História Save Me - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~brienereis

Postado
Categorias 2PM, Bangtan Boys (BTS), Big Bang, EXO, Got7, Jay Park, Seventeen
Personagens Baekhyun, G-Dragon, Jackson, Jay Park, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Junsu, Lee Jihun "Woozi", Lu Han, Mark, Rap Monster, Seungcheol "S.Coups", Suga, T.O.P, Taecyeon, V, Xiumin
Tags 2pm, Akai Ito, Drama, G-top, Hoseok Ativo, Hoseok Passivo, Hoseok!bottom, Hoseok!top, Jay Park, J-hope Ativo!, J-hope Passivo, J-hope!bottom, J-hope!top, Jikook, Kakaw-chan, Lemon, Lubaek, Namjin, Romance, Sad, Sobi, Sope, Suga Passivo, Suga!bottom, Taeseok, Yaoi, Yoongi Passivo, Yoongi!bottom, Yoonseok
Visualizações 44
Palavras 2.657
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fluffy, Lemon, Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Capítulo III


Min Yoongi

Como na maioria das noites eu não dormi, eu não pude ao menos. Jay Park era desprezível e como sempre havia chamado uma das pessoas que viviam em sua casa para lhe satisfazer. Eu não conseguia dormi ouvindo os ruídos daquele ser monstruoso. Então fui para o quarto de Taehyung meu melhor amigo, bom não tanto assim, eu diria que éramos próximos já que nós dois passávamos pelas mesmas situações, mas ele não sabia nada sobre mim e eu não sabia nada sobre ele.

— De novo min yoongi?

— Sim.

— Venha, deite aqui.

Fui até sua cama e me deitei. Não era estranho eu fazer isso, já havíamos dormido juntos muitas vezes, algumas vezes Jay se aproveitava disso e vinha até nós, mas isso nunca nos impediu de continuar juntos já que uma dor compartilhada dói menos que solitária.

— Eu não entendo, Yoonie, você sempre me parece ser o mais forte entre nós, o mais estável, mas quase todas as noites precisa de companhia para dormi.

Suspirei alto.

— É diferente, TaeTae, no dia eu sou forte para que vocês sejam fortes também, eu sou o mais velho, tenho que passar estabilidade para vocês tenho que ser uma coluna de sustentação para todos, se eu não for quem irá ser?

Ele se silenciou.

— Obrigado Yonnie.

Ficamos por tempo indeterminado só respirando, existindo, olhando para o outro e pensando em nada, até que o sono veio e fechamos nossos olhos.

Fui o primeiro a acordar pois era minha tarefa acordar Jay. Quem olhasse de fora poderia achar que era bom morar aqui, pois as condições financeiras que o Park nos proporcionava eram muito boas. A mansão era enorme, cada um tinha seu quarto que era todo mobiliado do melhor, nossas roupas eram das melhores marcas, mas eu e com certeza todos que aqui moram trocariam todos esses luxos por coisas simples e uma vida integra e feliz.

Cheguei no quarto de Jay e entrei, lá estava ele e um dos seus "bonecos" que só tinham direito de sair quando eu chegasse, mais um motivo de eu acordar tão cedo.

Fui até o garoto e o acordei.

— Hey! Pode ir, eu assumo daqui.

Ele se assustou de começo mas depois me agradeceu e saiu. Agora sozinho com aquele monstro eu já sabia o que viria pela frente.

Fui até ele.

— Senhor?

Ele se acordou lentamente.

— Oh! Min Yoongi! Cada vez acordando mais cedo. — Riu. — Tô começando a achar que quer ficar mais tempo comigo!

— Quer dizer que estar gostando então?

— Realmente não posso dizer que não. -—Ele passou a mão por meu pescoço.

— Tão branco... Parece que não estou fazendo um bom trabalho não é min?

— Quem sou eu para reclamar Park?

— Sabe Min, você é o meu favorito dentre todos.

— Esse é um elogio e tanto em Park? Você tem tantos...

— Considere-se especial Min.

— Já o faço Park...

— Bom saber... Então para te deixar mais especial ainda deixe-me marca-lo Min.

Bom, não é como se eu tivesse escolha...

Agora era hora do almoço. Park estava no trabalho e só voltaria a noite, essas eram nossas horas de "paz", ele quase nunca passava todo o dia aqui. Como já era esperado eu e MinSeok estávamos na cozinha preparando o almoço dos outros, eu como mais velho ajudava em todos as atividades da casa, cozinhava junto com a MinSeok, arrumava a casa mais TaeTae e LuHan, lavava roupa mais Mark e cuidava do jardim mais BaekHyun.

Eu ajudava a todos aqui, meu dia era corrido, nunca parava, muitas vezes passava de 3 a 4 dias sem dormi já que quando chegava a noite ou eu não conseguia dormir ou me oferecia para ficar com o Park no lugar de outro. Não me arrependia disso, eu queria ajuda-los, queria que todas as disgraças que aconteceram na minha vida tivessem utilidade para algo.

Para aliviar a dor deles.

Era isso que eu queria fazer, e Parecia que eu estava conseguindo.

Após o almoço estar pronto, coloquei os pratos na mesa e chamei os outros, no total éramos seis, seis desafortunados, não consegui comer muito e logo eu e Tae estávamos na cozinha lavando os pratos.

— Yonnie, o que houve? Você está meio aéreo hoje.

— Oh! Nada TaeTae! Eu...só... To pensando.

— Em que hyung?

Pensei se realmente eu deveria me abrir assim para Tae. No final não éramos tão próximos assim. Suspirei.

— TaeTae, o que você pensa sobre a felicidade?

o semblante de Taehyung mudou no mesmo instante. Ficou sério e triste.

— Que não existe hyung.

Me arrependimento de ter comentado, ele não precisava lembrar da situação em que estava e fora por minha causa. O abracei e ele ficou surpreso mas logo retribuiu.

— Desculpe TaeTae, foi o que eu achei.

Tudo já estava feito e nessas ultimas horas de paz o pessoal aproveitava para tentar se esquecer de que existia uma pessoa chamada Jay Park.

Tae ainda estava triste e isso me corroia por dentro, ele de algum modo era o mais importante pra mim, era o que me acolhia a noite, era o que me viu chorar e não falou a ninguém, era o que tinha paciência para me ouvir falar ou reclamar e nunca me interrompia. Ele é o mais sensível mas ao mesmo tempo o mais paciente e de pé no chão após mim, em minha mente era meu dever ajuda-lo mais do que ajudo aos outros e hoje eu havia falhado discaradamente.

"É muito egoísmo meu querer um amigo próximo quando tudo o que faço é machucar as pessoas... "

"Queria pedir desculpas mas minha frieza não me deixa, espero que um dia... "

"Leia isto e perceba que você é importante pra mim e que me dói saber... "

"Que te machuquei e que te fiz encarar essa realidade dura e pacata que vivemos... "

"Me perdoe meu amigo."

Enviar.

Não havia mais nada que eu pudesse fazer, eu não falaria isso para ele pessoalmente e talvez ele nunca lesse, mas pelo menos tirava um pouco da culpa de cima de mim.

A porta abriu num rompante, eu estava na escada que dava na sala e Tae no sofá da mesma e da porta da frente veio Park furioso, provavelmente algo no trabalho, isso não era anormal, mas também não acontecia muitas vezes, e hoje ela estava muito furioso.

— VOCÊ! — Apontou para Tae. — NO MEU QUARTO EM 10 MINUTOS!

E passou por mim subindo para seu quarto.

Eu me desesperei. Nunca dava boa coisa quando Park estava assim. Eu próprio era prova disso. Quando fiquei com ele nesse estado, foi muito pior do que qualquer noite, eu não consegui ficar em minha postura e andado normal por 5 dias. A dor era imensa e eu não queria isso para Tae, muito menos quando eu já havia o machucado a tarde.

Tae passou por mim e eu percebi que ele estava tentando segurar as lágrimas, o segurei.

— Vá para seu quarto e fique lá, não saia até amanhã, entendeu?

— Hyung... Não faça isso. — Agora as lágrimas já jorravam livremente.

— Faça o que eu mando Taehyung!

Ele assentiu e foi para seu quarto chorando, eu fui para o quarto de Jay e entrei.

— Não me lembro de ter te chamado Min.

— E eu não me lembro de algum dia você ter me recusado Park.

— Literalmente Min, você que procurou isso, okay?

— Sei o que faço Park, apenas faça o que quiser comigo.

Mais uma vez o sol nascia no horizonte, sobre a cabeça de justos e injustos, dos felizes e infelizes, dos saudáveis e dos doentes.

Claramente eu não havia dormido a noite. De novo.

Nada de novo no horizonte

Mas desta vez não fora um simples capricho meu, a dor não me deixara dormir. Ao meu lado Jay dormia, nem parecia que ele era o causador do sangue que havia sido derramado nos lençóis e neste exato momento também me melava.

A dor era tamanha que eu não tinha a audácia de me mexer, só esperei o tempo passar olhando pela janela o dia amanhecer. Assim que julguei, ser tarde o bastante para que eu levantasse, mas cedo o bastante para que todos ainda dormissem, tive a coragem de me levantar.

Coragem esta que eu desejo não ter na vida.

A dor me tomou por completo, não havia palavras para descrever, era uma dor escruxiante, enorme, desesperadora. Vinha de todas as partes do meu corpo, mas principalmente da cintura para baixo, e assim eu acabei por quase cair, se não houvesse uma cômoda por perto, de certo teria caído.

Vagarosamente e penosamente fui até o banheiro, abri a torneira da banheira e esperei que a mesma enchesse, enquanto isso fui de encontro ao espelho ver o estrago que o Park havia feito comigo. Eu estava totalmente marcado, mas não marcas normais de relações normais e sim marcas de um legítimo estrupo. Mordidas que chegavam a sangrar, arranhões profundos e marcas de tapas por todos os lados, eu parecia uma aquarela de tantas cores que haviam em meus hematomas.

Assim que a banheira se encheu, fechei a torneira, derramei as iguarias que queria e entrei dentro.

Mais dor.

Em contato com a água meu reto ardeu mais do que tudo, e juntando-se as mordidas e arranhões fazia com que meu corpo todo ardesse. Com muita dificuldade consegui tomar banho, e sair do banheiro para ir ao meu quarto arranjar o que vestir, já que minha antiga roupa estava melada de sangue. Estando eu pronto voltei para o quarto de Jay, mesmo que a dor não houvesse diminuído e que eu tivesse medo, eu tinha que ir. Não passaria esta tarefa para outro.

— Senhor? — Ele se acordou.

— Min. Ainda aqui? Por que não mandou outro vir?

— É meu dever fazer isto Park, não deles. — Ele me lançou um olhar frio, mas que no fundo era também cúmplice.

— Bom... Já estou acordado você pode ir Min.

— Não sairei Park, ficarei aqui até que esteja pronto e saia. — Ele me olhou com espanto, mas se eu não o fizesse ele chamaria outro dos rapazaes.

— Por que Min?

— Use-me Park, mas não use eles, é só o que eu te peço, pelo menos não no estado em que se encontrava ontem.

— Yoon...

Minha vontade era de chorar, mas eu não faria isto na frente dele, mas eu tinha que fazer algo, algo que o fizesse querer a mim e não aos outros. Em meio aos desesperos de minha mente eu tomei uma decisão.

Eu o beijei.

Era nojento beijar a pessoa que torna sua vida um inferno, mas isto faria com que ele esquecesse os outros, então eu estava disposto a fazer. Sentei em seu colo e continuei a beija-lo, meu corpo pedia para que eu parasse, já que as dores que eu sentia só multiplicariam se eu continuasse, mas não o fiz, tinha que tentar, tinha que fazer algo.

E como eu próprio não parei, quem era Jay Park para parar?

— Se é assim que você quer Min...

Tae estava sem palavras, chorava, cuidava de mim, depois chorava de novo e não fui autorizado por nenhum dos meninos à ajuda-los, eles fingiam uma falsa indignação, mas eu sabia que no fundo estavam agradecidos e que esse era o modo de agradecimento deles.

Sem mais nada para fazer além de apreciar a maravilhosa dor que me assolava, decidi ir ao meu twitter.

Fiquei surpreso ao ver algumas mensagens de @Jung_Hope.

Não sabia o que responder, mas com certeza eu não estava no clima para isso.

>>Sinceramente? a única coisa que quero agora é um andar normal.

>>E a ultima coisa que quero é ter que conversar e fingir que me importo.

>>Desculpe, mas você pediu a pessoa errada, na hora errada.

Enviar.

Muitas vezes eu me peguei pensando na importância da vida, no porquê eu não me matava logo de uma vez, por que eu não acabava com todo esse sofrimento? A verdade é que eu ainda tinha esperança, eu não iria ficar ali para sempre, não era possível. Eu ainda tinha vontade de ter uma vida normal, uma vida em que eu pudesse ser pelo menos dono de mim mesmo.

Enquanto minha cabeça ia a quilômetros de distância, meus olhos fitavam o teto, o mesmo teto que presenciou minha primeira noite nesta casa, o mesmo que me presenciou amadurecer, que presenciou as feridas que cuidei de mim mesmo e dos outros, sendo fisicamente ou sentimental, esse mesmo teto que presenciou minhas quedas, meus choros, meus desesperos. O mesmo teto, as mesmas paredes, os mesmos móveis, se pudessem falar contariam todas as minhas fraquezas.

Por alguns momentos fiquei pensando no que os móveis falariam para mim se pudessem, ou o que eles falavam entre si de forma silenciosa.

Meus pensamentos foram brutalmente interrompidos com o vibrar do meu celular. A este ponto do campeonato eu já tinha uma ideia de quem era, e desta vez não havia necessidade de xingamentos até sua terceira geração, já ele havia vindo em boa hora. Eu iria enlouquecer rapidamente se ele não me interrompesse.

Mesmo assim me surpreendido com a insistência e indignado com sua audácia.

Eu continuava em um péssimo humor e aquela conversinha dele de "você não sabe o que quer", não ajudava.

>> Mas que audácia sua!

>> Eu respondi porque é o que pessoas normais fazem...

>> É um padrão de educação...

>> Padrão este que você devia respeitar!!!

>> Quer algo aleatório? Trate de se fuder aleatoriamente.

>> Isso é aleatório o bastante?

>> Vim até mim é simplesmente falta do que fazer?

>> Porque eu não acredito que você não tenha com o que se preocupar.

>> Com certeza você tem problemas que tem que resolver.

>> Concentre-se neles, resolva eles, não me torne mais uma ocupação.

>> Até porque eu tenho os meus e não tenho tempo para, como você mesmo falou, coisas aleatórias.

>> Passar bem.

Enviar.

Eu sabia que ele não tinha culpa nenhuma de meus estado de humor e que não merecia este tipo de tratamento, mas quem procura acha, ele certamente procurou desde aquela noite em que ele quis descutir comigo. Coloquei o celular do meu lado e tratei de dormir, não ficaria pensando em desconhecidos.

Narrador

Taehyung estava em pedaços, não conseguia entender o lado de seu hyung. Por que ele havia ido em seu lugar? Por que havia se sacrificado tanto assim? Por que ele cuidava mais de si do que dos outros? Era perceptível até para si o carinho maior que seu hyung nutria por si. Mas ninguém entendia o porque, nem ele mesmo.

Neste exato momento Tae estava indo ao quarto de seu "salvador", não sabendo ele que, seu hyung estava totalmente entregue ao seu oitavo sono. Assim que entrou, o admirou, era tão bom ver os pequenos momentos de paz que seu hyung tinha. Ele se sentou em uma das cadeiras que haviam no quarto e se pos a velar o sono do mais velho.

A verdade é que taehyung sempre quis se aproximar do mais velho, mas este não o dava espaço para isto, nem para que ele mesmo se abrisse para seu hyung. Ele queria contar sua história e queria ser afagado pelo mais velho e ouvi-lo dizer que ficaria tudo bem, mas isto era só um sonho do mais novo já que Yoongi jamais o faria.

Ainda pensando nisto os olhos de Tae pararam no celular de seu hyung, que estava perto do mesmo, como o belo curioso que sempre foi, Tae foi até a cama e pegou o celular que não estava bloqueado o que deu toda a liberdade para o mesmo.

A atenção do mesmo logo caiu sobre algumas mensagens trocadas entre Yoongi e outra pessoa pelo twitter, Taehyung sorriu com a conversa e pensou que esta pessoa não era muito inteligente para tentar lidar com Yoongi. Mesmo que a pessoa não soubesse da vida de seu hyung, não era inteligente da parte de ninguém tentar de aproximar do mais velho. Querendo ajudar a pessoa do outro lado da tela, decidiu mandar algumas mensagens.

>> Sinceramente, não é muito inteligente de sua parte falar com o Min.

>> Tento me aproximar a anos e nunca consegui...

>> Não se abale com xingamentos ou rejeições, ele é assim mesmo.

>> Torço por você e tentarei te ajudar daqui.

>> Mas mesmo assim, continua não sendo muito inteligente da sua parte.

>> Ass: TaeTae.

Enviar.

Logo após enviadas as mensagens Taehyung apagou as mesmas para que seu hyung não visse.


Notas Finais


Bom, foi isso, o lado do Yoongi no mesmo dia do capitulo anterior que acompanhou o Hobi.

Enfim, deixe seu comentário que ficaremos muito feliz em ler e responder! (⌒▽⌒)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...