História Secrets of Love - Capítulo 37


Escrita por: ~

Exibições 525
Palavras 1.472
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oii gente

Capitulo lindo pra vocês
serio
ele ta BIURIFOU

eu tenho uns avisos para dar
mas vou esperar as notas finais

a Aileen estreando aqui
parte pequena?parte pequena
A MAIS (luba)
vocês tem que achar ela engraçada por enquanto
por que talvez vocês odeiem ela depois
(que?)
(opaaa)

bora ler :*

Capítulo 37 - Eu te amo meu pequeno


Fanfic / Fanfiction Secrets of Love - Capítulo 37 - Eu te amo meu pequeno

P.O.V Batista

Estou sentado do lado de Guaxinim na van, Jv esta sentado no penúltimo banco, ele esta me evitando, isso esta me destruindo, eu gosto muito dele...

- Batista você ta bem? – Guaxinim me pergunta preocupado

- Não... - Digo com os olhos marejados

- Não chore Batista, vem aqui – Guaxinim diz e me abraça – Ele que ta perdendo ficando sem você

- Obrigado Guaxa – Digo com a cabeça em seu ombro, ficamos assim por um bom tempo

- Jv esta me fuzilando – Guaxa diz rindo olhando para trás – Deve estar com ciúmes

- Problema dele – Digo meio triste, volto a sentir meus olhos marejarem

P.O.V Jv

Eu vou matar o Guaxinim se ele não soltar o Batista agora mesmo. Os dois estão abraçados a dois bancos de distancia de mim, eu fiquei chateado com o que o Batista disse, mas foi por pouco tempo, sumi o resto da tarde tentando pensar em algo para o pedido, mas, será que ele ainda vai me querer até lá?

[...]

Chegamos no colégio, descemos da van com nossas coisas, Batista esta com uma cara meio triste, queria poder abraça-lo, mas... não quero estragar a surpresa, ele aguentaria até lá? Eu vou aguentar até lá?

- Boa noite pessoal! – Mike diz puxando Pac pelo braço em direção a seu quarto

- Guaxinim, eu vou levar o Cell na enfermaria, se quiser ficar no nosso quarto, a proposta ainda ta de pé – Felps  diz abraçando Cellbit

- Não, eu preciso enfrentar isso – Guaxinim diz cabisbaixo, mas sinceramente, não estou com dó dele agora...

- Ta bom, Jv, leva nossas coisas para nosso quarto por favor? – Felps me entrega duas cobertas e duas mochilas

- Levo – Sorrio e eles vão em direção a enfermaria, olho para trás e Batista já tinha ido para o quarto

Sigo para os dormitórios e chego no quinto andar, passo pelo corredor e vou até o ultimo quarto (quarto de Cellbit e Felps), abro a porta e deixo as coisas deles lá, saio e vou para nosso quarto, abro a porta, vejo que Batista já esta dormindo em sua cama, deixo minhas coisas ao lado de minha cama e deito na mesma.

Queria minha Batatinha aqui comigo, meu pequeno..., mas não posso, ele tem que achar que estou ignorando ele, assim a surpresa será maior, só não sei se vou aguentar ficar sem ele, o ver tão triste me destrói por dentro.

Começo a ouvir o barulho de alguns soluços baixinhos, como se tivesse alguém a chorar, será que é o Batista?, por favor que não seja, não vou aguentar o ver, ouvi-lo chorar, me levanto sem fazer barulho e vou até a cama dele, ele esta de costas, mas o barulho dos soluços dizia que ele esta chorando, preciso consola-lo, abraça-lo, não posso o deixar triste por minha causa quando tudo que eu quero é fazer ele feliz, que se dane a surpresa, eu amo o Batista e ele precisa de mim agora.

- Ba... – Coloco a minha mão em seu ombro

- Não me toca – Batista diz me cortando bravo com voz de choro

- Batista eu ... – Digo mas de novo sou interrompido

- Porra, para, sai João – Ele diz chorando, “João”?

- João? – Digo triste – O que aconteceu com “Jotinha”?

- Ele me abandonou naquela chácara – Batista se vira ficando de frente para mim, vejo que seu rosto esta encharcado – Me ignorou, fingiu que eu não existia, me iludiu dizendo que gostava de mim e depois me largou agindo como se nada tivesse acontecido – Ele se senta

- Batista me desculpa – Digo quase a chorar por ver ele tão mau

- Desculpar? Desculpar pelo o que? Você não tem culpa de nada, como você mesmo disse, eu não sou nada seu – Ele fala chorando, “Você não é nada meu”... por que eu falei isso?, o abraço forte ao vê-lo tentando limpar as lagrimas – João me solta – Ele diz com voz chorosa

- Não, eu não vou te soltar, Batista, você é meu sim, você é o meu amor, minha Batatinha, você é meu pequeno, e muito mais “meus” que eu vou inventar – Sinto ele abraçar forte a minha cintura – Mas acima de tudo você é meu, inteiramente e completamente meu – O aperto em meu abraço – Batista... eu te amo

- Isso é verdade? – Batista diz me olhando nos olhos, seguro seu rosto e o beijo sentindo o gosto de suas lagrimas salgadas, peço passagem e ele cede, o beijo com todo o amor que eu sinto por ele, o ar acaba e o beijo também, Batista esconde o rosto em meu peito

- Jotinha eu também te amo – Batista diz com a voz abafada, sinto uma alegria enorme percorrer todo o meu corpo, fico a fazer carinho em seus cabelos por um tempo

- Vem – Digo o levando comigo para a minha cama, nos deitamos e ele deita sua cabeça em meu peito volto a fazer carinho em seus cabelos, vejo que ele dormiu e logo adormeço também.

P.O.V Cellbit

Felps vai comigo até a enfermaria, chegamos na enfermaria e a enfermeira logo aparece, uma mulher que aparenta ter uns 30 anos, cabelos marrons e olhos azuis, magra, vestindo um jaleco branco com um vestido azul claro por baixo.

- Olá meninos, em que posso ajudar?- Ela nos pergunta sorrindo

- Meu namorado esta com um pouco de febre e passando mal – Felps fala tomando minha frente, vejo a mulher se assustar quando ouviu “meu namorado”, espero que ela não seja preconceituosa

- Assim – Ela sorri – Vocês ficam bonitos juntos, deita aqui querido – Ela diz sorrindo e eu a obedeço, me deito na maca e ela me examina – É apenas uma virose leve, vou aplicar um pouco de soro em você e logo estará melhor – Ela diz e vai pegar uma bolsa de soro, Felps segura minha mão enquanto ela aplica a agulha em meu braço – Eu vou atender uma menina e depois volto meninos – Ela fala saindo da nossa divisória

- Chega pra lá – Felps diz e eu vou para o canto da maca, ele se deita do meu lado

- Essa agulha ta me machucando – Digo triste e baixinho enquanto ele me abraça

- Coitado do meu bebe – Felps diz beijando minha testa

- Amor – Digo rindo – “Bebe” é o apelido mais broxa que existe

- Af ta – Felps bufa – Coitado da minha puta – Ele diz rindo

- Idiota – Digo dando um tapa em seu braço rindo

- Ai amor – Ele ri – E não é? – Ele me olha malicioso

- Claro né amor – Digo malicioso e desço minha mão de seu peito até seu membro apertando o mesmo

- Não provoca – Ele me diz malicioso

- Por que não? – Aperto de novo

- Cellbit – Felps sorri

- Que? – Sorrio apertando de novo

- De mim você não escapa – Ele fala sorrindo malicioso

- SAI! – Uma menina entra correndo e gritando na divisória

- Aileen( se fala “ Ailin “ ) você precisa deixar eu dar ponto – A enfermeira aparece na porta

- NUNCA! – A menina se encolhe no canto – Me salvem, ela é louca! – Aileen grita para mim e para Felps que observávamos tudo, Felps tenta se pronunciar mas a menina consegue driblar a enfermeira e foge

- É cada uma que me aparece -  A enfermeira diz rindo – Bom... acho que já é o sufiente, pode voltar para seu quarto e ter uma ótima noite de sono – Ela diz retirando a agulha de meu braço e eu olho para Felps com cara tipo “ Ouviu né?” e ele ri

- Que bom! Obrigada Sr...? – Digo mas não sei seu nome

- Sabrina, apenas Sabrina – Ela diz sorrindo

- Apenas Sabrina! – Digo rindo – Eu sou Rafael e ele é o Felipe – Digo me levantando da maca

- Bom conhecer vocês meninos, agora boa noite, preciso fechar a enfermaria – Sabrina diz sorrindo nos acompanhando até a porta – Não voltem aqui tão cedo em!

- Pode deixar! – Felps diz me abraçando de lado, saímos da enfermaria

Seguimos para nosso quarto, entramos no mesmo e encontramos nossas coisas no chão, Felps pega os cobertores e leva até sua cama começando a arruma-la, eu ainda não dormi na “minha” cama, nem sei se ela é confortável, Felps não me deixa ficar nela, ele as vezes tem algumas atitudes possessivas, mas não me importo, eu gosto disso

- Amor vou tomar banho ta? – Digo pegando uma toalha

- Vou junto ! – Felps diz vindo atrás de mim

 

- Não vai não – Digo rindo abrindo a porta do banheiro, Felps me prensa na parede e me beija ferozmente, sinto suas mãos segurarem meu quadril colando nossos corpos e um arrepio percorrer todo o meu corpo, o ar acaba e ele me olha sorrindo me soltando, sorrio para ele e corro para dentro do banheiro fechando a porta em seguida, suspiro aliviado.


Notas Finais


Jvtista is so cute
( ja pode parar com as ameaças ta? okay? okay.)

Cellbinho fugindo do Felpolino
(aaaaah)
(na verdade tava com preguiça de escrever lemon, abraços)

entaaão
essa semana,esse sabado (22/10)
é minha festa de quinze anos ( socorro que eu vou explodir)
minha mom pegou folga a semana inteira
e vocês sabem o que isso quer dizer né?
talvez não tenha capitulo essa semana
eu estou com os dias ocupados
tem dentista
tem prova do vestido
tem parentaiada chegando
uma completa loucura
felizmente o Paraná(ou Curitiba, i don't understend) esta em greve de professores e os alunos ocuparam meu colégio
então uma coisa a menos
então sorry migs

A MAIS(luba)
não vai faltar capitulo
pois eu estou bem adiantada
então provavelmente os capítulos vão voltar a ficar mais frenquentes

acho que é isso
até a proxima
beijos migs
:*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...