História Scandalous - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Comedia, Criminal, Escolar, Hoseok, J-hope, Jikook, Jimin, Jin, Jungkook, Kookmin, Namjin, Policial, Rap Monster, Seokjin, Suga, Taehyung, Vhope, Yoongi
Visualizações 64
Palavras 3.203
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Escolar, Festa, Lemon, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI GENTE, ALA A FIC QUE EU FALEI QUE IA COMEÇAR <33

Foi inspirado em INFAMOUS, mas muitas coisas irão mudar, MUITAS MESMO! História dos personagens, tretas, as confusões que eles vão se meter, e até mesmo alguns cargos.
Tudo plot meu, ok? E também aquela pitada de esquadrão suicida, olhem na capa: "Nos somos os vilões" rs
ESSA FIC PROMETE!

Comentem oq acharam, adoraria saber a opinião de todos vocês!! INTERAJAM COMIGO, TÁ? <33 Comentem ai...

É isso, espero que gostem do primeiro cap <3
Boa leitura
i'm out
(to rindo de nervoso)

Capítulo 1 - Os escolhidos


Fanfic / Fanfiction Scandalous - Capítulo 1 - Os escolhidos

 

Se mexeu entre as cobertas, apertando os olhos ao sentir os raios de sol baterem em seu rosto. Ainda com os olhos fechados, puxou mais a coberta para si e virou para o outro lado, soltando um gemido baixinho devido ao conforto de sua cama. Abriu um olho e viu que no relógio marcava sete horas da manhã, mas pouco se importou. Sorriu levemente e fechou o olho, abraçando o travesseiro e se aconchegando mais.

 

– Jimin! – Ouviu alguém chamar seu nome, mas estava tão sonolento que nem respondeu, continuou com os olhos fechados, quase se entregando ao sono novamente. – PARK JIMIN! – Berrou, já perto do mesmo.

 

– Hmm. – Gemeu, se mexendo. – Mãe, deixa eu dormir mais um pouco.

 

– Mãe?! – Disse Yoongi, meio indignado e meio irritado. Deu um empurrãozinho no garoto, ainda deitado. – Me respeite, garoto.

 

Jimin se virou para encarar Yoongi, que tinha os braços cruzados e uma expressão irritada. Jimin mexeu seus cabelos platinados, voltados para o cinza, e foi se sentando devagar.

 

– Ah, bom dia, pai. – Sorriu, meio sem graça. – Desculpe, eu não estava raciocinando direito.

 

– É claro que não, você não ousaria me ofender desse jeito. – Revirou os olhos. Jimin riu nasalmente e tirou as cobertas, colocando os pés no chão.

 

– Cadê a mãe? – Coçou os olhos, finalmente se levantando e se espreguiçando. Olhou para a cômoda e viu umas torradas e suco natural, trazidos pelo seu pai.

 

– Dando aula, é lógico. – Suspirou e mexeu nos cabelos pretos, sentindo-se preguiçoso para o longo dia que viria. – Coma, tome um banho e se arrume, você virá para a delegacia comigo, precisamos tratar de negócios, filho.

 

Jimin assentiu e Yoongi saiu do quarto. O garoto pôde ouvir o pai resmungar alto sobre “O que tinha feito para merecer uma coisas dessas”, e entre outras coisas, como soltar palavrões. Riu e comeu rapidamente seu café da manhã e logo entrou no chuveiro, cantarolando uma música popular enquanto se higienizava.

 

Como iria para seu local de trabalho, precisava estar um pouco profissional. Botou uma blusa cavada cinza e uma jaqueta cinza, combinando com a cor de seu cabelo, uma calça preta, e estava pronto. Desceu, vendo seu pai com o uniforme policial e digitando alguma coisa em seu celular.

 

– Seu primo Taehyung também participará dessa missão. – Pronunciou o moreno, fazendo Jimin revirar os olhos em descontentamento.

 

– Que missão? E você sabe que ele só vai me atrasar, o garoto é louco. – Cruzou os braços, mais irritado do que curioso. Não sabia de nenhuma missão.

 

– Você irá descobrir assim que chegarmos lá, e pare com essa birra que você tem com seu primo, moleque. Você pode ser mais habilidoso, mas ele também é uma ótima ajuda. – Bagunçou os cabelos do filho e o puxou para fora do apartamento, pegando o elevador e indo em direção a garagem, para irem a delegacia.

 

Entraram no carro e saíram pelas ruas, e Jimin não parava de pensar em como seria essa tal missão, mas sabia que seu pai não falaria até que estivesse no lugar onde queria.

 

– Por acaso temos que pegar algum assassino? – Perguntou. Yoongi riu alto e negou com a cabeça, fazendo o filho bufar.

 

– É muito mais interessante, filho. Já já você descobre. – Disse Yoongi, e depois ambos ficaram em silêncio absoluto até chegarem na delegacia.

 

Assim que chegaram lá, cumprimentaram outros policiais que andavam para lá e para cá, os que ficavam de guarda e outros que descansavam. Entraram em uma sala não tão pequena, encontrando Kim Taehyung. O loiro olhava algumas fichas, e assim que ouviu a porta se abrir, abriu um sorriso de canto.

 

– Ai está o meu parceiro nas maiores loucuras da minha vida! – Referiu-se a Jimin, que soltou o ar pela boca, ficando cansado só de olhar para a face delicada do mais novo. Amava o primo com todas as forças, mas não concordava muito com a ideia dele participar deste caso, ele era muito impulsivo e adorava deixar-se levar pela adrenalina, o que de certa forma preocupava Jimin.

 

Yoongi deu um sorrisinho e sentou-se, indicando os dois lugares vazios a sua frente para o filho e o sobrinho de sua esposa. Ambos se sentaram, prestando atenção no mais velho, que suspirou.

 

– Vocês sabem que está ocorrendo uma série de assassinatos em um colégio perto daqui, certo? – Disse Yoongi, os dois assentiram, já tensos. – A policia andou meses tentando encontrar esse verme que está causando tudo isso, mas o filho da puta é ótimo em não deixar pista alguma.

 

– E o que vamos fazer, pai? – Perguntou Jimin. – Vamos simplesmente desistir do caso, ou prender todo mundo daquele colégio?

 

Yoongi riu.

 

– Não somos nem loucos de fazer isso, meu filho. – Pegou a ficha em mãos. – Vamos ter outro método, considerado loucura para uns, mas útil o suficiente para outros.

 

– Mandar criminosos resolver o caso? – Jimin arqueou a sobrancelha, e Yoongi abriu um sorriso.

 

– Eu te criei tão bem, Jimin. – Assim que falou, os dois tiveram reações diferentes. Jimin franziu o cenho e Taehyung arregalou os olhos.

 

– Você não é nem louco de fazer isso, senhor Min. – Taehyung encolheu os ombros, claramente incomodado. Yoongi revirou os olhos.

 

– Não temos escolha, Tae. – Suspirou, Jimin riu nasalmente.

 

– Papai, você andou vendo muito Esquadrão Suicida. – Debochou. Ambos começaram a discutir, Yoongi negando e dizendo que não sabia do que o menino estava falando, enquanto Taehyung se perdia em pensamentos. Criminosos resolverem o caso? Só podia ser brincadeira.

 

Não tinha medo de criminosos, principalmente Jimin. Sabia que o primo estava super ok com isso, pois nenhum criminoso ousaria ou já ousou desafiar o primo. Jimin era o tipo de pessoa que botava medo em qualquer um, principalmente criminosos.

 

Ninguém desafiava Park Jimin.

 

Já Taehyung não era tão habilidoso como Jimin era, por isso estava receoso de ter criminosos resolvendo o caso. Não estava com medo, estava preocupado.

 

– Por acaso... – Se pronunciou, interrompendo a discussão infantil de pai e filho dos outros dois. – São os criminosos que eu estava vendo nas fichas?

 

Yoongi sorriu, animado. Ele pegou as folhas na prancheta e as analisou.

 

– Bom, sim, mas apenas quatro. Essas são as fichas dos criminosos presos, tem um monte aqui. – Tirou quatro folhas, e os garotos perceberam um risco feito com uma caneta vermelha nos cantos das folhas, como se estivessem sido selecionadas. – São esses quatro que vão trabalhar no caso, escolhidos por um dos nossos policiais.

 

Jimin analisou calmamente as feições dos quatro garotos, junto com seu primo. Yoongi guardava a prancheta em uma gaveta, logo voltando a atenção para os meninos.

 

– Esses são Kim Namjoon, Jung Hoseok, Kim Seokjin e Jeon Jungkook. – Apontou para as fotos de cada um. – Kim Namjoon, líder da maior gangue de Seul..-

 

– Líder da maior gangue e foi pego, deve ser um bosta que ficava sentado bocejando o dia todo, e quando não estava vagabundeando, estava transando. – Debochou Jimin, olhando para as unhas. Taehyung riu baixo, e Yoongi sorriu de canto.

 

– Olha a boca, garoto. – Soltou uma risada nasal. – Enfim, Namjoon, mais conhecido como Rap Monster, líder da maior gangue de Seul. Jung Hoseok, conhecido como J-hope, traficante de drogas. Ele foi pego traficando drogas na porta de um colégio. Kim Seokjin, filho do líder da maior máfia de toda a Ásia e a segunda maior do mundo, ele é herdeiro do trono. – Jimin não pareceu surpreso, mas Taehyung sim. – E, por último, Jeon Jungkook, foi um assassino de aluguel, contratado pelo líder de uma gangue, mas não descobrimos quem era. – Finalizou, frustrado.

 

– Então, são eles que vão trabalhar neste caso? – Perguntou Taehyung. Yoongi, pela primeira vez no dia, deu seu sorriso gengival, mas o filho viu que por trás daquele sorriso, estava um divertimento e deboche.

 

– E vocês também trabalharão nisso.  Trabalharão no caso e, também, irão vigiá-los.

 

XxXxXx

 

Chegou na penitenciária com um sorrisinho vitorioso. Havia deixado o filho esperando na pequena sala de “reuniões”, enquanto o primo deste tinha ficado na delegacia, tentando resolver outros casos por enquanto.

 

Foi andando pelos corredores, olhando de cela em cela, até achar a que queria. Parou em frente a mesma e deu uma cutucada na grade, chamando atenção do único presente ali, já que seu parceiro de cela estava no refeitório. Abriu um sorriso malicioso e foi engatinhando até a grade, se levantando e ficando de cara com Yoongi.

 

– Senhor Min, que surpresa. – Disse Seokjin, com aquele seu sorriso cínico. – Finalmente cogitou a ideia de transar comigo? – Riu. Yoongi revirou os olhos, mas não estava tão irritado. Já estava acostumado com o outro lhe lançando palavras sujas, não era novidade que este era totalmente ninfomaníaco, tinha um histórico muito sujo.

 

– Não desta vez, e nunca, senhor Kim. – Devolveu o deboche, e o sorriso do garoto morreu, sendo substituído por uma expressão irritada. – Eu tenho uma missão para você e mais três, me encontre na sala de reuniões.

 

– Eu não sou obrigado a fazer nada para você, Min canalha Yoongi! – Apertou as grades e berrou, observando o mesmo sair andando, rindo. Seokjin se irritou mais. – Se você não quiser me satisfazer, eu não quero fazer nada que não seja na cama com você, ME OUVIU? VOLTE AQUI!

 

O mais velho ignorou, passando nas outras celas e chamando os escolhidos. Jungkook ficou irritado, porque estava tentando dormir, mas não discutiu, não queria problemas. Hoseok também não discutiu, uma vez que estava sem fazer nada, Namjoon a mesma coisa.

 

Yoongi adentrou a sala, dando de cara com Jimin sentado na mesa, mexendo em seu celular. O garoto guardou o aparelho e se levantou, vendo os guardas acompanharem os quatro que adentraram aquela sala, e Jimin pode ver, finalmente, suas feições em uma “qualidade” melhor.

 

Seokjin tinha um cabelo rosa chamativo, Hoseok um cabelo cor de fogo, Namjoon meio esverdeado e Jungkook com o cabelo castanho. Todos os quatro não pareciam nada felizes, principalmente Seokjin. Os olhos tombaram no filho de Yoongi, e todos abriram um sorriso malicioso.

 

– Você também vai trabalhar com a gente, gracinha? – Disse Namjoon. Jungkook passou a língua pelos lábios, atraído. Seokjin arqueou uma sobrancelha, com um sorriso, e Hoseok estava com um sorriso de canto e braços cruzados.

 

– Ugh. – Resmungou Yoongi, chamando a atenção. – Vocês vão tratar o meu filho com respeito,entenderam bem?! – Levantou o tom de voz. Três reviraram os olhos, mas Seokjin apenas riu.

 

– Tá explicado de onde ele tirou tanta beleza. – Deu uma piscadela e mandou um beijo, direcionado a Yoongi, que fez uma careta.

 

– Por quê estamos aqui, afinal? – Perguntou Jungkook, e Yoongi agradeceu aos céus pelo garoto ter tocado no assunto que importava.

 

– Certo, é o seguinte. – Yoongi falou, dando uma pausa para suspirar e cruzar os braços, tendo a atenção dos quatro criminosos a sua frente. – Vocês vão para a escola.

 

Silêncio. Foram segundos de silêncio até que todos começassem a gargalhar, como se estivessem acabado de ouvir a melhor piada da história. Riram tanto que até tinham lágrimas nos cantos dos olhos.

 

– Não, isso não vai acontecer. – Disse Namjoon, tentando se recompor. Ele ainda ria, e tinha a mão na barriga, estava doendo por ter rido tanto. Yoongi sorriu de canto.

 

– Vai, sim. E vocês não tem escolha. – Tirou um pequeno controle do bolso e apertou o botão, e então, os quatro começaram a gritar de dor. Hoseok se ajoelhou no chão, Seokjin se encolheu, apertando a barriga. Namjoon e Jungkook ficaram tontos. – Implantamos um chip dentro de vocês, agora posso saber suas localizações e tudo. – Sacou o celular. – E se vocês forem desobedientes, serão eletrocutados. Eu e meu filho teremos esse controle.

 

– V-Você não pode fazer isso. – Falou Seokjin, se recompondo. Yoongi riu, vitorioso.

 

– Posso, sim. – Suspirou e guardou o controle. – Mas vocês não vão para a escola a toa, é ai que entra a missão de vocês. Há meses que anda ocorrendo uma série de assassinatos neste colégio, e o assassino não deixa pista alguma, o que dificultou o trabalho da polícia.

 

– Mas o que isso tem a ver com nós, senhor Min? – Disse Hoseok, se pronunciando pela primeira vez, com respeito. Yoongi pareceu satisfeito.

 

– Infelizmente, temos que tomar medidas drásticas para certas situações. Acreditem em mim quando digo que não foi fácil tomar essa decisão, mas foi necessário. Vocês irão resolver este caso. – Após falar, Namjoon arqueou uma sobrancelha.

 

– E o que vamos ganhar com isso? – Perguntou, desconfiado. Jimin sorriu levemente, olhando para o pai.

 

– Se vocês resolverem este caso e se comportarem direitinho, sem fazer nenhum absurdo, poderão responder em liberdade. – Cruzou os braços. Os quatro assentiram, mas suas expressões não mudaram. – Eu comprei um dormitório, vocês ficarão hospedados lá. Eu vou agora no colégio matricular vocês. – Olhou para o filho, que estava quieto até agora. – Jimin, leve-os para o dormitório.

 

– Sim, pai. – Saiu da sala, sendo acompanhado pelos quatro criminosos, e nenhum deles pareciam feliz, e o sentimento de Jimin era o mesmo, não estava muito satisfeito também. – Você, de cabelos castanhos, hmm...

 

– Jungkook. – Revirou os olhos. Jimin não sorriu, continuou com a expressão neutra.

 

– Você, Jungkook, vai dirigir. – O garoto abriu a boca para protestar, mas ao ver Jimin tirar o pequeno controle do bolso, silenciosamente ameaçando eletrocutá-lo, assentiu e sentou-se no banco do motorista, ouvindo as coordenadas que Jimin lhe dava e indo em direção ao dormitório.

 

XxXx

 

Yoongi chegou feliz em sua casa, já sendo recebido pela esposa. Deram um selar de lábios e se dirigiu até a mesa da sala, colocando os materiais de matrícula em cima desta, os olhos brilhando. A mulher se aproximou, olhando os papéis e voltando seus olhos para o marido.

 

– Você deve estar muito feliz por ter tido sucesso, não é? – Disse Jennie. Yoongi riu, assentindo. – Você deve estar cansado, vá se deitar que eu faço uma comida.

 

O moreno negou, finalmente olhando para a esposa e acariciando os braços delicados da mesma.

 

– Você também deve estar cansada, querida. Vai deitar na cama, eu peço uma pizza, não se preocupe. – Sorriu, com afeto. Jennie lhe beijou na bochecha e se preparou para ir ao quarto, mas se lembrou de algo.

 

– Querido, cadê o nosso filho? – Olhou para os lados. Yoongi deu uma risadinha.

 

– Jimin levou os quatro babacas para o dormitório e agora está na delegacia resolvendo coisas de última hora, já já ele chega. Vamos deixar dois pedaços de pizza pra ele, sim? – Jennie assentiu e foi em direção ao quarto.

 

Minutos depois, a figura de Jimin passou pela porta, vendo uma caixa de pizza com dois pedaços deixados para si. Jennie desceu as escadas e abraçou o único filho.

 

– Oi, mãe. – Disse Jimin, retribuindo o abraço. Ele era mais próximo do pai do que da mãe, mas nunca deixava de demonstrar afeto e instintos de proteção quando se tratava de mulher, embora a mesma já tenha feito aulas de caratê e sabia se defender muito bem.

 

Nunca ia esquecer quando a mesma deu uma surra em dois ladrões que tentaram assaltá-la.

 

– Meu filho, como foi lá? Aqueles idiotas tentaram algo com você? – Perguntou, preocupada. Yoongi assistia a cena, ainda na escada, encostado de lado na parede. Jimin riu baixo.

 

– Você sabe que se eles tentassem, estariam no hospital em coma. – Deu de ombros. Jennie riu e bagunçou os cabelos do garoto.

 

– Eu e seu pai te criamos muito bem. – Riu e se afastou, subindo para o quarto. Yoongi se aproximou do filho, com um sorrisinho.

 

– Como foi com aqueles quatro? – Perguntou. Jimin revirou os olhos, irritado. Yoongi imaginou o trabalho que devem ter dado para o seu filho.

 

– São uns pé no saco, não paravam de ficar no meu ouvido dizendo que tudo isso era um absurdo e que somos fracos, então eletrocutei todos eles para calarem a porra da boca de uma vez. – Falou, andando em direção a cozinha e pegando um prato e talheres, sentando-se na mesa para jantar.

 

– Se acostume, meu garoto. Nunca disse que isso seria fácil. – Falou, Jimin deu de ombros e começou a comer. – Coma e depois vá dormir, amanhã vai ser um longo dia.

 

XxXxX

 

Já eram exatas seis e meia da manhã, e Jimin já se encontrava dentro do dormitório que os quatro estavam hospedados, mexendo em seu celular. Todos pareciam uns zumbis, fazendo coisas de super má vontade, mas o garoto não podia se importar menos.

 

– Eu estava errado quando disse que os uniformes podiam ser bonitos. – Reclamou Hoseok, sendo o primeiro a ficar pronto. Jimin sorriu de canto, observando Jungkook se aproximar, também pronto.

 

– Há quanto tempo está ocorrendo esses assassinatos? – Perguntou Jungkook.

 

– Mais ou menos uns quatro meses. – Respondeu. – O assassino não deixava pistas nenhuma, e ninguém já viu seu rosto ou testemunhou qualquer coisa, o que dificultou nosso trabalho.

 

– E então vocês resolvem pegar quatro garotinhos indefesos para resolver o caso? – Retrucou Jungkook, sarcástico. Jimin deu uma risada alta.

 

– Líder de gangue, herdeiro da segunda maior organização criminosa do mundo, traficante de drogas e assassino de aluguel. – Enfatizou o cargo de Jungkook, este ficando desconfortável com o olhar debochado de Jimin para si. – Super indefesos, coitados.

 

Jimin bocejou e se sentou no sofá, voltando a mexer em seu celular. Jungkook não falou mais nada, apenas sentou-se também, esperando os outros dois ficarem prontos. Assim que Namjoon e Seokjin chegaram na sala, todos se levantaram. Jimin tomou uma posição séria, cruzando os braços e olhando para todos com superioridade.

 

– O negócio é o seguinte. – Começou. – Vocês vão agir como adolescentes normais lá, mas fiquem de olho em qualquer um que vocês conhecerem.

 

– Adolescentes normais, isso significa que tem sexo, fofocas, tarefas de casa, sexo e sexo? – Perguntou Seokjin, animado. Jimin revirou os olhos.

 

– Ugh, evitem o contato sexual. – Passou as mãos pelo rosto, já cansado. – Evitem também não falarem nada sobre isso, todos sabem que eu sou policial, e se vocês abrirem a boca sobre qualquer coisa, pode ser suspeito. Também não façam nada de errado, como se meterem em brigas, drogas, e etc. Eu fui claro?

 

– Foi, mas eu não vou te ouvir m questão do sexo. – Disse Seokjin, tendo os olhares direcionados apenas para si. Pareceu ofendido. – Qual é? Eu preciso de sexo para sobreviver, vão me dizer que todos aqui são virgens?

 

– Não. – Disse Namjoon, rindo, meio desacreditado. – Mas você é demais, cara. – Revirou os olhos. Seokjin não respondeu, apenas fez uma careta irritada.

 

– Certo, eu espero que minhas ordens tenham sido claras, e Seokjin, você vai me escutar em tudo que eu disse, caso o contrário.. – Tirou o controle do bolso, com um sorrisinho, e os quatro estremeceram. – Ótimo.

 

O platinado abriu a porta da sala, saindo do dormitório e indo em direção a garagem. Os quatro criminosos praticamente se arrastavam, com preguiça.

 

– Jungkook, você dirige de novo. – Disse Jimin, sentando no banco do carona. O garoto pareceu chocado.

 

– De novo? Mas eu já dirigi ontem, por quê não dirige você?! – Falou alto. Jimin suspirou.

 

– Porquê eu estou com preguiça, e se eu fosse você, abaixaria esse tom de voz quando for falar comigo, Jeon. – Riu, e o garoto estremeceu ao ouvir o seu sobrenome. Sentou-se no banco do motorista e deu partida.

 

Levaram apenas dez minutos para avistarem o grande colégio. Saíram do carro, os quatro observando o grande gramado, as pessoas adentrando o local, ônibus escolares chegando, tudo. Jimin fez uma expressão cansada ao ver uma figura super conhecida por si, enquanto os outros quatro ainda estavam observando tudo. Até que Seokjin deu uma risadinha.

 

– Isso vai ser divertido.

 

 


Notas Finais


SIM, YOONGI É HETERO E O JIMIN É FILHO DELE <3 Vamos fazer algo diferente, né? plmds.

ENFIM, ESPERO QUE TENHAM GOSTADO!

(Nenhum dos personagens serão #Protect@@Atallcosts, NINGUEM, acho que vocês vão querer proteger as pessoas DELES, isso sim. Jimin o mais badass dai, tinha q ser filho do Yoongi <33)

ELES VAO CAUSAR DMS OPDGOPG TO RINDO DE DESESPERO.
Enfim, me falem suas opiniões <3 até mais, amores.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...