História Second Thunder - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Chanbaek, Ficçãovsrealidade, Hunhan, Kaisoo, Ot12, Sulay, Taoris, Xiuchen
Exibições 85
Palavras 2.981
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Realizado


No final da tarde, os meninos estavam se arrumando, porque, de acordo com o plano de Baekhyun, eles iriam sair para jantar.

O difícil era convencer Kyungsoo a ir.

- Kyung, por favor! – Baek fazia uma carinha triste – Vamos nos divertir um pouco! Você parece uma criança, sabia? Deitado com esses braços cruzados e fazendo bico.

Kyungsoo não respondeu.

- Quer mesmo ficar sozinho aqui?

Nada de resposta e Baekhyun foi saindo do quarto.

- Baek, espera!

Baek sorriu sem Kyungsoo ver e se virou.

- O que é? – ficou sério.

- Eu vou. – se levantou da cama – Me esperem!

Kyungsoo foi se trocar e Baekhyun saiu do quarto com um sorriso.

- Tudo certo!

Eles sorriram.

- Tem certeza de que isso vai dar certo? Ele não é tão bobo... – Kai falou, se mostrando preocupado.

- Tudo vai dar certo, mas você precisa fazer direito.

Kai suspirou.

- Não sei se vou conseguir.

- Você vai sim, Jongin. – Chanyeol se intrometeu – Ah, você vai sim!

- Está me ameaçando?

Chanyeol era criança demais para saber brigar, então logo começou a rir, fazendo todos rirem também e aí Kai lhe puxou para um abraço.

Kyungsoo saiu do quarto, deixando a sala com o seu perfume.

- Não sabia que todo mundo ia. – Kyung falou, vendo que todos estavam prontos para sair.

- Pois é... – disse Baek – Então vamos?

Começaram a andar e foram saindo...

Quando só estava Baekhyun, Chanyeol, Kyungsoo e Kai, Baek deu início ao seu plano.

- Ah, espera... – parou no meio do caminho, antes de passar pela porta. Os outros pararam também.

- O que foi? – Kyungsoo perguntou.

- Eu esqueci um negócio no quarto.

- Quer que eu vá buscar?

- É porque é meio pesado...

- Então vamos juntos.

- Isso! – Baek sorria falso.

Enquanto Kai se sentia preocupado com aquele plano, Chanyeol estava se segurando para não rir. Como Baekhyun conseguia ser tão cínico?

- Onde está o negócio? – Kyungsoo entrou no quarto, enquanto Baekhyun ficou na porta e logo a fechou, trancando Kyungsoo – Ah, eu não acredito... – ele sussurrava – Baekhyun, abre essa porta! – falou num tom alto, chegando mais perto da porta.

Mas Baekhyun não respondeu.

Pegou a chave e entregou a Kai.

- Agora é com você.

E aí Baekhyun saiu rindo junto com Chanyeol e deixou Kai com Kyung.

Só que Kyungsoo não sabia daquilo.

Kai teria que acalmar Kyungsoo e ainda convencê-lo a ir para a clínica.

E o pior: Kyungsoo estaria furioso por ter sido trancado no quarto e Kai teria que acalmá-lo. Ele sabia como, mas precisava de coragem.

Olhou a chave em sua mão, respirou fundo e andou até a porta do seu quarto, onde Kyungsoo estava.

Colocou devagar a chave na fechadura e destrancou.

Logo, se afastou, porque sabia que um Kyungsoo furioso iria sair dalí.

- Cadê ele? Cadê o Baekhyun?

Kai só o observava.

- O que você está fazendo aqui? Cadê os outros?

Kai não respondeu.

- Fala, Jongin.

- Não me chama assim. – Kai falou baixo.

- Chamo do jeito que eu quiser!

Kai continuou olhando para Kyungsoo

- Vai me contar o que está acontecendo por bem ou por mal?

Kai respirou fundo e se aproximou de Kyungsoo.

- Vem cá. – pegou na mão do mais baixo.

Se sentaram no sofá, apesar da hesitação de Kyung. Um de frente para o outro.

- Vamos conversar? Com calma? – Kai começou, ainda tocando na mão de Kyungsoo.

- Sobre o que? Pensei que iríamos jantar. – ainda estava nervoso.

- Eu... Resolvi ficar com você de última hora.

- E quem disse que eu quero ficar com você?

Kai não respondeu. Sabia que precisaria ter paciência porque só Kyungsoo não percebia o que ele estava fazendo... Antes, Kyungsoo queria dormir com Kai e queria que Kai o perdoasse... Mas agora, já estava outra pessoa.

- Fica calmo, Kyung... – se aproximou mais um pouco – Sabe... – começou a sussurrar no ouvido dele – Eu sempre quis saber se é bom transar no sofá... – começou a morder a região.

Kyungsoo, é claro, já estava arrepiado e começando a ficar excitado.

Kai também ficaria do mesmo jeito, mas se sentia culpado em usar o sexo como desculpa para Kyungsoo ir a clínica.

Kyung começou a alisar as coxas de Kai, por cima da calça preta que ele estava usando.

Levou o pescoço mais para o lado, para que Kai pudesse se aproveitar mais, porém logo se afastou.

- Você não quer transar comigo só pra me acalmar e me levar pra clínica, certo?

Kai não respondeu.

Ficou em choque.

Como ele tinha descoberto?

- Claro que não. – Kai mentiu, tentando não parecer nervoso – De onde você tirou isso?

- Eu não sou idiota.

Kai sorriu.

- Não é nada disso. Eu só quero matar a saudade e não vi outro jeito e nem outro dia... Aproveitei hoje porque os meninos saíram.

Kyungsoo voltou ao sofá, quase se jogando em cima de Kai, mostrando uma personalidade totalmente diferente da de antes.

- É sério?

Kai fez que sim com a cabeça.

Ótimo, agora Kai era um mentiroso e se sentia mais culpado do que antes. Porém, ele se concentraria no que realmente queria e tinha que fazer.

Foi se aproximando de Kyungsoo, passando a língua pelos lábios do mesmo, sem começar um beijo...

Kyungsoo com os olhos fechados, tentava esquecer toda a sua raiva e apenas se concentrar nas sensações que Kai lhe dava. Levou sua mão até o começo da calça de Kai e a abriu, puxando o botão.

Kai começou a lhe beijar, levando também sua mão até a nuca de Kyung. Nisso, Kyungsoo já estava com a mão dentro da cueca de Kai, massageando seu pênis.

Sempre foi muito apressado.

Kai se ajeitou mais no sofá e Kyungsoo se levantou pronto para sentar no colo de Jongin, sem parar o beijo.

Kyungsoo começou a rebolar no colo de Kai, com as duas mãos no seu rosto, lhe beijando mais rápido. Kai com suas mãos na cintura do outro, começava a ficar excitado, porque não tinha como não ficar excitado com aquela situação.

Bom, podia esar excitado, mas tinha vontade de chorar. Não queria fazer aquilo com Kyungsoo... Não daquele jeito.

Mas já que começou, iria até o fim.

Passou suas mãos pelas costas de Kyung por baixo do casaco, levantando a roupa para que fosse retirada. Jongin fez o mesmo com a sua camiseta.

Era praticamente um sexo com roupas, já que Kyungsoo estava se esfregando bastante no colo de Kai e o mesmo já estava quase gozando com aquilo.

Kyungsoo já estava bem mais calmo. Muito mais calmo para falar a verdade. Se levantou e começou a tirar sua calça.

O dançarino ficou observando aquela cena e o volume que tinha ente as pernas de Kyungsoo. Ambos tinham um sorriso no rosto.

Kai teve vontade de aproveitar e tira o resto da sua roupa, mas se lembrou que aquilo não fazia parte do plano. Não era um sexo comum. Era um sexo para Kyungsoo e não para os dois.

Se levantou, sem tirar a calça, e sentou Kyungsoo no sofá, já nu.

Kai se ajoelhou e fez uma masturbação rápida em Kyung, que fechou os olhos e jogou a cabeça para trás, sentindo o prazer se espalhar pelo seu corpo.

Não demorou para começar a chupar, devagar, às vezes mais rápido. Queria acabar logo com aquilo... Nunca mais tinha se sentindo tão culpado desde a sua traição com Sehun.

Se sentou com as pernas abertas em cima de Kyungsoo e voltou a lhe beijar, mas dessa vez, era a sua vez de rebolar.

Se mexeu para frente e para trás, enquanto os pênis já eretos, se tocavam.

Aquilo doía um pouco. Eles precisavam se aliviar.

Mas para a sorte de Kai, o plano seria mais fácil do que pensava. No final, ele não se sentiria tão culpado, porque não precisaria transar realmente com Kyung.

 

 

O quadril de Kai doía. Ele não era sedentário, mas não era todo dia que ele rebola no colo de alguém. Aquilo era cansativo.

Kyungsoo também se sentia cansado.

Depois de tomarem banho e vestirem roupas leves, decidiram deitar.

Kyungsoo fazia um carinho nos cabelos loiros de Kai, que estava deitado em seu peito, o abraçando forte.

- Eu não consigo dormir, Kyung...

- Por que?

- Quero que você fique bem, Kyung. Eu amo você e você sabe disso, não é? Eu me sinto preocupado.

Naquele momento, Kai tinha esquecido do plano.

- Não aguento mais brigar com você, Kyungsoo... Por isso quero que você fique bem.

- Isso tudo é culpa minha, não é?

Kai pensou. Talvez fosse... Mas e se não tivesse existido aquela traição? Talvez Kyungsooe estivesse 100% bem.

- Vai ficar tudo bem.

Kyung suspirou.

- Eu te amo, Kai... E vou fazer esse esforço por você.

- É sério?

- Sim. Mas é por você. Só por você.

Kai abriu um sorriso.  

- Mas você precisa pensar em você também.

- Eu estou pensando em mim! Em nós dois.

 

 

Quando os meninos chegaram do jantar, – sim, porque apesar do plano de Baekhyun, eles realmente foram jantar – as roupas de Kai e Kyungsoo estavam espalhadas pela sala.

Os meninos começaram a ir, é claro. Andando pela sala com cuidado para não pisarem nas roupas.

- Pelo visto o meu plano deu certo. – Baek falava, dando uma olhada na sala.

- Eu não sei não... – Suho disse – Você trancou o Kyungsoo no quarto! Ele deve ter ficado bem irritado.

- O Jongin acalmou a fera. – e lá estava o sorriso malicioso de Baekhyun.

 

 

Lay ficou pensando no que Kai e Kyungsoo tinham feito.

Sehun e Luhan já tinham tido sua primeira vez.

Chen e Xiumin já tinha tido sua primeira vez.

Baekhyun, Chanyeol, Kris, Tao...

Até Sehun e Kai já tiveram alguma coisa, mas Suho e Lay... Nada.

Lay queria ter a sua primeira vez com Suho, mas sabia que o mesmo estava com medo e não queria apressar as coisas. Porém, estava difícil de segurar.

- No que está pensando? – Suho lhe perguntou, vendo que Lay estava distraído.

- Hum? Nada.

- Nada, não. Você estava pensando em alguma coisa.

- Eu só estou cansado.

Suho se aproximou de Lay e passou os braços pelo seu pescoço.

- Quer tomar banho?

- Com você? – passou os braços pela cintura do líder.

- É. Você não quer?

Lay sorriu como uma forma de sim.

Suho, tímido, tinha convidado Lay para tomar banho consigo... Só podia estar sonhando.

Os dois foram para o banheiro, mesmo sabendo que Tao e Kris chegariam no quarto daqui a pouco.

Suho não esperou que o chinês tirasse a sua roupa e lhe empurrou dentro do box.

Nem mesmo Suho tinha tirado a sua roupa.

Lay não entendia muito o que estava acontecendo com Suho... Logo ele, que era medroso, estava tão... Ativo.

O líder ligou o chuveiro na água quente e se ajoelhou. No começo se incomodou com a água batendo várias vezes nos seus pés, mas o que viria a seguir, lhe tiraria a atenção.

Enquanto estava ajoelhado, olhava Lay e abria o botão da sua calça.

Lay tinha um sorriso no rosto, imaginando a cena a seguir.

Abaixou a calça de Lay, passando as mãos de leve e de propósito pelas suas coxas, arrepiando o chinês.

Como Lay pensava, não demorou, e Suho já estava com todo o pênis de Lay, que não era pequeno, dentro da boca, sem parar de chupar pelo menos para respirar.

Suho mantinha apenas uma velocidade. Rápido. Lay se preocupou porque Suho não tinha parado nem por um segundo, pelo menos para respirar. Mas Lay estava sentindo tanto prazer, que decidiu ignorar o que pensava antes.

- Suho... – gemeu seu nome.

Tirou o pênis da boca, sorrindo satisfeito em saber que Lay chegou em seu ápice.

De fato.

Suho masturbou Lay mais um pouco, olhando seu rosto, feliz por ter conseguido dar prazer ao quase namorado.

Não conseguiu ficar em pé, porque há muito tempo não sentia um prazer tão bom.

Foi escorregando pela parede e sentaria no chão, se Suho não tivesse levantado e lhe segurado pelos braços.

Suho tinha um sorriso.

- Já que eu ainda não estou pronto para a nossa primeira vez... – passou a mão na boca, a limpando – Isso é o mínimo que posso fazer.

Lay sorriu, ainda fraco e sendo segurado por Suho.

- Como eu posso te recompensar?

- Hum... Eu não sei...

- Não quer tirar essa roupa? Você fica mais bonito sem elas.

- Mas você nunca me viu sem roupas.

- Então deixa eu ver agora.

Suho deu uma risada envergonhada e saiu do box.

Lay acabou ''acordou'' do prazer que ainda sentia.

- Suho! Volta aqui, poxa!

Mas Suho já estava fora do banheiro.

Lay riu da situação. Ele tinha gostado... E muito.

Não tinha sido o mínimo, e sim o máximo.

Suho voltou para o quarto ensopado e Tao e Kris já estavam lá. O olharam meio sem acreditar no que estavam vendo.

- O que leva uma pessoa a tomar banho com roupa? – Kris perguntava a Tao, com ironia.

- Hum... Eu não sei, Kris. Acho que ele não estava tomando banho.

- Não?

- Não.

- Então o que eles estavam fazendo?

- Acho que... – Tao começou a rir, com Kris o acompanhando.

Suho já tinha seu rosto quente pela vergonha.

- Parem com isso! Eu estava sim, tomando banho.

- Tenho minhas dúvidas. – Tao sussurrou.

- Eu ouvi isso. – Suho retrucou.

Lay saiu do banheiro com a toalha na cintura, se sentindo feliz, calmo e realizado.

Porém, quando viu Suho ainda com a roupa molhada, colada no corpo, seu corpo esquentou.

- É... – Kris começou – Pelo visto, não era só um banho.

Suho revirou os olhos e foi entrar no banheiro para realmente tomar um banho, até sentir o seu braço sendo puxado por Lay.

- Aquilo não acabou alí. Você sabe, não é? – Lay sussurrava.

Suho sorriu.

Lay decidiu considerar aquilo como uma resposta positiva.

Tao e Kris se olharam meio sem jeito. Os dois acabaram se lembrando do que havia acontecido entre ambos e não conseguiam esquecer.

Kris gostava mesmo de Tao e Tao também gostava de Kris, mas eles não queriam admitir para eles mesmo que sentiam atração por homens.

Kris como sempre foi o mais maduro, iria resolver aquilo naquela noite mesmo.

Em um dos quartos, Luhan já estava sendo engolido pelo seu cobertor e Sehun na sua outra cama, ria de Luhan.

- Não está tão frio assim, Luhan!

- Está sim!

- Ninguém mandou você tomar banho de água gelada.

- Eu precisava!

- Hum... E por que?

- Porque... Porque... Porque sim!

- Eu até já imagino. – Sehun ria bastante e Luhan apenas revirava os olhos.

O motivo de Luhan ter tomado banho de água gelada, bem, ele ficou excitado ao pensar no que Kai e Kyungsoo tinham feito, porque se lembrou das suas vezes com Sehun... E... Luhan queria dar um tempo no sexo.

- Mas enfim... – Sehun supirou – Gostou da viagem?

- Foi bem legal. E você? Gostou?

- Gostei também. Mas acho que poderíamos ter ficado mais tempo.

- Então faz outra viagem. – Luhan riu.

- Só se você for comigo.

- Eu vou.

Luhan estava praticamente dormindo, então não tinha ideia do que falava. Já Sehun, levou aquilo a sério.

 

 

No outro dia, Kai acordou Kyungsoo com beijos no rosto, dizendo que levaria o mesmo para a clínica.

Kyungsoo suspirou. Não queria ir, mas precisava fazer aquele esforço por Kai e por ele.

- Espera, mas sou eu quem vou levar! – Baek reclamava, vendo que os dois saíam.

- Eu levo e pronto. – Kai retrucava.

- Deixa ele, Baek! – Kyungsoo falava manhoso. Ainda estava com sono.

- Então quer dizer que eu acordei cedo pra nada?

Kai e D.O se olharam e responderam:

- Sim.

Baekhyun revirou os olhos e abraçou o amigo.

- Vou te visitar sempre, ok?

- É bom mesmo. E não esqueça de mandar um beijo para os meninos.

Kai pegou uma bolsa de Kyungsoo que estava encostada na parede e saíram.

 

 

Quando chegaram, o médico admitiu ter ficado preocupado por D.O não ter aparecido no dia anterior.

- Eu tive que resolver umas coisas. – Kyung falou, meio sem graça, enquanto olhava Kai por baixo.

- Então esse é o Jongin? – Jinyoung olhou para o moreno, estendendo a mão.

- É. – Kai sorriu – Mas prefiro Kai.

- Kai, então. – o médico sorriu e apertou sua mão – Bem, eu espero você na sala, ok?

Kyungsoo fez que sim com a cabeça e Jinyoung se retirou.

Olhou Kai com vontade de chorar e Kai também estava com vontade, mas teria que ser forte, para não passar fraqueza ao... Namorado.

- Prometo que venho te ver todos os dias. – Kai alisava seu rosto.

- Mas visitas é só uma vez na semana!

- Não importa! Eu arrumo um jeito.

D.O sorriu.

- Eu amo você, Kyung. Fica bem, tá?

- Eu vou ficar.

Kai deu um beijo na sua testa e esperou Kyungsoo entrar no elevador, para ir embora.

 

 

Quando Kai chegou, por sorte, Chanyeol e Suho já estavam servindo o almoço.

Kai não tinha tomado café, então estava morrendo de fome.

Baekhyun foi correndo até ele.

- Como foi? Ele chorou?

Kai riu um pouco.

- Ocorreu tudo bem, Baek. Fica tranquilo!

- Eu teria ficado tranquilo se eu tivesse o levado!

Kai revirou os olhos, ainda rindo, e se sentou na mesa, junto com os outros.

 

 

Kris quis dispensar os meninos e lavar a louça. Fez questão de pedir a ajuda de Tao.

- Não entendo por que quer a minha ajuda. Fiz algum mal pra você? Sério! Lavar louça é tão ruim! – Tao reclamava, enquanto lavava um copo.

- Tao, eu quis você aqui comigo porque quero conversar com você.


Notas Finais


finalmente kaisoo se resolveu, não aguentava mais a briguinha deles asksjskjsskj
team sulay está feliz??? espero que sim!
um pouco de paz é bom, né?
agora, vamos ver o que vai rolar com kristao rsrs
se não me engano, o próximo capítulo é o último, até logo! ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...