História Scorbus - Jovem Amor - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Hugo Weasley, Lílian L. Potter, Rose Weasley, Scorpius Malfoy, Tiago S. Potter
Tags Albus Potter, Alvo Potter, Amor, Gay, Harry Potter, Hogwarts, Mpreg, Romance, Scorbus, Scorpius Malfoy
Exibições 362
Palavras 1.940
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Escolar, Fantasia, Ficção, Fluffy, Magia, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Estava muito inspirada hoje! (Mesmo que nao pareça)

Capítulo 18 - Padrinho


Os três estavam tão cansados que dormiram sem Olin ter que separar ambos de outra briga. O mesmo quarto ocuparam, Krum na cama do meio, os dois, um de cada lado.

Quando Scorpius despertou na manhã seguinte, Alvo não estava mais no quarto e Olin estava sentado esfolheando um gibi velho, provavelmente um antigo de Carlinhos, pois tinham dragões na capa. Ele se despreguiçou de leve e com dor no corpo. Depois que a barriga cresceu, dormir de bruços (posição preferida dele) não era mais possível.

“Bom dia!” Olin sussurrou, rindo da careta dele.

“Bom dia, já que não posso dormir mais do que isso.” O loirinho reclamou.

“Seu pai passou aqui mais cedo, perguntou se não gostaríamos de ajudá-lo a preparar uma poção ressuscitadora de plantas.” Olin avisou, colocando o gibi de lado.

“Meu pai? Acordado a essa hora?” Scorpius perguntou de forma debochada. “Duvido muito disso.”

“É verdade.” Olin afirmou. “Ele até perguntou porque você ainda não está usando os sutiãs que ele comprou para você.”

“Isso é coisa de menina.” Scorpius fez uma careta, mirando os sutiãs em cima duma cômoda no quarto. “Não vou usar.”

“Vai fazer bem para você. Pense no Leo.”

“Seu afilhado?” Scorpius perguntou quando Olin jogou um dos sutiãs em cima dele.

“Já falei que Alvo não vai gostar nada dessa história.” Olin observou, mordendo a bochecha.

“Não é ele quem diz que sou eu que carrego o bebê e blá blá blá, então eu escolho o padrinho e o padrinho será você... e não discute.” Scorpius acrescentou rapidamente, antes que Olin pudesse abrir a boca. “Vou colocar o sutiã e escovar os dentes. Me espera! Já vou descer para o café.”

E arrastando o pé, ele seguiu para o banheiro. Sua barriga cada vez maior.

**

Alvo estava sentado tomando café, observando o padrasto arrumar garrafinhas com algumas poções na outra ponta mesa. Nem mesmo a geleia de ameixas silvestres, sua preferida, lhe animava dos acontecimentos como: dividir um quarto com Krum, seu sogro logo de manhã.

Ele percebeu o olhar de Draco sobre ele algumas vezes, e pigarreou da última vez que isso aconteceu.

“Scorpius?” Draco perguntou para ele, mesmo sem olha-lo, dando atenção a uma mistura recém feita.

“Dormindo.” Ele respondeu ao homem loiro na sua frente.

“Olin?” Draco perguntou.

Mas Alvo apenas deu de ombros.

Quando saiu do quarto viu que Krum estava acordado, e, apesar do menino ter lhe dado bom-dia, ele ignorou-o.

“Oi, Alvinho!” James descia, acompanhado de Rose. “Já de mau humor tão cedo?”

“Não enche, James Sirius.” Alvo reclamou, chamando o irmão pelos dois nomes, coisa que o outro detestava e não fingia esconder.

“Melhor deixa-lo em paz, Jay.” Rose avisou, de forma irônica. “Ou ele vai escrever seu nome num dirigível e mostrar a todos. Espera, esqueci que todos sabem o nome do filho do primogênito do Harry Potter.”

“Não enche também, Rose.” Alvo murmurou, revirando os olhos de forma teatral.

“Sem discutir, crianças, o café já está pronto.” Draco avisou, sendo tirado da sua concentração pelo falatório. “Sentem-se e comam em silencio.”

“Tio Draco!” Lily gritou, surgindo na escada junto ao primo, Hugo. Ele correu para perto da irmã.

“Bom dia, princesa do tio!” Draco disse, a cobrindo de beijos como Harry fazia sempre que a via. Era a forma que eles tinham conseguido para deter o ciúme dela em relação as gêmeas.

A menina se sentou ao lado de Alvo, que permanecia de cabeça baixa, dando atenção total as torradas na sua frente.

“O melhor apanhador de Hogwarts na nossa casa?” James perguntou, o que fez Alvo levantar a cabeça para olhar e tentar descobrir qual era a piada da vez.

Quando virou a cabeça para olha-lo, observou que não foi dirigida para ele as palavras do irmão. Krum estava de costas para eles, ajudando Scorpius a descer degrau por degrau enquanto segurava as mão do loirinho.

“Quando chegou aqui?” James perguntou a Olin assim que o outro alcançou o último degrau.

“Ontem, antes do tio Draco e Harry.” Krum respondeu.

“Tio Draco?” Alvo perguntou, observando a intimidade que o búlgaro já tinha com o seu padrasto/sogro. “Estão bem próximos mesmo para tanta intimidade.”

“Mais do que você imagina.” Draco respondeu, levantando uma sobrancelha para ele.

“Sério, a Sonserina tinha tudo para ganhar esse ano tendo você, o melhor apanhador do colégio.” James enfatizou bem o fato de Olin ser o melhor apanhador.

“Assim como eles tinham o melhor goleiro de Hogwarts, Joshua Trigg.” Alvo comentou, ignorando o olhar de todos enquanto cortava uma fatia de bolo a pedido da sua irmã.

“Você? Você achando Trigg o melhor goleiro de Hogwarts? Você odeia ele!” Scorpius o lembrou, como se ele não soubesse que odiava o outro.

“O melhor goleiro é o Jay, todos sabem.” Rose avisou ao primo, que desdenhou de suas palavras.

“Ele sabe, priminha, só fala isso porque perdeu o posto de melhor apanhador do colégio.” James disse, fazendo os jovens na mesa rirem.

“Posição que eu perdi por causa dessa merda de...” Seus olhos fitaram os de Scorpius e ele sabia que o olhar de Draco estava sobre ele, pronto para azara-lo assim que completasse a frase. “Eu vou jogar bola.” Ele desconversou, saindo do local mais rápido do que se tivesse aparatado.

“Ele ia falar que era por causa da minha gravidez.” Scorpius murmurou, deixando o pão sobre o prato.

“Scorp, sua gravidez não é uma merda.” Olin disse, pegando o pão e o colocando de volta nas mãos do loirinho.

“Mas é que ele repete isso tantas vezes que eu já acho que é uma merda mesmo.” As lágrimas já não eram mais contidas e escorriam pelas suas pálidas bochechas.

“Meu afilhado não é uma merda, e se você falar isso outra vez eu bato em você.” Olin brincou, tentando anima-lo.

“Afilhado?” Draco perguntou, sorrindo.

Piscou para Olin em agradecimento por ele estar ajudando e muito Scorpius a não se abater. Melhor até do que ele ajudaria, pois a primeira coisa que faria, seria azarar o mini Potter.

“Ele me escolheu para ser padrinho do Leozinho.” Olin comentou, vendo que Scorpius tinha voltado a comer o pão.

“Mas ele disse que ia pensar...” Scorpius comentou, fazendo beicinho para o pai.

“Acabei de aceitar, Leo já é meu afilhado.”

“Acho que meu neto não teria padrinho melhor, quer dizer, eu sei que você tinha se disponibilizado para ser padrinho dele, Jay, mas é que na atual situação...”

“Eu entendo, tio.” James respondeu. “Meu irmão é um otário.”

“Quem quer me ajudar a ressuscitar algumas plantas da vovó Molly?” Draco perguntou, concluído as poções e trocando de assunto.

“Eu topo.” Rose disse, levantando a mão.

“Se minha prima vai, eu vou.” Lily disse.

“Conta comigo.” James afirmou.

“Estou fora.” Hugo resmungou. “Vou jogar bola com Al.”

E saiu correndo em direção ao lado de fora.

“Eu e Olin topamos, pai.” Scorpius respondeu.

Mas não foi como ele planejou. No fim, só seu pai, James, Rose e Lily ficaram ressuscitando as plantas. Seus pés começaram a inchar e Draco o obrigou a entrar, mas ele tinha conseguido reverter a situação e convenceu o pai de deixa-lo ficar sobre a grama.

E lá estava ele, sentado em companhia de Olin.

“Será que minhas pernas vão ficar inchadas até o parto?” Ele perguntou ao búlgaro, que admirava Rose se divertir ressuscitando as plantas.

“Deve desinchar, eu não entendo muito de gravidez.” Olin disse, fazendo o loirinho rir de corar as bochechas.

“Ela é bonita, não é?” Scorpius perguntou, vendo que Olin não tirava os olhos da primogênita dos Weasley.

“Quê?” Olin perguntou, desviando o olhar para algumas macieiras que cercavam a Toca.

“Não se faça de bobo, nem esconda nada de mim, afinal, qualquer um ver que você está secando ela.” Scorpius comentou, fazendo Olin ficar vermelho.

“E do que adianta falar que eu a acho bonita? Bem, ela é mais velha, independente, filha da Ministra... Acho que não rola. Eu sei que o meu pai ficou com a mãe dela, mas não acho que ela vá ficar comigo.”

“Olin Krum!” Scorpius chamou o nome dele como se quisesse acorda-lo. “O fato dela ser mais velha não significa nada, eu acho você muito mente aberta para ligar se ela é ou não independente e dane-se que ela é a filha da Ministra. Se eu fosse pensar que Alvo é filho de Harry Potter...”

“Eu sei, e eu não ligo para nada disso, loirinho.” Ele comentou rapidamente, para não deixar brechas a palavras erradas. “Mas ela pode ligar, pode ligar de eu ser mais novo, pode não querer ficar comigo por ser independente ou por achar que eu vá ficar com ela por ela ser filha da Ministra e até... até namorar alguém escondido.”

“Se pensar pelo tio Ron, isso é bem provável, ele é muito ciumento.” Scorpius comentou e Olin franziu a testa como se tivesse afirmando ter razão. “Mas tia Hermione não deixaria isso assim, não deixaria ela namorar escondido, como se devesse algo a alguém, nem ela faria isso, então não, ela não namora.”

“Scorpius, vamos trocar de assunto?” Olin comentou. “Hoje é meu aniversário.” Ele disse rapidamente, vendo o loirinho negar com a cabeça seu pedido.

“Sério? E como você não falou para ninguém sobre isso? Vou pedir para tia Molly fazer um bolo e cantaremos parabéns e...”

“Não! Eu odeio festa de aniversário.” Olin disse, o cortando. “Bem, passei a odiar depois que minha mãe morreu...”

Do outro lado do jardim...

“Eu já te prometi dar o meu carrinho prata, Hugo.” Alvo comentou, segurando a bola sob o braço. “Agora conta, o que eles estavam falando na mesa?”

“Eu não lembro tudo muito bem, até porque era um assunto chato.” Hugo iniciou, batendo o indicador no queixo, pensativo. “Só lembro que Jay te chamou de otário...”

“Otário é ele.” Alvo interrompeu o primo.

“... e que Olin vai ser padrinho do bebê.” Concluiu.

“Krum, padrinho do meu filho?” Ele esbravejou, jogando a bola longe. “Não mesmo, só sobre o meu cadáver.”

“Ei, me espera!” Hugo gritou, correndo atrás do primo.

“Que história é essa de Krum ser padrinho do MEU filho?” Alvo ralhou com Scorpius, respirando descompassadamente devido a breve corrida.

“Eu convidei ele para ser padrinho do MEU filho, Potter.” Scorpius respondeu, vendo o pai correr para dentro da Toca.

“O problema é que você não pode decidir esse tipo de coisa sozinho. Somos os pais do Leozinho, lembra?”

“Agora você é pai do Leozinho? E a parte da merda da minha gravidez?” Scorpius perguntou, mas os dois se interromperam quando viram uma coruja passar.

“Uma coruja do Ministério?” Alvo perguntou, a observando até ela entrar na casa.

“Será que aconteceu alguma coisa?” Scorpius perguntou, se levantando.

“Bem, se isso interessar, eu vi tio Harry levantar voo numa vassoura ainda pouco junto com tia Hermione.”

“Meu Merlin! É algo grave.” Scorpius comunicou.

"Vão lá!" Olin incentivou.

E os dois saíram correndo para dentro da Toca, deixando Olin parado sentando no jardim.

“Mãe,” Alvo perguntou, vendo a família tensa na sala. ““Para onde papai foi com tia Hermione?”

“Problemas no Ministério.” Sua mãe respondeu, o chamando para perto dela, o que ele fez de bom grado.

“E grave para terem saído tão rápido.” Scorpius comentou, preocupado e curioso para saber detalhes.

“Você não deveria estar repousando?” Seu pai perguntou, o tom de voz um pouco mais alto e mais nervoso que o normal. “Suba agora e coloque as pernas para o alto, estão muito inchadas.”

Ele abaixou a cabeça, sabia que o seu pai só tinha falado assim por estar nervoso com a saída repentina do seu padrasto. “Vou chamar Olin para me fazer companhia no quarto.”


Notas Finais


Idades: Alvo e Scorpius, 15 quase 16
Rose e Jay, 17 recém completados
Olin, 16 recém completado
Lily e Hugo, 12
Pansy e Narcisa, 3 quase 4


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...