História Scared Of Happy - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~camilacinica

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Alejandro, Ally Brooke, Brasil, Camila Cabello, Camren, Clara, Dinah Jane, Drama, Lauren Jauregui, Mike, Normani Kordei, Papa H, Romance, Sinu
Exibições 521
Palavras 4.493
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


FILHOS DA PUTA NÓS ESTAMOS AQUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS PRA QUEM SENTE SAUDADE DE GANHAR PRESENTE DE DIA DAS CRIANÇAS MAS FICA LENDO PUTARIA NA INTERNET

ACHARAM QUE A GENTE IA DEMORAR?

NÃO VAMOS, SEUS TROUXA

AQUI ESTÁ MAIS UM CAPÍTULO DESTA CARALHINHA, ESPERO QUE GOSTEM E OBRIGADA POR LEREM E COMENTAREM O PRIMEIRO, ESTAMOS MUITO FELIZES

NAS NOTAS FINAIS A GENTE CONVERSA

BOA LEITURA MINHAS PEPECUDAS

Capítulo 2 - Dois.


Camila tinha as mãos ardendo enquanto olhava a namorada pasma com a mão ao lado direito do seu rosto, nenhuma das duas falou absolutamente nada por um tempo. A respiração da latina era rápida, quase como se tivesse corrido uma maratona, já a outra nem respirava sentada na cama. 

- Perguntou se eu estava bem pra me bater?! – Disse em um fio de voz. - Camila?! 

- Isso foi pelo que disse as meninas na van, não teve coisa mais ridícula e desnecessária que aquilo, Lauren. E fique feliz que não vou lhe dar outro pelo que fez comigo. - Disse quase em um grito e com o dedo apontado em sua direção. Semicerrou os olhos, levando as mãos a cintura e negando com a cabeça repetidas vezes. - Qual é o seu maldito problema? 

- O problema é todo mundo se metendo no nosso namoro. - Respondeu já se movimentando rapidamente para ficar de frente a namorada, que riu ironicamente. 

- Isso é tão engraçado, sabe porquê? - Empurrou seus ombros. - Porque você é a única que está sempre trazendo pessoas para o meio disso tudo, seja suas amigas, suas paqueras e até mesmo as meninas.

- Você não entende! - Gritou enfrentando Camila. - Eu só não gosta...- A outra interrompeu.

- Não gosta de que?! Que as pessoas falem que você é minha namorada? - Mais um grito. - Que estamos juntas, que fazemos as coisas juntas? Isso que não gosta?!

- Eu só estou tentando preservar isso, imagina o inferno que seria se...- Lauren foi interrompida por mais uma risada irônica. 

-O inferno que seria de eles descobrissem? Bom, acho que não seria pior do que o inferno que você cria em relação a isso. - E então Lauren não teve mais o que falar, abriu a boca varia vezes mas não deixou que nada saísse.

E então ficaram ali se encarando, ambas com lágrimas escorrendo pelas bochechas, olhares tão machucados quanto poderiam estar depois de tanto tempo brigando por um único motivo. Lauren deu um passo à frente com a intenção de se aproximar e resolver a situação mais uma vez com Camila, mas alguém interrompeu batendo na porta. 

- Lauren?! - A mulher gelou quando Camila levantou os olhos para a porta e abriu a boca em descrença ao ouvir a voz do lado de fora.

- Você não fez isso. - A latina sussurrou passando como um tiro em direção à porta, a mais velha até tentou segurá-la, mas foi impedida por dois tapas em seus braços. Quando a porta foi aberta, Lucy estava pronta para abraçar a amiga, porém, não era ela ali. Engoliu o sorriso e limpou a garganta.

- Olá Mila. - Lucy tentou sorrir passando as mãos pela nunca, Camila riu baixinho a cumprimentando com um sorriso fraco. 

- Camz... 

- Não me chama assim. 

- Lucy veio só passar o meu aniversário comigo. – Tentou fazer com o que Camila acreditasse naquela mentira. Lucy a olhou com as sobrancelhas vincadas, mas depois de um rápido sinal, não comentou, apenas ficou em silêncio percebendo que Lauren a tinha posto em mais uma roubada. 

- É claro que sim, aposto que você também fez o favor de comentar isso com alguns fãs mais cedo não foi? - Camila não tinha certeza sobre aquilo, mas quando se virou e viu o rosto da namorada se contorcer em desculpas, assentiu. - É claro que sim. - Respirou fundo passando pela porta com os ombros caídos e se arrastou pelo corredor sabendo que Lauren não teria coragem o suficiente pra vir atrás dela, uma vez que duas camareiras estavam paradas sussurrando e com olhares direcionados a meninas, com certeza tinham escutado os gritos.

Estava acostumada a se decepcionar com Lauren, mas toda vez que acontecia, parecia o pior acontecimento de sua vida. Entrou no quarto rapidamente e bateu a porta, deixando o corpo escorregar até estar no chão, abraçada a seus joelhos chorando. 

Lucy olhava toda a cena com o coração partido, gostava de Camila e achava um absurdo a situação em que a amiga a colocava sempre. 

- Agora eu finalmente me convenci de que foi ideia dela. - Falou baixo, mas era o suficiente para Lauren escutar. A outra entrou no quarto batendo à porta com força, jogou a mochila sobre a cama e negou. - Eu deveria saber.

- Lucy, eu não... 

- Não começa, Lauren. Só não começa. - A mulher suspirou se sentando em uma poltrona. - E você achou que era uma grande ideia mentir pra mim? - Lauren esfregou os olhos, parecia que ela já não tinha mais lágrimas para chorar. 

- Eu só... Eu não queria piorar as coisas. 

- Lauren. - Lucy enfatizou o nome dela quase como se fosse uma revelação. - Se as coisas piorarem o mínimo que seja, você vai perder aquela garota. Eu to falando muito sério. E o pior é que a culpa vai ser todinha sua. Quem criou essa situação toda foi você. 

- Eu sei, tá bom? Eu sei de tudo isso. Ficar jogando meus erros na minha cara não vai adiantar nada. - Lucy negou com a cabeça. 

- Nada vai adiantar nada, Lauren. Você não tá vendo a merda de situação que você criou e a quantidade de pessoas que você magoou e continua magoando com isso? Principalmente a pessoa que você diz mais amar? - A hispânica bagunçou os cabelos e ficou andando de um lado para o outro do quarto, ouvindo sua amiga falar. 

- Eu não queria nada disso. - Foi tudo o que saiu na sua boca. 

- Infelizmente, é só isso que você consegue hoje pelas ações que você tomou. E quer saber? Eu vou embora amanhã mesmo, eu tenho a minha própria vida, não posso ficar andando atrás de você como o seu cachorrinho para você abafar os rumores ou qualquer outra coisa do tipo. Eu não quero mais fazer parte dessa merda, eu não vou ajudar a cagar mais a situação e principalmente a magoar ainda mais a garota que você diz tanto amar. 

- Me desculpa. 

- Desculpar pelo que, exatamente? 

- Por tudo. Tudo mesmo. Eu não queria nada disso, eu não queria criar essa situação de merda e muito menos deixar você no meio de tudo. A culpa é toda minha, eu sei disso. Eu vou consertar tudo, eu só... Eu... Por favor, me desculpa. Você é a minha melhor amiga e a última coisa que eu queria no mundo era magoar você. Eu fui egoísta, só pensei em mim e acabei machucando todo o mundo. Me desculpa, Lucy. - A mulher deu de ombros. 

- Não é pra mim que você tem que falar tudo isso, Lauren. Se me dá licença, eu vou ver como a sua namorada está, já que você não se dá ao trabalho. - Como uma enorme ironia do destino, o relógio acabava de virar meia noite e as duas perceberam ao mesmo tempo. - Feliz aniversário, Lauren. 

Ela bateu a porta do quarto, deixando uma Lauren completamente destruída para trás.

Camila sentiu uma mão segurando seu braço e abriu os olhos assustada para então ver Dinah Jane com uma feição irreconhecível entre raiva e pena, ajudando a latina a se levantar e limpar seus olhos.

- Como entrou aqui? - Perguntou entre soluços. 

- Bom, eu talvez tenha pegado o seu cartão ou não percebeu a porta aberta e as luzes acesas? - Deu um mínimo sorriso quando percebeu que Camila começava a entender. 

- Me desculpa, eu não percebi. - Negou limpando o nariz com a manga da blusa. - Pode falar. - Se jogou na cama esperando o sermão, que magicamente não veio. 

- Não é problema meu. - Camila se sentiu uma ameba quando escutou as palavras saírem de Dinah de uma forma triste. - Só queria me certificar de que você não seria idiota o bastante para passar a noite com ela. - Deu de ombros jogando o cartão na mesa. – E de que você estaria bem.

- Eu to ótima. - Assentiu.

- É claro que está. – Dinah ergueu os ombros. – Bom, tente dormir um pouco, arrume suas coisas e se precisar de ajuda... - Não terminou a frase é apenas balançou as mãos. - Não perca o voo amanhã. - A latina se sentiu a pior pessoa do mundo, sabia que a amiga estava ali por estar preocupada, mas também sabia o quanto ela era orgulhosa e a deixaria sozinha. Antes mesmo da porta ser aberta elas escutaram batidas, as duas se encararam e uma Dinah faiscando de raiva partiu na esperança de ser Lauren, mas era só Lucy. 

- Olá. - Sorriu brevemente acenando enquanto as sobrancelhas da outra arqueavam e ela riu irônica. 

- Eu não acredito. - Sussurrou negando.

- Camila...

- Lucy? - A latina vincou as sobrancelhas tentando enxergar através do embaçado causado pelas lágrimas. - Está tudo bem? - Por algum motivo seu coração disparou em preocupação com Lauren. - Ela está bem?! - Dinah abriu a boca incrédula e saiu, finalmente, batendo a porta com força, demonstrando sua raiva com a atitude de Camila. Mas, como já tinham dito, não era problema dela. 

A outra latina se aproximou e segurou as mãos trêmulas de Camila. 

- Não deveria se preocupar assim com ela. Vamos. - A levou até a cama, onde se sentaram. - Como você está? Digo...Com tudo isso... Sei que não posso fazer muita coisa, mas você precisa de ajuda? - Camila encarou o chão pensativa e por fim negou com a cabeça tão forte que algumas mechas soltas de seus cabelos foram para frente de seu rosto, a amiga riu baixinho e as colocou atrás de sua orelha tendo total atenção do rosto momentaneamente infantil de Camila. 

- Eu to...acostumada. - Riu com escárnio de si mesma. - Me desculpa...

- Não! Por favor, não! - Negou rapidamente segurando seus braços. - Eu que deveria me desculpar por isso tudo, eu não fazia ideia de que você não tinha concordado. - Camila vincou as sobrancelhas na direção da mulher e então a outra soube que Lauren estava com mais problemas ainda. 

- Como assim concordado? - Lucy suspirou.

- Camila, ela é minha melhor amiga. Eu não queria que isso tivesse chegado ao ponto que chegou, eu juro. Até quis esclarecer algumas coisas, mas ela me disse que vocês conversaram e concordaram em deixar esse assunto ir rolando, assim tirariam o foco de vocês. - Camila colocou a mão na testa e em seguida jogou os cabelos para trás, negou com a cabeça, seus olhos estavam fechados. 

- Por que isso não me surpreende? - Sussurrou. 

- Eu estou indo embora, não quero mais isso. Seus fãs são muito intensos e eu já deveria ter colocado limites nela, me perdoa. - Lucy parecia desesperada para consertar uma situação que não era de seu domínio e isso fez a latina gostar ainda mais da mulher. Diferente do que as pessoas pensavam, elas eram amigas. 

- Você não tem que pedir desculpas por atitudes irresponsáveis dela e também não precisa ir embora. Veio também para passar seu aniversário, fique e então decida o que quer fazer e não, não tente resolver por ela. - Respirou fundo. - Ela criou essa situação humilhante, logo, deixe-a se virar. Lauren tem que aprender a lidar com suas merdas. 

Lauren desejou que ela tivesse bagunçado as suas coisas para que ela tivesse o que arrumar, mas ela não tinha. Tudo o que ela podia fazer era trocar a roupa do corpo e fechar a sua mala, esperando a hora que elas iriam sair para o voo. 

Tentou dormir um pouco, não conseguiu. Pegou o celular para ver se conseguia se distrair, mas todas aquelas mensagem lindas de feliz aniversário a deixaram com ódio. Ela não estava feliz, não era um dia bom. Ela não iria ter um dia repleto de coisas boas e tinha medo de brigar com mais alguém quando colocasse o pé para fora de seu quarto. Ela queria desaparecer de tudo isso, queria estar em sua casa, em Miami, com sua mãe, seu pai e seus irmãos. Era a única forma que ela conhecia de passar um aniversário em tranquilidade, mas seria a última coisa que ela teria no dia de hoje. 

Deitada na cama, com o celular jogado ao seu lado, a vida parecia uma merda. O que era bizarro para alguém que via a situação de fora. Ela só queria sua namorada deitada do seu lado naquele momento, nem que a latina estivesse dormindo, mas pelo menos ela estaria por perto. 

Alguém bateu na porta do quarto e o coração de Lauren se agitou por um momento, na esperança de que o corpo magro entrasse e viesse dormir ao seu lado, ainda que ela não dissesse nada. E, mesmo antes da porta se abrir, Lauren percebeu que seria a última coisa que sua namorada faria no dia de hoje e nos próximos dias. 

Foi Lucy quem se revelou atrás da porta branca de madeira, não parecendo muito mais feliz do que estava há algum tempo, quando ela saiu do local. A mulher apenas se deitou na outra cama, sem dizer uma mísera palavra. Não era para menos, afinal de contas. 

- C-como ela tá? - Perguntou sem conseguir se conter. 

- Você saberia se tivesse ido até lá. - Lauren apertou os olhos. 

- Lucy, por favor... 

- Ela está bem, na medida do possível. Está estranhamente conformada. Não vou perguntar por quanto tempo vocês vem brigando, eu honestamente não quero saber. Só acho que você deveria parar com essa palhaçada antes que você a perca de vez. Não é possível que alguém ache normal se acostumar com um relacionamento composto apenas por discussões. É essa a sua ideia de "tá tudo bem" quando eu te pergunto o que tá acontecendo no telefone, Lauren? 

- Não. Deus, claro que não. Eu só não aguento mais as pessoas se metendo no nosso relacionamento. Quanto menos gente souber das coisas, melhor. - Lucy revirou os olhos. 

- Aparentemente eu só sirvo mesmo para abafar boatos. Sinto falta de quando você me considerava a sua amiga, Lauren. 

- Com mil demônios, você é minha amiga. Lucy, você é uma das poucas pessoas nesse mundo que eu confio. Acontece que eu só to cansada de tudo isso. E cada vez que a Camila briga comigo vem as meninas, a gravadora, os assessores e todo o mundo dar opinião, isso só prova porque essa merda não pode ser publica. 

- Deve ser a milésima vez que eu escuto você falar a mesma coisa, mas presta atenção nisso: você não está em um relacionamento sozinha, portanto, não é decisão só sua. Essa história é antiga, Lauren. Camila vem se magoando há anos com a mesma coisa, quanto tempo mais você acha que ela vai aguentar essa porcaria? Por mais que ela goste de você, ela não é de ferro e eu vou te dizer, ela está a ponto de quebrar. Não sei se depois de anos você percebeu, mas do seu jeito não tá rolando.

- Eu vou pensar sobre isso. - Disse voltando para sua cama e encarando o teto. 

- Pensar. - Lucy repetiu rindo baixinho. - Você é inacreditável. - Uma Lauren revoltada se levantou, esquecendo qualquer melancolia de antes. 

- Que merda você quer que eu faça? - A outra arqueou as sobrancelhas com o tom de voz da amiga. 

- Que você aja. É bem simples. - Se Lauren queria discutir, ela também queria. Jogou as peças de roupas na cama e se aproximou. - Mal posso contar as blusas que passei acordada com você reclamando, chorando, morrendo quando Camila estava com Austin. Ele era um babaca, mas nunca, nunca se envergonhou de Camila. O moleque falava todo orgulhoso da namorada, de mentira ou não, ele falava. - Lauren abriu a boca incrédula com a comparação. 

- Como é? Ele mostrava Camila como um troféu. Eu nunca faria isso. - A outra aplaudiu.

- É claro que não, nunca nem mostraria ela como sua namorada pra ninguém. - Lauren se calou. - Ele foi um babaca quando terminou, não nego. Mas durante todo o contrato ele foi mais namorado dela do que você está sendo por uma vida, ele sabia que teria que enfrentar um inferno, mas ele o fez.

- Ele fez aquilo por dinheiro. Não porque era um príncipe como você está colocando. - Lucy assentiu. 

- Exatamente. Ele por uma coisa tão banal fez algo que você, por amor, não faz. - E aquele foi o final da conversa.

A latina pegou suas roupas para tomar um banho. Lauren ficou parada no mesmo lugar por segundos, realizando que de todas as patadas que tinha recebido naquele dia, aquela tinha sido a pior de todas. Talvez porque soubesse como aquilo era verdade.

O menino tinha enfrentando o inferno com suas fãs e mesmo assim não deixava de ser um maldito cavalheiro com a sua namorada. Sentiu quando os olhos voltaram a ficar marejados, se negou a chorar. Engoliu em seco, cerrou os punhos e respirou fundo tomando uma decisão. Caminhou energética em direção à porta e sem pensar abriu a mesma, saindo, olhou para os lados e se certificou de que ninguém estava ali.

O andar estava em completo silêncio e Lauren caminhou até a porta de Camila, se sentindo uma bosta. Levantou as mãos e quando ia bater escutou gritos e mais gritos, não estavam ali e sim do lado de fora e então um "Los amo" soou em um espanhol perfeito, lá de dentro do quarto. Era Camila e seus fãs na sacada. O coração começou a bater desesperadamente com o pensamento de alguém desconfiar que estava ali, abaixou a mão e passou pelo cabelos. Queria bater na porta, mas não podia correr tal risco. Se espancou mentalmente e deu meia volta. 

- Algum problema, senhora? - O corpo estremeceu quando escutou uma voz masculina ao seu lado, olhou com os olhos arregalados e o homem estava empurrando um carrinho com comida e, tinha parado justamente em frente ao quarto de Camila.

- N-não. - Foi tudo que disse antes de correr e se esconder em seu quarto, com um grito preso na garganta.

Por que tinha que ser tão medrosa?!

Era só o camareiro.

Camila fechou a janela de seu quarto e voltou para dentro, indo se deitar em seguida. Ela botou a mala já pronta perto da porta e a roupa que ia usar na poltrona perto da cama, para não ter que perder tempo quando acordasse. Colocou seu celular para despertar, vendo que tinha pouquíssimas horas para dormir. A única notícia boa era que seu corpo estava cansado de tantos voos e estadias em hotel, parecia que ela nunca dormia o suficiente. 

Pegou no sono depois de pouco tempo. (...) 

 

- Bom dia. - Falou quando viu Ally saindo da porta de seu quarto, um pouco receosa da pequena ainda estar com raiva. Para seu alívio, ela foi recebida com um sorriso. 

- Bom dia, Mila. - Camila acabou de fechar a porta do seu quarto e logo vários seguranças saíram pelo elevador, esperando para escolta-las até a van que as levaria para o aeroporto. 

- Parece ironia dizer bom dia antes do dia clarear. - Normani apareceu na outra porta, arrastando uma mala e uma bolsinha de mão. 

Camila e Ally forçaram risadinhas sobre a piada da outra e a menina se aproximou da menor, não querendo que houvesse nenhum ressentimento entre elas. 

- Ei, sobre ontem eu... - Ally começou a falar antes que Camila tivesse a oportunidade de abrir a boca. 

- Não, tudo bem. Você não tá errada. 

- Eu fui ríspida demais com vocês, me desculpa. - Camila negou com a cabeça e deu um abraço breve na menor, que se sentiu aliviada. - Como estão as coisas? - Os ombros da menina murcharam e Ally reparou no quão inchados os olhos dela estavam. - Vocês brigaram mais? - A latina assentiu de leve, não querendo lembrar dos eventos da noite anterior. 

- Eu não quero falar sobre isso. Desculpe. - Ally afagou o ombro da menina. 

- Tudo bem, relaxa. Fica bem, tá? - Camila fez que sim com a cabeça e apertou o cabo da alça de sua mala quando Lauren abriu a porta do seu quarto, saindo acompanhada de Lucy.

Lauren se sentiu intimidada com os dois pares de olhos castanhos em sua direção, nenhuma das duas disseram absolutamente nada, apenas acenaram para Lucy rapidamente antes de se juntarem a Camila, que encarava a porta do elevador quase rezando para que abrisse o mais rápido possível. 

- Da próxima vez não vou trazer bagagem, vou comprar tudo novo. - O silêncio foi cortado por uma Dinah e suas malas saindo do quarto brigando com a porta, Normani deu uma risadinha cruzando os braços para a amiga. - Vocês poderiam me...- Levantou a cabeça encarando as quatro meninas e uma porta de elevador já quase fechada onde uma Camila descia sozinha. Negou voltando a sua luta com a mala, porém, quieta.

- Você sempre diz isso, DJ.- Ally riu chamando novamente o elevador. 

- Parem de rir e me ajudem. - Lauren se aproximou e quando estava para pegar uma de suas malas, levou um tapa estalado na mão. - Você não, se não se lembra nossa relação é estritamente profissional e pelo que eu sei, não estamos trabalhando. - Sua cara foi impagável, Normani segurou o riso e Ally suspirou notando que o clima entre elas ia demorar bastante para normalizar, o que era diferente das outras vezes, pelo jeito.

Dinah tinha ficado realmente magoada. Lucy passou pela amiga e ajudou a outra a fechar a porta, recebendo um sorriso agradecido da loira. Lauren respirou fundo voltando em direção a suas malas para empurrá-las na direção do elevador, mas foi impedida por uma Dinah passando como um trovão.

- Pega o próximo, esse tá cheio. - E então apertou o botão para a porta se fechar, Lucy não teve tempo de sair e vendo a chateação na cara de Lauren antes do elevador descer. 

- Dinah, pega leve com ela. - Se encostou na parede de metal mas a outra pareceu não escutar.

- Vai passar. - Ally tranquilizou a latina. 

- É só que hoje é aniversário dela e... 

- Eu não ligo. - Uma Dinah emburrada respondeu, claramente chateada com o que tinha que fazer.

O assunto morreu quando a porta se abriu e viram Camila com um grupo de fãs no saguão, que ficaram super animados com as outras três. Lucy ficou extremamente sem graça e agradecendo por estar de óculos, saindo do elevador e andando para perto da equipe na intenção de disfarçar, mas eles já tinham visto e ela sabia.

- Era Lucy? Então é verdade. - Camila escutou uma dizendo para outra, por mais que fosse um sussurro. 

- Elas são tão lindas juntas. - Outro sussurro que pareceu amassar seu coração, tentou o máximo não deixar transparecer quando a menina se aproximou para uma foto. 

Camila continuou atendendo às fãs, dessa vez no automático. Ela sentia vontade de chorar, de espernear, de quebrar o hotel todo na cabeça de sua namorada por aquilo. 

Mas não era aquele o plano, afinal? 

O elevador tornou a abrir revelando uma Lauren que arrastava as suas malas como quem arrastava um cachorro morto. As fãs se animaram com a presença da garota ali, felizes por conseguirem conhecer as cinco. 

- Eu disse que ela já estava descendo. - Ally comentou enquanto as meninas começavam a felicitar Lauren pelo seu aniversário, que respondia fingindo uma animação que as outras quatro sabiam que ela não tinha. 

Um segurança apareceu dizendo para elas irem, se não iriam se atrasar. Se despediram das fãs e foram para a van, dessa vez sem discussões sobre onde elas ficariam, porque Lauren ficou ao lado de Lucy, então Camila não precisaria mudar toda a logística de assentos do local somente para que ela e Lauren sentassem suficientemente longe. 

Chegaram no aeroporto não muito tempo depois, com apenas um desejo mútuo entre elas: entrarem em um maldito avião o mais rápido possível e dormir até chegar no destino. 

Por uma ironia do destino, os lugares do avião estavam dispostos maravilhosamente bem: Lauren em uma janela e Camila sentada bem ao seu lado. Ela não podia estar mais puta, mas não havia nada que ela pudesse fazer a respeito que não fosse sentar e sossegar. 

Lauren ajeitou a bolsa no compartimento de bagagem de mão e se sentou, com a latina logo atrás dela. Ela não tirou os óculos escuros nem mesmo dentro do avião, pois tinha a esperança de que ninguém a reconhecesse ali dentro com Camila do lado. No banco ao lado de Camila estava um segurança, assim como tinha um do lado de cada uma delas. 

Ela colocou um travesseiro na janela e se encostou, na intenção de dormir e esquecer essa merda toda. 

O avião decolou, parecia que todas estavam dormindo já que ela não escutava o ruído típico de cochichos atrás dela, Camila estava dormindo com seus fones bem ao seu lado e ela acordada como se já não tivesse ficado acordada tempo o suficiente à noite. 

A latina se revirou em determinado momento e Lauren pensou em oferecer a ela seu travesseiro, já que para ela o objeto não tinha função alguma. 

E foi então que Lauren congelou quando a cabeça de Camila escorregou para o seu ombro, ficando ali como se elas não tivessem em um avião cheio de pessoas que provavelmente as conheciam e eventualmente espalhariam a notícia. 

Quem sabe até não tirariam fotos? 

Com mil demônios, isso não podia acontecer de jeito algum. 

Mas acordar a sua namorada e pedir delicadamente para ela ir dormir com a cabeça em outro lugar não seria uma boa ideia, principalmente no pé em que a relação delas estava. 

- Respira. - Lauren quase morreu de susto ao ouvir a voz sonolenta e baixa da latina.

Lauren não sabia responder de verdade se Camila estava de fato acordada ou só murmurando como fazia sempre, tomou uma respiração longa e olhou para os lados.

- Camila...- Sussurrou mexendo o músculo do braço para que levantasse. -Tá cheio.

- É, eu estou com sono. Dá pra parar? - Então ela realmente estava acordada. 

- Eu te empresto o meu travesseiro. - Sussurrou mais uma vez sentindo uma lufada de ar em seu ombro e então o peso de sua cabeça sendo aliviado. Fechou os olhos agradecendo por ninguém ter visto e então pegou o travesseiro e estendeu na direção da outra, porém, foi ignorada. Os olhos da menina se concentravam em seu colo brincando com seus dedos.

- O travesseiro. - Repetiu agora olhando seu rosto, tentando ser gentil. 

- Enfia esse travesseiro no cu, Lauren.


Notas Finais


ETA KIRIDAAAAAAAAAAA

ESPERO QUE TENHAM GOSTADO DO CAPÍTULO E QUE ESTEJAM CURTINDO A FANFIC

COMENTEM O QUE ACHARAM

PERTURBEM A GENTE NO TWITTER, EU SOU @COICEDALAUREN E A BRUNA É @CAMILACINICA

BEIJEM A GENTE NA BOCA

E BEIJOS DE LUZ NO MAMILO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...