História Save Me... - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Abo, Alfa, Beta, Chanbaek, Hunhan, Jikook, Kaisoo, Namjin, Ômega, Sulay, Taegi, Taoris, Xiuchen, Yoomin
Exibições 393
Palavras 6.817
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oieeeeeeeeee!!! Sentiram minha falta? Eu sei q sim! Eu tenho q pedir perdão por n ter postado ontem como combinado, mas e q ontem eu n estava em casa pq fui pro cine sabe.... Pq também eu n sou de ferro ne! Mas ent, me desculpem e aproveitem esse HunHan maravilhoso aqui q eu fiz com muito Love ta? Nos vemos nas NOTAS FINAIS!

Capítulo 23 - Surpresa!!! (HunHan)


Fanfic / Fanfiction Save Me... - Capítulo 23 - Surpresa!!! (HunHan)


                          *SeHun(on)*

    Se eu estou cansado? Muito. Se eu estou feliz? Mais ainda. Eu estou cansado por conta de tudo o que aconteceu ate agora. Faz um mês que eu levei um tiro e fiquei na cadeira de rodas, da qual eu já sai a algumas semanas, e me deixou um pouco limitado o que me deixou bastante cansado. Estou feliz por que simplesmente eu agora posso ser feliz com o ômega que eu amo. Sim, não foi a melhor coisa do mundo a que nos aconteceu, se brincar pode ate ser considerada uma das piores afinal esta em risco o nosso futuro e o futuro dos nossos descendentes. E tudo o que eu mais quero é proteger LuHan e o nosso futuro assim como minha mãe protegeu a mim, mas por um lado as coisas podem ate ser vistas por um bom ponto de vista pois agora não precisamos mais viver de confrontos ou guerras isoladas que já nos fizeram sofrer tanto. Mesmo com todo esse perigo eminente a nossa volta, finalmente temos uma chance de ter paz e de ser feliz, já que desde que eu encontrei LuHan é a primeira vez que temos essa possibilidade. O destino vem sempre pondo obstáculos na nossa historia, como o sequestro. Eu nunca senti tanta dor na minha vida, nem mesmo quando eu fui torturado por um mafioso italiano para salvar Kai, pois o que mais me atingiu não foi o tiro que levei ou todas as formas de tortura que foram aplicadas em mim e sim ver LuHan sofrer por mim, e pior, duvidar do que sinto por si. Aquilo doeu mais do que qualquer tortura e eu poderia dar qualquer coisa para ter matado JongYang com as minhas próprias mãos para faze-lo pagar pelo que ele fez. Mas agora não adianta mais pensar nessas coisas que tanto doem e me machucam, por que tudo já passou e talvez se concentrar em ser feliz é tudo o que eu preciso nesse momento.

   ••••••••••••••••••••••••••••••••

   Um cheiro doce e suave já muito conhecido por mim, entrou nas minhas narinas me fazendo sorrir internamente ainda com os olhos fechados. Adorava fingir que estava dormindo só para o menor poder me acordar. Eu sinceramente não podia ficar mais manhoso que isso. Continuei imóvel deitado na cama e esperei LuHan se aproximar trazendo com sigo esse cheiro maravilhoso no qual eu já estava viciado. Senti o menor ficar sobre mim e mais uma vez me segurei para não abrir os olhos esperando o mesmo fazer algo. E não demorou nem sequer um segundo para que eu sentisse beijos serem distribuídos pelo meu pescoço e ate minha orelha fazendo um arrepio percorrer todo o meu corpo.

- Hunnie... Esta na hora de acordar amor... - Ele falou com uma voz manhosa no pé do meu ouvido me fazendo sorrir e abrir os olhos. Discretamente enquanto o menor ainda acariciava meu pescoço, levei minha mão ate sua nádega esquerda e apertei o local fazendo-o dar um pulo assustado me encarando com os olhos arregalados. - Iah! Então quer dizer que você já estava acordado seu pervertido.

- Ué... Estava esperando você vir me acordar. - Dei de ombros com um sorriso de canto que fez o menor sorrir também, mas me dar um leve tapa na coxa em repreensão.

- Nunca vi alfa mais mimado que você.  - Falou se preparando para se levantar. Dei língua para o mesmo e o puxei deitando-o na cama e ficando por cima de si acariciando seu rosto delicado e perfeito, de leve. Eu não sei e nunca vou saber explicar, como a cada dia que se passa alguém possa ficar mais bonito como LuHan. Eu sou capaz de ficar hipnotizado o dia inteiro so olhando para esse rosto que eu nunca me canso. Dei-lhe um rápido beijo com um sorriso no rosto e voltei a encara-lo.

- Você nunca viu um alfa mais mimado, porem eu já vi um ômega. - Sorri levando mais um tapa do menor que sorria também. - Mais mimado, mais esquentado, mais carente, mais bonito, mais carinhoso, mais atraente e mais meu.

   Ele riu e sem dizer nada segurou minha nuca me puxando para um beijo calmo e carinhoso somente para que pudéssemos sentir o gosto um do outro logo de manhã. Mas como eu não me satisfaço muito facilmente, logo minha língua pediu passagem e o menor concedeu permitindo que eu aprofundasse o beijo o tornando um poço mais urgente, porem sem deixar de ser carinhoso. Senti suas mãos acariciarem meus cabelos enquanto as minhas iam para debaixo das suas roupas passando a mão por seu abdômen. Senti o ar nos faltar e tive de separar o beijo para recupera-lo. LuHan me encarava como sempre, apaixonado assim como eu que com uma pequena diferença o encarava bobo.

- Você é perfeito sabia? - Perguntei o fazendo corar e sorrir constrangido.

- E você um fofo gostoso. - Ele falou me dando um selinho. LuHan por mais que parecesse fofo e delicado era na verdade tão pervertido quanto eu, e eu adoro isso. - Agora sai de cima de mim que a gente tem que tomar café e você tem que escovar os dentes e tomar seus remédios.

    Dei espaço para o menor sair e voltei a me jogar na cama gemendo a contragosto. Eu odiava tomar remédios. Era terrível e sempre me faziam ter enjoos. Senti LuHan me puxar e tentei fazer manha para não sair da cama, mas era impossível convencer Wu LuHan.

- Se levanta dai SeHun! - Ele fala tentando me puxar enquanto eu fazia corpo mole sendo somente arrastado na cama junto com os lençóis. - Você tem que tomar os remédios ou não vai ficar bom nunca!

- Mas eu já estou bom! - Choraminguei olhando para o menor com carinha de cachorro abandonado que caiu da mudança.

- Ah nem vem com essa cara! Você vai tomar o remédio sim! E ponto final! Agora levanta dai que eu não posso ficar fazendo força.

- Não pode? - perguntei intrigado franzindo o cenho já sentado na cama.

- E-er... Eu não quero... É isso, eu não quero ficar fazendo força. - Ele falou parecendo nervoso. Isso me deixou ainda mais confuso. Me levantei devagar e me aproximei do menor segurando a sua cintura.

- Luge... Você esta me escondendo algo? - Falei baixo olhando nos seus olhos. Observei o menor prender a respiração e morder o lábio inferior como sempre faz quando fica nervoso.

- N-não! - Respondeu um pouco alto demais se afastando. Ele realmente estava escondendo algo e aquilo me magoou um pouco, mas decidi deixa-lo em paz. Tudo ao seu tempo, e por isso tratei de por um sorriso no rosto e fingir que nada aconteceu.

- Então esta bem. - Falei dando-lhe um selinho e indo ate o banheiro.

    Comecei a escovar os dentes de frente ao espelho e me peguei analisando a mim mesmo. Minha pele já não parecia mais tão pálida e meu cabelo agora já estava preto. Eu não parecia precisar mais tomar remédios, mas se era para tomar então que fosse. Mas e LuHan? Por que ele estava tão estranho? O que ele não podia me contar? Doía saber que ele não confiava em mim da mesma forma que eu confio. Mas se ele esconde algo é por que tem um motivo, então eu não preciso me preocupar pois no momento certo ele conta.

    Sai do banheiro enxugando o rosto e segui ate a cozinha onde estavam sentados a mesa Kris o irmão mais velho de LuHan e seu ômega, Tao. Ambos conversavam animadamente sobre a gravidez do ômega, descoberta a um mês e esperada a anos segundo Luge, que cozinhava rente ao fogão de lenha.

- Bom dia! - Cumprimentei a todos com um sorriso logo me sentando a mesa junto com os mais velhos.

- Bom dia SeHun, dormiu bem? - Tao perguntou simpático como sempre, enquanto Kris acariciava sua barriga que começava a tomar forma.

- Sim Tao, obrigado por perguntar. - Sorri para o ômega a minha frente e voltei minha atenção para LuHan que parecia distraído com algo. - Onde estão os remédios amor?

- Então agora quer toma-los? - ele perguntou brincalhão, mas ainda sim um pouco temeroso, agora virado para mim.

- Se eu puder não toma-los seria ótimo. 

- Claro que não! Vai tomar sim por que vai ser a ultima vez. - Ele falou sorrindo e eu arregalei os olhos me levantando para abraçar o menor que ria enquanto eu distribuía beijos pelo seu rosto.

- É serio que eu vou poder parar de tomar esses trecos? - perguntei ansioso abraçado a cintura do menor.

- Vai. Eu falei com BaekHyun hoje de manhã e por conta do seu atual estado que segundo ele é muito bom, você não vai mais precisar tomar. - Ele terminou com um sorriso no rosto e eu voltei a beija-lo alegre.

- Ei, ei, ei! Pode parar com essa agarração na minha frente estão ouvindo!? - Era a voz de Kris que imediatamente me fez soltar o menor rindo.

- Aish Kris! - LuHan reclamou emburrado com um biquinho nos lábios. - Ate parece que eu não ficava vendo você e o Tao se comendo pela casa!

- Primeiro: Eu sou seu irmão mais velho e segundo: Ainda não estou preparado pra ver você desse jeito com um alfa. - Ele falou serio me fazendo rir.

- Mas eu já sou marcado!

- Mas nada! Se quiserem fazer qualquer coisa vão pro quarto.

- É melhor ouvir o seu hyung amor... - Falei rindo e dando uma palmada na bundo do menor e voltando para o meu lugar.

- Mas que audácia a sua hein? - Kris falou com uma sobrancelha levantada enquanto eu ria.

- Fazer o que né? Nasci assim... - Respondi sendo fuzilado com o olhar do mais velho enquanto Tao ria alisando o ombro do mesmo.

- Ta, mas agora chega de conversa e toma logo seus remédios. - LuHan falou trazendo quatro fracos de pílulas me fazendo franzir o nariz desgostoso.

- Hannie... Vai ser só os remédios que eu vou parar de tomar ou... - Lancei um olhar malicioso e um sorriso sedutor ao menor que corou imediatamente sabendo o que eu iria falar. - Nós vamos poder voltar a... Você sabe... Ser mais felizes durante a noite?

- Mas que falta de vergonha na cara é essa que esse seu alfa tem, hein LuHan? - Kris falou de olhos arregalados enquanto LuHan não sabia o que dizer completamente vermelho. Tao so ria descontroladamente.

- O que é? Pra mim você ainda acha que o Hannie é virgem? - Perguntei sorrindo fazendo LuHan me olhar praticamente soltando fumaça pelo nariz.

- S-SEHUN! - Ele gritou me fazendo rir de frente para Kris que parecia a ponto de um colapso.

- Se acalma Fannie... Ou você acha que essa marca saiu do nada? - Era Tao que estava vermelho também, porem de tanto rir.

- Ate você amor!?

- Eu só falo a verdade! - O ômega se defendeu sem conseguir conter o riso.

- Sabe de uma coisa? - LuHan falou virando de costas tentando esconder o rosto enquanto eu mordia o lábio inferior olhando para a bunda redondinha do menor. - Eu não vou dar nem mais atenção pra vocês! E SeHun, para de olhar pra minha bunda!

- O que? Eu já estou a dois meses nessa situação insuportável de seca extrema, imagina so como eu me sinto!? - Falei sem tirar os olhos da bunda do menor que parecia se mexer propositalmente para me provocar, mesmo que sem a intensão. - E olha que eu nunca cheguei a ficar uma semana.

- Ah é? Pois se continuar assim vai ficar um ano! - LuHan falou me fazendo arregalar os olhos enquanto Kris ria pela primeira vez mostrando alguna expressão feliz, apontando para mim.

- Ah não! Não fala isso nem de brincadeira!

- Então continua olhando pra minha bunda que é isso o que vai acontecer!

- Injustiça viu! - Murmurei cruzando os braços e fazendo bico. - Nem parece que eu quase morri, ou melhor, eu realmente morri.

- Nem vem com chantagem emocional que não vai funcionar! - Ele encerrou sem se virar e eu decidi me calar começando a tomar os remédios em silêncio.

   ••••••••••••••••••••••••••••••••

    Mais uma vez eu estava na cama, esperando o maldito enjoo passar. Era sempre assim depois que eu tomava os remédios que segundo BaekHyun, foram fundamentais para minha recuperação, alem da falta de sexo claro. Isso já estava me matando! Dois meses sem afogar o maldito ganso que nesse momento estava pedindo para ser jogado no lugar mais fundo do oceano. Claro que LuHan sempre me ajudava como podia me fazendo gozar da forma como era permitida, mas ainda sim era insuportável dormir ao lado do menor e não poder fazer tudo o que eu queria com ele. O dia da nossa primeira (e ate então ultima) vez, que as lembranças vem aos montes na minha cabeça. Tudo o que eu mais queria era poder fazer o menor gemer o meu nome novamente. Alem de que eu não conseguia esquecer a minha promessa de cobrir a tatuagem que me ligava ao meu passado com Namjoon. Era notável que todas as vezes que LuHan olhava para a flecha desenhada em meu braço, uma sombra tomava conta do seu rosto de porcelana. Eu também precisava dar um jeito nisso, mas como se a situação em que nos encontramos não é das mais favoráveis? Muita coisa ainda tinha de ser resolvida, e por isso acabei por me esquecer de que o menor talvez me escondesse algo.

   Suspirei pesado sentindo o maldito enjoo ir embora aos poucos, e escutei os passos de LuHan entrando no quarto sendo acompanhado por seu cheiro, que imediatamente me fez abrir os olhos para encara-lo.

- Já esta se sentindo melhor? - Perguntou se sentando ao meu lado sobre os joelhos na cama.

- Só um pouquinho. - Falei um pouco grogue por conta dos remédios.

- Já vai passar... - Senti sua mão acariciar me rosto me fazendo fechar os olhos para aproveitar o carinho. - Sabe... Eu falei com BaekHyun agora pouco... E ele disse que assim que o efeito dos últimos remédios passarem... - Ele falou descendo a mão discretamente para o meu peito onde começou a apalpar enquanto falava, me fazendo abrir os olhos novamente sorrindo malicioso. - Você estaria liberado pra fazer... Aquilo...

- Aquilo o que? - Perguntei acariciando o pulso do menor que me olhava fundo nos olhos enquanto se punha de quatro sobre mim apenas para ficar com a boca em minha orelha onde mordeu me fazendo arrepiar inteiro.

- Me foder...

- Ah como eu quero... - Sussurrei em seu ouvido devolvendo a mordida na orelha.

- Mas antes... Eu tenho uma surpresa...

- Que tipo de surpresa? - Perguntei curioso acariciando os fios castanhos claros do menor.

- De noite você vai ver... Mas não sei se você vai gostar... - Pude sentir um que se apreensão na voz do menor e por isso segurei seu rosto deixando um beijo nos lábios do menor, onde havia uma cicatriz que atravessava o lábio inferior, mas que era dificilmente notada.

- Pode apostar amor... Eu gosto de tudo o que vem de você... Por que você é perfeito... - Falei olhando fundo em seus olhos onde eu ainda podia enxergar um pouco de medo. Dei mais um beijo no menor, dessa vez demorado e o observei se sentar ao meu lado pensativo.

- Hunnie... Você sabe que o seu sobrenome estava naquela tal lista, não sabe?

- Claro que eu sei, por que a pergunta? - Perguntei franzindo o cenho cada vez menos me sentindo tonto e enjoado.

- É que o Kris disse que só tinha poderes uma geração sim e outra não, e já que você não tem eu fiquei curioso em saber qual os poderes do appa ou da sua omma... - Ele perguntou timidamente me fazendo sorrir acariciando suas costas.

- Eu nunca conheci meu appa, mas minha omma ela era bastante estranha apesar de nunca ter mostrado nada... Peculiar pra mim. - Respondi o encarando pensativo. - Apesar de ser mãe solteira e nunca ter tempo pra trabalhar por minha causa, eu sempre tive tudo. Brinquedos caros, uma casa grande e moderna, dinheiro sempre que eu queria e tudo o queria, alem de viagens para todos os lugares do mundo. Eu nunca entendi onde ela conseguia tanto dinheiro pra gastar assim como se nos fossemos as pessoas mais ricas da Coreia do Sul, e sempre que eu perguntava ela falava que era da herança de um tio muito distante que tinha a nós como seus únicos parentes, mas ate onde eu sabia minha avó era filha única e eu nunca tive contato com o meu pai ou com quem quer que seja da sua família. Mas eu nunca liguei pra isso, o importante é que eu tinha tudo e não importava de onde vinha. Mas as vezes aconteciam coisas que me deixava muito intrigado. - O encarei com as sobrancelhas esperando que o menor falasse alguma coisa, mas este apenas fez sinal para que eu continuasse. - Teve uma vez que nós estávamos a caminho do supermercado e por algum motivo um carro bateu no da minha omma. Eu lembro que o homem do carro saiu muito irritado e gritando muito. Minha omma apenas sorriu pra mim e saiu do carro me pedindo para esperar. Eu fiquei com muito medo que aquele homem fizesse algo com a gente e por isso fiquei olhando pela janela tudo o que acontecia. Minha omma fez a mesma coisa que fez pra mim: Ela apenas sorriu docemente sem dizer nada, e o homem ficou completamente paralisado como se estivesse congelado de olhos arregalados. Eles ficaram se encarando e do nada minha omma voltou para o carro e o homem voltou para o dele sem dizer nenhuma palavra. Minha Omma seguiu viagem como se nada tivesse acontecido e no dia seguinte estava com um carro novo muito melhor que o nosso, que já era ótimo, e disse que havia ganhado de um amigo como se fosse um brinquedo. - Ri lembrando de como a minha mãe levava as coisas da vida como se fossem simples acontecimentos cotidianos, coisa que no nosso caso definitivamente, não era. - Eu sempre achei estranho, mas nunca pude imaginar que ela era diferente de qualquer outros ou outras ômegas, ou muito menos que isso poderia afetar o meu futuro e o futuro dos meus filhos.

- E o que houve com ela? Ela parece ser muito importante para você... - Ele falou alisando meu cabelo devagar fazendo a dor que estava instalada na minha cabeça ir embora devagar. Sorri novamente tanto com carinho quanto ao lembrar novamente daquela mulher que me criou e que tanto me deu carinho e amor, mas ao mesmo tempo, uma tristeza intensa me invadiu ao sentir as lembranças de como ela partiu me atingirem em cheio. Depois do dia em que "morri" ao ouvir as palavras duras de LuHan, a morte da minha mãe foi o acontecimento mais doloroso da minha vida.

- E ela Lu... Ela era e é... - Suspirei deixando o meu sorriso anterior ser substituído por uma expressão extremamente triste. Olhei para o menor e percebi que o mesmo sentia a minha dor passando a mão pelo meu rosto de leve. Ele não iria sugerir que eu parasse para não me causar dor, pois tanto ele quanto eu sabíamos que ele precisava saber, já que agora ele era parte da minha vida e teria que saber tudo sobre ela e vice-versa. Por isso suspirei novamente e me afundei naquelas lembranças começando o relato daquele dia tão terrível e confuso. - Eu tinha quinze anos e minha omma devia estar com seus trinta e cinco. Ela era jovem quando me teve e conseguiu manter essa juventude ate o ultimo momento, era definitivamente a mulher mais lindo do mundo. - Sorri levemente com seu rosto sorridente na cabeça. - Nós estávamos jantando, somente eu e ela como sempre fazíamos quando a campainha tocou. Nunca recebíamos visitas naquele horário e imaginei que seria Namjoon ou Yoongi pra pedir algum trabalho urgente ou pra buscar alguma das milhares coisas que eles esqueciam lá em casa, e eles eram os únicos que podiam entrar sem precisarem ligar da portaria pra pedir permissão pra entrar, por isso me levantei pra ir atender. Minha omma estava nervosa aquela noite e nem eu nem ela sabíamos o por que, somente soubemos quando eu abri a porta e fui empurrado com força no chão. Minha omma já estava atrás de mim e os homens foram direto pra ele a derrubando no chão também. Eu corri pra tentar impedir, mas eles me seguraram e me fizeram ver quando eles atiraram na cabeça dela. - Nesse momento LuHan arregalou os olhos já cheios de lagrimas com uma mão na boca enquanto eu olhava para o nada com uma expressão fria e fechada, que era a mais dolorosa que me cabia no rosto, já que eu não conseguia mais chorar por conta desse fato. Minha cota de lagrimas para essas lembranças já esgotaram a muitos anos. - No momento eu me desesperei. Comecei a gritar e corri ate o corpo dela querendo que ela voltasse. Eles atiraram em mim também, mas eu me fingi de morto pra que não atirassem mais, e funcionou. - Falei mostrando uma cicatriz na minha nuca quase imperceptível ao lado da mais recente. - Minha omma nunca teve problemas com ninguém e eu não entendia o por quê daquilo tudo, até um mês atrás. Agora eu sei por que tínhamos tudo, por que vivíamos discretamente mesmo que extravagantemente e o por que de ela ter morrido.

- E-eu sinto muito... - LuHan falou me abraçando devagar e acariciando meus cabelos. Dei um beijo em seu rosto e agradeci a quem quer que fosse pela existência do meu ômega. Eu realmente não sei o que seria da minha vida se não tivesse sequestrado esse pequeno. - Eu sinto muito por não ter estado na sua vida por todo esse tempo e ter virado de você.

- Mas você não tem culpa se o destino foi assim. E no fim eu te encontrei não foi? - Falei no pé do seu ouvido sorridente. - E agora estamos aqui, juntos e felizes.

- Sim, estamos aqui e eu te amo muito.

- Eu também te amo muito. - Sussurrei segurando seu rosto e o beijei de forma apaixonada. O enjoo e a dor de cabeça já haviam ido embora e tudo o que eu queria era ter LuHan mais uma vez para mim. Mais do que ele já era, mas fui interrompido pelo menor que se levantou da cama me olhando com cara de safado. - M-mas por que? Eu nem estou mais enjoado!

- Mas vai ter que esperar minha surpresa! - Ele falou saindo do quarto rebolando propositalmente para mim. Ai! Eu ainda ia ficar louco!

   Soltei um grunhido frustrado e me joguei na cama fechando os olhos com um enorme sorriso no rosto. A noite com certeza prometia.

   •••••••••••••••••••••••••••••••

    Sai do quarto por volta de umas 18:00 da tarde, e fui ate a cozinha atrás de LuHan vendo que o mesmo não estava lá. Procurei nos quartos e na sala e não achou o menor e muito menos os mais velhos da casa. Estava sozinho e nem ao menos sabia onde todos estavam. Suspirei pesado e me joguei no sofá de couro, um tanto indignado por ter sido deixado sozinho em casa sem ao menos ser avisado disso. Passei a mão nos cabelos pretos e olhei meu reflexo na TV gigante da sala. Sera que LuHan tinha alguma tinta? Se bem que o menor não pintava o cabelo, apenas usava um shampoo para clarear ou escurecer os fios. Mas Tao pintava e Kris também. Fui para o banheiro e procurei nos armarinhos de madeira achando embalagens de tinta laranja, cinza e castanho. Fiquei olhando as embalagens e optei pela cor cinza que me chamava mais atenção. Aproveitei que não havia ninguém em casa e comecei o processo de descolorir o cabelo para depois passar a tinta. Não me importei com o fato de não saber se há podia ou não fazer esse tipo de coisa, já que o máximo que me podia acontecer era morrer e isso eu já tinha feito.

    Passei pelo menos uma hora descolorindo, pintando e lavando o cabelo e ninguém chegara em casa. Ainda tive tempo de secar os fios e olhar meu novo visual gostando muito do que vi. Mexi o cabelo para um lado e para outro e sorri para o meu reflexo dando uma piscadela, quando ouvi a porta bater anunciando a chegada de alguém. Andei a te a sala sem me preocupar com o fato de estar apenas de calça de moletom, e dei de cara com LuHan que arregalou os olhos ao me ver abrindo e fechando a boca varias vezes. Sorri passando a mão pelo cabelo e mordendo o lábio inferior para provocar o menor.

- É so eu sair de perto de você por algumas horas e você vira outra pessoa. - Ele falou sorrindo bobo se aproximando de mim e passando os braços ao redor do meu pescoço e eu fiz o mesmo com sua cintura colando nossos corpos. - Se bem que eu tenho que admitir que é uma pessoa bem mais gostosa do que você já era.

- Eu faço o que posso. - Dei de ombros e beijei o pescoço do menor, porem parei com as caricias ao sentir um forte cheiro vindo do mesmo, que não era dele. - LuHan, onde você estava? E com quem? Seu cheiro esta estranho. - Perguntei serio sentindo o menor ficar tenso. - LuHan... O que esta escondendo de mim?

- Hunnie... Lembra da surpresa? - Ele perguntou com a voz baixa. Assenti desconfiado com medo do que viria enquanto sentia o cheiro ficar cada vez mais forte sobre o menor. - Essa era a surpresa... Eu estou gravido.

    De repente tudo parou. Arregalei os olhos e vi o menor morder os lábios nervoso com a minha reação. Como é que a historia!? Eu vou ser... Pai!? Uma criança... Um filho... EU VOU SER PAI! Um enorme sorriso enorme brotou no meu rosto e tive de balançar a cabeça varias vezes para ter certeza que aquilo não era um sonho.

- Diz que não é um sonho Luge... Diz pra mim... - Sussurrei sorrindo para o menor que agora sorria também aliviado.

- Não é... Vamos ter um filhote só nosso... - Ele falou com lagrimas nos olhos encostando sua testa na minha. Segurei os cabelos da sua nuca e o abracei me permitindo chorar como a muito tempo não fazia, porém de felicidade. Senti o menor soluçar em meus braços e o apertei ainda mais naquele abraço. Ficamos algum tempo chorando nos braços um do outro ate que separamos o abraço apenas para nos encarar. - Surpresa!

- Ah LuHan... Eu te amo tanto! - Falei beijando todo seu rosto sentindo o gosto salgado das nossas lagrimas, enquanto o menor ria segurando minha cintura.

- Eu também te amo! E agora te amo mais do que nunca! - Ele falou alto me abraçando com força. Retribui o ato, mas logo separei me abaixando para beijar a barriga do menor que ria. Cheirei sua barriga sentindo o aroma do nosso filhote e senti mais lagrimas escorrerem pelo meu rosto. Isso estava mesmo acontecendo? Eu ia mesmo ter um filho? Com LuHan? O destino não podia me dar presente melhor. Continuei beijando a barriga do menor e o escutei dar risadas. - Para de ser bobo amor!

- O que você queria? Eu agora sou o homem mais feliz do mundo! - Gritei segurando o rosto do menor o beijando com vontade, mas parando quando uma duvida me surgiu. - Como eu não senti o cheiro antes?

- Os remédios que você estava tomando não permitia que você sentisse. Ele limitava esse sentido.

- E como eu sentia o seu cheiro? - Perguntei ainda mais confuso. O menor revirou os olhos e me encarou sorrindo.

- Por que você já estava acostumado com ele. Não percebeu que era o único cheiro que sentia? - Ele sorriu ainda mais e eu tentei me recordar notando que era verdade.

- Ah... Ta... - Respondi abraçando discretamente o menor pela cintura olhando para cima com quem não quer nada, enquanto o menor só ria. - Mas sabe... Agora que eu não tomo mais remédios... Agora que eu estou... Gostoso. - Sorri sedutoramente fazendo o menor gemer manhoso somente encostando o quadril no meu pedindo por contato. Era incrível como eu conseguia fazer aquilo com ele e ele comigo. - Sera que não seria uma boa hora para comemorar?

- Eu não sei por que você ainda ta falando! - O menor praticamente rosnou instigando meu alfa e me beijou com desejo e ferocidade.

    Segurei sua cintura com força retribuindo o ato e o puxei para cima enlaçando suas pernas em volta da minha cintura. Nossas línguas brigavam por espaço em nossas bocas, misturando nossos gostos me fazendo delirar. Mesmo sem ver para onde íamos, me encaminhei para o quarto mais próximo (que devia ser o vago) e e deitei o menor na cama ficando por cima do mesmo com uma perna de cada lado do seu corpo. Separei o beijo por falta de ar e aproveitei a deixa para tirar rapidamente todas as peças do menor que tinha os olhos fechados. Assim que vi o corpo nu de LuHan a minha frente, meu alfa se agitou querendo logo possuir aquele corpo como a muito eu não fazia. Na verdade so fizemos sexo uma vez, mas foi o suficiente para me viciar naquele corpo imaculado que pedia por marcas. Analisei todo o menor como se me torturasse por demorar tanto, e parei no membro já ereto do mesmo me deliciando com a cena.

- Como eu quero te chupar inteiro e te fazer gozar na minha boca... - Falei despudoradamente fazendo o menor gemer quando alertei sua coxa dando ênfase as minhas palavras.

- Então faz logo! Meu corpo quer você... Eu quero você... - Ele gemia de olhos fechados segurando os lençóis como se estivesse no cio. E talvez a situação fosse pior que isso já que era pouco mais de um mês sem que eu pudesse de fato tocar no menor. - Me faz seu de novo SeHun... Faz amor comigo como daquela vez... Me faz esquecer tudo o que a gente passou... Me chupa, me morde, me fode logo SeHun!

- Ah se eu vou... E como eu vou... - Sussurrei no ouvido do menor mordendo sua orelha escutando seus gemidos. - Mas antes eu vou te marcar inteiro...

- Só me faça seu Hunnie... Ainda mais do que eu já sou.

    E atendendo ao pedido do menor, comecei a morder e chupar com força o pescoço do mesmo. Mordi mais uma vez a marca ouvindo um gemido sôfrego so do menor e desci as caricias em uma trilha indo ate o seu maxilar onde mordi provocadoramente o fazendo gemer novamente. Continuei descendo os beijos e chupões e fui parar em seu mamilo rijo, onde chupei con força logo passando para o outro fazendo os gemidos do menor preencherem o quarto. Depois de abusar aquela região, desci mais mordendo onde eu passava (com certeza iria ficar a marca), e cheguei ao umbigo onde circulei com a minha língua olhando diretamente para o menor sedutoramente. LuHan tinha uma expressão de prazer e ansiedade no rosto que me fazia querer parar tudo e só fode-lo com toda força, mas eu não faria isso... Não nesse momento.

    Sem cortar o contato visual com o menor, segurei seu membro ereto e passei o dedão na glande rosada que liberava pré, fazendo-o soltar um gemido alto fechando os olhos. Sorri com aquela reação, e sem aviso, abocanhei seu membro todo de uma vez logo começando a chupa-lo todo de uma vez, ouvindo os gemidos altos e necessitados do menor. Aquilo estava me deixando louco, e ao menor também que logo gozou na minha boca me fazendo sentir seu gosto azedo e amargo inundar minha boca, gritando de prazer. Lambi o membro do menor assim como meus lábios, e me pus sobre o mesmo iniciando um beijo apaixonado e urgente que misturava o nossos gostos com o do seu sémen ainda presente na minha boca. Interrompemos o beijo somente quando o ar nos faltou, me fazendo encara-lo ofegante.

- Me fala o que você quer, fala... - Pedi passando a mão que não estava me apoiando, no seu rosto levemente.

- Me fode amor... Logo... - Ele pediu manhoso me encarando com os olhos brilhando em luxuria e desejo.

- Não precisa nem pedir duas vezes... Você não tem ideia de o quanto eu quis possuir esse corpo mais uma vez desde aquele dia... - Sussurrei passando mão por todo o corpo marcado por mim, do menor que agora tinha os olhos fechados apreciando as caricias. - De o quanto eu senti falta do meu corpo se encaixando ao seu como nunca se encaixou no de ninguém... - Olhei fundo dos seus olhos mordendo meu lábio inferior passando o dedão nos seus e descendo ate a sua barriga ainda sem forma onde deixei minha mão. - E de principalmente fazer amor com você... O nosso amor...

   LuHan sorriu e mais uma vez, nos envolvi em um beijo quente e apaixonante que eu tive de separar por conta da ansiedade que eu não conseguia mais segurar. Finalizando o beijo com um selinho, separei as pernas do menor e me pus entre elas segurando sua cintura com firmeza, antes de posicionar meu membro em sua entrada molhada de lubrificação natural. Ouvi um resmungo da parte do menor e sorri o penetrando devagar. Gemidos da minha parte e da sua foram ouvidos quando me coloquei por inteiro dentro do menor sentindo sua entrada tentar me expulsar do seu interior apertado. Esperei um pouco sentindo aquela sensação prazerosa pela qual eu tanto ansiei, e logo senti o menor rebolar pedindo por movimento. Comecei a me movimentar em seu interior, a principio devagar, mas logo tendo que intensifica-los a pedido de LuHan que gemia alucinadamente subindo e descendo as mãos em minhas costas que com certeza ficariam marcadas por suas unhas. Continuei a investir contra seu corpo ouvindo o som dos nossos corpos se chocando enquanto jogava minha cabeça para trás gemendo em sintonia com o menor que tinha os olhos fechados. Um grito alto do menor denunciou aquilo que eu queria, continuei a acertar o mesmo lugar e tive certeza de que eu havia acertado sua próstata. Pus mais força nas investidas entrando e saindo do seu interior tendo como som de fundo nossos gemidos altos e sem pudor. Senti meu orgasmo se aproximar e segurei o membro do menor o masturbando na mesma velocidade das investidas. Não demorou muito e logo gozei em seu interior continuando com as estocadas querendo prolongando a sensação de êxtase sem igual do orgasmo. O menor também gozou em minha mão com um grito melando nossos abdomens, enquanto eu me retirava de seu interior caindo ao seu lado cansado, suado e completamente satisfeito. Me aproximei de LuHan me sentindo mole como nunca antes por conta do orgasmo, e o abracei por trás beijando seu pescoço no local da marca agora reforçada.

- Você não sabe o quanto eu estou feliz Hannie por te ter em meus braços da devida forma, se é que você me entende... - Sussurrei em seu ouvido arrancando uma risadinha do menor que acariciava meus braços em volta da sua cintura.

- E você não sabe o quanto eu estou feliz por estar neles seu pervertido! - Ele riu divertido mais uma vez dando um leve tapa no meu braço.

- Mas eu não sou pervertido! So fiquei tempo demais sem poder abusar desse pedaço de mal caminho que é você! - Falei fingindo indignação com um enorme sorriso no rosto. - Se ponha no meu lugar Luge, um alfa que acabou de reivindicar sua alma gêmea ficar um mais de um mês sem poder tocar devidamente no seu ômega, que é uma delicia! Não pode me culpar.

- É você tem razão... Eu também tenho que confessar que praticamente subia pelas paredes por não poder fazer sexo com você. É que nem coca-cola, depois que você experimenta não consegue mais ficar sem. - Ele deu de ombros me encarando com o sorriso mais lindo do mundo.

- Eu sei que sou irresistível sabe... - Recebi mais um tapa, dessa vez tão forte que me fez fazer careta. Dei mais um beijo no pescoço do menor e fiquei passando o nariz no seu pescoço sentindo aquele cheiro maravilhoso que só LuHan tem, mas que agora estava misturado a completamente novo com o qual eu teria o maior prazer de me acostumar. O cheiro do nosso filho. - Lu... Por que não me contou antes sobre o filhote?

- Eu já disse que queria fazer uma surpresa. - Ele revirou sorrindo. - E também eu fiquei com medo de você passar mal por conta dos remédios. Te conheço bem o suficiente pra saber que quando soubesse iria surtar, pra bem ou pra mal. Tao me falou que seria melhor esperar você parar de tomar os remédios pra não acontecer nada, e que também a comemoração seria bem melhor se você já estivesse liberado pra fazer certas coisas...

- Ah, o Tao entende das coisas! - Falei rindo e dando vários beijos no menor que ria junto. - Mas... Você acha que seremos bons pais? Por que eu não tenho a menor ideia de fazer com uma criança.

- E você acha que eu tenho? Quando descobri, eu não sabia se dava pulos de alegria ou se chorava de pavor! Ate agora é estranho a ideia de ter algo se desenvolvendo dentro de mim, mas quando eu pensei que seria algo meu e seu eu só queria te contar o mais rápido possível de tão feliz que eu fiquei! - Ele sorriu largo me contagiando, com os olhos brilhando de alegria. - Eu de fato chorei quando me imaginei cuidando de um filhote nosso! Um filhote só nosso Hunnie! O fruto da nossa historia e a prova de que nós podemos ter um futuro! Por isso eu não tenho dúvidas... Nós seremos os melhores pais que esse filhote pode ter.

    Eu realmente não podia estar mais feliz que isso! Eu agora tinha uma família... LuHan e o nosso filhote. O destino talvez quisesse uma trégua. E foi pensando nisso que me lembrei de algo. Algo muito importante.

- Lu... Você lembra do pedido que eu te fiz a um mês atrás? - Perguntei mordendo meu lábio inferior já planejando algo na minha cabeça.

- O que? Aquele que eu aceitei no hospital? - Ele perguntou de volta sorrindo como se já soubesse dos meus pensamentos, e talvez ele soubesse.

- O que você acha de colocar em pratica?

- É serio Hunnie!? - Ele perguntou se virando para mim com um enorme sorriso no rosto e os olhos arregalados enquanto eu assentia varias vezes. Tudo o que eu mais queria era cumprir meu pedido e me casar com LuHan, mesmo que nós não precisássemos. - Mas como?

- É só falar com Harry e o restante do pessoal! Não precisamos de um padre ou de um juiz pra comprovar o nosso amor, apenas de testemunhas que presenciem e comemorem com a gente a nossa felicidade! - Respondi feliz quase gritando de alegria.

- Ah SeHun... Eu te amo tanto! - Ele falou beijando me rosto sem conseguir parar de sorrir.

- Eu te amo mais meu pequeno! - Beijei o menor com vontade selando aquela felicidade que queria transbordar do meu peito. Segurei sua nuca e separei o beijo que já começava a esquentar demais assim como nossos corpos. - Por falar em comemoração... A gente poderia começar agora ne...

- Aish, seu ninfomaníaco! - LuHan reclamou enquanto eu começava a beijar seu pescoço com vontade.

- Ninfomaníaco? Você não viu nada! - Falei rindo me pondo novamente por cima do menor que me encarava desejoso e provocante.

   E digamos que nossa festa já havia começado, sem padre, sem juiz e sem testemunhas, ate por que esse momento não precisava de testemunha nenhuma alem de nós mesmos e nosso pequeno filhote. O nosso amor é eterno e só nos precisamos ter certeza disso.


Notas Finais


Aeeeeeeeeee! Voltei! Kkklk meio obvio isso ne? Mas tudo bem. E ai gostaram!? Pq eu amei!!! Sinceramente eu tava contando os segundos pra postar esse capitulo pq HunHan junto com NamJin são meus otps máximos ent eu sempre amo escrever os capítulos desses shippers! Mas mudando de assunto, quem aqui acha que o Kris e "conservador" (pq ele faz coisa bem pior ne kkk) demais com o Lu ou é o SeHun q e ninfomaníaco mesmo? Mas vamos ver o lado do Hunnie ne? Um mês e meio tomando remédio e sem afogar o ganso e pra se lascar! Mas de boa, o q importa é q agora o LuHan se juntou ao clube dos gravidos!!! Gente muito lindo o SeHun chorando de emoçaum!!! Jesuis!!! E o poder da mãe do SeHun!? So pra deixar claro ela era tipo a esposa do Wolverine no primeiro filme dele, ela tinha o poder de fazer as pessoas fazerem o q ela queria com o pensamento! Muito foda ne? Eu sei! Será que o filhote HunHan vai puxar a ela ou vai ser mais foda q isso? So aguardem pq tem muita saravagem por vir nessa bagaça! (bem o novo Mv do Bts q eu ainda n superei!) bjinhos pessoas q moram no meu kokoro e ate a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...