História Saturno Azul - VKook - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Bts, Jungkook, Tae, Taekook, Vkook
Exibições 35
Palavras 1.358
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Futuras correções ortográficas irão ocorrer tanto neste, quanto mos outros capítulos.
A idéia desta fic está feita e tem o seu fim previsto no capítulo 6. </3 mas isto é um belo de um TALVEZ.

Boa leitura. - X

Capítulo 4 - IV - Gravidade


Fanfic / Fanfiction Saturno Azul - VKook - Capítulo 4 - IV - Gravidade

That soon you'll know.
    Why I leave all the lights on   
  'Cause it's dark when you're gone

     Existem dias dos quais eu revejo a trajetória de minha vida e respiro a saudade. O que você acredita por gravidade? Porque durante a minha vida inteira eu me senti impulsionado pela gravidade de várias órbitas, até que eu pudesse ser atraído e cair sobre a tua.                                                  
     Cair desta forma mudou o significado de queda para mim.

------------------------Gravidade-----------------------

 

   14h00 - Durante o domingo.

 

    Eu tinha acabado de acordar quando recebi uma mensagem sua:

(TaeTae): Você poderia vir aqui em baixo? Tenho que assistir um filme para fazer um relatório para a faculdade e ele é de terror de...  bem... Eu... Venha se puder! 
    
     Foi quando eu descobri o teu medo por filmes de terror. Tomei o meu banho, me arrumei e coloquei o meu perfume favorito... Eu estava agindo como um garoto tolo e apaixonado.
        Quando eu cheguei você estava de pijama que em resumo era composto por uma blusa branca grande que chegava em metade de sua coxa e um short que chegava em seus joelhos.
      Eu quis te abraçar, te beijar e bagunçar ainda mais os seus cabelos.

Você me disse:

- O que foi? Você me assusta quando fica me olhando assim.

Então eu sorrindo eu te disse:

- Quem manda parecer tão sexy assim?
 
  Você então ficou corado... as suas lindas bochechas ficaram tão doces. Eu só queria apertá-las e beijá-las.

- Vamos ver o filme, Tae?
- Sim, sobre isso... Eu sei que possa parecer fresco por minha parte, mas... - Eu não estou aqui para te julgar. Portanto vamos logo, pois quero ouvir os seus gritos.
- Jungkook, você pagará caro se rir!
- Vamos fazer um jogo, então?
- Qual tipo de jogo? Sem susto!
- É meio que depende dos sustos. A cada susto que você levar, terá retirar uma peça de sua roupa.
- Isto é sério? Você está duvidando de minha capacidade de me controlar?
-ESTOU!
- irá se arrepender!
  

     E naquela noite você acabou ficando apenas de cueca e pareceu estar realmente irritado como fato de ter perdido o jogo.
    O filme tinha acabado e você foi até o seu quarto e voltou com um lençol.

- Você quer que eu vá embora? - Eu pergunto. -
- Não... Eu só quero me cobrir, está frio.

        Por que você não colocou simplesmente as suas roupas? Nem eu mesmo me perguntei isto naquele momento até que:

- Tae, o filme acabou.
- Vamos ver um documentário sobre baleias então!
- Sério?
- Você tem medo de baleias, senhor Jungkook?
- Obviamente não! Tanto que ficarei aqui.
- Vou colocar esta blusa... Está realmente frio aqui.
 
     Detalhe: Você tinha apenas colocado a blusa.

    Sim, eu tinha medo de baleias. Elas são enormes! Eu não posso me julgar por ter tido medo delas em algum momento da minha vida.
     Você se enrolou no lençol e acabou sentando ao meu lado ao perceber a minha reação ao assistir uma baleia matando uma foca.
     Após a cena cruel, estávamos vendo a parte em que falava como as baleias migram. COMO EU ESTAVA ENTEDIADO! As baleias são lentas apesar de seu tamanho. Eu me mantive forte, mas você... Bem, você encostou a sua cabeça em meu ombro e acabou dormindo. Eu envolvi os meus braços em suas costas e com a minha mão eu fiz carinho em teu cabelo. Mudei de canal e revezei a minha atenção entre a TV e o cafuné que fazia em você.

      Eu acordei com a luz do sol em meu rosto... Tinha amanhecido e eu ainda estava lá. Durante a madrugada eu estava com você dormindo sobre o meu ombro e no outro dia, acordo deitado contigo no sofá.

     Eu estava com os meus braços envolvidos em seu tórax e com as minhas pernas envolvidas nas suas. Não havia como me retirar a não ser te acordando. Como você iria reagir? O que iria pensar de mim? Mesmo com todas essas indiretas e carinhos,  como você iria me olhar caso perceba tudo o que sinto?
      Você começou a acordar, os seus olhos começaram a despertar e o seu rosto estava a mexer. Eu estava apoiado com o meu cotovelo no sofá enquanto o meu braço estava preso sobre o seu peito e entre os seus braços. Eu só pude observar cada parte de seu rosto, cada detalhe daquele momento e desejava que tudo nunca acabasse...  nunca.
       Você acorda e meio sonolento me diz "bom dia Kookie" e então se vira, me abraça e me dá um selinho. Sim, este foi o nosso primeiro beijo. Você me beijou como se já fôssemos algo a mais, e após 5 segundos de beijo, você finalmente abriu os olhos e percebeu em que situação nós estávamos.
      Com os olhos arregalados e uma expressão de não saber como agir, você permaneceu paralisado. Eu resolvi me deixar vulnerável, demonstrar o que eu sinto e quebrar aquele momento de paralisia.
    Eu te beijei de volta. Eu te beijei de volta! E você fechou os olhos e me permitiu!
     Eu estava te beijando para valer e eu estava sem fôlego, mas não ousei parar de te sentir.
      Logo o beijo ganhou carícias e eu já estava sobre você. Fui beijando a sua bochecha corada até ir para o teu pescoço, e beijá-lo você soltou um gemido baixo e suave.

      Isto estava mesmo acontecendo? Eu me perguntava isto o tempo inteiro.

    Foi neste momento em que achei apropriado para te dizer o que sentia. Cheguei a teu ouvido e te disse que te amava. Você olhou para mim com os mais profundos e doces olhos e me disse:

- Isto é sério?

Foi quando eu te olhei com receio e com um nó na garganta eu respondi:

- Sim.

     Eu estava esperando que aquele momento acabasse contigo a me dizer que isto era apenas uma diversão, que não passava disto ou que nós nunca daríamos certo e  mais mil coisas das quais passavam pela minha cabeça.

- POR QUE NUNCA ME DISSE ISSO? 
- Como eu chegaria a você e diria que te amo? Eu apenas escutava a sua voz todos os dias e me...
- Eu sei.
- Você sabe? Como você sabe? - então você me disse:
- Como você acha que eu te conheci? Um dia eu peguei o ônibus mais cedo e enquanto eu estava sentado na parte do meio do ônibus eu pude escutar a minha voz. Eu me senti perdido e confuso até olhar para trás e te ver. Era você quem estava ouvindo as minhas músicas.
    Após isto, eu passei a sentar no banco do seu lado, no ônibus que eu sempre pego ao fim da tarde. Eu sempre quis falar contigo, te conhecer melhor e eu consegui!

                         Eu  te amo Kookie.

        Eu não sabia como reagir. Na minha mente, eu era um ser que era incapaz de ser amado. Você me disse tudo àquilo do qual eu queria ouvir, tudo parecia apenas um sonho para mim.
     Eu me lembro de ter me levantado do sofá e ter saído correndo. Eu te ouvir me chamar e com certeza você estava confuso sobre o porquê diabos eu estava fugindo de você. Acredite, eu não estava. Senti-me vulnerável ao extremo e precisava de um tempo para que todas as coisas se encaixassem.
       Sobre a fuga... Eu não tinha ido longe. Fui até o terraço para pensar com calma em tudo o que tinha ocorrido. Você apareceu após meia hora, creio que tenha dado esse tempo para mim e aproveitou para se trocar já que você apareceu no terraço com a sua camiseta preta favorita. Quando tu sentaste ao meu lado e após uns minutos de silêncio, você me abraçou.

E numa tentativa de me explicar eu disse:

- Desculpe... eu...  
 
    Quando do nada você me interrompe com um beijo.

    Um sem fôlego, um beijo intenso, um beijo no qual me tirou o medo de amar.

- x
 


Notas Finais


Essa história quase foi para outro patamar... mas não ocorrerá aqui o foco na vida sexual deles. O foco sempre foi o emocional e prevalecerá o mesmo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...