História Save A Young Soul - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Chanbaek, Exo, Hunhan, Kaisoo, Pov, Problemas Sociais
Exibições 118
Palavras 1.066
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


E ai galera? Tudo bom com vocês?
(Eu sinto que isso é bordão de alguém qq)
Então, domingo de novo e eu estou aqui com atualização de SAYS. Com esse capítulo, vocês vão entender um pouco mais sobre o que acontece entre kaisoo, mas também é o capítulo de conclusão do couple, então eu espero que gostem <3
Sem mais delongas;
Boa leitura!

Capítulo 4 - A diversão se torna fútil, dita nesse tom amargo


Fanfic / Fanfiction Save A Young Soul - Capítulo 4 - A diversão se torna fútil, dita nesse tom amargo

 

Kyungsoo

 

Nós podemos simplesmente parar de nos olharmos como se fôssemos malditos idiotas e fazer algo? Eu não suporto mais essa falta de ação.

Eu vim aqui para dialogar sozinho e ver se consigo pôr minhas ideias no lugar. Ridículo, não? Eu estou rindo também, porque é realmente estúpido. Eu nem ao menos sei se tenho motivo o suficiente para estar aqui. Jongin saiu daqui aos cacos, estava uma merda. Eu tenho certeza de que ele falou sobre aquilo. Aquele “acidente” trágico.

 Não foi acidente. Digo com todas as palavras. Não foi acidente. Foi assassinato.

 Uma menina não morre porque sua vida é fácil. Você pensou nisso? Você não se culpa também? Você deveria se culpar, você deixa isso acontecer. Deve estar acontecendo neste exato momento outra vez. Você olha para a televisão e descobre que uma garota exemplar se enforcou em suicídio. O quão normal isso é? O quão aceitável isso é?

 Eu achava que não ligava, mas estava mais ligado a mim do que eu desejava. Ela tinha uma família ótima, mas rígida demais. Ela tinha notas ótimas, mas batalhadas demais. Ela tinha amigos ótimos, mas afastados demais. Ela era demais o tempo todo, não me surpreende que tenha surtado. É um caso estranho, onde você ganha todas as batalhas e perde a guerra. Ela saiu tão machucada que uma corda no pescoço pareceu o único meio de parar a dor.

É preocupante que eu entenda tanto assim disso?  É, eu sei que é... Mas vocês fizeram um trato, não podem contar isso a ninguém. É por isso que eu estou falando. Para simplesmente botar para fora o que entala na minha garganta. Eu não quero falar isso para o meu avô, que trabalha tanto para me manter. Não quero falar isso a ninguém. Eu pensei em Jongin, mas, sabe, ele já tem uma culpa para carregar.

A verdade é que eu quero me matar também. Eu quero pendurar meu corpo no quintal como fez Nana. Quero sentir a asfixia e a dor. Quero me arrepender de última hora e não poder fazer nada. Eu não quero viver mais.

 ...

Eu sou idiota? Eu sou ridículo. Eu não sei porque estou vivo. É tão fora de contexto. Eu não sou ruim em nada, nem bom em nada. Eu sou média, sou mediocridade pura. Eu sou uma maçã meio podre. Aquelas que estragam todo o cesto. Eu acho que estraguei Jongin também, e ele estragou uma menina, e ela me estragou...

Que droga!
...

Eu não devia gostar do meu melhor amigo, não é? Eu sei que eu não sou o melhor amigo dele, mas ele continua sendo meu melhor amigo. Ele conversa muito com Taemin, Minho... Jongin os considera mais próximos que eu, porque ele não me procura; ele me acha. Se me achar pelo corredor, ele cumprimenta, brinca. Se eu vier até ele, então fará alguma piada idiota e me divertirá por um breve momento.

 Foi o que aconteceu, eu acho. Algum tempo atrás, não muito, houve a competição para escolher quem iria jogar no time de futebol da escola para o interescolar. Ele não é muito bom nessas coisas, mas tenta por causa do pai, torcedor fanático. O pai de Jongin não sabe que ele é bom em matemática e que é louco por aqueles números todos. Ele vê magia na exatidão e é engraçado. É ridículo. Mas eu gosto. De um jeito estranho, quando ele bota os óculos de grau para conseguir enxergar aquela caligrafia porca, e quando debruça sobre o caderno com um lápis minúsculo na mão para encher a folha de contas, é quando fica mais bonito.

 As garotas dizem que ele é lindo quando tira a camisa depois do jogo para se refrescar... Aquelas babacas não sabem de nada.

 Jongin fica bonito quando se joga nos degraus da escada que separa as seções na biblioteca para estudar matemática um ano avançada. Ele fica bonito quando conta nos dedos quanto é sete mais nove só para não perder o raciocínio. Ele é bonito quando viaja com um pirulito na boca entre números e raízes quadradas, quando aperta os olhos como se pudesse adentrar ainda mais sua própria mente. Ele fica bonito quando ninguém está olhando. Eu me sinto uma merda quando olham demais para ele.

 Oh, esse é um bom motivo para morrer! Eu me sinto uma merda o tempo todo.

 E, é, em um dia, quando estava nas eliminatórias para o interescolar, eu decidi levar minha bunda até a arquibancada e observá-lo ser ruim no que queria ser bom por uns quarenta minutos. Kim Jongin era um desastre com uma bola. Um desastre ambiental. Era engraçado e trágico. Eu torcia para que perdesse e não nos envergonhasse em frente às outras escolas. Mas desci para confortá-lo no final da coisa toda, quando ele saiu rindo, mas frustrado, da quadra com gramado.

 Ele estava no vestiário, junto com a parte do time que não conseguiu também. Estavam ali Chanyeol, Kris... Talvez Jimin? Eu não sei, não lembro. Estava com os olhos em Jongin. Ele estava suado e fedendo, estava horrível.

 O que importa é que ele se jogou nos meus braços, fingindo um tom choroso, e disse que era uma bosta naquilo e depois de eu concordar e brincar que sairia dali para que ele se trocasse, Jongin me disse que eu tinha que ficar, porque eu tinha um perfume gostoso.

Bem assim, com todas as palavras:

“Fica aqui, você tem um cheiro tão bom...”

Tudo bem, só nós dois ouvimos. Ele se afastou, olhou para mim, e eu sorri sem jeito porque sabia que aquilo não mudava nada. Meu coração acelerara como o de uma menininha, eu ficara lisonjeado, mas Jongin... Bem, a vida de Jongin também era meio merda, e ele poderia cair de joelhos e me dar uma aliança, que continuaríamos aquele par estranho e desencaixado de amigos que gostam um do outro e não dizem e nem fazem nada.

Então ele riu, riu aberto, bateu no meu braço.

 “Eu ‘tô brincando, cara. Não faz essa cara estranha. Foi uma brincadeira.”

 Claro. Qualquer um que goste de mim de verdade vai ser sempre só brincadeira.

Bem, eu quero me matar. Não o faço por causa de Jongin. Jongin já tem o fardo que a vadia da Nana deixou. Eu não quero me tornar um fardo para ele também.

Sinto muito, queria poder fazer mais que isso.

 


Notas Finais


Eu tenho algumas palavrinhas a dizer sobre o Kyungsoo. Lembra que eu disse que esse é o relato em si e que, algumas vezes, o próprio personagem não vai querer dar todos os detalhes? Então, é, essa coisa de não ficar claro o motivo por trás de Kyungsoo querer morrer (mesmo que ele não tenha coragem para tal) é proposital. Ele não quis dizer, porque eu sinto que ele esperaria alguém entender e perguntar. Ele não diria, simplesmente. Decidiu contar outra coisa. Então não entendam mal, não é uma coisa avulsa.
E, não, o Kyungsoo não tem nada contra mulheres, ele tem em especial contra Nana. Vocês entenderão mais para frente.
Deixem suas opiniões aqui em baixo para mim. Sabem como eu adoro saber tudo o que pensam, não é? Eu estarei de braços abertos para ouvir tudo o que quiserem dizer.
E tenho uma pergunta a fazer, também: Eu terminei de escrever essa fanfic, então quero saber que preferem que eu poste duas vezes por semana, uma na Quarta-feira e outra no Domingo. Se não quiserem, eu posto só no Domingo. Me respondam por aqui, nos comentários, ou por MP, ou como preferirem <3 Eu quero saber o que preferem.
Bem, é isso. Até uma próxima? <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...