História Secret Agents - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~LadyCheetah

Postado
Categorias Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Emily Rudd, Fifth Harmony, Jack & Jack, Jacob Whitesides, Little Mix, Madison Beer, Magcon, Mahogany LOX, Matthew Espinosa, Nash Grier, Natalia "Nah" Cardoso, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Personagens Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Camila Cabello, Carter Reynolds, Emily Rudd, Hayes Grier, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Jacob Whitesides, Madison Beer, Mahogany LOX, Matthew Espinosa, Nah Cardoso, Nash Grier, Perrie Edwards, Personagens Originais, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Exibições 25
Palavras 1.375
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Festa, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que gostem.

Capítulo 1 - The Rescue


Fanfic / Fanfiction Secret Agents - Capítulo 1 - The Rescue

Em algum lugar nos Estados Unidos...

— Ninguém se mexe ou eu mato o grandão ali — gritou um cara armado, o mesmo usava um capuz impedindo que vissem seu rosto, ele indicou o homem ao canto.

— Está tudo bem cara — falou o rapaz, que pela barba quase branca diria ser o mais velho — Pode levar o que quiser.

— Não quero nada idiota — falou e logo mais dois homens adentraram o local — Isso é um sequestro, então suas vidas agora estão nas mãos do grande governo americano, se eles não pagarem, vocês morrem. Então vamos esperar que eles paguem, não é mesmo?

Casa Branca, Washington Dc....

— Senhor — falou a secretária adentrando a sala — O chefe de polícia está aqui para vê-lo.

— Por favor Alice, peça que ele entre — ele a olhou de soslaio e ela assentiu saindo da sala.

Logo a porta se abriu e dois homens passaram por ela.

— Olá, Sr. Prefeito — falou o chefe de polícia estendendo a mão.

O prefeito se levantou e apertou a mão do homem a sua frente, apertando a do homem ao lado logo em seguida.

— Qual a situação, Frederic? — Perguntou o prefeito sentando-se e fez sinal para que os dois homens sentassem nas cadeiras do outro lado da mesa.

— Segundo o negociador, eles querem dez bilhões — Frederic respondeu temendo a reação do prefeito.

— Dez bilhões? Eles querem dez bilhões pelo resgate? — assustou-se o prefeito.

— Senhor, são cidadãos americanos e quando a identificação foi feita nos reféns, descobrimos que são famosos, se isso virar um massacre creio que....

— Já basta — interrompeu o prefeito — O que sabemos dos sequestradores?

— São três, estão altamente armados, usam máscaras e estão sendo persistentes com a quantia.

— Sabem o que estão fazendo — suspirou — Vamos organizar a quantia.

— Senhor, se me permite, tomei a liberdade de criar um plano B, caso o senhor queira utilizá-lo.

— É qual seria ele? — perguntou interessado.

— Sr. Prefeito, este é Augustos Horan, ele lidera uma agencia secreta de espionagem e resgate subjugada da C.I.A. — Frederic apresentou o homem bem vestido que apenas observava a conversa com um interesse.

— Diga-me senhor Augustos, é uma operação segura?

— Sim senhor prefeito, 100% segura — respondeu o homem com convicção.

— E as despesas?

— Sem despesas senhor, só precisamos de sigilo total, ninguém saberá da nossa operação a não ser, é claro, a minha organização e os meus superiores.

— Se me permite — Frederic puxou algo do terno e pôs sobre a mesa — Isso seria o que diríamos aos jornalistas.

O prefeito pegou o papel e o analisou, em seguida baixou e encarou os dois homens a sua frente.

— Se algo der errado....

— Acredite — Augustos interrompeu — Minhas agentes são profissionais, o senhor só precisa aceitar e o trabalho vai ser feito com total cautela, isso eu posso lhe garantir.

— Eu aceito — suspirou o prefeito preocupado — Mas se algo der errado, não pouparei esforços em culpa-los.

— Pode guardar a culpa para outro alguém, Clovis — Augustos levantou com um sorriso e ajeitou seu paletó — Terá seus cidadãos a salvo em menos de uma hora.

E assim ele ausentou-se da sala deixando Clovis e Frederic se encarando confusos.

— Nos vemos em breve senhor prefeito — Frederic levantou-se e saiu batendo a porta

Deposito, EUA.

Uma claridade invadiu o pequeno deposito que ficava no quinto andar, uma grande porta de aço pousou ao chão sem fazer barulho algum, os presentes ali ficaram imaginando como aquilo era possível, mas, logo suas perguntas foram respondidas, quando três garotas surgiram pela corda que havia sido lançada, os reféns tentaram fazer o mínimo de surpresa possível para não alertarem seus sequestradores, que estavam ocupados vagueando pelo corredor à espera do telefonema, avisando sobre o dinheiro pedido.

— Quem são vocês? — Perguntou uma garota ruiva que antes era a única garota presente ali, até a chegada das misteriosas.

Uma delas riu e falou algo em Russo, os reféns se olharam confusos e olharam para a garota.

— Desculpe os meus maus modos — falou a loira ajeitando a bandana que cobria seu nariz e sua boca — Nós somos o resgate

— Aqui não tem saída, é um deposito — falou um dos garotos fazendo as três rirem.

— Tem uma porta — falou a morena indo até a mesma e girando a maçaneta — E como eu imaginava está trancada, mais que bonito.

A mesma também usava bandana e uma máscara, igual a das suas companheiras, seus cabelos estavam presos num rabo de cavalo e usavam um macacão preto colado, muito parecido com os das espiãs dos filmes.

— Porque máscaras e bandanas? — Perguntou um garoto de bandana.

— Disfarce é tudo, Caniff — falou a castanha e saiu andando até a porta.

— Ela sabe o meu nome — o garoto virou-se para seus amigos, tão confusos quanto ele — Como ela sabe meu nome?

— Chega de conversa — falou a loira e chutou a porta que logo abriu — Problema resolvido, fiquem aqui e esperem pela polícia.

Saiu e a castanha a seguiu, a morena parou na soleira da porta e virou-se para olha-los uma última vez.

— Só para deixar claro — piscou — Vocês nunca nos viram e podem dizer que qualquer um arrombou a porta, só para pagar de machão.

Riu e saiu em seguida, deixando os outros ali presente confusos e curiosos.

— Quem vocês acham que elas são? — Perguntou a garota

— Com certeza profissionais — falou o de cabelos longos — Mas se elas dizem que são o resgate, não vamos recusar ajuda, não é mesmo?

...

A polícia adentrou o local e os sequestradores estavam desmaiados, suas armas estavam penduradas no lustre, as granadas grudadas na parede com fita adesiva formando uma sigla e uma Shuriken estava presa na perna de um dos sequestradores, resultado de um xingamento. Os reféns foram liberados e quando questionados pela imprensa sobre o que aconteceu lá dentro, eles apenas disseram que foram sequestrados e que foram resgatados pela polícia.

Ao longe, em cima de um dos prédios, as três garotas assistiam a cena dos repórteres questionando os meninos e a menina, e dos policiais prendendo os sequestrados que andavam meio grogue e falando coisas desconexas, sobre três garotas loucas que haviam surgido do nada e os atacado.

— Chefe — a loira falava ao telefone — Missão cumprida.

A mesma logo assentiu para as meninas e desligou o celular, guardando no bolso.

— Aonde vamos agora? — perguntou a morena num suspiro cansado.

— A lugar algum — a loira deu de ombros.

— Fomos dispensadas? — a castanha perguntou nervosa.

— Estamos de férias Panda, Augustos acha que nós trabalhamos muito nos últimos anos e que agora finalmente, podemos descansar.

— Dedicamos sete anos da nossa vida a essa organização e agora ele nos dá um descanso? Ele está nos despedindo de uma forma discreta e sutil — falou a morena irritada — Poupe-me da sua inocência, Pantera

— Ele nos deu uma escolha Unicórnio, temos seis meses para descansar e fazer o que bem entendemos, depois disso, decidimos se voltamos ou não.

— Discreto e sútil — bufou a mesma irritada.

— Tudo que ele fez foi para nos salvar, eu e a Panda temos dez anos na agencia, conhecemos o protocolo — a loira falou irritada olhando a morena sentada — Então sugiro que seja grata e aproveite suas férias.

Pantera suspirou irritada, se levantou e deu as costas as outras duas garotas.

— Sugiro que pense muito durante esses seis meses e aproveite ao máximo, só não esqueça que precisa de uma resposta, não farei isso por você — a mesma saiu andando deixando as duas olhando as pessoas se dispersarem lá em baixo.

— Vamos — Panda tocou seu ombro e deu as costas.

— Uma escolha? — Unicórnio perguntou para a amiga — Isso é o que nos separa dessa vida?

— Sim, a nossa escolha, da nossa vida, mas não se preocupe com isso agora, vamos aproveitar...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...