História Scale Os Marvolous: O Reino dos Estranhos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 8
Palavras 4.048
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - Cap.1-Os Marvolous


                                                                           Capitulo 01-Os Marvalous

                      

 

Há algum tempo atrás aconteceu uma grande batalha entre os estranhos do reino de Estronder e os estranhos malignos que se recusaram a conviver em harmonia com os humanos. Muitos morreram, mas no fim o rei dos estranhos, Frangon Constant com a ajuda dos cinco poderosos magos exilou os estranhos em uma ilha, a ilha dos Esquecidos, nessa ilha os poderes estranhos eram bem limitados, porém não o de seus filhos, essa sou eu. Meu nome é Malina Dubleron, mas os meus amigos me chamam apenas de Mal, eu sou a filha mais nova de Shiraya (minha irmã fugiu a dois anos da ilha com seu poder). Eu tenho incríveis poderes, solto chamas, possuo assas para voar e também possuo a habilidade de magia, embora que não seja poderosa como minha mãe ou minha irmã. E eu e meus amigos somos um grupo de estranhos malignos, os Marvalous e é claro que eu sou a líder. Eu e meus amigos causamos muita destruição aqui na ilha do esquecimento, é muito divertido por sinal. Vou detalhar em poucas palavras cada um dos meus amigos, para começar eu ate me descrever, mas não acho necessário.

 

Assunto: Jax Bellmer

Codinomes usados: Hércules (o mais usado) fortão e selvagem.

Poderes: Super Força, resistência a lugares frios e quentes e super velocidade.

Ele é o mais alto dos meus amigos, adora roupas de couro e é claro roubar coisas. È muito competitivo e odeia perder, é muito valente além de ser meio distraído quase sempre.

 

Assunto: Evie Darkheart

Codinomes usados: Mestra dos Espelhos (o mais usado e que mais combina).

Poderes: Controla espelhos, teletransporte e poder de luz.

Coração Negro é um ótimo sobrenome se você é do lado negro. Evie é a minha melhor amiga, a única na verdade. Ela adora espelhos e é um pouco tímida e insegura também. Sou muito ligada a ela, desde que a conheci no abrigo e posso dizer que ela é muito importante para mim, mesmo que eu e ela sermos muito diferentes em vários aspectos.

 

Assunto: Yvayke Zawcrolth

Codinomes Usados: Porco-Espinho e Porco Espinho das Sombras (o mais usado por ele).

Poderes: Espinhos de osso e teletransporte (poder das sombras)

Yvayke é o meu melhor amigo, ele é bem parecido comigo, pois ao contrario das pessoas eu e ele gostamos do clima da morte (um clima sombrio que combina conosco). Ele adora roupas escuras, ele é o tipo de amigo que se pode falar qualquer coisa e ele sempre vai estar lá para ouvir.

E por ultimo e não menos importante:

Assunto: Carlos Vampager

Codinomes usados: Cão Valente (Mais usado) e Cão de Caça   

Poderes: Comunicar com os cachorros e Velocidade.        

Ele é o mais baixinho, eu apesar de ser baixinha ainda sou maior que o Carlos e me sinto bem com isso.

 

Eu estava dormindo bem esta manha na minha cama, nem sei se eu estava sonhando com alguma coisa, as janelas estavam abertas e meus cabelos roxos estavam voando batendo em minha boca. Então de repente uma sombra apareceu no meu quarto e eu assustada abri meus olhos acordando, estava com um pijama lilás e procurei o que tinha sido a sombra e de repente vi de pé olhando para as janelas e o guarda-roupa, um garoto alto de cabelos pretos lisos, vestindo um casaco preto com detalhes vermelhos, por baixo uma camisa preta com um circulo vermelho (aquele que quando você olha fica hipnotizado) e calças pretas com detalhes vermelhos. Eu não sabia o que meu amigo Yvayke (ou Yves como eu o chamo) estava fazendo no meu quarto.

—Yves?

Ele virou-se para mim e sorriu.

—Oi Mal, vamos nos divertir?

Eu ainda estava com muito sono, eu olhei para ele ainda deitada na cama e resmunguei:

—Que ideia é essa de me acordar? Seu Maluco! Devia queimar seu casaco. —Falei em um tom de ameaça.

Seus ombros e parte dos braços saíram os espinhos, então ele olhou diretamente para mim sorrindo.

—Tenho vários casacos Mal—Falou ele me desafiando. —Ele sorriu e continuou a falar—Então pode queimar a vontade. Enfim, vamos destruir algo? Vai ser divertido, o pessoal pediu que eu te chamasse.

E tinha de ser agora? —Questionei em minha mente.        

Então eu fiz o eu havia falado, fuzilei Yves com um olhar bravo e de repente chamas surgiram no casaco de Yvayke, ele se assustou e olhou para mim e parecia zangado, mas eu só fiz o que ele disse para eu fazer.

—Mal! —Gritou ele—Para com isso... Você vai ver...

Eu ainda deitada na cama olhei para ele e deu um sorriso malicioso resmungando:

—Mas foi você que disse que tem outros casacos e eu podia queimar esse. Não queria que destruíssemos algo? Então, estou destruindo. Não é o que você queria?  

As chamas aumentaram e vi que Yvayke estava bem irritado, bem vilões irritam os outros e vilões irritam outros vilões, é o nosso caso.

—Não! —Berrou ele—Claro que não sua louca roxa... Você vai ver Mal. —Falou ele me ameaçando.

Louca Roxa? Ele tem de melhorar os apelidos. Então de repente ele se teletransportou e deixou o casaco cair no chão pegando fogo, quase pega na minha cama e se eu morresse iria assombra-lo ate ele morrer. Só que o Yves é um perigo quando se teletransporta, pois às vezes ele já voltou, mas você não sabe, pois ele usa o poder das sombras para que ninguém consiga acha-lo e meu quarto é bem escuro mesmo hoje que as janelas estão abertas.

—Essa não... Apareça Yves! —Falei o mandando aparecer.

Vi varias vezes vultos negros e ele respondia:

—Com Medo, Mal? Que Hilário...

Eu me irritei com ele e gritei:

—Eu com medo? Não me faça rir, seu Porco Espinho metido.

—Não é o que parece Mal... 

Ele desafiou-me, quem ele pensa que é? Eu ia mostrar a ele que não era a toa que eu era chamada de a Lady Negra. Eu então levantei de minha cama, demorou um pouco pois eu ainda estava com sono. Eu fiquei de pé e minhas mãos começaram a soltar chamas verdes e lancei-as em direção do vulto, porém as chamas não atingiram Yvayke.

—Parece que mira não é o seu forte né Mal?

—Cala Boca! —Gritei com raiva e ouvi risadas de Yvayke, ele estava me fazendo de idiota. Então eu tive uma ideia para distrai-lo, ele não aguenta garotas e eu dei um sorriso malicioso.

—Chega Yvayke! —Gritei, então falei com uma voz mais gentil-Eu preciso me trocar, pode me dar licença?

Yvayke apareceu na minha frente, só com a camisa Preta e os espinhos nas costas e nos braços. Ele encarou-me desconfiado meio avermelhado.

—Agora? Fala Sério!

Eu sorri para ele.

—Te Peguei Yves...

Eu o confrontei. Então vi que os olhos de Yvayke se encontraram com os meus.

—Calma Mal. Não seja precipitada Já que sabe muito bem que só para te chamar...

—Sabe que dia é hoje?

Ele ficou nervoso com a pergunta.

—Não... O dia em destruir coisas com minha melhor amiga?

Eu dei um sorriso e levantei uma das mãos com chamas encarando-o.

—Poderia até ser! Mas não é. —É o dia que vamos destruir muitas coisas, tudo o que vier a nós.

Yvayke assentiu.

—Esta bem, então vou lhe esperar lá fora. Vai ser o dia da diversão.

—Sim, exatamente amigo.

Yvayke deu as costas e ficou olhando para a janela e resmungou:

—Sim, se não importa vou pela janela.

Nem, o Yves é um pouco louca, mas eu não posso dizer nada, pois também tenho certa loucura em meu DNA. Ele abriu as janelas e com a perna apoiada na janela e ele colocou as mãos na cintura.

—Até que a vista não é tão ruim.

Eu resmunguei:

—Mentira, é ruim sim.

E sim, a vista era horrível. Casas feias e totalmente destruídas, por causa dos estranhos que há muito tempo causaram uma batalha que desestabilizou a Ilha. O ambiente era cinzento, tinha muita lama nas pistas e também havia muito caos lá instalado.

Yvayke sorriu e nem notou que eu estava bem atrás dele.

—É você tem...

Eu o interrompi e com as minhas mãos o derrubei e vi-o caindo de um prédio (minha casa) de quatro andares e ele gritava muito. Vi seus olhos arregalados para o chão, vi que meu nome estava em sua boca e ele gritava meu nome em tom de raiva. Devo admitir que fiquei um pouco com medo que Yves não escapasse mas então vi Yvayke se teletransportar e o vi la no chão na frente da minha casa. Yvayke resmungou:

—Caramba! —Exclamou ele surpreso, pois quase morreu com a queda. —Vou precisar de outro casaco.

Então eu resolvi tomar um banho e troquei de roupa. Vesti o meu uniforme, era tipo um casaco com zíperes nela e uma parte da roupa saindo por fora da roupa e uma saia roxa. Na verdade minha roupa era roxa com detalhes rosa. Além de por baixo do pescoço tinha uma blusa transparente com linhas pretas mostrando minha pele. Vestia calças roxas com detalhes Rosa e Preto. Calçava uma bota Preta. Por trás da camisa havia um coração Verde escrito The Marvolous e um Dragão (imagem). Afinal eu sou a Lady Negra, uma estranha filha da vilã Shiraya. Eis que eu sou Mal Dubleron. Eu sorri saindo de casa indo encontrar meus amigos em frente de casas abandonadas, algo bastante comum aqui.

—É hora do show!

Meus amigos estavam a minha espera. Yvayke com o capuz na cabeça, tinha trocado o casaco e de gato não seu como ele pode ter tantos casacos iguais parece até bruxaria ou vodu. Bem a o seu lado estava Evie que trajava uma blusa azul escuro, uma saia Preta com Branco além de calças dessas mesmas tonalidades (assim como eu com uma nota Preta). Seus cabelos eram azuis escuros e usava uma tiara na cabeça. Atrás deles estava Carlos com a cara estranha os olhos arregalados e os cabelos brancos bagunçados. Usava um casaco Branco e uma blusa Preta e Vermelha, as calças eram pretas e vermelhas e usava um tênis marrom. Bem distante estava Jax com uma touca na cabeça, seus cabelos longos pretos caídos em seus ombros e um Belo sorriso no rosto. Ele trajava uma jaqueta amarela com detalhes laranja e azul, por baixo uma camisa vermelha. Usava calças jeans azul escuro com tênis pretos.

Evie olhou para Yvayke e resmungou, parecia preocupada com algo.

—A Mal está demorando não acha?

Yvayke assentiu. Olhou para Evie encarando-o.

—Pois é Evie...

—Ate demais eu acho pessoal. —Resmungou Carlos.

Então Jax os encarou e falou algo como se fosse o grande maioral:

—Vamos então sem ela amigos, pois eu tenho a força e seus poderes seremos incríveis. Além do mais eu Jax serei o líder, o Hércules.

Eu apareci atrás dele e resmunguei:

—Líder do que grande Jaz? Líder do que exatamente? —Falei com as mãos na minha cintura.

Jax hesitou um pouco e virou-se para mim.

—Sou líder da minha casa Mal, dela eu sou o grande líder.

Dei de ombros, dando as costas para vários prédios e casas desgastadas.

—Então meus amigos, vamos começar! —Falei entusiasmada. —Vamos começar logo essa destruição, afinal somos os Marvolous.

De repente um garoto de cabelos pretos e uma garota de cabelos compridos rosas surgiram e nos confrontaram. Acho que moravam nos prédios.

—O que estão querendo aqui? Estranhos nojentos! —Falou o garoto em um tom de raiva e de muito desprezo.

A garota concordou e deu um berro para nós:

—Saiam daqui seus anormais!

 Yvayke encarou o garoto com seus espinhos a mostra e resmungou:

 —Sabe não vai dar infelizmente! Mas tem uma coisa sim que ira sair daqui.

O garoto e a garota ficaram com medo e hesitaram encarar Yvayke. Então eu apenas vi Yvayke correr com seus espinhos e usando seu poder de sombras, ele liberou suas sombras na direção deles que gritaram ao serem pegos pelas sombras. Yvayke sorriu e piscou para mim e jogou os humanos em muro, eles estavam machucados além de estarem assustados. Yvayke olhou para Jax sorrindo.

—Agora Jax! Acabe com isso.

Yvayke se afastou dos garotos, Jax se aproximou encarando os garotos.

—Pode deixar comigo parceiro, eu o Hércules.

Ele ergueu seu punho direito para socar os humanos e de fato mereciam isso, os humanos odiavam estranhos e já mataram pessoas da nossa espécie e eles mereciam isso, mas decidimos só assustar esses ai. Quando Jax fez seu movimento perto das cabeças deles acabou acertando o muro despedaçando-o. Antes que fizermos algo eles começaram a correr pedindo ajuda e gritando e digo algo; os humanos são muito previsíveis e tão tolos. Jax se virou para nós e disse:

—Nem teve graça, vamos galera.

—Sim, vamos. —Falei.

Todos nós encaramos os prédios e casas destruídas, começamos a correr usando os nossos poderes de estranho. Primeiro foi Yvayke que estava com um monte de espinhos amostra e estava bem entusiasmada, como de costume estava de capuz e lançou espinhos para perto dos prédios, porém um agente da nero apareceu com uma arma e  gritou:

—Pare agora estranho! Ou vou ser obrigado a atirar.

Isso é uma bobagem, eles atiram sem nem pensar e fala que se não fizermos nada não irá atirar. Mesmo se fizéssemos isso ele iria atirar e nos matar.

—Hoje... —Começou Yvayke a falar, ele caminhou em direção do agente, estava com uma expressão estranha e sorria. Então avançou contra o agente acertando-o com um soco na cara e derrubando a arma da mão do agente. Yvayke encarou o agente que havia caído no chão.

—Hoje Não e saiba de uma coisa, nós os Marvolous jamais nós renderemos a Nero... Nunca Mais. —Falou ele com um tom de voz bem forte.

Então Yvayke ficou em pleno silencio encarando o agente da Nero. Então Carlos e Jax olharam para Yvayke e o agente e resmungaram:

—É isso mesmo nós os Marvolous... —Falou Carlos sendo interrompido por Jax:

—Não temos medo de humanos como vocês.

O agente cuspia sangue da boca e infelizmente ainda estava vivo. Queria que os humanos morrerem, já causaram muito sofrimento aos estranhos e por serem egoístas e tão maléficos merecem todos morrer é o que eu desejo para eles. O agente começou a tossir e encarou a todos nos:

—Vocês estranhos nunca irão estar em paz, nós agentes da Nero mataremos vocês.

Eu me aproximei junto com Evie, ela pegou a arma do agente e a entregou para mim. Nós afastamos, eu dei um olhar de raiva e bem ameaçador para ele.

—É, eu... Nós estamos contando com isso e é bom estar prontos agente. —Falei e então com minhas chamas destruí a arma do agente deixando-a em pedaços.

Yvayke sorriu para mim e confrontou o agente com uma voz bem ameaçadora.

—É, pode mandar adeus para seus amigos agentes que morreram.          

Os olhos de Yvayke se encontraram com os do agente que resmungou algumas palavras antes de morrer:

—Vocês vão morrer... Espero que morram Marvolous.

 

Foi então que eu vi a morte, os humanos não s ao nada comparado a nós, nós estranhos somos fortes e eles são invejosos, cruéis além de serem egoístas e cometem erros imperdoáveis e é por isso que o mundo está um caos por culpa deles mesmo. Os humanos acabaram por destruir o seu próprio mundo e concordo com meus amigos e nossos pais que os humanos devem ser todos exterminados. Yvayke avançou contra o agente perfurando o corpo dele com seus espinhos, que atravessaram seu corpo soltando sangue caindo no chão. O corpo do agente caiu no chão morto, Yvayke deu um sorriso para mim e eu entendi o que ele quis dizer com isso.

Eu andei ate em frente dos prédios e casas destruídas, uma de minhas mãos pegou fogo e sorri para meus amigos e resmunguei:

—Vamos, está na hora de agitarmos isso de uma vez.

Então vi os movimentos dos meus amigos, Jax com a sua super força dava vários socos no chão fazendo rachaduras na terra causando abalos na ilha. Vi Carlos com a sua super velocidade que conseguia ultrapassar a barreira do som (menos a velocidade da luz), mas mesmo assim ele era bem forte sendo capaz de criar furacões e vi os furacões ao redor dos prédios. Então vi Evie atacar os prédios com o seu poder de luz destruindo-os em uma grande proporção. Então Yvayke se aproximou de mim, tinha tirado o capuz.

—Vamos entrar na festa, parceira?

—Pode apostar que sim, Yves.

 Eu e Yves ficamos um do lado do outro e ativamos nossos poderes e olhamos em direção da destruição que nossos amigos estavam fazendo com os seus poderes de estranhos. Sorrimos e estava feliz por estar viva e com os meus amigos, percebi o olhar de Evie a distancia.

—O que eles estão esperando?

Carlos fazia um enorme furacão correndo em uma enorme velocidade, só conseguiu falar em sua mente:

‘’Não sei, estou muito ocupado para me preocupar com isso agora’’

Então eu e Yves nos separamos avançando atacando com nossos poderes, Yvayke atacou com os espinhos que voaram acertando os prédios e usou suas sombras para causar uma enorme destruição e foi mesmo prédios começaram a despencar pelos golpes de Yvayke juntamente com o furacão de Carlos e o poder de luz de Evie além da super força esmagadora de Jax. Eu por fim lancei chamas em tudo o que ainda estava de pé e então tudo explodiu-se em mil pedaços e nos fomos lançados para longe e vimos prédios em chamas, as minhas chamas e ficamos felizes foi bem divertido destruir tudo o que tinha de feio naquela ilha dos infernos. Afinal nós somos os Marvolous e vamos matar ate o ultimo humano, eu Mal juro que faremos isso acontecer.

 

Mais tarde os Marvolous estavam todos dormindo em suas casas, nas suas camas e estavam dormindo profundamente e nada os atrapalharia naquela tão profunda e linda noite. Aqueles cinco estranhos teriam um enorme papel em uma guerra contra os humanos e contra eles mesmos, um destino iniciado quando eram crianças quando estavam em um abrigo comandado pela Nero, a partir dali viraram os Marvolous. Haviam sofrido muito, mas alguém os observam a noite, primeiro foi Yvayke; um homem alto de cabelos e barba preta encarava-o, usava um uniforme Vermelho com detalhes pretos. Tinha um cigarro na boca, mas logo parou ao pensar que podia fazer mal a seu filho, estava sentado em uma cadeira observando seu filho dormindo com fones de ouvido, de longe ouviu uma música, mas não identificava e não queria saber.

 —Meu filho... Não vai me decepcionar não é mesmo?

Mephistopheles é o pai de Yvayke, Lia e Elizabeth e também ex-marido de Ana. Seu verdadeiro nome é Mephisto Zawcrolth um dos homens mais perigosos do mundo, inimigo dos estranhos e também da Nero.

Então Mephisto pensou em sua ex-esposa Ana e em suas filhas Elizabeth e Lia; elas não entendiam porque ele queria poder e ele só queria para acabar com a maldade do mundo, assassinos, ladroes e estupradores (havia muitas pessoas desprezíveis e mereciam ser extintas de uma vez por todas). Mas ficou feliz ao ver Yvayke junto com os amigos destruindo casas e prédios e matando um agente da nero, ficou orgulhoso de seu filho. 

Segundo foi Mal, uma mulher a visitava. Era mulher bonita, com um elmo roxo com chifres cada um de cada lado da cabeça, trajava um uniforme, usava uma capa preta e seu uniforme era roxo com detalhes vermelhos, tinha os longos cabelos loiros. Olhava para a filha mais nova e lembrou-se do marido Água-viva morto um ano após o nascimento de Mal.

Shiraya é a mãe de Mal e Mykayla e também ex-esposa de Água-Viva. Seu verdadeiro nome é Sheila Dubleron e é aliada de Mephisto, tem grande apreço por destruir os estranhos e principalmente os humanos que tomaram a vida de seu amor Rhagrey Dubleron e sua preciosa irmã Shalla.

—Filha, não vai me decepcionar não é mesmo?

Então uma garota apareceu com a noite, era loira e alta lembrava um pouco Mal. Trajava roupas pretas, jaqueta preta, botas pretas, saia e blusa também pretas. Ela encarou Shiraya a sua mãe com um olhar de raiva.

—Ela não é como você mãe, ela tem um bom coração.

Shiraya virou-se e viu a filha.                                                                 

—Mykayla?

 

Mykayla Dubleron, irmã mais velha de Mal. Após saber que a mãe havia colocado de proposito a irmã em um abrigo da Nero a odiou profundamente e depois tentou convencer a ir embora com ela, mas Mal não quis abandonara a mãe e nem os seus amigos, pediu a Yvayke para cuidar de sua irmã e foi embora da ilha da há dois anos quando Mal tinha onze anos. Mykayla tinha fortes poderes mágicos como a mãe e a irmã, mas tinha poderes além desses podia controlar a escuridão e soltava raios elétricos das mãos ao invés de chamas como a irmã e a mãe.

—A minha irmã, a Malina não é como você mãe. —Falou Mykayla em um tom grave e forte, odiava a mãe pelo que ela fez a sua irmã (queria que seu pai e sua tia tivessem sobrevivido e não sua mãe)—Eu sei que a Mal vai seguir um caminho totalmente diferente do seu e do meu também, ela será melhor que nós nunca seremos mãe.

Shiraya riu.

—Não, está enganada filha... A Mal é exatamente como eu, vai ser má. —Falou ela rindo —Ela e os amigos destruíram prédios e casas, uma prova do que ela está destinada a se tornar.

—Destinada uma pinoia mãe... Você não pode decidir o destino da Mal, já perguntou para ela se é o que ela quer mesmo?

—Ela não tem de querer nada Mykayla, tem que seguir minhas ordens afinal sou a mãe dela.

Mykayla riu.

—Acha que é a mãe dela? Não! Você nunca será a mãe dela e sabe por quê? Porque você acha que pode decidir a vida dela, mas não pode mãe, ela que vai decidir a vida dela sendo para o lado bom ou para o mal ela não ficara próxima de você e eu estarei lá para garantir isso.

Mykayla confrontou a mãe com os olhos e depois sumiu na escuridão dizendo:

‘’Minha irmã não é como você’’

O terceiro naquela noite foi Jax, um homem de turbante azul com cabelos pretos e uma jaqueta dourada com detalhes vermelhos e uma blusa azul e braços fortes olhava para Jax. Esse homem era seu pai, Loubel. —Também amigo (aliado) de Mephisto e Shiraya. Seu verdadeiro nome é João Louco Bellmer, um ex-comerciante de drogas é agora um  comerciante de escravos(rouba humanos para empresas grandes e ganha muito bem com isso). È procurado por roubos, assassinatos e vandalismo ruim.

—Filho... Não se atreva a decepcionar, eu gastei muito dinheiro transformando você num bom ladrão. —Falou ele com medo do filho ir para o lado bom, mas deixou essa ideia de lado, pois seu filho era um grande ladrão e tinha orgulho dele e iria apoia-lo qual fosse a ideia ou desejo dele, afinal queria apenas a felicidade de seu filho já que prometera a sua falecida esposa que cuidaria do Jax.

Por últimos vinham a Rainha Negra, Raven Darkheart a mãe de Evie. Procurada por enormes desastres em vários países e em mundos diferentes, além de bandidagem também. Ela olhava para a filha dormindo tranquilamente, era bonita como a mãe fora um dia, a mãe trajava um elmo preto com detalhes azuis, seu uniforme era azul escuro com partes pretas, tinha um colar em seu pescoço, um espelho.

—Minha filha querida... Sei que destruirá os corações de todos que se meterem com você, pois você é má como eu.

Ela riu e alisou seus cabelos negros.

E ultimo a Crupia, Cecilia Cubas Vampager a mãe de Carlos. Ela era traficante de animais antes de ser exilada, agora ensina o filho a falar com os animais ferozes e matar seus inimigos a sangue frio como ela fez um dia. Ela tinha os cabelos longos brancos e lisos, trajava uma jaqueta preta com um uniforme branco com detalhes vermelhos, ela olhava para o filho.

—Querido Carlos, destrua a todos com seus animais selvagens.

Porém choveu aquela noite, significava que algo estava para acontecer. 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...