História Save me - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags J-hope, Jikook, Jimin, Jin, Jungkook, Namjin, Rap Monster, Suga, Yoonseok
Exibições 27
Palavras 2.127
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá pessoas!
Sim, eu demorei para atualizar porque eu tive um bloqueio criativo horrível, mas a criatividade resolveu voltar hoje na hora da aula e eu terminei de escrever esse capitulo quentinho.
A música do capítulo é 20 do Seventeen.
Desculpem a demora e obrigada a todos que acompanham "Save me".
Boa leitura!

Capítulo 10 - Feelings


Fanfic / Fanfiction Save me - Capítulo 10 - Feelings

MADISON COLLINS

Pi Pi Pi Pi...

O barulho irritante fazia minha cabeça latejar. 

Abri os olhos com calma apenas apreciando o local onde estava. Era tudo branco, havia uns quadros que minha visão levemente embaçada não conseguiu distinguir. 

Eu estava morta?

Não era a resposta certa. Só pude ter total certeza, ao olhar para o lado e ver Jimin dormindo escorado na cama por um de seus braços, enquanto sua outra mão segurava firmemente a minha, como se tivesse medo de que eu fugisse.

Olhei para meu braço esquerdo e vi os curativos. Eu tinha levado muitos pontos, com certeza. Queria tanto falar com os meninos e me explicar, eles não sabem da minha história e de tudo que passei, provavelmente, me acham uma louca por ter quase me matado.

Eu era uma louca. Ou pelo menos, estava quase lá.

Mexi minha mão e apertei um pouco a do garoto, o fazendo dar um salto, me assustando.

- Ah meu Deus! Madison! Você está bem? Não sabe o quanto fiquei preocupado!

- Acalme-se Jimin, por favor... Obrigada por ter me salvado, eu teria morrido sem você.

- Você nos deve uma boa explicação, mas não agora, precisa descansar. Vou chamar o médico e logo receberá alta. Depois disso, mocinha, terá de nos dar uma boa explicação, porque todos ficaram em pânico depois que souberam, principalmente Jin.

Ouvir o nome do meu, agora, melhor amigo, fez meu coração apertar. Ah, meu objetivo nunca foi magoar ou deixar Jin preocupado, longe de mim. Eu me sinto ainda mais estúpida do que me senti quando pensei em pôr em prática algo tão absurdo.

Tive de ouvir todas as recomendações do médico, como repouso do meu braço e tudo o mais, medidas para trocar o curativo e os sermões sobre eu ter tentado me matar e tudo o mais. Eu não tentei me matar, eu juro, mas não adiantaria discutir com uma pessoa de fora, ele não sabe o que se passou na minha cabeça na hora.

Após receber alta, minha avó me entregou uma peça de roupa e eu logo me troquei, feliz por poder, finalmente, ir para casa. Quem dera que felicidade durasse tanto. Eu sabia que sofreria um longo interrogatório de todos aqueles que me amam, mas ainda sim, era melhor do que morrer, eu acho.

Entrei em casa e me sentei no sofá, sentindo o quão confortável ele era. Recebi um abraço caloroso de JayJay e me senti extremamente amada e protegida. Antes que minha avó pudesse começar a falar a campainha tocou e assim que a porta foi aberta, 7 meninos afoitos passaram por ela.

- Madison, não sabe como estamos felizes por estar bem! - Namjoon falou me lançando um sorriso, mostrando suas covinhas.

- Eu também, Nam. Muito!

- Pode começar se explicando mocinha.

- Eu não fui totalmente honesta e não falei tudo sobre a minha história e sobre como eu vim parar aqui, de todo jeito, espero que entendam e me apoiem. Quero dizer também que eu fui chantageada por uma pessoa, que eu não gostaria nem de dizer o nome, e essa pessoa que eu não faço ideia de como sabia esse tempo todo da minha história, simplesmente jogou tudo em mim de forma agressiva e mentirosa, o que fez com que eu tivesse uma recaída e eu me culpo muito por ter sido fraca e não ter rebatido as mentiras.

Soltei tudo que me sufocava, contando um pouco da minha história, desde a suposta morte por um acidente dos meus pais, a investigação, o assassinato da minha tia e a estadia com meus avós paternos. Contei também de como eu era feliz em Los Angeles e como tive uma vida triste e até meio sombria na Carolina do Norte e de como eu era grata por tê-los encontrado aqui na Coreia.

- Wow Madison! Foi uma história e tanto. Parece que tínhamos razão ao dizer para o cabeça de vento aí - Yoongi falou apontando com a cabeça para Taehyung. - que você é uma pessoa forte e muito boa. Acho que foi esse negócio de sentir a presença boa de alguém e tal.

- Obrigada, eu acho. Ultimamente tenho pensado que as coisas ruins aparecem para nos trazer coisas ainda melhores no final. No início, eu tinha um pensamento bem mais melancólico do que eu tenho hoje. Eu acho, que vejo a vida com outros olhos.

(...)

Os meninos já haviam ido embora e eu agora estava sozinha. Já era noite e eu jantaria com a minha tão amada - e nova - família, agora de maneira tranquila, sem problemas. Arrumava a mesa de jantar junto com JayJay e a flagrei colocando mais um conjunto de pratos, talheres e copos na mesa e de pronto, estranhei, e quando ia interrogá-la, a campainha tocou.

- Estamos esperando visita? - perguntei a JayJay.

A chinesa sorriu e assentiu, me empurrando para fora da cozinha, dizendo que poderia terminar tudo sozinha. Ok, eu já estava estranhando esse mistério todo. Assim que cheguei à sala, vi minha vó e meu avô cumprimentando um homem alto e engravatado, porém, eu não conseguia ver seu rosto.

- Parece que a Mad não está aqui. Onde está a minha sobrinha predileta?

- Tio Mark!

Mark Thompson era quase um tio para mim, e eu, quase uma sobrinha para ele. Nos tratávamos quase que de pai para filha e fiquei muito triste quando soube por ele, na Carolina do Norte, que ele viria para a Coreia com a família para ajudar minha avó na empresa. Ele é tipo uma base, uma pessoa de caráter tão bom, que serve de inspiração para mim.

O abracei forte, sentindo meus pés saírem do chão. Eu nunca me acostumei com o fato de tio Mark ter 1,83, ele era tão alto!

- Que saudade pequena Mad. Não imagina o quanto Peter e Phillip sentem a sua falta, sabia?

- Em breve eu os farei uma visitinha, pode deixar. E como anda a Jessy?

- Maravilhosamente bem. Eu só não vim antes porque a situação lá em casa ficou meio séria porque nós acabamos brigando, mas já está tudo resolvido.

Peter e Phillip eram uns amores. Ambos eram filhos de Mark com Jessica, que eu chamo de Jessy, um apelido bonito que eu dei. Os meninos têm 4 e 2 anos respectivamente, e possuem uma energia admirável. Jessy é linda, loira, de olhos verdes e sorriso acolhedor, eu via nela, uma grande mãe, e de fato ela lembrava a minha doce mãe, principalmente no jeito doce de ser, uma pena Jessy não tê-la conhecido.

Após o jantar, segui até meu quarto, tomando um banho e vestindo um pijama fresquinho, já que não fazia nem calor e nem frio. Me deitei na cama e algumas lembranças de momentos bons em família começaram a passar em minha cabeça, não me permitindo dormir. Passei a mão no meu rosto suavemente depois de um tempo, notando que eu já chorava. Era inevitável não chorar ao me lembrar da minha mãe, meu pai e minha tia. Mark e sua família eram a parte das lembranças boas da tragédia na minha família. Triste, eu sei.

Ouvi um barulho na minha janela e curiosa, segui até à varanda para ver do que se tratava, logo tomando um tremendo susto ao ver a silhueta longa e bonita do garoto à minha frente encostado na grade.

- O que você está fazendo aqui? Como sabe meu endereço? Enlouqueceu? E se meus avós te veem? - desatei a fazer perguntas ao garoto, ainda com a voz um pouco fraca e fanha devido ao choro.

- Por que estava chorando? - me respondeu com uma pergunta.

- Não me responda com uma pergunta! E eu não estava chorando. O que estava fazendo aqui?

- Não minta para mim. E eu queria te ver, não é óbvio?

- Agora? À noite? Sabe que horas são, garoto? 

- Por que estava chorando? Quem te fez chorar?

- Ninguém, Taehyung! Eu só me lembrei de algumas coisas do meu passado e chorei para limpar a alma, só isso.

- Eu não quero que chore, Madison. Nunca mais. Eu quero que sorria, sorria muito, porque seu sorriso é como o Sol, merece ser visto todos os dias. Eu vim até aqui e cheguei até aqui porque queria saber se está realmente bem, eu me preocupo sabe? Eu sei que foi a Yang Mi que fez isso, e não me pergunte como sei, acho que é intuição. Só quero que saiba, Madison Collins, que, se depender de mim, eu não irei permitir, que mais nenhum ser humano existente ou qualquer lembrança tire o belo sorriso que você tem do seu rosto, está me ouvindo bem? Isso parece idiota e sem fundamento, mas eu lutarei com Deus e o mundo para que você note o quão bem eu te quero. Eu passarei por cima da humilhação, da dor, do passado e da Yang Mi por você. Eu percebi que se eu não for rápido, te perderei, e é isso que menos quero, porque eu sei, Maddie, que só você poderá me fazer feliz. - falou, logo beijando minha testa.

Meus olhos estavam lacrimejando, ele havia se declarado para mim? Por que? Nada fazia sentido algum e minhas pernas estavam bambas e a respiração entrecortada e ele nem sequer havia me tocado!

- Pode ir dormir agora, mas se eu puder te pedir algo com toda a minha audácia, eu queria te fazer um cafuné, posso? - perguntou sorrindo tímido, logo abaixando a cabeça e olhando para suas mãos.

- Mas, você não tem que voltar para casa? Seus pais não ficarão preocupados?

- Não se preocupe com isso. Posso?

- C-claro.

Eu não entendia da onde vinha aquela ideia maluca de Taehyung, mas eu sabia que depois daquela declaração eu não conseguiria dormir e tenho certeza que um bom cafuné me ajudaria e muito nesse processo.

Deitei na cama junto do rapaz, que apenas se sentou e, deitando em seu colo, me coloquei em uma posição agradável para o sono, e o garoto logo começou o cafuné. Seus dedos longos e esguios faziam um carinho gostoso que me fazia fechar os olhos lentamente, só esperando o sono vir. O que me surpreendeu mais, foi que Taehyung começou a cantar baixinho com sua voz grave, rouca, e eu diria, aveludada, fazendo meus pelos se arrepiarem.

Ajikdo yejeonui nae meomuneunji

Deve ser por causa da minha hesitação no passado

Geurae amado jageun neoui nunen ajik

Não importa o quão pequeno isto seja

Eorin aiui moseubeuro boigetji

Em seus olhos eu posso ainda parecer uma criança

Mwo haru iteurui ireun anini

Não importa de ser um ou dois dias

Geunde mwol eotteokhae oh

Mas o que eu faço?

Nae apeseo unneun ge singyeong sseuineunde

Eu continuo notando você sorrindo em minha frente

Geunyang gamanhi isseul sanghwangeun aninde

Não é uma situação em que eu possa apenas esperar

I wanna be your morning baby

Eu quero ser a sua manhã, baby

Ijebuteon b alright

De agora em diante, tudo bem

Hamkke inneun morning baby

Manhãs juntos, baby

I want u to be my night

Eu quero que você seja a minha noite

Neoui saenggakhaneun modeun ge

Até que todas as coisas que você quer

Naui modeun geot I doel su itdorok

Se tornem minhas

Nal bwajwo and be my lady

Olhe para mim e seja a minha dama

Meus olhos já estavam quase se fechando e Taehyung continuava a cantar, era impressionante o quão bonita sua voz era e eu confesso que não me cansaria de ouvi-la por um minuto sequer. Porém, eu me pergunto: o que está acontecendo comigo? Eu estou mais indecisa do que deveria estar e agora o Taehyung está com essa conversa de me perder e coisas assim e eu não sei o que fazer. Estou literalmente, com todas as letras, ferrada, porque por mais que eu tente não magoar um dos dois, algum deles sairá ferido, ou eu sairei ferida. 

- Você não sabe o quanto doeu ver você toda cheia de afeto com o Jimin. Vocês sorriam e não duvido que ele tenha te beijado. Foi ali, Madison, que eu percebi que se eu não fizesse nada, eu te entregaria "de bandeja" para ele. Você não entende, não é? Eu gostei de você desde a primeira vez que te vi, e agora sei, que não quero que fique com outro, nem que para isso eu tenha que passar por cima de traições, brigas e vergonha, porque sei que estará lá comigo. Durma bem, meu anjo. - falou baixinho com o intuito de não me acordar, já que devia achar que eu já estava dormindo.

Ah, Taehyung, você está mexendo com os meus sentimentos mais do que deveria.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, espero também não ter nenhum erro porque eu escrevo pelo celular e IPad.
Vocês ouviram Wings? Ele está simplesmente incrível! Já vi que quando eu levar um fora do crush, eu vou ouvi-lo sem parar.
Espero que tenham gostado!
Xoxo :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...