História Second Chance - Capítulo 4


Escrita por: ~

Exibições 24
Palavras 2.592
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Amores mais um cap aí, espero que gostem <3

Obs: Esse personagem novo(Drake) é o ator chace crawford.

Capítulo 4 - The First Kiss


Fanfic / Fanfiction Second Chance - Capítulo 4 - The First Kiss

 P.O.V NARRADOR 

 
Meghan e Sophie acabaram de arrumar o salão e se ajeitaram para ir embora, Meghan estava ficando com um frio na barriga quando percebeu que estava chegando a hora de ir embora.  

–  Você está nervosa Meg? –  Disse Sophie a tirando de seus devaneios. 

– Nervosa? Por que estaria? – Respondeu ela tentando parecer normal. 

– Não sei, deve ser porque está olhando para o relógio a cada cinco minutos. – Disse apontando para o relógio que estava em sua frente. 

– Deve ser porque estou morta e estou trabalhando nas minhas férias. – Falou ríspida. 

– Ah sim. – Sophie fingiu acreditar. – Acabamos, já vai poder ir embora. 

– Ah, então vamos logo de uma vez.  
Elas saíram em direção ao estacionamento, Meghan orou e pediu a Deus que por um acaso John tivesse ido embora, e elas tivessem que pegar um táxi, como combinara com Josh, porém, ao virar o estacionamento viram um Camaro sem teto prata parado, o coração de Meghan pareceu parar por um segundo quando John saiu de dentro do carro, já havia tirado o paletó e desabotoado dois botões de sua blusa, que permitira ver uma parte de seu peitoral. 

– Achei que tivesse ido embora. – Disse Sophie com um sorriso. 

– Devia ter ido. – Disse Meghan com um tom ríspido. 

– Ora ora Meghan, por qual motivo eu iria voltar atrás em uma palavra minha? – Disse John com um tom sarcástico. – Enfim, vamos que já está tarde. – Assim que acabou de dizer, abriu a porta para elas entrarem e foi para o seu lugar. 

– Então me diga, Sophie, vocês são de Nova Jersey? – Disse John chamando a atenção de Sophie que estava ao seu lado. 

– Nova Jersey? Não baby, na verdade eu sou do interior da Colômbia e Meghan é mexicana. – Após  Sophie dizer isso John olha para Meghan pelo retrovisor sorri e semicerra os olhos. 

– Mexicana? Colombiana? Que legal.  

– Você não é americano, é? Tem um sotaque meio estranho – Perguntou Sophie. 

– Não, na verdade sou francês. 

– Mas você fala inglês como nós falamos. 

– Sim Sophie,  mas vocês também falam, e a propósito eu passei um tempo em Manhattan quando meu irmão caçula se acidentou. 

– Você tem irmão caçula?  – Diz Meghan que mesmo fingindo não prestar atenção na conversa, findou se rendendo e participando do diálogo. John a olha pelo retrovisor e arqueia uma sobrancelha. 

– Achei que não estivesse querendo conversar senhorita, mas respondendo sua pergunta, sim eu tenho um irmão caçula, ele deve ter a sua idade mais ou menos. 

– E eu não queria mesmo, mas vocês não calam a boca. Então ele tem vinte e um anos?  – Perguntou Meghan e John assentiu. 

– E por que nunca ouvimos falar dele? – Perguntou Sophie com o cenho franzido. 

– Sophie minha flor, vai ficar fazendo perguntas pessoais? Só para te lembrar a gente não conhece ele, e isso não é nada educado. – Repreendeu Meghan.  

– Eu não me importo de responder as perguntas de sua irmã Meghan, não é nada do que as pessoas já não saibam, você devia ser menos fechada. Respondendo ele é um filho bastardo do meu pai, e sim ele tem vinte e um. – Disse John, Meghan suspira, bufa e revira os olhos. 

– Eu não sou fechada, só não desabafo minha vida com qualquer um. – Esbravejou Meghan. 

– Está me chamando de qualquer um Meghan?  – Após ele dizer isso ele a olha pelo espelho com um olhar de magoado pelo que acabara de ouvir. 

– Não foi o que eu quis dizer e você me entendeu bem. Não o conheço para falar da minha vida pessoal. 

– Não podemos nem ser amigos? 

– Amigos? E eu nasci ontem né?! Confiança se conquista! 

– Mas eu confio em você. – Disse a olhando com um sorriso. 

– É assim que está tentando conquistar minha confiança John? – Disse ela retirando uma mecha de cabelo dos olhos sem conseguir segurar um riso abafado.. 

– Não estou tentando, eu irei conquistar. 

– Convencido. 

– Sou otimista é diferente. 

– Então, continuando sobre esse seu irmão, ele é americano? 

– Não Meghan, na verdade ele é alemão, como o Christian. 

– Que droga de vida complicada. – Esbravejou Meghan. 

– Então me diga sobre vocês, como chegaram até aqui? E seus pais? 

– Meghan não vai lhe dizer, mas eu simplifico tudo. Morávamos com nossos avós paternos no México, quando Meghan nasceu tivemos que nos mudar por causa do trabalho do meu pai, quando chegamos na Colômbia Meghan tinha dois anos e eu nasci, ficamos mais onze anos e nossos pais sofreram um acidente e ficamos sem ter o que fazer, e nem para onde ir, eu com treze e Meghan com quinze anos, tínhamos uma avó aqui em Nova Jersey, então viemos. – Ela suspirou e continuou. – Então procuramos um trabalho para ajudar nossa avó,  Josh foi o único que nos aceitou. 

– Pronto agora, se ele for um maníaco, já poderá nos matar com 60% da nossa história em mente. 

– Se eu quisesse seu mal pequena Meghan, eu contrataria homens para matá-la, e não me serviria para trazê-la em sua casa.– John responde Meghan que lhe lança um olhar rígido, estava bem claro que ela não se renderia fácil a ele, então ele teria que começar bem devagar, e tentar descobrir tudo o que precisava saber. – Então sempre foram só vocês? 

– Na verdade Meghan namorou um cara, mas ele era um... – Antes dela terminar Meghan a interrompe. 

– Escuta aqui, fala da tua vida pra ele, por favor não envolva nem a mim, nem ao Kevin. 

– Kevin? Kevin Penderghast? 

– Não, Kevin Lightwood, espera você não o conhece. – Disse Sophie. 

– Ou conhece? – Perguntou Meghan quando viu que John mudou de semblante. 

– Acho que não, não tive essa infelicidade ainda. 

– Vamos encerrar esse assunto? – Perguntou Meghan com um semblante triste. 

– Tudo bem. – Disse Sophie olhando para Meghan que ficou olhando para fora do carro, Sophie fez um gesto para que John a olhasse e sussurrou. – Ele era um babaca com ela, ela não toca nesse assunto,  sofreu muito, se essa for sua intenção, por favor não se aproxime dela. 

– Eu seria incapaz disso. 

– Incapaz de quê? – Perguntou Meghan. 

– De chegar na casa de vocês se não me falarem onde moram. – Demoraram uns vinte minutos até chegarem perto da loja de Josh. 

– Pode nos deixar aqui, está bem perto já. – Disse Meghan tentando se livrar. 

– Não, as levarei na porta da casa de vocês.  

– Moramos ali. – Disse Sophie apontando para um morro que havia atrás de uns apartamentos. – Atravesse o morro, o próximo apartamento à direita. 

– Sim senhora. – John disse e seguiu para o destino. 
Quando chegaram Sophie se apressou em sair e disse logo antes que Meghan entrasse correndo. 

– Senhor Williams, pode aguardar um momento? Posso lhe oferecer uma água? – Disse olhando para Meghan e para John que parece ter entendido o que ela queria fazer. 

– Claro, estou mesmo com sede, muito obrigado.  

– Então deixa que eu busco. – Disse Meghan 

– Não, eu busco fique aí irmãzinha vou rápido, preciso ir no banheiro para uma "emergência feminina". – Disse Sophie, que sorriu para Meghan e para John. 
Ela começou a andar e depois parou e disse. 

– É rápido, eu vou ali no número 189. 

– O que vai fazer no Senhor Wilson? – Disse Meghan sem entender. 

– Nós moramos no 189, bobinha.  

– Não, moramos no 178, você bebeu demais Sophie. – Disse Meghan chegando perto de Sophie que deu um passo para trás. 

– Não, eu estou bem, vou fazer um café também, já volto. – Ela olha para John quando Meghan para de olhar para ela e pisca um olho, John sorri e sibila um obrigado. 
Sophie sobe para casa e vai tomar banho. Meghan olha John nos olhos e fica nervosa ao perceber que ele está a encarando. 

– O que está pensando? – Disse ela. 

– Como assim? Agora nesse exato momento? 

– Sim, parece sério. - Disse sem conseguir encarar ele. 

– Bom, estou tentando descobrir uma coisa. 

– Sério? O quê?  

–  O porque me evita tanto e me trata tão mal em umas horas e nas outras não consegue nem ao menos me encarar. - Sorriu ao terminar de falar, Meghan tremeu ao ouvir isso e sustendeu o olhar até ele. 

– Você está enganado, e não o trato mal. 

– Não senhorita? Me responda uma coisa? 

– Claro. 

– Você já me conhecia? Antes de eu vim para trabalhar aqui, quero dizer. – Disse fazendo ela pensar durante uns segundos. 
– Não, eu conheci seu pai, mas você... – Ela deu uma pausa tentando parar de olhar para os botões desabotoados. – Eu nunca o vi antes. 

– Por que nega o óbvio?  

– Qual óbvio? 

– Você está tão atraída por mim quanto eu estou por você. 

– Está equivocado. – Meghan tremeu quando ele se aproximou e a tocou na bochecha. 

– Você fica ainda mais irresistível quando faz isso. 

John a puxou e encostou seus lábios nos dela, Meghan hesitou no começo mas se rendeu e enlaçou seus braços ao redor do pescoço de John e deu passagem para a sua língua que logo começou a dançar junto com a dela, em uma sintonia que a fazia lembrar uma canção de Beethoven. Para Meghan estava tudo perfeito, ouvia o farfalhar das árvores que estavam próximas,  o som de grilos, e sentia o vento sobre sua pele. John a apertava deixando bem claro sua excitação protuberante, a abraçava como se não quisesse a soltar mais, seus corpos estavam colados um no outro, a respiração ofegante, por um segundo ela se esqueceu de tudo, mas quando começou a se excitar com o beijo e com as mão de John que exploravam seu corpo, Sophie chega com um copo de água. Meghan e John se soltam como se fossem adolescentes e ficam um pouco sem jeito. 

– Tome sua água senhor, desculpe incomodar. – Disse quando viu que atrapalhou o beijo. 

– Eu preciso ir. – Disse Meghan nervosa e John percebeu e  a segurou pelo braço, quando ele ia dizer ela se apressou e disse. – Isso não deveria ter acontecido Senhor Williams, eu sinto muito, mas preciso ir. – Quando ele ia responder ela entrou correndo deixando Sophie e John. 

– Mas... – Ele disse olhando para o portão do apartamento. 

– Tenha paciência Senhor, ela não é da forma que tenta desesperadamente parecer ser. – Disse com uma mão no ombro de John que assentiu. 

– Ela me deixa louco.  

– Arrisco dizer que você também causa a mesma sensação nela, mas ela reage de uma forma diferente à isso. 

– Acredita em paixão à segunda vista? – Sophie não entendeu. 

– Não seria amor à primeira vista? 

– Não, para mim é paixão e na segunda vista, porque na primeira vez em que a vi eu tive que limpar os olhos para saber que era real. 

– Nossa que bizarro, você está bêbado? – Perguntou fazendo ele gargalhar alto, mas logo voltou a sua expressão séria. 

– Sua irmã me tira do sério. 

– Paciência, senhor, paciência. 

– Me dê seu número? - Sophie entendeu o porque daquele pedido, sorriu e soletrou seu número para ele que anotou no celular e depois se despediram. Quando chegou ao quarto de Meghan ela viu que ela estava fingindo estar dormindo, mas decidiu não dizer nada, caminhou até o seu e fora dormir. 

– Ele me beijou. Mas por que eu não resisti? Meu Deus. Só quero que ele me esqueça, eu não estou pronta para um relacionamento. Nem gosto dele, eu concordo que ele é lindo e tudo o mais, só que eu não quero, ele não merece, afinal, nenhum homem merece. Todavia aquele beijo foi de tirar o fôlego, fôlego não, as roupas. Só que isso é perigoso, não posso arriscar tudo outra vez. – Meghan sussurrou para si, depois passou a mão na sua barriga se lembrando de algo do passado e começou a chorar em silêncio. – Sinto muito John, mas eu não posso. 

 

No dia seguinte Meghan acordou cedo como de costume, anos após anos trabalhando de manhã, seu corpo já se adaptara à rotina. Seu quarto era aconchegante o bastante para ela não querer sair dele o dia inteiro, mas comparado a casa de outras pessoas não era nem de longe um quarto apropriado para se dormir. Seu guarda roupa que antes era branco, agora estava com manchas amareladas o que entregavam seus sete anos de idade, sua cama fazia um barulho que era possível ouvir do quarto de Sophie ao lado, as janelas de seu quarto, uma estava emperrada e a outra ficava entreaberta, mas todas as duas um pouco enferrujada. Seu quarto fazia muito frio no inverno e muito calor no verão. Olhou no quarto da irmã que já estava vazio, a luz penetrava com dificuldade entre umas frechas da cortina da janela. Ela foi até o banheiro tomar seu banho, antes se olhou no espelho que havia em cima da pia e encontrou seus olhos particularmente inchados, resultado da noite anterior. Se apressou em se arrumar, vestindo um short que ela sempre corria, seus tênis rosa e seu top sutiã, amarrou os cabelos em rabo de cavalo e fora tomar café. Por um momento achou ter sonhado com o beijo de John mas logo se recordou de tudo que acontecera e pestanejou. Sabia que estava encrencada. 

Meghan era uma pessoa considerada saudável, corria todas as manhãs quando não estava no trabalho e tentava comer uma comida saudável, porém, não abria mão de seus hambúrgueres. Corria sempre no Sunset Park, ela estava distraída com seu Ipod tocando canções de Beethoven, olhando as famílias que estavam fazendo piquenique, de repente ela pousa seu olhar no rio enquanto está correndo e então percebe que esbarrou em alguém e finda no chão. 

– Perdoe-me eu estava distraída olhando para o lago. – Disse Meghan procurando seu aparelho que tinha caído no chão, mas aí ela percebeu que a pessoa que ela esbarrou também havia caído. Tentou frustrantemente não parecer eufórica. 

– Tudo bem, se machucou? Na verdade eu não a vi vindo também, estava distraído olhando os pássaros. – Disse o homem que havia caído no chão se levantando e levantando Meghan. Foi no momento em que ela pegou em suas mãos para levantar que ela olhou em seus olhos e viu o quão lindo ele era, tinha uma aparência jovem. Cabelos lisos e escuros, olhos da cor do céu.  

– Estou ótima. –  Respondeu abrindo um sorriso.  

– Meu nome é Drake Alvarez, prazer em conhecê-la. –  Falou estendendo a mão para cumprimentá-la. Ele a achou encantadora, e esperou que fosse mútuo. Meghan não hesitou em apertar sua mão. 

– Meghan Carter, prazer, desculpe ser indelicada, mas você é de Nova Jersey? 

– Não, estou visitando. – Disse após um sorriso. 

–  Ah sim, sinto muito interromper mas preciso voltar a correr agora.  

– Posso acompanhá-la? Afinal eu também estava correndo. –  Quando disse isso ela reparou que ele estava com roupa apropriada para tal. 

– Não sei se posso permitir, não é seguro. 

– Meghan esse parque tem mais câmeras do que um banco, o que eu conseguiria fazer com você aqui? – Nesse momento ela olhou ao redor e pôde ver as diversas câmeras que haviam ali, além disso tinha uns guardas espalhados pelo parque, ela riu e assentiu. 

– Tudo bem, acabou meus argumentos, vamos, mas se tentar algo eu empurro você no rio. 

– Pode ficar tranquila Meghan, não quero sair do país com a ficha suja. – Disse após gargalhar alto.  

Ela gostou do jeito dele, diferente de John ele era calmo e bem humorado, não testava sua paciência, parecia mais sensível e a fazia rir, e não estimulava seu extinto assassino, então ela o deixou se aproximar dela ao invés de afastá-lo como de costume. A alegria pelo incidente foi mútua. Meghan se identificou com ele e ficou surpresa ao descobrir que tem a mesma idade que ela. Não hesitou em lhe dar seu número de celular e combinaram de correr juntos até que ela voltasse a trabalhar no mês seguinte, já que ele só voltaria para casa três meses depois.


Notas Finais


Amores mais um cap aí, espero que gostem <3

Obs: Esse personagem novo(Drake) é o ator chace crawford.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...