História Scared to Love (Imagine BTS) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Visualizações 40
Palavras 918
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá gente! Decidi postar o meu mais recente projeto!
Bem, ela é uma fanfic bem especialzinha para mim e eu espero conseguir transmitir a mensagem certa para vocês

Espero que comentem as vossas opiniões ao longo da história porque é sempre importante para mim.

Boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction Scared to Love (Imagine BTS) - Capítulo 1 - Capítulo 1

Eu fui apenas mais uma que passou por aquela típica história de ensino médio: a garota apaixona-se por um garoto relativamente popular e o garoto mima-a e, supostamente, ama-a e são felizes. Mas há sempre uma história por detrás dessa. Ela amava-o e ele traía-a. Mas a mentira tem perna curta. Há sempre o momento em que ela descobre tudo e esse momento não demorou a chegar.

Descobri tudo talvez da pior forma, ou da típica forma, mesmo. Sempre acreditei em amor, mas hoje, começo a pensar: “será que o amor existe mesmo? Será que é possível amar alguém realmente?”

Os meus pais se separaram quando eu tinha seis anos. Eu não me lembro muito bem de como tudo aconteceu, mas sei que minha mãe sofreu muito com a separação. Pouco me lembro do meu pai. Nunca me contaram muito sobre ele e as imagens que eu tinha dele, eram muito vagas. Ficámos apenas eu, minha mãe e minha irmã mais velha.

Minha mãe sempre foi uma lutadora. Trabalhava dia e noite para sustentar as duas filhas que não sabiam nem de metade daquilo que estava acontecendo. Eu a admirava.

Mas será que a nossa família estava destinada a não ser amada? Por mais que nós amássemos o nosso companheiro, ele nunca nos iria amar de volta. Não podíamos fazer nada. Apenas aceitar.

Saí de casa e segui o meu caminho habitual para a escola, que não ficava muito longe da minha casa. Finalmente, eu estava no último ano do ensino médio. Após esse ano, eu nunca mais teria de ver aquelas pessoas que tanto me atormentavam. Ano passado, tive a piro experiência da minha vida. Eu me apaixonei. Sim, dizem que estar apaixonada é a melhor coisa que pode acontecer na vida, mas eu discordo. Estar apaixonada é uma grande farsa. Mas deixamos as minhas razões para depois.

Cheguei na escola e várias pessoas estavam agrupadas em volta de algo ou alguém. Me aproximei mas eu não via nada, de tão baixa que eu era comparada às outras pessoas. Meti-me no meio delas e, com alguma dificuldade, cheguei perto do centro, de maneira a consegui, pelo menos, ver o que estava acontecendo. Lá, estava um garoto tentando sair da roda e entrar para o edifício. Garotas gritavam com celulares nas mãos filmando o rapaz que se encolhia.

Saí do meio da confusão e fui para a sala, uma vez que o sinal acabara de tocar. Os alunos começaram a entrar e o garoto que estava lá fora, também. Ele se sentou bem lá no fundo, de maneira a que ficasse escondido e se recostou na cadeira. A minha atenção foi retirada dele assim que o professor entrou na sala e começou a dar matéria.

– Antes de acabar, queria que o aluno novo se apresentasse. Venha aqui à frente, por favor. – O garoto se levantou e tirou os óculos, se apresentando.

– Eu me chamo Park Jimin, tenho 20 anos e cheguei hoje aqui em Seoul. – Os seus cabelos cinzentos pendiam pela sua testa e os seus olhos enormes, lindos, saltavam à vista de qualquer um. Ele voltou para o lugar e arrumámos as coisas prontos para sair da aula.

– Vejo vocês na próxima aula. Tenham um bom dia. – O professor disse antes de irmos para o intervalo. Seguia eu para o jardim da escola quando alguém me puxa para uma sala vazia e escura. Quando vejo Jimin na minha frente, franzo o cenho e ele se afasta ligeiramente de mim.

– Porque você me puxou para aqui?

– Pera, você não vai gritar nem tentar me tocar, nem nada disso?... – Franzo novamente o cenho estranhando a sua pergunta e ele prosseguiu. – Você não me conhece?

– Eu? Eu, não. Era suposto? – Jimin respira, aliviado e nega com a cabeça. – Mas quem é você?

– Dançarino e cantor. Mas isso não interessa. Você podia me ajudar a fugir das pessoas? Por favor. – Ele me suplicou.

– Tudo bem. – Aceitei e ele sorriu largamente.

– Obrigada. Para onde seguimos? – Pego na sua mão e começámos a correr para a quadra. Ele ria enquanto corria atrás de mim. Acabei por rir também e nos sentámos nas arquibancas voltando a falar. – Acho que voltei a viver. – Rimos com a afirmação dele e percebi que o seu riso era muito fofo.

– Porque você veio para a escola? Você tem 20 anos, não era para ter já finalizado os estudos? – Perguntei, curiosa.

– Como cantor, eu tive de interromper os estudos durante dois anos, mas agora, meus pais querem que eu finalize a escola.

– Mas porque veio para uma escola? Você podia estudar em casa.

– Eu quis voltar para a escola como um garoto normal da minha idade. Eu queria voltar a viver os meus tempos de escola. Mas parece que isso vai ser impossível. Eu só queria ter amigos, sair com eles, me divertir com eles… Isso tudo.

– Sei. Isso com o tempo passa e todos esquecem. Eles um dia ainda te vão aceitar como um garoto normal e vão deixar de te ver como uma celebridade. – Reconfortei-o.

– Espero que sim. Hunf, eu nem sei quem é você e estou desabafando com você. – Riu soprado.

– Eu em chamo Sunhee e tenho 17 anos, quase 18. Satisfeito? Deixei de ser uma estranha para você? – Perguntei e ele assentiu. O sinal tocou novamente e guiei-o até à sala onde iríamos ter aula. Jimin era um garoto engraçado e carismático, ele não era como maioria dos artistas, que apenas sorriam para as câmaras e depois, atrás delas, eram antipáticos.

Continua no próximo capítulo…


Notas Finais


Espero que tenham gostado e vou tentar não demorar. Comentem o que vocês acharam pois eu ainda estou bem indecisa sobre esta história ^^
Bjos
Até ao próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...