História Se beber, não case - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Cora (Mills), Emma Swan, Henry Mills, Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho)
Tags Emma Swan, Regina Mills, Swanqueen
Exibições 190
Palavras 858
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 16 - Voltando para casa


POV REGINA

Emma ficou incomunicável comigo, não respondeu os emails, não consegui ligar, tentei até o telefone de casa e sempre diziam que ela não estava. No fundo sentia que algo estava terrivelmente errado.

Adiantei minha viagem, pois não aguentava mais, precisava saber o que estava havendo. Comprei um colar com cisne que achei a cara dela, ao mesmo tempo que estava com medo do que havia ocorrido, estava ansiosa para entregar.

Cheguei em casa e a primeira pessoa que vi e veio correndo até mim foi Henry.

– Que saudades amor. - Falei o pegando no colo. Ele estava chorando, alguma coisa não estava certa mesmo. - Cade Emma?

– Eu não sei, ela sumiu faz dias. Eu quero ela, Regina. - Ele disse fungando e meu coração apertou. Ele era dengoso, mas aquilo estava longe de ser só manha.

Deixei-o na sala e fui quente até o escritório.

– Cade ela? - Perguntei antes minha mãe, que sorriu assim que me ouviu. Isso só confirmou que tinha dedo dela nisso.

– Sua protegida? Temo dizer que não a encontrará. - Ela disse me olhando, quase saltitando.

– O que fez com ela, mãe? Por Deus. - Falei sentindo meu coração doer. Dentro de mim sentia uma chaminha se alastrando. 

– Eu contei a verdade Regina, lembra da herança? Saiu. Agora ela não é mais útil.

– VOCÊ O QUE? Eu ia falar com ela! Você não tinha esse direito! Cade ela? - Falei sentindo meus olhos marejarem.

– Em algum lugar te odiando. Ela não quer te ver Regina! Pegou as coisas e se foi. Aceite. - Aproximou-se, batendo em meu ombro. - Você não pode ficar com uma garota daquela idade. 

– Ela é nova! Não acredito que consentiu com isso. Mãe a senhora é louca? - Gritei, perdendo o pouco controle que ainda me restava.

– Sou muito sensata, Regina! Aquela menina te amoleceu. Olha pra você, está chorando por uma pirralha.

– Me fala onde ela está! - Gritei quase em desespero.

– Isso é algo que vai comigo para o caixão. Esquece essa menina. - Ela falou friamente.

Subi até meu quarto e encontrei a carta dela, meu ficou ficou em pedaços. Não era justo! Eu não havia consentido com essa história da herança. Tudo em mim doía e as lágrimas desceram livremente enquanto eu apertava o travesseiro tentando me livrar daquela dor.

– Eu amo você, Emma. Você não pode fazer isso. - Falei como se ela fosse me escutar. - Volta, por favor.

Jamais perdoaria minha mãe por fazer isso e sei que se ela ajudou Emma, eu nunca acharia de fato. Mas mesmo assim eu tentei. Procurei pelo nome em todos os colégios possíveis.

O primeiro mês passou e foi exclusivamente isso que eu fiz procurei por ela. Henry ficou triste, coisa mais rara era ver ele sorrindo e brincando como quando estava com ela. Por noites eu lia e relia aquela carta.

Como tudo sempre piora, uns dois meses depois eu desci e não acreditei em quem estava no sofá.

– Você! O que você fez com a Emma, cade ela? - Ruby falou quase gritando.

– Era só o que me faltava! Ela não contou a melhor amiga para onde foi? Acho que você não era tão amiga assim ein. - Falei estressada, de saco cheio com minha mãe, a ausência de Emma, a vida. 

– O que fez com ela? Regina, ela sumiu do nada! - Ruby falou baixando a guarda com lágrimas nos olhos.

– Quando eu cheguei, ela já tinha ido. Sei tanto quanto você. - Falei com um nó na garganta.

– Eu sabia que você machucaria! Eu sabia Regina. Ela era a melhor pessoa do mundo, você não tinha esse direito. - Deixou as lagrimas inundar seu rosto, sem reservas.

Ela ter aparecido só me deixou pior. Eu também sabia que a machucaria, no fundo eu sabia. Mas foi tão mais fácil fechar os olhos e curtir ela.

POV EMMA

Em matéria de me tirar do mapa, Cora merece um prêmio. Ela me enfiou em um colégio interno, onde eu poderia residir nele e o dinheiro colocou em uma conta em meu nome. Não confiei nela e vi passo a passo de tudo.

Me fiz de forte o tempo todo, mas quando estava instalada, sozinha no quarto eu desabei. Lembrei de Henry, eu nunca mais veria meu pequeno, aquela criança era a luz da minha vida.

Lembrei de Regina, ainda não me confirmava em como ela me fez de trouxa daquela forma. Como ela simplesmente mentiu sobre tudo.

O pior de tudo era que eu não conseguia apagar as coisas, não conseguia esquecer os beijos, os carinhos, as palavras.

– Preciso te esquecer. - Falei com uma lágrima correndo.

– Não sei quem é, mas esquece. - Uma garota entrou em meu quarto dizendo. - Sou Lisa, sua nova melhor amiga. - Falou sorrindo. Logo notei que ela era sinal de encrenca, mas o que eu tinha a perder? Isso mesmo. Nada.

– Vou mostrar as coisas boas desse fim de mundo onde estamos. - Prazer, sou Emma. - Falei limpando meu rosto. - Emma, nome forte, legal. Vem que vou te apresentar as coisas e as pessoas. As coisas mudaram radicalmente daí.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...