História Se eu te amo? Demais! - Capítulo 96


Escrita por: ~

Postado
Categorias Júlio Cocielo
Personagens Júlio Cocielo, Personagens Originais
Tags Julio Cocielo, Kelsey Calemine, Romance, Tequila
Exibições 112
Palavras 2.314
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Opaaaaaaaaaaaaa, parece que alguém voltou não é mesmo
BOA LEITURA TEQUILINHAS/OS ♥♥♥
Desculpem qualquer erro, escrevi o finalzinho meio que correndo sz

Capítulo 96 - Vai fazer o que?


   After Day:  

Acordei com a claridade da TV em meu rosto e com o barulho que a mesma fazia. Peguei meu celular que estava em baixo do meu travesseiro e vi a hora. 03:00AM. Que que eu to fazendo acordada essa hora? Pensei enquanto levantava da cama, com uma dor de cabeça absurda. Desliguei a TV, saí do quarto e desci as escadas ainda meio que dormindo. Fui na direção da cozinha e peguei a jarra de suco, um copo e coloquei tudo no balcão da cozinha. Peguei um pote pequeno e peguei Nescau Cereal dentro do armário. Coloquei o Nescau no pote e o suco no copo. Enquanto colocava suco no meu copo, olhei pra frente e vi uma bagunça enorme na sala. Quase cai pra trás quando vi aquilo. Era uma puta bagunça do caralho. Vocês nem imaginam.

Larguei a jarra de qualquer jeito no balcão da cozinha e saí da mesma. Fui até o sofá e o Júlio estava jogado no mesmo em cima do Igor. Ambos dormiam feito rochas, mas enquanto aquela bagunça? E como eu não ouvi nada? Balancei o Júlio bem devagar, mas ele não acordou. Balancei mais e ele finalmente acordou.

- Aí, merda... – ele disse coçando os olhos e levantando com uma preguiça que dava pra sentir em mim – Ainda to bêbado – ele resmungou um “aaa” e se levantou. Eu estava com a raiva estampada em meu rosto.

- Como assim “ainda” Cocielo? – disse com muita raiva. Então ele bebeu ontem a noite e fez essa bagunça toda aqui?

- Então... – ele coçou a cabeça. Ele sempre fez isso quando estava nervoso.

- Não acredito que você ficou bêbado ontem a noite e ainda por cima fez toda essa bagunça aqui em casa. Você acha que eu sou o que? Uma idiota? – soltei tudo de uma vez e respirei fundo em seguida.

- Se acalma Margo! – ele disse e fez um sinal de rendimento com as mãos.

- Eu deixei você ir buscar essa coisa que tá jogada no meu sofá, mais conhecido como “carinha que paga de gostosão” – falei e fiz um sinal de aspas com os dedos no fim da frase.

- Pode chamar de Igão tia, eu deixo... – Igor disse com a voz meio embolada e ainda jogado em meu sofá.

- Cala a boca Igor! Você também tá errado nessa história – disse, olhando pro Igor que agora estava se levantando.

- Ow, vou deixar vocês discutindo aí e vou ir pra casa. Falou pra vocês. E valeu por ter ido me buscar ontem, cuzão – Igor disse, bateu na mão do Júlio e me deu um beijo na bochecha – Desculpa ter te ligado ontem a noite, eu te amo e você sabe né? – ele disse e me deu um abraço, não consegui não sorrir.

Igor pegou o celular e a carteira que estavam jogados no sofá, foi até a porta, acenou e bateu a mesma. Júlio virou pra mim e eu encarei ele, pois eu realmente estava com raiva dele.

- O que? – ele disse, se fingindo de inocente.

- Espero que você saiba que VOCÊ vai arrumar toda essa bagunça – disse, indo pra cozinha e me apoiando no balcão da mesma.

- Me ajuda vai... – ele disse, se aproximando de mim e me virando pra ele.

- Nada disso, mocinho.

Passei meus braços pela nuca dele e ele fez biquinho, eu ri e dei vários selinhos nele. Parei de dar selinhos nele e fiquei olhando pra ele e ele ficou fazendo a mesma coisa, até que me puxou e me deu um beijo demorado. Ele me pegou no colo e me colocou sentada no balcão. Ele parou os beijos e desceu pro meu pescoço, ele dava leves sugadas e beijos no mesmo. Ele tirou a minha blusa e eu estava sem sutiã, então ele começou a chupar um dos meus peitos e passou para o outro. Ele voltou a beijar minha boca e enquanto me beijava ia desabotoando meu short jeans. Vou transar as 3:30 da manhã, que legal cara! Me levantei bem rápido e tirei meu short e minha calcinha.

- Júlio, vamos para o quarto... – disse, entre os beijos que o Júlio me dava.

- Por que o quarto? Sempre quis transar com você na cozinha – ele disse e me pôs novamente no balcão. Eu dei um sorriso enorme entre o beijo.

Júlio desceu os beijos e começou a fazer um oral em mim, os gemidos altos eram incontroláveis. Ele parou com o oral depois de um tempo e voltou a me beijar, empurrei ele e desci do balcão, encostando ele no mesmo. Abaixei a calça dele e a cueca, o membro dele saltou da mesma. Massageei o membro dele e comecei a pagar um boquete pra ele, e o mesmo pegou meu cabelo e começou a controlar os movimentos. Parei depois de um tempo e ele voltou a me beijar, me colocou no balcão e penetrou em mim. Ele fazia movimentos de vai e vem e depois ia aumento a velocidade das estocadas. Ele parou de estocar e começou a me beijar, me pegou no colo e me levou pro sofá, me deitou sobre o mesmo e voltou a estocar. Trocamos a posição e eu comecei a cavalgar nele, até que gozamos juntos. Cai ao lado dele e ele me beijou. Acabamos dormindo um grudado ao outro.

Igor Cavalari – 03:15AM

Saí da casa da Margo pois vi que o clima ali tava ficando pesado.

- Ow, vou deixar vocês discutindo aí e vou ir pra casa. Falou pra vocês. E valeu por ter ido me buscar ontem, cuzão – disse, bati na mão do Júlio e dei um beijo na bochecha da Margo – Desculpa ter te ligado ontem a noite, eu te amo e você sabe né? – disse, dei um sorriso e um abraço na Margo, ela deu um sorriso lindo pra mim.

Peguei o meu celular e a carteira que estavam jogados no sofá, fui até a porta, acenei e bati a mesma. Fui em direção ao elevador e apertei o botão pra ele vir até o andar que eu estava. Quando o elevador chegou, entrei no mesmo de cabeça baixa pois eu ainda estava de ressaca e minha cabeça faltava pouco explodir. Me encostei no espelho e percebi que tinha uma mina muito linda do meu lado, e ela não me era estranha, mas não dava pra ver o rosto dela pois ela estava com toda a atenção no celular dela. Cruzei os braços, abaixei minha cabeça e fechei os olhos. Eu tossi e ela olhou pra mim. Caralho, é a Gabii? Ela tá diferente ou eu to com muita ressaca?

- Você não falou comigo ou eu não escutei? – ela disse de um jeito fofo. Apesar de ter enchido a cara e ter pegado uma menina quando eu ainda estava sóbrio, ela ainda me faz pirar. Caralho, que que tá acontecendo comigo?

- Não falei com você, não. Cê tá meio mudada, né? – disse e ela soltou um riso fraco pelo nariz.

- Talvez... – ela disse e deu um sorriso – acho que só não me reconheceu porque eu to de pijama, né? – ela riu e veio pra mais perto de mim.

- Tá gata do mesmo jeito – disse e ela riu.

- Vi que você chegou caindo de bêbado junto com o Júlio ontem, né?

- É... – respondi sem graça.

- “Eu bebi mesmo. Mas bebi por que ia pegar uma mina muita gata, cê é louco! Eu num sei o nome dela não, mas eu vejo ela por aí. Eu sou Igão Underground, cara” – ela disse, mudando a voz, e depois riu. Eu fiquei totalmente sem graça, pra que eu fui falar aquilo pra ela?

- Desculpa por isso ae. Mas ae, se mudou pra cá?

- Não. To na casa da minha tia por um tempo.

- Por que?

- Ela viajou e tá com medo de deixar o apê sozinho, ta ligado? Me ofereci pra ficar aqui e me embebedar sempre que possível – ela disse e eu ri – Vamo lá em casa, pô!

- To com mó dor de cabeça...

- Tem um remédio de nome cachaça lá.

- É em que andar mesmo? – disse num tom engraçado e ela riu.

O elevador parou e fomos em direção a casa dela. Ela destrancou a porta, abriu a mesma e me deu espaço pra entrar e em seguida fechou a mesma.

- Que casa daora! – disse, olhando a sala da casa dela.

- Talvez eu fique com essa casa aqui. Minha tia vai se mudar com um tempo e eu talvez compre, ou ela me dê, não sabemos – ela falou e se sentou no sofá.

- Mano, me chama pra cá todo dia – disse e me joguei no sofá ao lado dela.

- Quer beber? – balancei a cabeça em um sinal de negação – Aaah, vaai... Bebe só um pouquinho comigo – ela disse apertando a minha bochecha. Balancei a cabeça de novo e ela sentou no meu colo, minhas mãos foram automaticamente pro quadril dela e ela sorriu.

- Não me provoca! – disse e dei um sorriso safado.

- Se eu te provocar – ela chegou perto do meu ouvido – vai fazer o que? – sussurrou e mordeu o mesmo.

Coloquei ela deitada no sofá e fiquei por cima dela, beijei ela e desci os beijos pro pescoço dela.

Gabii Silva – 03:15AM

- Que droga! SAÍ DAQUI! – disse pro meu ex que resolveu aparecer pra me fazer uma surpresa desagradável.

- Vai falar que não sentiu saudade – ele disse e segurou meu braço com força.

- Me solta! – disse e me soltei dele, comecei a correr pra dentro do prédio e fui para o elevador.

{...}

Fiquei no elevador mexendo no meu celular e alguém entrou, no começo nem me dei conta que era o Igor mas aí em virei e vi que era ele.

- Você não falou comigo ou eu não escutei? – eu disse de um jeito meio fofo.

- Não falei com você, não. Cê tá meio mudada, né? – ele disse e eu soltei um riso fraco pelo nariz.

- Talvez... – disse e deu um sorriso – acho que só não me reconheceu porque eu to de pijama, né? – eu ri e me aproximei um pouco mais do Igor.

- Tá gata do mesmo jeito – ele disse e eu ri.

- Vi que você chegou caindo de bêbado junto com o Júlio ontem, né?

- É... – ele respondeu meio sem graça.

- “Eu bebi mesmo. Mas bebi por que ia pegar uma mina muita gata, cê é louco! Eu num sei o nome dela não, mas eu vejo ela por aí. Eu sou Igão Underground, cara” – eu disse, mudando a voz, e depois ri.

- Desculpa por isso ae. Mas ae, se mudou pra cá?

- Não. To na casa da minha tia por um tempo.

- Por que?

- Ela viajou e tá com medo de deixar o apê sozinho, ta ligado? Me ofereci pra ficar aqui e me embebedar sempre que possível – eu disse e ele ri – Vamo lá em casa, pô!

- To com mó dor de cabeça...

- Tem um remédio de nome cachaça lá.

- É em que andar mesmo? – ele disse num tom engraçado e eu ri.

O elevador parou e fomos em direção a minha casa. Destranquei a porta, abri a mesma e dei espaço pra ele entrar e em seguida fechei a mesma.

- Que casa daora! – ele disse, olhando a sala de casa.

- Talvez eu fique com essa casa aqui. Minha tia vai se mudar com um tempo e eu talvez compre, ou ela me dê, não sabemos – falei e me sentei no sofá.

- Mano, me chama pra cá todo dia – ele disse e se jogou no sofá ao meu lado.

- Quer beber? –perguntei e ele balançou a cabeça em um sinal de negação – Aaah, vaai... Bebe só um pouquinho comigo – eu disse apertando a bochecha dele. Ele balançou a cabeça de novo e eu sentei no colo dele, e as mãos dele foram automaticamente pro meu quadril e eu sorri com o ato dele.

- Não me provoca! – ele disse e deu um sorriso safado.

- Se eu te provocar – cheguei perto do ouvido dele – vai fazer o que? – sussurrei e mordi o mesmo.

Ele me colocou deitada no sofá e ficou por cima de mim, ele me beijou e começou a descer os beijos pro meu pescoço. Eu já estava com tesão mesmo, então deixa rolar. Segurei a cabeça dele e voltei a beijá-lo, parei o beijo e disse:

- Vem, vamo pro quarto – disse e ele sorriu.

Me sentei no sofá e tirei minha blusa. Ele levantou, tirou os tênis, me esperou levantar e me pegou no colo e me levou até o quarto me beijando e apertando a minha bunda. Chegamos no quarto e deitamos na cama, ele continuava por cima de mim e dessa vez estava chupando meus peitos. Ele desceu mais os beijos e deixou três chupões pela minha barriga e tirou a calça do meu pijama junto com a minha calcinha e fez um oral em mim. Voltou a beijar minha boca e penetrou dois dedos em mim. Eu estava com muito tesão e eu gemia entre o beijo. Joguei ele pro lado e já fui direto pra barra da calça dele, abri a mesma e fiz um boquete pra ele. Subi e beijei ele, me posicionei e comecei a cavalgar nele e quando cansada rebolava. Trocamos a posição e ele ficou por cima, ele dava estocadas forte e eu gemia alto. Gozamos e ele se jogou do meu lado e me puxou pra perto dele.

- Esse quarto é o da minha tia – disse olhando ao redor. Ele riu alto.

- Mentira né? – ele perguntou e eu assenti negativamente rindo – Proibido é mais gostoso – ele disse e sorriu safado. Nos beijamos um pouco e acabamos dormindo.


Notas Finais


Um capítulo hot pra um finalzin de domingo, rs.
Por hoje é só, passei o dia todo escrevendo e nem assisti TBBT, mas vcs são mais importantes moras ♥
Beijinhos da Titia sz
Tchauzinho e bom fim de domingo. Boa segunda também ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...