpo, e depois eu...

― depois vai controlar esse pau nas calças porque eu não vou transar com você. Tento me levantar mais ele me puxa de novo.

― para com isso, deixa de besteira, sei que essa marra sua não vai durar por muito tempo.

O olho sem responder apenas com um jeito safado de dizer “você é quem pensa, vamos ver” me levanto e desço as escadas. Ele vem atrás de mim, vou pra cozinha, e preparo um sanduíche, ele senta e me olha com jeito ruim, logo apoiando o queixo sobre a mão

― está com fome, quer um? O olho de ombros

― estou morrendo de fome, mais não se trata de sanduíche

― deixa de fazer drama, você e eu tivemos uma conversinha bem animada hoje antes de ir pra los Angeles

― tudo bem, quero um também. Ele diz

Continua fazendo o sanduíche. De repente sinto umas mãos atrás de mim.

― tem certeza que vai resistir a mim assim? Ele diz no meu ouvido

Minha pele arrepia ― é vou sim, para Ian, vai sentar

Ele desliza suas mãos até minha barriga, pega no zíper do meu short, e desce o mesmo. Ele passa a mão na minha intimidade por cima da calcinha. Mais eu logo volto a si, e dou um tapinha em sua mão, me viro pra ele e coloco o sanduíche na boca dele.

― vai comer sanduíche. Saio da cozinha

POV. SAM

Dakota está mais linda a cada dia, eu só queria poder tocá-la nem que fosse por um segundo, ah como eu a desejo. E saber que aquele animal toca nela me dá vontade de ir até lá e acabar com o que comecei. Mais tenho que dá um tempo. Meus pais sei que eles estão cheios de aflição mais eles entendem que amo Dakota e só vou sossegar quando eu a tê-la em meus braços.

Beijo a foto da mesma que tenho em mãos. Seu cheiro doce e gostoso, como queria que você me amasse, mais querendo ou não, você vai me amar, eu juro que vai.

POV. IAN NA SECA

Hum, greve, eu sei que ela desistirá dessa loucura, mais e, se não desistir? Eu não posso fechar o quarto vermelho, ele é praticamente minha história de vida. Ela está sentada perto de mim agora, e olhar o corpo dela sem poder a dominá-la me deixa de mau humor e estressado.

Passo a mão sobre suas pernas, sinto meu membro ficar ereto.

― me deixa sossegar Ian por deus. Ela fica já nervosa com minhas tentativas ― amanhã irei trabalha passei muito tempo de descanso. Ela afirma

― acho melhor irmos dormir, já está tarde pra ficarmos aqui. Tenho esperança que ela mude de idéia.

― tem razão amor, precisamos descansar. Ela levanta e subimos pro quarto.

Ela faz uma posição ousada pra mim, ficando de quatro enquanto pega uns travesseiro e um cobertor. Ela se levanta e pega os mesmos

― hey aonde vai? Digo

― vou pro meu quarto.

― como assim seu quarto? Seu quarto é aqui

― não, há tempos atrás você me disse que não gostava de dormir com ninguém certo? Mostrou-me um quartinho dizendo ser meu e tals, e eu gosto de dormir no meu quarto, boa noite te amo. Ela me beija e sai

Eu fico sem reação não estou acostumado com ninguém dizendo o que deve ser feito, eu não estou gostando disso.

― Dakota espera. Vou atrás dela. Bato na porta ― abro a porta vamos AGORA!

― já disse que preciso dormir, pode ir pro seu quarto senhor dominador? Vejo ela sorrindo discretamente

― quer que eu abra essa porta?

De repente ouço a porta ser destrancada. ― o que tem pra me dizer? Eu estou cansada de verdade.

― o que quer de mim?

― já sabe o que quero, se disser que sim, farei agora mesmo o que quiser, serei sua, mais depois de resolver fechar aquele bendito quarto, poxa Ian tudo isso só por causa de um quarto? Ela fala decepcionada

― sabe que não consigo o fechar, é mais forte que eu

...

― tudo bem, já vi que tudo o que eu fizer não vai adiantar não é? Te dou liberdade pra usá-lo com outras mulheres, como antes. Eu saio da sua vida, e você poderá curtir a vida loucamente, não é isso que quer. Ela fala triste

A agarro ― para, eu quero você, queria usá-lo com você

Ela tira minha mão ― não Ian, não, olha precisa ir pro seu quarto, eu estou muito cansada. Ela fecha a porta.

Escoro-me na porta entrelaçando os dedos sobre meu cabelo

POV. DAKOTA

Escoro-me sobre a porta, ér, é uma causa perdida essa minha. O melhor mesmo é eu ir embora daqui, e ficar no meu apartamento, é isso o que vou fazer.

[...]

Pela manhã, me levanto cedo, e começo a me arrumar pra ir mais um dia de trabalho. Acabo me recordando que deixei minha bolsa no quarto dele. Abro a porta lentamente e a vejo em cima da cadeira.

O vejo dormindo, e caminho em direção da bolsa, quando pego a mesma, saio bem devagar

― e ai já desistiu? Ele fala me assustando

― o que?

― já desistiu dessa idéia maluca de greve? Ele leva seus dedos graciosamente até o rosto tentando abrir os olhos

― não, até resolver conversa comigo melhor sobre esse quarto que me dá muito medo só de imaginá-lo.

Ele senta na cama. ― senta aqui. Ele me dá uma ordem, uma ordem mesmo. Eu sento e ele olha pro chão

― eu te amo Dakota Fanning, eu não queria senti esse amor, eu não gosto do amor. Mais quando estou com você não consigo parar de sentir isso, ai que melosidade. Ele faz careta

― não, não é...É muito bonito o que está dizendo

― em outras palavras... Acho que você não é pra mim! Ele me corta o coração dizendo isso, meus olhos enchem-se de lagrimas

― o que quer me dizer?

― quero dizer que, que eu já estraguei demais sua vida, além de ter cometido aquilo naquela noite, e ainda a chicoteando deliciosamente. Ele faz cara de gostar do que fala ― entre outras coisas que eu a obrigo fazer, eu nunca irei mudar, você é romântica, uma menina sonhadora e eu estou acabando com isso. Ele fica triste mais não quer demonstrar nenhum pouco

― para, não diz mais nada disso, me diz que vai desistir do quarto e não do amor que eu consegue colocar em você com tanta dor que senti. Eu comecei a chorar, que manteiga derretida

― Dakota eu não te mereço, eu não quero que seja de ninguém, mais também não quero que continua me fazendo essa penitencia de não a tocá-la eu não sei se conseguirei me segurar entende?

...

― não posso aceitar voltar pra quarto vermelho Ian eu nunca mais quero pisar lá estou bastante traumatizada...

― ahrr, Dakota, o que vou fazer com você? Ele me olha fixamente



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...