História Se um dia será - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Michael Jackson
Personagens Michael Jackson
Tags Michael Jackson, Romance, Sexo
Visualizações 34
Palavras 2.235
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Mistério, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Drogas, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, desculpa pela demora em postar o cap. O importante é que finalmente postei. hahaha
Boa leitura.

Capítulo 24 - Casa comigo?


Fanfic / Fanfiction Se um dia será - Capítulo 24 - Casa comigo?

- Sua mãe deve estar enganada, não tem como isso ser verdade, Alice. – Michael me olhava com um pequeno sorriso incrédulo.

- Você já conheceu seu pai? – Perguntei, minha voz saia tremula e parecia que em minha garganta tinha um nó.

- Não, mas...

- Então... Meu pai sempre esteve com você e sua mãe.

- Mas não tem sentido Johnny ser meu pai e nunca ter me falado isso. – Michael segurou meus ombros firmemente. – Vamos resolver isso, sim? Fique tranquila. – Ele me puxou entrelaçando seus braços em mim, respirei fundo e está ali com ele me acalmava, era como se eu nunca fosse perde-lo.

- Ok.

 

 

...

 

O almoço continuou normalmente para as outras pessoas, somente eu e Michael estávamos tensos. Eu queria ir logo conversar com o meu pai e tirar toda a dúvida que tinha, mas Michael sugeriu que esperássemos o almoço acabar.

Finalmente as pessoas começaram a levantar das cadeiras para irem embora. Fui para a porta da casa e me posicionei ao lado do papai me despedindo de cada um.

- Foi um ótimo almoço. – Disse ele ao acabar de despedir de Stefan que foi o último a sair. – Michael, ainda está aqui? – Perguntou meu pai olhando para atrás de mim, olhei na mesma direção.

- Johnny, Alice e eu precisamos conversa com você. – Disse Michael colocando suas mãos nos bolsos.

- Que cara séria é essa? Aconteceu alguma coisa? – Papai que tinha seu semblante contente, agora estava preocupado.

- Vamos lá para dentro, papai. – Falei segurando uma de suas mãos começando a andar, papai olhou para nós dois e começou a caminhar junto. Fomos caminhando até a sala em silencio. Ao chegar, soltei a mão de meu pai e sentei em um dos sofás da grande sala, Michael sentou ao meu lado, papai sentou em um de frente para nós dois.

- Estou escutando. – Disse ele.

- Pai, enquanto eu estava na casa da mãe, ela me disse algo que me intrigou bastante. – Dei uma pausa e olhei para Michael. – Disse que eu e Michael poderíamos ser irmãos. – Completei a frase olhando para minhas mãos em minhas pernas, não queria dar rodeios, queria ir logo ao assunto. Olhei para meu pai que agora deu uma risada incrédula.

- Como disse?

- Minha mãe me falou que Michael e eu somos irmão.

- Sua mãe está louca! Só pode. – Ele disse rindo totalmente incrédulo, eu respirei fundo e soltei o ar de tanto alivio, acho que Michael fez o mesmo.

- Então não somos irmão? – Perguntou Michael olhando para papai e eu.

- Claro que não! Quer dizer, você é como um filho para mim, mas não sou seu pai biológico. Dona é louca. – Disse meu pai se referindo a minha mãe. – Ela morria de ciúmes da sua mãe porque pensava que eu e ela tínhamos algo, tínhamos sim, uma amizade muito forte. – Papai olhou para nós dois com o cenho fechado.

- Que bom, você não sabe o quanto me alegra saber disso. – Michael disse enquanto sorria aliviado.

- Era apenas isso? – Papai olhou para nós dois, estávamos todos reunidos e eu achei a hora correta para jogar outra bomba em cima de papai, dizer que eu e Michael estávamos apaixonados, pensei por alguns segundos.

- Tenho mais uma coisa a dizer. – Falei olhando para meu pai, desviei meu olhar para Michael que agora me encarava curiosamente. Respirei fundo juntando toda a coragem que havia dentro de mim. 

- Diga.

- Michael e eu estamos apaixonados. – As palavras saíram tão acelerada e tremulas que nem papai e Michael entenderam o que havia dito.

- Repita. – Disse papai, fechei os olhos e respirei fundo.

- Michael e eu estamos apaixonados um pelo outro. – Falei calmamente, Michael arregalou os olhos demonstrando sua surpresa por eu ter dito aquilo, papai fez o mesmo.

- Vocês estão apaixonados?

- Sim, pai. Já faz um tempo, eu amo o Michael e acho que ele também me ama. – Sorri com a última frase, papai olhou para Michael que parecia paralisado permanecendo com seus olhos arregalados. 

- Isso é verdade, Michael? – Perguntou ele, Mike ficou por alguns segundos calado, depois olhou para meu pai.

- Sim, eu amo a sua filha. – Disse ele um pouco nervoso.

- Bom... Se vocês se amam, tudo bem. Eu iria adorar ter você como genro. – Disse papai normalmente, fiquei totalmente surpresa com sua reação. Achava que ele iria ficar incomodado, mas pareceu até gostar da ideia de mim e Michael juntos.

- Então... Já que está todo mundo aqui reunido. – Michael levantou do sofá. – Eu gostaria de fazer uma coisa. – Agora ele olhou fixamente para mim, meu coração já pulsava rapidamente sobre meu peito, agora, parecia que ia pular de dentro da minha garganta. – Alice, você quer namorar comigo? – Michael ajoelhou em minha frente e segurou minha mão, comecei a rir de nervosismo e felicidade. Aproximei mais de seu rosto.

- Claro que sim. – Dei um selinho rápido nele, Michael levantou do chão e me abraçou.

- O bom é que você não vai precisar passar pela vergonha de conhecer o sogro. – Disse Johnny, olhamos para ele e começamos a rir. Estava tudo certo agora, eu tinha Michael para mim, apenas para mim. Não tinha mais Dimas, ou a preocupação de ser irmãos e nem a fúria do meu pai, tinha apenas Michael e eu.

 

Narração de Michael:

 

Fiquei impressionado com a atitude de Johnny, Alice e eu estávamos errados sobre a reação dele ao descobri o romance entre nós dois. Agora tudo estava em ordem, nada poderia nos atrapalhar e eu finalmente, pediria a mão de Alice como ela merecia.

Ao sair da casa de Johnny naquele dia mais tarde, fui direto para a casa de Lúcia, queria compartilhar com ela a minha grande felicidade de estar amando outra vez. Toquei a campainha de sua casa e não demorou muito para ela abrir a porta.

- Michael! Quanto tempo. – Disse ela se aproximando de mim e me abraçando.

- Sim, eu estava morrendo de saudades. – Disse ainda abraçado com ela.

- Te digo o mesmo. – Lúcia desfez o abraço. – Venha, entre. – Ela deu espaço para passar e logo entrei. Sentei no sofá confortável de sua casa e logo ela sentou ao meu lado. – Me conte as novidades. – Disse ela, então simplesmente obedeci, contei para ela sobre meu amor por Alice, a confusão de sermos irmãos e sobre a reação de Johnny ao descobri nosso romance. 

- É isso, agora eu sou uma pessoa comprometida. – Disse ao acabar de contar tudo para Lúcia. 

- Mas que maravilha, finalmente você deixou seu coração seguir em frente.

- Sim. Agora eu preciso de sua ajuda para preparar um pedido perfeito de casamento. 

- Casamento? Já?

- Eu amo ela e quero ficar com ela para sempre. – Fui para mais perto de Lúcia. – Vou te contar o que planejo fazer. – Comecei a contar para Lúcia o meu plano, quando acabei de falar, ela foi dando suas ideias. Ficamos o resto da tarde toda planejando os detalhes. 

- Amanhã vamos sair para comprar a Aliança e as coisas, pode ser? – Disse ela quando acabamos de planejar tudo.

- Sim. – Assenti com a cabeça. 

Fui embora da casa de Lúcia umas 19horas, Maria iria voltar de viagem hoje e eu já estava morrendo de saudades. 

Abri a porta da sala da minha casa e fechei ela atrás de mim ao entrar, a luz da cozinha acesa indicava que Maria já havia chegado. Caminhei até a cozinha e a vi preparando algo para comer.

- Maria, finalmente está de volta, estava morrendo de saudades. – Falei me aproximando dela que logo virou para mim, a abracei forte.

- Senti sua falta também. – Disse ela desfazendo o abraço.

- Como foi de viagem? – Perguntei puxando a cadeira e sentando no mesmo. 

- Foi ótimo, minha irmã está bem melhor. – Disse ela com o tom alegre em sua voz. 

- Fico feliz em saber disso, eu orei por ela. 

- Todos oramos. 

- Sim. Maria eu vou pedir a Alice em casamento – Soltei a noticia para ela de uma vez. 

- Eu já estava desconfiada que vocês estavam juntos, parabéns para vocês, você merece toda a felicidade do mundo, Michael. – Disse ela verdadeiramente. 

- Obrigada. – Sorri para Maria.

- Que tau matarmos a saudades vendo sua novela, hm? – Levantei da cadeira.

- Ótima ideia. 

 

Narração de Alice:

Deitei na cama aquela noite tranquila, nada de me preocupar com Dimas, ou com algo interferindo entre eu e Michael. Estava tudo dando certo. 

...

Acordei tarde na manhã seguinte, levantei da cama, fiz minhas higienes matinas e desci para comer algo, estava morta de fome. 

- Bom dia Chris. – Falei ao descer as escadas e ver Chris arrumando a mesma.

- Bom dia, Alice. Como passou a noite? – Perguntou ela sem tirar atenção do que fazia. 

- Bem e você? – Perguntei enquanto andava na direção da cozinha. 

- Bem. – Escutei a voz de Chris vindo da sala. Abri a geladeira, peguei o leite, abri o armário peguei uma vasilha e o serial.

- Papai está lá em cima? – Perguntei colocando o serial e leite na vasilha.

- Está sim. – Afirmou ela, sentei sobre a cadeira e comecei a comer o serial. Não sabia o que iria fazer aquele dia, será que vou ver Michael no trabalho ou fazer uma surpresa para ele em sua casa? Terminei de comer o serial sem saber o que fazer. 

Decidir ir a tarde visitar minha amiga, Duda, a mesma que disse para mim que Dimas estava com alguém em sua casa. Queria contar para ela que agora eu tinha uma pessoa em especial. Bati na porta da casa dela e logo sua mãe veio me atender. 

- Alice, quanto tempo. Como vai?

- Oi senhora Sara, eu vou bem e você?

- Bem também, vamos, entre. – Disse ela entrando dentro da casa, entrei logo em seguida. Duda estava em seu quarto, conversei um pouco com Sara e depois fui logo encontra-la. 

- Quem é vivo sempre aparece. – Disse ela ao me ver entrar em seu quarto. 

- Eu também estava com saudades. – Aproximei dela e abracei. 

- Ficou sabendo que Dimas foi preso? 

- Quem você acha que o prendeu? – Arqueei uma de minhas sobrancelhas.

- Não acredito! Me conte como foi isso. – Duda levou as mãos em sua boca incrédula. 

- Tenho muitas coisas para te contar. – Sentei sobre a cama ao seu lado e contei toda a confusão com Dimas até o final feliz com Michael. Duda ficou com a boca entreaberta assustada com tudo que aconteceu. Até eu me assustava, tantas coisas passei para estar bem com Michael agora. Ficamos a tarde toda conversando, ela me contou algumas coisas também. Quando eu estava quase indo embora, recebi uma mensagem de Michael no meu celular. 

 

Michael: Oi amor, me encontre em frente a praia Brighton Beach as 20horas da noite. Beijos, até. 

 

Fiquei totalmente curiosa para saber porque ele me queria na praia essa hora, sai da casa de Duda rapidamente e fui para minha casa me arrumar. 

 

 

...

Estacionei meu carro em frente a praia que Michael pediu para eu estar, andei por alguns instante e vi ele próximo uma arvore na orla da praia. 

- Oi. – Falei ao me aproximar, eu usava um vestido rodadinho vermelho e uma sandália baixa preta. 

- Olá, você está linda. – Michael me olhou de cima a baixo. 

- Você também. – Ele usava uma blusa social preta, uma calça jeans e um tênis branco. 

- Então, me acompanhe? – Disse ele dando o braço para mim, entrelacei meu braço no dele e começamos a caminhar sobre a areia da praia. 

- Qual é sua intensão aqui, sexo na praia? – Falei enquanto caminhávamos.

- Bom... Não seria uma má ideia. – Michael disse, sorrimos os dois juntos. O mar estava calmo e a lua sorria para nós. Fomos andando para mais próximo do mar e eu percebi que estávamos andando na direção de um iate ancorado na beira da praia. Chegamos mais próximos, Michael se afastou de mim. 

- Suba a bordo, baby. – Disse ele subindo no iate. 

- Você sabe pilotar isso? – Perguntei ainda sobre a areia da praia. 

- Claro que sei, confie em mim. – Michael estendeu a mão para mim, revirei os olhos e a segurei subindo em cima do Iate. Sobre um pequeno banquinho dentro do Iate, tinha uma garrafa de vinho e duas taças.

- Que coisa mais romântica. – Disse olhando para Michael que estava sentado em um banco em frente o painel do Iate. Ele olhou para trás em minha direção e no mesmo momento o Iate começou a navegar. Estava tudo muito escuro, exceto pelas luzes do Iate. Michael parou o Iate em uma distância boa da praia, saio do banco e veio até mim.

- Você sabe que sou romântico. – Disse ele segurando minhas mãos.

- Sei sim.

- Alice, você sabe que perdi minha esposa muito cedo e depois disso eu não conseguia amar ninguém, até você chagar. Você com o seu jeito doido de ser me fez te amar rapidamente, você me fez sentir coisas eu nunca tinha sentido antes, você é incrível. Enfim... Eu quero viver para sempre com você e depois de tudo que passamos, merecemos ficar juntos e felizes. – Michael foi dizendo e eu fui segurando as lágrimas, de repente ele ajoelhou em minha frente. – Talvez seja cedo de mais, mas... Alice, você aceita casar comigo? 

 

 


Notas Finais


Gostaram do cap?
Comentem o que acharam.
Beijos e até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...