História Save me [jikook] - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Personagens Originais, V
Tags Hentai, Jikook, Romance, Slice Of Life, Smut, Yaoi
Exibições 1.006
Palavras 3.593
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Hentai, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIII GENTEE!! I'M ALIVE!!
Desculpa, maaaais uma veeez, pel demorinha chata😌 Juro que tô me esforçando, quem tá no grupo do whats sabe das paradas e pá. Quem não tá por favor me envie seu number!!❤❤
Aproveitem bem a leitura😍❤

Capítulo 14 - Amigo


Jungkook's P.O.V

Aquela manhã estava sendo um completo tédio, uma pessoa hiperativa e mentalmente instável como eu não foi feita para suportar manhãs tediosas. Queria ir até Jimin, logo que o mesmo havia saído para trabalhar antes mesmo de eu acordar, isso me irritava um pouco. Qual era o sentido de morar com alguém que nunca está presente? Se aquele homem pretendia me deixar sozinho naquele apartamento todos os dias eu iria me sentir mais sozinho do que em qualquer beco escuro nas ruas por aí. Uma coisa é estar sozinho quando não se não tem ninguém, outra coisa é quando está sozinho porque aquele que você tem optou por não estar ao seu lado.

Acho que talvez eu tenha sido egoísta em pensar dessa forma, mas no fim, Jimin foi quem me deixou um bilhetinho dizendo para que eu não aparecesse de surpresa novamente em seu trabalho. Eu queria ignorar esse recadinho idiota e ir vê-lo, acontece que se tornou algo impossível após eu lembrar do que tinha acontecido da última vez que estive em seu escritório, todos aqueles beijos provocantes. Eu não confiava em mim mesmo quando Jimin começava com essas coisas, ele mexia comigo.

- Ah! Eu não aguento mais! - Gritei jogando furiosamente uma almofada no chão. Ficar sozinho naquele silêncio era tão deprimente que eu nem mesmo sentia vontade de cantar, então resolvi sair e caminhar um pouco.

O dia estava maravilhosamente ensolarado, seria um desperdício passar o resto do dia trancado naquele apartamento. As ruas estavam movimentadas devido ao bom tempo, todos estavam aproveitando o clima agradável. Me distraia olhando para as pessoas que passavam por mim, era muito interessante ver como se vestiam, como andavam, o que faziam e tudo mais. Observar as pessoas sempre foi um bom passatempo para mim e eu costumava fazer com muita frequência, o único problema é que minha timidez me limitava a não cruzar essa linha e conversar com as pessoas. Eu já estava viajando totalmente dentro da minha cabeça enquanto caminhava até que dei um encontrão digno de me derrubar de bunda no chão em alguém.

- Você e-está bem? - Olhei para cima e avistei um homem jovem, alto e preocupado, estendendo sua mão para mim.

Comecei a rir descontroladamente da situação, eu sempre acabava fazendo esse tipo de coisa. Aceitei a mão do homem que ajudou-me a levantar e respirei contendo minhas risadas, assim que percebi estar exagerando demais.

- Estou bem, desculpa eu tenho o costume de me distrair fácil. - Falei agora um pouco constrangido sob os olhares daquela pessoa.

- Na verdade, eu também estava distraído, nem vi você vindo na minha direção. - Ele sorria calorosamente, fazendo minha timidez despertar como uma bomba dentro de mim. - Eu sou… Taehyung. Como você se chama?

- Taehyung? - Parecia um nome familiar, mas não me recordei de nada. - Prazer, eu sou Jungkook.

O homem riu me deixando sem graça. Corei, ficando sem reação, o sorriso dele era lindo.

- Meu nome é engraçado? - Perguntei constrangido, chacoalhando com a mão a parte de trás do meu próprio cabelo.

- Não, não! Me desculpe, eu não estava rindo de você. É só que você não me reconheceu. - Falou Taehyung, ajeitando uma mecha rebelde de seu cabelo loiro.

- A gente se conhece? - Estranhei, eu não me lembrava dele.

- Não, mas as pessoas costumam me conhecer. - Ele disse pousando uma mão em seu pescoço.

- Você é a segunda pessoa que me diz isso essa semana que me diz isso. - Eu ri tentando disfarçar a vergonha. - Acho que não sou muito por dentro dos assuntos.

- Não que isso seja grande coisa. - Ele deu de ombros com sorriso sutil que me contagiou e relaxei um pouco, ele parecia uma pessoa muito simpática. - Você disse que seu nome é Jungkook, não é?

- Sim. - Respondi achando bonitinha a forma que ele dizia meu nome, a voz daquele homem era muito bonita.

- Você está livre agora? Quer comer alguma coisa comigo? - Taehyung tombou a cabeça divertidamente um pouco para o lado ao perguntar. Será que ele era modelo? Ele era tão bonito.

- Ah… Eu não tenho dinheiro. - Fiz bico, porque afinal eu queria muito comer.

- Você realmente não trouxe dinheiro? - Ele falou surpreso, olhando-me da cabeça aos pés. Claro, as roupas caras que eu estava usando davam a impressão de que eu era o tipo de pessoa que anda com o bolso sempre cheio. - Não está apenas me dando uma desculpa qualquer, está?

- Não, é verdade! Não estou inventando nenhuma desculpa. - Me agitei, pensando que ele havia ficado chateado. Ele parecia o tipo de pessoa que eu gostaria de ter como amigo. Será que eu confio rápido demais nas pessoas?

- Tudo bem, então vamos comer que eu pago. - Ele sorriu de orelha à orelha, fazendo um “ok” com as mãos.

- Tem certeza? - Perguntei e ele assentiu com a cabeça, me confirmando que não havia problema.

- Obrigada. - Agradeci pelo gesto.

Fomos até uma sorveteria logo na esquina, acho que minha empolgação ficou mais que óbvia quando chegamos lá. Me segurei para não dar pulinhos ao ver todas aquelas opções de sabores e complementos, era como o paraíso. Eu só havia tomado sorvete um ou duas vezes em toda minha vida, eu queria experimentar um pouco de todos os sabores, mas não podia. Estava prestes a pegar um dos menores potinhos para me servir, pois não queria me aproveitar da gentileza de Taehyung, porém ele me deteve.

- O que está fazendo? Esse pote é minúsculo, sua empolgação não parece caber dentro dele. Pegue este aqui. - O loiro disse rindo ao me entregar o maior pote nas mãos.

- É sério? Eu posso mesmo? - Minha bochecha já estava doendo porque eu não conseguia parar de sorrir, aquele homem sim era um anjo.

- Claro. - Taehyung falou como se não fosse nada demais e pegou um pote de igual tamanho para si.

- Eu te amo. - Falei e nós dois rimos.

Eu estava um pouco com medo de pegar todo o sorvete que eu queria e acabar sendo inconveniente, mas o próprio Taehyung me ajuda a completar minha vontade assim que via eu me controlando para não criar uma montanha de sorvete no meu pote. No final, estávamos nós dois com dois “Montes Everest” em mãos. Mal podia me segurar para começar a comer aquilo, quando nos sentamos em uma das mesas perto das janelas eu já estava em meu limite e comecei a comer.

- É bom ver que você tem apetite, as pessoas não costumam conseguir me acompanhar quando como. - Disse o loiro em parte comendo e em outra sorrindo.

- Comida é a melhor coisa que existe no mundo. - Falei tomando cuidado para não me lambuzar todo, porém sem sucesso, minha cara já estava toda colorida.

- Eu discordo, existe uma coisa que é melhor que comida. - Taehyung falou e eu podia jurar que reconheci em seu rosto o mesmo sorriso malicioso de Jimin. Engraçado, até aquele momento eu praticamente havia me esquecido de Jimin.

- E o que é? - Perfuntei curioso logo após engolir uma colher de sorvete de menta, o que me fez arrepiar até os ossos.

- Ah, isso é um segredo meu. - Respondeu, lançando um mistério no ar.

- Isso é injustiça. Você me deixou curioso. - Apontei para ele com a colher e ele logo a rebateu com sua própria, como se estivesse lançando um desafio, não, uma batalha.

- Esquece o que eu disse, quero ver se consegue terminar seu sorvete mais rápido que eu. - Olhou-me com os olhos semicerrados, uma clara provocação que aceitei com olhos brilhantes de competitividade.

- Vai ser fácil. - Provoquei de volta.

- Em 3...2...1... Já! - Deu partida a brincadeira.

Feito dois loucos no meio da sorveteria, começamos a comer ligeiramente. Eu nem mesmo olhava para os lado, ainda assim sentíamos olhares de reprovação de quem passava ao redor, mas o único olhar que me importava agora era os que me desafiavam a minha frente. Cada colherada era um gélido arrepio por todo o corpo, só que eu não estava pronto para desistir.

- Terminei! - Joguei meus braços para o alto assim que engoli a última colherada.

- O quê? Impossível! Eu ainda não estou nem na metade! - Taehyung puxou meu pote para si para confirmar que não havia mais nada ali. - Como é que você fez isso? - Ele parecia incrédulo ao falar, mas seu rosto expressava diversão, fazendo-me rir mais uma vez.

- Acho que esse foi o melhor café da manhã de toda minha vida. - Lambi os lábios e tombei cabeça para trás.

- Sua cara está toda suja. Pega. - Ele ofereceu um guardanapo ao mesmo tempo que ria. - Nossa, perdi feio. - Franziu o cenho ao voltar seu olhar ao próprio pote de sorvete ainda cheio.

- Acontece que você não tem as minhas técnicas. - Brinquei, apoiando meus cotovelos na mesa e lhe fazendo uma careta antes de limpar todo o sorvete que lambuzava meu rosto.

- Talvez um dia eu as supere. - O loiro piscou um de seus olhos para mim.

Apesar de eu ser uma pessoa tímida ele me fazia me sentir tão confortável, era como se já fossemos amigos há tempos. Taehyung era tão legal. Ficamos conversando sobre um milhão de coisas bobas enquanto ele terminava de tomar seu sorvete.

- Taehyung, você é modelo? - Perguntei com curiosidade ao sairmos da sorveteria.

- Porque? Me acha bonito? - Sorriu de canto, lançando-me um olhar de soslaio absurdamente bonito.

-  Ah… não é isso... vejamos… - Fiquei envergonhado novamente, era uma pergunta embaraçosa e acabei me enrolando todos com a resposta.

- Então não acha que eu sou bonito? - O loiro se virou para mim e fez um rosto triste.

- Também não é isso… - Senti meu rosto começando a ficar quente e minhas bochechas queimando. - Eu queria dizer que você se parece muito um modelo, você é...elegante. - Tentei dizer tudo menos bonito, não queria dar impressões erradas.

- Eu não sou exatamente um modelo, eu sou um cantor. - Taehyung fez sinal para que andássemos enquanto conversamos.

- Uau! Sério? E você é famoso? - Perguntei lembrando de quando ele disse que as pessoas costumam saber que ele era.

- É, você pode dizer isso. - Ele levantou os ombros, ele não parecia querer contar vantagem daquilo. Taehyung aparentava ser basicamente o contrário de Jimin.

- Eu quero ouvir suas músicas. - Falei sinceramente, logo imaginei que seriam ótimas consequentemente da voz linda que o loiro tinha.

- Quer me ouvir cantar alguma coisa? - Ele parecia ter se animado com a ideia, assim como eu.

- Quero muito. - Sorri, tentando adivinhar como seria sua voz quando cantando.

- Vem comigo. - Ele começou a andar rápido, quase correndo.

- Espera! Eu como sorvete demais! Não consigo correr! - Protestei quando percebi que correr estava me deixando enjoado.

Taehyung correu até mim e só percebi o que ele faria depois que ele já havia feito. Pegou-me no colo e me pendurou em seu ombro. Aquele cara era louco, mas não reclamei, na verdade achei engraçado e comecei a rir, o que também não ajudou com o enjôo.

Quando dei por mim estávamos entrando em um centro comercial e pouco depois estávamos na cobertura dele. O espaço era enorme e vazio, tinha alguns sofás, plantas e uma vista maravilhosa. Taehyung me pôs no chão e desamassei minhas roupas com as mãos.

- Desculpa, eu estou acostumado a invadir o espaço pessoal de todo mundo. - Desculpou-se, porém eu não estava nem mesmo incomodado com aquilo.

- Tudo bem, eu conheço pessoas bem piores. - Eu sorri para ele que me retribuiu o sorriso. Claro que eu tinha me referido à Jimin, porém não estava afim de pensar nele naquela hora.

- Conhece? - O loiro arqueou uma sobrancelha e caminhou até um dos bancos.

- Mas isso não vem ao caso. Quero te ouvir cantar. - O segui para o banco e me sentei ao seu lado.

- Tudo bem. - Respirou calmamente e fechou os olhos,  fazendo-me esperar ansiosamente pelo que viria.

Assim que sua melódica profunda voz começou a pronunciar as palavras ritmadamente e o som chegou aos meus ouvidos como se os acariciassem, meu ar foi roubado dos pulmões. Eu amava cantar, porém algo dentro de mim duvidava seriamente que minhas canções de ninar eram páreas para tamanho talento. Taehyung esvaziava minha mente a cada nota, indo do grave ao agudo com perfeita técnica e perfeita emoção. Viajei naquela música enquanto cantava, até que de repente ele parou de cantar.

- Não terminei essa música ainda. - Pareceu envergonhado.

- Isso foi… Isso foi incrível! - Tinha certeza que meus olhos estavam para saltar da cara de tão arregalados. - Sua voz é surreal! Você canta tão bem! Ainda não consigo acreditar…

- Não é pra tanto. - Taehyung sacudiu as mãos como se negasse. - Ainda tenho muito que melhorar.

- Poxa, se você tem tanto a melhorar, eu tenho.muito mais. - Falei comigo mesmo, atraindo a atenção de Taehyung.

- Você canta? - Levantou uma sobrancelha e sorriu pela metade.

- Depois de te ouvir já nem sei mais. - Eu disse, fazendo-o rir e praticamente cair do banco, acabando por me fazer rir também.

- Tudo bem, eu só quero te ouvir cantar. É justo, considerando que também cantei para você. - Disse me convencendo por fim.

- Não ria, eu sei que você é muito melhor. - Ele assentiu e eu fechei os olhos na tentativa de me concentrar.

Escolhi minha preferida entre as canções de ninar que eu conhecia e comecei a cantar. Em segundos eu havia esquecido de tudo ao me redor, lá estava eu novamente no palco imaginário, cantando com toda minha vontade aquelas melodia simples. Finalizei segurando a nota o quanto podia, abrindo os olhos apenas quando o silêncio ficou insuportável.

- Não está dizendo nada. - Taehyung estava parado, apenas me olhando. - Foi tão ruim assim?

- Está de brincadeira? - Perguntou passando os dedos pelos cabelos platinados. - Isso foi lindo! Você estava brincando comigo ou é só muito modesto?

- Ah… - Não soube responder, tudo que fiz foi cobrir meu rosto corado, encolhendo-o atrás de meus braços.

- Parece que é muito modesto mesmo. - Taehyung riu divertidamente. - Hey, será que eu estaria sendo invasivo se eu pedisse para te chamar apenas de Kookie? - Perguntou mudando de assunto, percebendo que eu estava envergonhado.

- Acho que não. - Cocei a cabeça. Nesse momento eu pensei: Acho que estou fazendo um amigo.

- Bom, pode me chamar apenas de Tae então. - Falou pondo-me um sorriso no rosto.

A tarde passou como em um estalo de dedos, eu quase não percebi quando a noite chegou. Eu e Taehyung passamos o dia todo conversando, ele me contou sobre si e sobre a música, como estava em uma fase de transição por causa da fama repentina e como era difícil se adaptar à um novo estilo de vida. Eu não tinha dificuldade de entender, pois também estava em um período de mudanças, era tudo novo. Taehyung também tentou me ensinar alguns movimentos de dança, o que foi a gafe do ano, até eu entender como mexer meu corpo do jeito correto causei umas boas gargalhadas por parte do loiro, que por sua vez me contagiava com a risada.

- Nossa, está bem tarde. Daqui a pouco fecham o centro comercial, precisamos sair. - Taehyung avisou ao olhar em seu celular, o que me lembrava que eu não tinha um.

- Sim, vamos. - Sacudi meus cabelos um pouco suados por ter lançado.

Assim que estávamos na rua, notei que eu não sabia nem mesmo onde eu estava direito.

- Você quer uma carona para sua casa? Meu carro está perto. - Ofereceu Taehyung, uma pessoa verdadeiramente gentil.

- Se não for um problema para você. - Olhei de cabeça baixa para ele.

- Claro que não, vamos. - Respondeu calmamente.

Caminhamos pouco até chegar ao carro nada barato de Taehyung, era um carro de muito bom gosto. Entrei no lado do banco de carona, me sentei e esqueci de pôr o cinto, não foi um problema, Taehyung me fez o favor de o pôr para mim.

- Para onde vamos? - O loiro perguntou dando partida no carro, ele parecia tão legal no volante.

Assim que me dei conta da pergunta, também me dei conta que eu não fazia ideia do caminho de volta pra casa. Então tive a ideia de ir até onde Jimin trabalhava, a essa hora ele provavelmente ainda não havia saído.

- Você conhece Park Jimin? Pode me levar até a sede da empresa dele? - Taehyung arregalou os olhos incrédulo.

- Como assim? - Eu obviamente tinha o deixado confuso.

- Eu não lembro o caminho de casa daqui. - Admiti com vergonha, isso era meio bobo.

- Você é uma figura. - Ele disse rindo, não sei se aquilo era bom ou ruim.

Em menos de cinco minutos já estávamos estacionados na frente daquele prédio enorme e luxuoso onde Jimin trabalhava. Olhei para Taehyung e ele me olhava também.

- Vai mesmo ficar por aqui? - O loiro perguntou pondo uma mão apoiada em meu ombro.

- Sim, eu volto pra casa com o Jimin. - Falei sem pensar, porém logo Tae se alertou, aro que ele entenderia tudo errado.

- Você mora com  Park Jimin? - Ele perguntou  tanto quanto espantado, sua testa franzida acompanhava o ar confuso em seus olhos.

- É um longa história. - Eu ri sem de fato achar graça. - Mas não ache coisas erradas sobre isso, acontece que estou numa situação bem esquisita.

- Ah, sim. - Ele disse rindo, parecendo um pouco mais calmo. - Talvez possa me contar sobre isso depois. Qual seu número de celular.

- Então… eu meio que não tenho um. Mas se você me disser o número do seu eu me lembro. - Eu disse com casualidade, mas Taehyung estava de boca aberta.

- Você é mesmo muito peculiar. - O loiro riu. - Quem é que não tem celular hoje em dia? De qualquer forma… - Ele anotou seu número em um papelzinho que tirou do porta luvas e me entregou.

- Obrigado, eu ligo pra você depois. - Sorri enquanto saia do carro. - Foi um prazer te conhecer Tae.

- Não faça isso parecer um adeus. - Ele brincou dando-me uma piscadela.

Sorri alegre, eu estava mesmo fazendo um amigo e essa era minha primeira vez. Guardei o pedaço de papel com o número de Tae em meu bolso com muito cuidado, não queria arriscar perdê-lo. Adentrei o prédio e não demorei muito para ver Jimin andando em minha direção com um olhar assustador.

- Onde diabos você estava?! - Gritou agarrando meus ombros com força. - Eu te procurei o dia todo!

Jimin parecia totalmente fora de si, eu não estava entendendo nada do que estava acontecendo. Como ele havia me procurado o dia todo se ele estava trabalhando?

- Como assim? Você não estava aqui? - Eu tentava retirar suas mãos dos meus ombros, logo que elas estavam me machucando.

- Eu voltei pra casa mais cedo e você não estava lá! Eu te procurei por todos os lados e eu não te achei, então eu voltei pra cá! Sabe o quanto você me deixou preocupado?! Por que saiu de casa?! - Falou como se eu o pertencesse, o que me deixava profundamente irritado.

- Como eu iria adivinhar que você voltaria cedo?! Eu estava entediado e sozinho! - Gritei de volta para ele, não suportava essa atitude dele, independente do que o motivava a agir daquela forma. - E foi você mesmo que disse para eu não vir aqui te perturbar!

- E isso te dá o direito de sumir o dia todo?! - Ele apertava meus ombros com cada vez mais força.

- Por favor me solta, isso dói. - Reclamei sentindo realmente muita dor, infelizmente não fui escutado.

- Responde! Onde você estava?! - Eu nunca tinha visto Jimin tão fora de si. O que tinha na cabeça daquele homem?

Juntei todas as forças que me restavam e o empurrei para longe, esfreguei meus ombros sem conseguir segurar as lágrimas, aquilo estava doendo demais, mesmo após Jimin ter soltado.

- Você diz que eu sou idiota, mas você não tem moral alguma para dizer isso! Porque você é um tremendo ignorante! - Eu não estava mais nem querendo saber daquilo, Jimin precisava ser salvo, porém ninguém iria ficar ao lado de alguém assim. Dei meia volta e percebi Jimin vindo atrás de mim, até que senti um abraço protetor me acolher, olhei pra cima e Taehyung bloqueava Jimin com um braço, dando-lhe um empurrão para longe.

- Fica na sua, cara. - Tae tinha um olhar tão assassino que era digno de responder ao do de Jimin. - Vem comigo, Kookie.

Obedeci ao loiro, que me tirou daquele lugar como eu já estava doido para fazer. Olhei para trás e vi um Jimin parado. Se antes eu achava que ele estava furioso, agora eu nem sabia descrever que expressão era aquela. De qualquer forma, não era problema meu.


Notas Finais


Esse final foi tenso, né??😱😱
Jimin ficou Loko!! Kkkkkkk quando escrevi isso só fiquei imaginando a cara de "Who da fuck is this guy?" quando o Taehyung aparece do nada. Respira aí gente, que vai ficar tudo bem❤ As tretas vem, mas as tretas vai! Ok?
O que estão achando? O que vcs acham que esse novo personagem vai causar no rumo da história?? Digam suas teorias! Podem viajar legal nelas que eu quero saber😍😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...