História Seastar - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Haikyuu!!
Personagens Kei Tsukishima, Kenma Kozume, Shouyou Hinata, Tadashi Yamaguchi, Tobio Kageyama
Tags Asanoya, Hinata, Kagehina, Kageyama, Kuroken, Mar, Mattsuninja, Romance, Seastar, Songfic, Tsukkiyama
Visualizações 68
Palavras 1.074
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


haroooo~~
então! eu me empolguei bastante! não gostei desse capítulo também; acho que exagerei na parte que eles tocam, mas tudo bem.
quero agradecer especialmente a Natsu-Mei pelas teorias! muita coisa estava certa lá, e espero que esse capítulo consiga tirar alguma de suas dúvidas! :3
boa leitura~~

Capítulo 5 - O violinista frio


Fanfic / Fanfiction Seastar - Capítulo 5 - O violinista frio

 -- Então, basicamente, você vai tocar uma música onde o violinista e o pianista lutam pela atenção do público, mas que é frenética e imprevisível -- começou Hinata. Estavam na sala de aula, sentados um de frente para o outro na mesa do ruivo. -- Com o Kageyama-gelo-san de ontem?

Kenma assentiu, suspirando e deitando a testa na mesa.

-- Eu sabia que aquele garoto era má coisa. Como eu vou fazer para ele cooperar comigo?

-- Tentem conversar.

O loiro encarou seu amigo, esperando ele perceber o que tinha dito e para quem tinha dito. Hinata riu, se desculpando.

-- Mas é só daqui a um mês, né? Vocês terão tempo de se entender. Por enquanto, tente decorar a forma do Kageyama de tocar e assim arrume a melhor maneira de o acompanhar. -- explicou o mais baixo. Kenma suspirou, dando de ombros.

Todos na classe se assustaram quando Tanaka, um amigo de Hinata do segundo ano, disparou na sala, berrando.

-- Viram o garoto novo?! Ele tá tocando violino e todo mundo foi lá assistir!

-- Falando nele. -- murmurou Kozume, suspirando. Lançou um olhar a Shouyou. Os olhos do pequeno brilhavam. -- Você quer ir lá, né?

Não precisava ter perguntado; já estava sendo empurrado de volta a sala de música mais uma vez.

***

Conhecera o som de longe. A melodia era doce e suave, calma, sem nenhuma pausa ou momento frenético. Bach.


Kenma teve de admitir que o rapaz era um excelente violinista. O jeito que tocava o instrumento, como se dançasse com ele. Como se ele e o violino fossem um só.

Ouviu alguns cochichos quando se aproximou mais de Kageyama, já entrando na sala de música. O piano estava destacado enquanto o moreno tocava ao lado do mesmo, rodeado por pessoas. Kuroo era uma delas. Ao avistar o loiro, abriu um sorriso.

Kenma não entendia o que ele queria dizer, mas soube o que ele planejava. Nem se morto ele tocaria com o moreno ali. Naquela hora?! Não estava preparado.

Mas eles pareciam tão empolgados…

Sabendo que se arrependeria depois, o pianista atravessou o mar de pessoas e logo passou por Tobio, lançando-o um olhar que dizia “coopere”.  Sentou-se ao banquinho e o violino subitamente parou. Era com ele, Kenma, agora. Ele escolheria a música.

Começou devagar. O moreno pareceu notar qual música era, visto que se posicionou e se pôs a suavemente o acompanhar. Mas tinha algo diferente naquele toque. Como se Kageyama quisesse aumentar a velocidade. Quisesse provar para o menor que era melhor que ele.

Era?

O clima calmo foi encerrado por uma pausa. A dupla, que se encarava, abriu ao mesmo tempo um sorriso cheio de desdém. Ambos sussurrando “eu sou mais que você”.

O ritmo acelerou, mas, para a tristeza de Kageyama, Kenma pôde o acompanhar. Desistiu, de volta a lentidão. Um ataque surpresa; a cada nota no piano ele acelerava seus movimentos. Kenma bufou. O que aquele garoto tinha? Poderia se acalmar.

Pressionou com intensidade as teclas graves, chamando a atenção dos que assistiam, boquiabertos. Voltaram a se sincronizar e a cooperar com a melodia. Mas era entediante ficar daquela forma.

Kageyama acelerou novamente e tocou mais alto, no desejo de chamar mais atenção do que o pianista. Aquele era o momento certo.

Seus movimentos frenéticos com a mão e o som saindo claro e belo do instrumento. Era hora da música de verdade começar.

As notas graves eram pressionadas pelo "parceiro" enquanto Tobio se aproximava, tocando aquele mesmo ponto no violino com intensidade. O momento era dele.

Fechou os olhos e se deixou levar pelo som. O corpo se balançou conforme o piano fazia seus sons curtos, mas ainda sim abafados pelo som de seu instrumento. Sorriu, abrindo um pouco os olhos apenas para ver o rosto cheio de inveja do Kozume, que bufou novamente.

O som de ambos os instrumentos aumentando cada vez mais. Eles queriam ser o centro das atenções. Queriam ser melhores que os outros.

Aquele era o primeiro duelo entre o violinista frio e o pianista corrompido.

Ficaram naquilo de investir e recuar, esperando a próxima etapa da música começar. Seria a hora do loiro mostrar seu brilho.

Mas não. Kageyama queria mais. Continuou com um ritmo ainda mais rápido e animado, pensando que Kenma se abalaria. Mas ele não conhecia Kenma, no final.

Um tempo e vòila; era o solo do novato. Por que ele tinha um solo, afinal? Kenma queria ter um solo naquela música também! Todos os olhos voltados para o maior, que não se importava, apenas sentia o tremor de seu instrumento e sorria em desdém.

Idiota.

Eles poderiam continuar dali, mas Kenma estava farto daquilo. O novato se achara demais para uma primeira apresentação. Bufou pela terceira vez ao dia. E, quando o tal solo acabou, fez questão de tocar com todo seu ser e acabar a música no estilo Kozume Kenma.

Silêncio. As pessoas digeriam ainda o que presenciaram ali. Fora uma discussão? Parecia uma batalha por território. O pianista que já estava ali há anos tendo seu brilho ofuscado pelo garoto extraordinário que dançava com seu violino. 

Logo, aplausos foram ouvidos, seguidos por assovios e exclamações. Kenma se curvou, completamente sem graça, mas Kageyama não o fez; se dirigiu ao loiro com um olhar cortante e estendeu a mão para ele apertar. O menor abriu um sorriso ao ver que a lua que Hinata desenhara ainda estava ali.

-- Você não acompanhou direito -- murmurou o moreno. -- Meus toques já estava no final e você ainda estava no meio. Se quer tocar Kreutzer comigo terá que acelerar.

Kenma arregalou os olhos. A voz do rapaz se tornara fria, de repente. Sem aquela entonação irritada que tinha antes. Aquilo fez o loiro se questionar; a música era importante daquele jeito para o outro, a ponto dele mudar completamente ao se tratar dela?

Aqueles tipos de pessoas não era boa influência. Os conhecidos duas caras.

Enquanto assistia a Kageyama se retirando e levando consigo um mar de pessoas, Kozume decidiu que era seu dever vigiar Tobio, para impedir ele de fazer qualquer besteira que fosse.

-- Kenma!! Aquilo foi incrível!! Você foi tão pweh, e o Kageyama tão waah!! Vocês juntos foram super… super…

-- Pwaah? -- completou Kuroo com um sorriso no rosto. Hinata assentiu.

-- Pwaah!!

O pianista tirou a atenção da porta para volta-la ao seu amigo, que faiscava animado em sua direção. Suspirou, pegando o braço de Hinata e o puxando para fora da sala. Sem tempo para se despedir.

Precisava saber mais sobre Kageyama Tobio para ter noção de contra quem estava lutando.

***


Notas Finais


meh?
eu não sei o que acho desse capítulo
enfim, espero que tenham gostado!! amanhã vou tentar trazer o sexto! :3
um beijo de purpurina~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...