História Scott Brothers - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Tree Hill
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Drama, Lances Da Vida, One Tree Hill, Romance, Scott
Exibições 27
Palavras 2.261
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Esse segundo capítulo vai introduzir alguns novos personagens, principalmente do núcleo escolar. Jamie cresceu, sua rotina já é capaz de render uma estória. Também teremos alguns progressos em questões abordadas no primeiro capítulo.

Capítulo 2 - Rotina


- Little brother! – expressou Lucas

Lucas se deparou com Nathan em sua porta. O irmão caçula vestia uma camisa do Ravens e carregava um copo de café do Karen’s. Lucas sentiu um misto de felicidade e angústia ao vê-lo, não sabia como reagir. No fundo, queria poder dar um abraço apertado, era o que ele mais precisava, mas hesitou. Então, pediu para que o irmão entrasse e se recostou sobre a estante. Antes que Lucas pudesse falar qualquer palavra, Nathan foi direto e objetivo:

- Por que você voltou?

- Nate, eu sei que eu não fui o melhor amigo do mundo, eu estive ausente nos momentos mais difíceis para vocês, eu não deveria ter ido embora de Tree Hill – desabafou.

Nathan começou a andar pelo quarto, procurando as palavras certas para desabafar.

- Você não imagina o quanto eu precisava ter você por perto. Eu passei a vida INTEIRA renegando meu irmão bastardo, mas você cresceu dentro de mim. Em todos os momentos nesses últimos 10 anos, seja comemorando meus resultados na NBA ou passando por diversas dificuldades, eu pensei em como tudo poderia ser diferente se eu o tivesse do meu lado. Não é só por mim, Lucas, é pela Haley. A Haley foi ao inferno e voltou com a morte da mãe dela, você não deu um único telefonema. É também pelo Jamie. Seu sobrinho perguntava por você todos os dias, até que desistiu por achar que você não o amava. Agora você volta? Por que você voltou? Já tínhamos nos acostumado com a ideia de que nunca mais o veríamos. E sinceramente era melhor assim.

Os olhos de Lucas encheram-se de água. As palavras do irmão eram verdadeiras, não tinha como argumentar. Ele sabia que havia errado e que dificilmente voltariam a ser o que um dia já foram. Nathan retirou uma carteira do bolso, pegou uma foto que estava dentro e a mostrou para Lucas. Era uma foto dos dois, abraçados na recepção do casamento dele com Peyton.

- Eu carreguei você comigo para todos os lugares. Não por saudades de você, mas por sentir falta de como éramos naquela época. Esse da foto é o meu irmão; ele morreu há 10 anos quando foi embora e simplesmente esqueceu que eu estava aqui por ele, assim como precisei que ele estivesse aqui por mim e pela minha família – disparou Nathan, que deixou a fotografia em cima da bancada e foi embora.

Lucas permaneceu em silêncio, com a cabeça baixa. Após um tempo encarando a imagem, deu um murro na mesa e murmurou o quanto estava com raiva de si mesmo.

{Colégio de Tree Hill – Aula de Apreciação Musical}

O colégio de Tree Hill ganhou um centro de performances artísticas. Agora, o basquete não é o único orgulho da comunidade escolar, o departamento de teatro e música cresceu e levou o nome dos Ravens para toda a Carolina do Norte. Os responsáveis por isso? Chris Keller e Jamie Lucas Scott.

Logo após quebrar o recorde do pai no basquete, Jamie perdeu o interesse para o esporte e resolveu focar em outros projetos. O primogênito da nova geração da família Scott ainda joga pelos Ravens, mas não com o destaque que tivera quando ainda estava no primeiro ano. Ele toca guitarra e formou uma banda amadora com Tanner (bateria) e Lauren (vocais), dois amigos que fizera na aula de apreciação musical do Mr. Keller.

Chris Keller, por sua vez, se tornou diretor artístico do Colégio de Tree Hill, além de atuar como professor. O jeito irreverente e egocêntrico permanece, mas ressalto que ele resolveu usar o talento dele para descobrir a arte dentro de cada um.

- Oi futuros astros da música. Chris Keller vai falar sobre a história do rock na aula de hoje, não há ninguém melhor do que Chris Keller para falar sobre um assunto que ele domina como ninguém – iniciou.

Jamie não estava ali. Quer dizer, o corpo dele estava sentado na aula, mas a mente estava muito, muito longe. Lauren, preocupada com o amigo, lhe chamou a atenção:

- Jams, o que está havendo? Você está monossilábico, mal falou com a gente, o olhar parece perdido...

- O meu tio voltou e, por mais que eu quisesse odiá-lo, não consigo. Tudo o que eu penso é como seriam as coisas se ele não tivesse ido embora de Tree Hill – falou Jamie, com uma expressão facial indiferente.

Os dois foram interrompidos por Chris:

- Silêncio por favor! Querem dar a aula no meu lugar? A banda de vocês pode até ser conhecida por alguns, mas Chris Keller é Chris Keller, eu tenho o conhecimento necessário para fazer vocês irem longe.

 Ambos se entreolham e murmuram um “claro”.

-------- As horas passam --------

O sinal disparou, indicando o fim da classe. Jamie permaneceu calado e pensativo por todo o tempo, até que se levantou discretamente e foi em direção ao seu armário. Abriu a porta – que continha uma foto dele com o tio na corrida de kart de Tree Hill. Marcos avistou o amigo e então gritou: Ei, Scott! Jamie o cumprimentou.

- Scott, vai rolar uma social lá em casa hoje a noite. Várias garotas, inclusive a Heather. É hoje dawg, hoje o instrumento do latino vai fazer barulho.

- Foi mal bro, não vai rolar. Vou ficar sozinho... – respondeu Jamie.

- Qual é a tua Scott? Vai ficar sozinho em casa tocando? Nós dois sabemos que não é guitarra o que você vai tocar... virjão! – desdenhou Marcos.

- A minha mão vai tocar o seu rosto, e não vai ser carinhosamente – disparou Jamie, dando dois tapinhas no ombro do amigo e se dirigindo à saída do colégio.

- Viadinho – murmurou Marcos, que também se retirou.

            Marcos é de origem latina. Capitão do time de basquete e baseball dos Ravens, relembra muito o comportamento do Nathan quando tinha a mesma idade. Apesar dele e Jamie serem melhores amigos, a relação entre os dois não parece ser muito saudável.

{Karen’s Café – Horário do almoço}

café da Karen ganhou uma expansão. O telhado, antes local de encontro de velhos amigos, se tornou um pequeno espaço de eventos semanais, destinado a casais. A ideia foi da Taylor, nova gerente do local a pedido da irmã.

Haley entra no ambiente e faz um pedido:

- Uma dose de vodka. Ou melhor, duas!

Taylor olha para a irmã e se pergunta o que está acontecendo. Haley conta sobre a volta de Lucas, repetindo para Tay tudo o que ela disse para o ex-melhor amigo ontem.

- Hales, agora que a Peyton morreu ele deve estar precisando de um consolo né? Já te disse o quanto eu acho o Lucas gato?

- É difícil de acreditar que a Peyton se foi... Mas ela foi tão ausente quanto o Lucas. Não teve a menor consideração comigo ou com a Brooke. E esquece o Lucas, não vale a pena. – desabafou Haley.

- Não vale a pena? Só aqueles olhos azuis e o abdômen definido valem o meu dia. Não consigo entender como você nunca teve nada com ele.

Haley se manifestou negativamente e se dirigiu a saída, reclamando que não era possível ter uma conversa séria com a irmã.

- Nessas horas a Quinn faz muita falta, Taylouca – finalizou.

- Louca... Louca eu vou ficar se não tiver um pouco daquele homem – pensou Taylor.

{Passagem do tempo – Dia para Noite}

Enquanto o dia passava, a rotina permanecia a mesma. Jamie voltou para casa e se trancou no quarto, enquanto Nathan passou a tarde na conferência de pais e professores da escola de Lydia. Haley saiu do café e ficou resolvendo problemas regimentais no colégio (ela é a nova diretora), ao mesmo tempo em que era incomodada pela inconveniência do Chris. Marcos organizou a social com a ajuda de Chuck, que acabara de voltar da Europa após fazer uma visita ao Chase.

{Bakers Men – Noite}

Apesar do sucesso de Julian no mercado cinematográfico ser suficiente para manter o alto padrão de vida da família, a situação financeira da Baker’s Men não é das melhores. A linha infantil masculina não teve o retorno comercial esperado, deixando Brooke desesperada atrás de soluções.

- Nós vamos fechar no vermelho, mais uma vez. – contou Julian, que fechou o caixa e foi com Brooke fechar a loja.

Quando estavam para sair, Brooke recebeu um telefonema. Julian indagou de quem seria a ligação.

- Victoria. Já é a terceira vez que ela me liga hoje de noite, não estou com saco para atender. – respondeu Brooke. – Vai indo pro carro, preciso checar algo no estoque, te encontro no estacionamento – sugeriu.

Julian foi para o estacionamento e Brooke checou o telefone. A ligação era de um número não salvo na agenda. Ela retornou a chamada, deixando uma mensagem na caixa postal:

- Eu te pedi para não ligar para o meu celular. O Julian estava ao meu lado. Enfim, a Vitória já está sabendo, Sam me contou ontem. Eu não estou mais conseguindo lidar com essa situação, você precisa encontrar uma solução. Eu não sei mentir para o meu marido. Não me liga mais, existem outros meios para mantermos contato.

{Casa do Marcos – Noite}

Marcos morava nos fundos da antiga oficina do Keith. A nova oficina pertence a Alejandro, pai do garoto. A música estava alta e o local repleto da galera da escola. Entre os convidados, Heather roubava a cena enquanto dançava sensualmente a nova música do The Weeknd, “Starboy”.

- Essa garota vai ser minha – disparou Marcos, que logo teve que atender a campainha.

Jamie estava na porta. Depois de se trancar durante todo o dia em seu quarto pensando no tio, o rapaz resolveu ir na social. Em suas mãos, uma garrafa de vodka e uma bandeja de brownies batizados.

- Ora, ora, ora. O viadinho resolveu vir se divertir? Cansou de homenagear os machos do clube do coral em casa? Toca aqui, agora você tá fazendo a coisa certa – disse.

Jamie entregou as coisas ao amigo e deu de ombros, avistando Heather. Tomou um shot de tequila, tirou a camisa – deixando seu corpo definido à mostra – e começou a dançar com ela. Enquanto isso, Marcos olhava para os dois, quase que hipnotizado.

- Nossa priminho, não sabia que você podia dançar – disse Heather a jamie.

- Posso fazer muitas outras coisas, ‘priminha’ – respondeu o garoto.

- Não comigo – retrucou Heather ao pé do ouvido de Jamie.

Heather foi ao banheiro e Jamie continuou ali, dançando no meio da galera. As meninas mais novas não tiravam os olhos do garoto, assim como Marcos também não. Jamie se direcionou ao amigo:

- Tá olhando o que, tá com inveja? – disse.

- Não, só reparando até que ponto você consegue ser ridículo meu amigo. Esquece a Heather, ela nunca ficaria com você – respondeu Marcos, dando um sorriso debochado e se retirando também.

- Tampouco com você, Marquinhos – pensou Jams.

Jamie encontrou Lauren sentada em um sofá. Logo se perguntou o que ela estaria fazendo ali, já que não era do tipo festeira. Lauren sempre foi atraída por Jamie, mas ele nunca considerou algo mais do que amizade. Ele se sentou ao lado da amiga.

- Mas que surpresa... Lauren Cryder em uma festa na casa de Marcos Secadas. São muitos acontecimentos para uma semana só – falou.

- Pensei que você fosse continuar introspectivo. Que bom que você chegou, eu vim com o Tanner, mas não consigo achá-lo. Só pode estar em um dos quartos com alguém, me recuso a procurar – respondeu Lauren, que se apoiou sobre o amigo.

- A questão maior não é onde ele está, mas quem estaria com ele nos quartos. É do Tanner que estamos falando, ele consegue ser pior do que eu quando o assunto é sair com as meninas – replicou Jamie.

Chuck escutou e se intrometeu na conversa:

- Meninas? O Tanner só pode ser gay. Alguém já viu ele pelo menos conversando com outra menina? A Lauren não conta. Ele deve estar secando alguém do time por aí.

Marcos escutou a conversa e logo disparou:

- Espero que não aqui na minha casa, aqui não é lugar de viado se esfregar. Se eu pegar, meto a porrada, quem sabe assim não se endireita.

Jamie, Lauren e Chuck se voltam contra Marcos, sem acreditar no que acabaram de ouvir.

- Inconveniente e preconceituoso. Você é um boçal, garoto – retrucou Lauren, que se levantou e saiu.

{Ponte de One Tree Hill – Noite}

Nathan deixou Lydia em casa com Haley e resolveu voltar para o colégio, onde estudaria as posições táticas para o próximo jogo dos Ravens (time do qual ele é o novo técnico). No caminho, ao se aproximar da ponte, avistou Lucas estacionado no meio do local.

Lucas estava ao volante do Cometa. No painel do carro, três fotografias: Sawyer bebê; ele, Peyton e Haley na laje do Café e a foto que Nathan o tinha dado mais cedo. No rádio, tocava a música “Let Her Go”, do Passenger. Lágrimas desciam dos seus olhos, ele socava o volante incansavelmente.

Nathan estacionou o carro antes de entrar na ponte e ficou ali parado, observando o irmão. Nathan sabia da morte de Peyton e sabia o quão mal ele estaria se fosse a Haley. Por mais que o rancor o impedisse de se reaproximar do irmão, seu coração partia por não conseguir confortá-lo. Nathan queria fazer algo, mas não conseguia agir.

Lucas, após uma crise de ansiedade e revolta, deu partida no Cometa e se atirou com o carro da ponte, para o desespero de Nathan.

- LUCAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAS – berrou, consternado com o que acabara de presenciar. 


Notas Finais


Confesso que achei o capítulo um pouco cansativo depois que eu reli, mas foi necessário retratar um pouco da rotina desses personagens. No próximo já teremos algumas movimentações importantes em relação a história principal, confira o teaser:

O final de um simples e rotineiro dia vai render por toda uma semana. Nathan precisa lidar com as consequências da atitude de Lucas, o que pode provocar um clima não muito amistoso entre ele e Haley. A festa de Marcos também têm alguns segredos a revelar, mas nem tudo é o que parece. Enquanto isso, veremos uma Brooke ainda mais misteriosa, recorrendo a um rosto familiar para tentar resolver algumas questões.

Se tudo der certo, o terceiro capítulo sai antes de segunda à noite. Até :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...