História Scary - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Horror, Jikook, Jimin, Jungkook, Lemon, Namjin, Romance, Terror, Yaoi
Exibições 231
Palavras 2.694
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey!
Tenham uma boa leitura sz

Capítulo 8 - Lembranças


Fanfic / Fanfiction Scary - Capítulo 8 - Lembranças

O dia ocorreu normalmente. Nada de sobrenatural acontecera além do incidente de SunHee e da cadeira. No dia seguinte, JungKook foi o primeiro a acordar. Ele estava realmente disposto a procurar sobre os mistérios daquele lugar. O rapaz tomou banho, tomou o café-da-manhã e começou a explorar os cômodos restantes da casa.

- Já acordou? - NamJoon perguntou ao ver JungKook procurando algo no quarto onde o casal estava a se hospedar.

- Não, ainda estou dormindo. É claro que acordei. Ficou cego, amigo? - ironizou o mais novo.

- Não seja grosso. Só acho meio estranho você acordar tão cedo.

- Estou tentando desvendar os múltiplos mistérios que existem nesta casa.

- Está a fim de encontrar a SunHee novamente? - brincou. - Talvez ela ainda esteja vagando por aí.

- Não seja idiota, NamJoon. Isto é um assunto sério.

JungKook ligou a sua filmadora e começou a gravar SeokJin dormindo.

- Você está desafiando a morte. - Jin murmurou, ainda de olhos fechados, fazendo JungKook assustar-se. - Vai fazer algo interessante.

- Desculpe. - JungKook ergueu os braços em função de rendição e saiu do quarto, procurando outro lugar que aparentasse ser interessante.

Após minutos pensando, o jovem entrou no quarto do senhor e da senhora Park. Jeon tentou ao máximo não olhar o espelho que se encontrava ali. Enquanto caminhava pelo cômodo, acabou escorregando em algumas folhas de papel. Por conta da curiosidade, pegou os papéis e viu que tratava-se de desenhos. Muitos desenhos, por sinal. JungKook observou com cautela e pôde perceber que eram variados tipos de vestimentas.

- Isto só pode ser da senhora Park. - deduziu olhando os esboços. - Incrível... - o garoto começou a gravá-los. - Olá, pessoal. Quero mostrá-los esta belezinha que eu achei no quarto dos pais do JiMin. Provavelmente são desenhos da senhora Park, já que a mesma era estilista. Ela era bem talentosa, não acham?

JungKook voltou a gravar as partes da casa. Em algumas partes da filmagem, mostrou as antiguidades do lugar e os documentos que havia encontrado. O garoto bufou ao ver que a bateria da câmera estava acabando, então, rapidamente desligou o aparelho eletrônico.

Após alguns minutos, JungKook foi ao quarto sa JiMin e jogou-se na cama do mesmo conforme fitava o teto. Ele imaginava como o rapaz falecido vivia.

Jeon bufou e saiu da cama de JiMin com a finalidade de pegar o que havia debaixo da mesmo. Quando JungKook foi pegar os jornais antigos, notou que ali havia algo que não vira antes.

- Um livro? - perguntou-se enquanto tirava a poeira do objeto. - O caso de Charles Dexter Ward. Este livro é antigo pra cacete. - e assim, começou a folhear as páginas. Não tinha demorado muito para Jeon cansar de ler o livro, então o mesmo pôs o objeto de volta no lugar, até que, outra coisa chamou a sua atenção. - Outro livro?

JungKook pegou o que aparentava ser um livro e arregalou os olhos ao ver que era um diário.

Com um pouco de receio, o jovem abriu o pequeno diário e soprou a poeira das páginas, lendo logo em seguida.

Querido vô,

Eu colocaria "querido diário", mas, como você tinha dito, escreverei neste diário palavras que serão direcionadas a você. Estou muito decepcionado com a sua morte, e sei que nunca fui o neto dos seus sonhos. Nem serei o filho dos sonhos que meus pais querem que eu seja, nem serei o esposo dos sonhos da SunHee que quero ser. Respondendo a sua pergunta relacionada ao meu casamento, aceitei a proposta de meus pais e do senhor e da senhora Lee porque preciso de ajuda. Não só eu, como a minha noiva. Meus pais diariamente me perguntavam sobre a minha orientação sexual e jogavam na minha cara que gostar de pessoas do mesmo sexo não é normal, é uma doença, principalmente o meu pai. A família Lee faliu e irá morrer na pobreza se eu não casar com a SunHee. Appa e omma não sabem disso, só eu, minha futura esposa e os pais dela. Estou tentando ajudá-la, e assim, ela está me ajudando. A festa ocorreu bem, tirando o fato da sua morte e o suicídio de TaeHyung. Ah, e o incidente do Mark e do Jackson... Acho que estou traumatizado. Eu e SunHee estávamos no andar de cima, então começamos a ouvir gemidos. Deduzi que alguém estivesse em perigo, porém, quando entrei no último quarto do corredor, quis queimar os meus olhos. Estou mantendo o que vi em segredo, até porque eles seriam bastante discriminados se alguém além de mim e SunHee soubesse.

- Quem diabos é TaeHyung? Mark e Jackson? O que está acontecendo? - foi para a outra página.

Querido vô,

Hoje os meus pais passaram o dia inteiro fora. Jackson, Mark, SunHee e Yoongi vieram me visitar. Eles são os meus únicos amigos, já que meus pais me proibem de fazer amizade com pessoas que não possuem a mesma classe social que eu. Yoongi é a única exceção, só é meu amigo porque trabalha para os meus pais. Eu gosto dele, tipo, gosto muito. Ele é tão gentil e mesmo com o seu jeito arrogante, consegue ser fofo. Percebi que o meu pai trata-o muito mal no trabalho. Yoongi começa a ter ataques de raiva e eu sempre tento consolá-lo.

- O Yoongi trabalhava para o senhor Park, por isso a lista estava no calhambeque...

Próxima página.

Querido vô,

Não sei o que está acontecendo comigo, mas todas às vezes que vejo Yoongi, minhas pernas ficam bambas e eu fico nervoso. Estou com medo de estar apaixonado. Isso iria arruinar tudo. Por um lado, estou feliz, mas por outro, estou com medo. SunHee me disse que entenderia se eu tivesse algo com Yoongi após o nosso casamento. Ela falou que mesmo depois de estarmos casados, continuaríamos sendo amigos e assim, apoiaríamos um ao outro em nossas decisões. Queria que você estivesse vivo, eu adoraria receber os seus conselhos...

- O JiMin tinha uma queda pelo o Yoongi? Eu estou muito confuso... - respirou fundo e foi para a página seguinte.

Querido vô,

Contei ao Yoongi sobre os meus sentimentos. Ele disse que sente o mesmo. Minha felicidade não pode ser descrevida em palavras, estou muito feliz, vô! Eu o amo tanto. Ainda não nos beijamos. O máximo que fizemos até agora foi trocar um abraço de trinta segundos. Aish! Será que devo tentar beijá-lo ou coisa do tipo? Não sei... Preciso pensar um pouco. SunHee falou que não ligaria, então, eu posso, não é?

- O Yoongi e o JiMin tinham um caso! - JungKook arregalou os olhos. - Que legal hein. Namorar a pessoa que te matou.

Querido vô,

O Mark precisa voltar aos EUA. Jackson não para de implorá-lo para ficar. Entendo a dor de Jackson, deve ser triste ter alguém que ama longe de si. Raramente consigo conversar normalmente com Yoongi. Meu pai fica nos olhando com uma expressão meio desconfortável, o que me faz ficar com um pouco de receio quando vou falar com a pessoa que gosto. O meu casamento está próximo e tanto eu como SunHee estamos muito nervosos. Não fui o único que encontrou uma paixão. Minha noiva conheceu uma garota e agora está apaixonada por ela. Aish, não sabemos se vamos continuar com este noivado. Já tenho vinte e um anos de idade, posso muito bem falar ao meu pai o que sinto em relação à forma que sou tratado.

- Isso não vai resultar em algo bom.

Querido vô,

Depois de ter um diálogo longo com SunHee, tomamos uma decisão. Contaremos aos nossos pais sobre o que achamos deste casamento arranjado. Tomara que tudo fique bem, estou muito nervoso.

- Não JiMin... - JungKook mordeu o lábio inferior, com um pouco de nervosismo. - Ele vai se ferrar... ou melhor, já se ferrou.

Querido vô,

Minhas lágrimas não param de descer enquanto escrevo neste papel. Eu e SunHee chamamos nossos pais e contamos tudo o que tínhamos que contar. Meu pai começou a ficar com a respiração descompassada e me puxou para dentro de um quarto. Ele pegou o seu cinto e fez coisas horríveis comigo, além de me fazer ficar ajoelhado em pedras com ponta quase a noite inteira. Meus braços, minhas pernas, minhas costas e meu abdômen estão repletos de manchas roxas. Meu rosto está com as marcas de sua mão por conta dos tapas que levei. Meus joelhos estão totalmente machucados e ainda sangram. Não quero nem saber o que aconteceu com SunHee. Yoongi foi demitido, e aqui estou eu, em meu quarto sozinho enquanto choro descontroladamente e escrevo. Preciso de você, vô.

- Eu não acredito que o senhor Park fez uma coisa dessas... Que filho da puta! - exclamou respirando pesadamente. - Se ele estivesse vivo, eu mesmo o mataria.

Querido vô,

Faz um tempo que eu não escrevo aqui. Desde o dia que o appa me espancou, eu fiquei longe deste diário. Por conta dos hematomas, fui proibido de sair de casa, não importa a circunstância. Mark voltou aos Estados Unidos e não consegui me despedir. Jackson foi com o Mark. Não posso ver SunHee até o dia do casamento. Fui privado de ver Yoongi. Estou vivendo um pesadelo, não aguento mais... Eu só queria que o assassino que está à solta me matasse de uma vez.

- Que irônico...

Querido vô,

Meus pais saíram e por um descuido meu, alguém entrou. Suponho que seja o assassino. Vou à sala ligar para a omma, não me importo de ser morto. Talvez este diário fique aqui como um vestígio, então, se alguém estiver lendo, fico feliz por isso. Pelo menos, uma pessoa poderia ter uma ideia do meu sofrimento nesta família.

- O resto das páginas estão todas em branco. - comentou folheando-as. - Preciso mostrar isso ao NamJoon e ao Jin. O livro também. - quando JungKook voltou sua atenção para debaixo da cama, arregalou os olhos ao ver uma caixa. - Que porra é essa?

Jeon puxou a caixa e notou que a mesma estava repleta de fitas cassete. No papelão estava escrito "Lembranças".

- Como eu vou ver o que tem aqui? Duvido que tenha algum aparelho de vídeo cassete caseiro aqui, até porque só foram inventados na década de 70. Ao menos que tenha uma antiga nesta mansão...

- JungKook, olha o que a gente achou! - Jin gritou. - Estamos no sótão!

O mais novo segurou a caixa e foi até o lugar onde se encontravam seus dois amigos. JungKook ficou boquiaberto ao chegar.

- Olha só isso. - NamJoon mostrou uma tela branca e uma filmadora antiga apoiada em um banco. - Os Park eram ricos pra caralho!

Jeon desceu o seu olhar às fitas e deixou a caixa cair ao notar que elas não estavam mais ali, e sim vários rolos de filme.

- Onde você achou isso, Kookie? - SeokJin perguntou e pegou um rolo, pondo na filmadora em seguida.

O rapaz não respondeu e concentrou-se na tela branca que estava começando a mostrar algumas cenas.

5, 4, 3, 2, 1

- Isso é muito pesado. - uma boca perto da câmera comentou.

- Coloca encima do banco. - a voz de SunHee foi ouvida.

Assim fez a pessoa que estava responsável pela filmadora. A mesma se afastou, mostrando Min Yoongi.

- É o assassino! - NamJoon exclamou enquanto assistia.

- Cala a boca e assiste essa merda. - Jin ordenou.

- Por que estamos fazendo isso mesmo? - um jovem apareceu ao lado de Yoongi.

- É um projeto da SunHee. Ela quer que as pessoas do futuro vejam isso. - JiMin respondeu enquanto estava atrás da filmadora.

- O que tenho que dizer? - o jovem que se encontrava ao lado de Min  perguntou.

- Fala sobre você. - disse SunHee.

- Certo. Meu nome é Jackson Wang, sou chinês, tenho vinte e dois anos e... - coçou a nuca. - Não sei mais o que falar.

- Sou Mark Tuan, tenho vinte e três anos e sou americano. - outro rapaz apareceu ao lado de Yoongi.

- Hey, eu sei quem é este cara. Ele era um modelo bem famoso internacionalmente, mas morreu em um navio que teve falhas em sua programação. - SeokJin comentou.

- Todos os amigos do JiMin morrem? - JungKook perguntou para si mesmo.

Os três garotos ficaram falando com a câmera por um bom tempo. Falaram sobre suas vidas e uma vez ou outra, SunHee e JiMin apareciam na gravação.

- Este Mark e este Jackson são muito próximos. - NamJoon comentou. - Proximos até demais.

JungKook lembrou de alguns trechos das declarações de JiMin que se encontravam no diário.

- Então estes eram o tal Mark e o tal Jackson que tinham um suposto caso... - sussurrou para si mesmo.

Os trio passou a tarde inteira assistindo as gravações.

- Já está tarde. - Jin avisou ao ver seu relógio de pulso marcando 23:00. - Vou dormir, caras.

- Vou com você. - disse NamJoon. - JungKook, você vai ficar aí?

- Ainda tem mais uma. Vocês não querem ver?

- Não, estou muito cansado. - SeokJin respondeu puxando o namorado para fora do sótão. - Tenha uma boa noite.

- Obrigado, vocês também.

Quando estava sozinho, JungKook analisou a filmadora um pouco.

- Se aqui não tem energia, por que diabos ela está funcionando? Ah, não faço ideia de como isto funciona. Deve precisar de algum tipo de bateria... que devia estar gasta. Hm, deixa pra lá.

Jeon voltou a sua atenção à tela branca.

5, 4, 3, 2, 1...

A filmagem mostrava Min Yoongi. Era uma sela que parecia estar sendo gravada por uma câmera de vigilância. Ele andava de um lado para o outro, quando, de repente, o rapaz olhou na direção da suposta câmera e teve os olhos arrancados por algum tipo de força invisível. O garoto gemeu de dor, jogando-se no chão.

Sua boca começou a ser cortada do nada, de orelha a orelha. Yoongi foi jogado na parede múltiplas vezes e suas costas foram brutalmente rasgadas. Por fim, o jovem teve a garganta cortada.

Tudo escureceu e uma foto foi mostrada.

A foto mostrava Jackson, Mark, SunHee, JiMin e Yoongi. Os quatro olhavam fixamente para a frente com uma feição nula, até que, seus olhos começaram a tomar um tom negro, finalizando a gravação.

- Puta que pariu... - foi a única coisa que JungKook conseguiu dizer. - Mas... câmeras de vigilância só foram inventadas na década de setenta!

- Gostou do que viu acontecer com o Yoongi? - uma voz desconhecida se fez presente em seus ouvidos. Aquela voz. - O próximo pode ser você.

Jeon JungKook arrepiou-se ao ouvir aquilo e virou sua cabeça, um pouco assustado.

Park JiMin.

- M-Meu D-Deus...

JiMin não disse palavra alguma, apenas esticou o seu braço direito. Em questão de segundos, as costas do mais novo haviam ido de encontro com a parede.

JiMin continuou no mesmo lugar, com o braço esticado. O garoto fez um gesto manual, como se estivesse enforcando alguém. JungKook começou a ficar sem ar.

- P-por favor, p-pare... - Jeon pediu com a voz falha.

- Você e os seus amiguinhos não têm coisa melhor para fazer? - Park perguntou com seriedade, erguendo mais o seu braço, e assim, JungKook foi levitado, com as costas deslizando pela a parede.

- J-JiMin...

- Agora você vai se arrepender.

- E-Eu... e-eu li o seu diário... - com isso, JiMin abaixou o seu braço rapidamente, fazendo JungKook cair no chão.

- O que você sabe sobre o meu diário? Onde ele está? - aproximou-se.

- Está... - ofegou.

- Não tenho muito tempo. Onde está?

- O diário está... - JungKook inclinou o seu olhar e percebeu que o seu rosto encontrava-se bem próximo do de JiMin. - Você... você tem um corte na garganta... - tentou aproximar sua mão da incisão, porém, foi impedindo com JiMin apertando-a fortemente.

- Não toque. Agora responda, onde está?

- O diário está... - JungKook fechou os olhos para responder, mas, quando abriu, JiMin não estava mais lá. - JiMin?!




Notas Finais


hihihihihihi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...