História Sede, Sangue e Sedução. (Interativa) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Visualizações 26
Palavras 1.752
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa noite meus sombrios ^-^

Vou esclarecer algumas coisas aqui okay?
Bem se alguns tiver se perguntando por quê a Luanna e a Alex aparecem demais na fic, ou pq a Luanna conhece mais "pessoas" ate mais que a Alex... bem a Luanna é minha personagem, por isso ela conhece todos e a Alex da minha irmã mais nova, só pra deixar claro mesmo. Por isso elas aparecem mais ^-^

E a segunda coisa é que não importa o número de favoritos, comentários ou exibições... eu não vou parar a fic por causa disso, ate pq eu amo escrever sobre coisas sobrenaturais.

~~BOA NOITE E BOA LEITURA~~

Capítulo 6 - Um dia de paz.


      Na Manhã Seguinte

Luanna havia acordado no horário de sempre, suas primeiras aulas seriam de história e como todos decidiram que seria o melhor evitar os Vause o melhor era não ir a aula, em vez disso ela decidiu ir resolver uma coisa antes que uma guerra começasse e muito inocentes morressem.

- Sabia que você estaria aqui. - Luanna entra em uma academia de luta.

- Entra Luanna, fica a vontade. - Disse Sol irônica enquanto treinava.

- Que lugar e tanto... - A morena começa a andar.

- Seja bem vinda ao meu quartel general. - Ela ainda socava fortemente um cara que treinava com ela.

- Você vai mata lo.

- Ele está acostumado... mas afinal o que você quer? Preocupada com meu bem estar é que você não estava.

- Vim te pedir um favor.

- Estou ouvindo.

- Não faça nada. - Pediu Luanna. - Por favor deixe essa história de vingança de lado.

- Não posso fazer isso... meus morreram, logo serão outros ou os seus. - Sol desce do ringue. - Essa história começou quando um garoto qualquer morreu por se envolver com pessoas erradas.

- Claro os culpados somos nós por não andar com plaquinhas de identificação por seres.

- Luanna, pense nós outros... pense na Alex...

- Não coloque o nome dela na conversa! - Luanna segura o braço fortemente o braço da Sol.

- Só quero dizer que você deveria pensar na sua irmã, ela pode ser a próxima ou qualquer outro dos seus amigos. - Sol se solta.

- Por pensar nela e neles é que eu te peço pra deixar tudo isso em paz, sabemos qual é o nosso destino no final.

- Destino de vampiros, hereges ou híbridos! - Exclamou Sol. - Bruxos podem viver uma vida normal longe de tudo isso.

- Então isso é por causa deles? Você quer começa uma guerra por causa de dois simples bruxos? - Perguntou Luanna.

- Por causa dela. - Sol indica uma sala com a cabeça.

Na sala havia uma pequena menininha sentada cabisbaixa balançando os pés, Luanna olha pra menininha e se lembra da sua irmã já que ambas tinham semelhanças.

- Ela se chama Lana Morrison, era filha do casal... eles tiveram uma linda história de amor e dessa história nasceu a Lana. - Luanna ouvia tudo e sabia o motivo que a Sol queria se vingar pela Lana.

Aos quinze anos Sol e seus pais foram assassinados na saída de um teatro, por causa de um assalto mal sucedido, seus pais foram os primeiros a morrer. Sol ainda conseguiu ver os olhos de seus pais fecharem e quando os seus também estavam, alguém aparece e da sangue para ela pensando que assim ajudaria mais não adiantou, então ela foi mordida e morta. Quando se tornou vampira conheceu Manoel que a ajudou e a treinou, por mais que a Sol parecesse doce por dentro o espírito de vinhaça a tomava, ela queria vingar a morte dos pais.

- Você entende agora? - Pergunta Sol. - O porque?

- Quando você vai começar?

- Prefiro que você não saiba. - Sol volta ao ringue. - Quero você longe, assim como você quer a Alex e seus amigos.

- Assim seja. - Disse Luanna saindo. - Podemos pelo menos ter essa noite de paz para saldar nossa regente?

- Claro! - Exclamou Sol. - Aproveite e leve um lindo presente. - Luanna assentiu e saiu.

       Naquela Tarde

Luanna e Alex andavam pelas ruas do Brooklyn vendo os preparativos para a festa em homenagem aos antepassados, os bruxos foram os primeiros a fundar o bairro do Brooklyn e assim aquele luga os pertencia.

- O que você faz hoje pela manhã? - Perguntou Alex.

- Resolvendo algumas coisas.

- Devo me preocupar? - Perguntou a loira.

- Deve se divertir. - Respondeu Luanna.

- A regente parece ser forte.

- Não só parece ela é forte. - Elas param em frente a cafeteira da Becca.

- Café? - Perguntou Alex e a loira percebeu que a irmã olhava pro final da rua aonde vinha um morena.

- Peça um especial pra mim, a Becca sabera do que estou falando.

- O.k.! - Alex deu um sorrisinho e entrou.

- Luanna! - O rapaz a chama.

- JP. - Ela espera o rapaz vim ate ela. - Queria te pedir desculpa por ontem, não queria te deixar sozinho naquela sarau.

- Não se preocupe. - Ele da um meio sorriso. - Estou acostumado a ficar sozinho.

- Você topa tomar um café? Quero te apresentar algumas pessoas.

- Claro! - Ele abre a porta do café e Luanna adentra e logo em seguida ele.

- JP... - Eles se aproximam da bancada. - Essa é Rebecca Miller ou Becca como a chamamos. Ela trabalha aqui, esse é Theodore Rodriguez chamamos ele de Theo e parece que nunca sai daqui. - Luanna deu um sorriso irônico e Theo retribuiu. - Ela é Alex Bursett minha irmã.

- Prazer! - Disse todos em coro.

- Aqui. - Becca entrega um café pro moreno. - Por conta da casa.

- O-obrigada.

- Eu que agradeço. - Diz Becca e o rapaz não entende. - E aqui esta o seu Luanna.

- Obrigada. - O copo da morena havia um canudo, naquele como não era café e sim sangue.

- Vocês vão para a festa da rua? - Perguntou JP.

- Temos que ir. - Respondeu a Alex.

- Sério? Por que? - Perguntou ele.

- É tradição. - Respondeu Theo.

- Só não entendi o nome Offering Ariolos. - Disse JP.

- Oferenda às bruxas. - Diz Becca.

- Bruxas? - JP arregala os olhos.

- É uma lenda...história antiga. - Diz Luanna. - Que conta como o Brooklyn foi formado por três bruxas, Ângela Lavi, Yunit Saluvi e Henutmire Lancar.

- E as bruxas são representadas por três garotas. - Concluiu Alex.

- O que nós fazemos? - Perguntou JP.

- Como o nome mesmo diz... oferendas, levamos oferendas. - Disse Becca.

       Naquela Noite

As ruas estavam cheias de pessoas o que mostrava que o Brooklyn estava cheio de vidas, e isso era importante de mais para todos ali e se a noite terminasse em paz seria um ótimo sinal de paz.

- Isso é incrível! - JP estava maravilhoso com tudo.

Com as pessoas com fantasia, as bebidas, ruas decoradas e principalmente as três garotas que representava as três bruxas fundadoras, Sol Brejnev era a principal por ser do clã do Brooklyn.

- Eu trouxe flores sera que ela aceita? - Perguntou JP.

- Claro que sim. - Respondeu Theo.

- Vamos. - Luanna, Alex e Becca caminham em direção as três garotas.

- Senhoria Bursett. - Sol abriu um sorriso radiante ao ver que ganharia presentes. - Me surpreenda.

- Da Bulgária amuletos sagrados... - Luanna abre a caixa e dentro dela havia maravilhosas jóias de brilhantes e diamantes. - É de família, por isso tem um valor não só simbólico mas também sentimental. 

- Estou honrada por receber tamanho presente, obrigada. - Sol agradeceu e Luanna colocou a caixa aos pés dela.

- Não sabia o que trazer então trouxe flores. - Disse JP tímido. - Espero que goste. 

- Você é amigo da Luanna? - Perguntou Sol.

- Sim! - Respondeu ele.

- Muito obrigada. - JP deixa as flores aos pés da Sol.

- Ela é linda. - Disse o moreno enquanto os outros preventiva a Sol.

- É sim. - Concordou Theo.

- Estou faminta! - Exclamou Becca.

- Rebecca, se controla. - Theo a segura.

- Um lanchinho não faz mal a ninguém isso eu garanto. - Diz Alex.

- Venho já. - Becca sai rapidamente.

- Pra onde ela foi? - JP olha para os lados.

- Pra alguma barraca de comida não sei bem. - Respondeu o Theo.

- Acho que vou junto! - Alex abre um sorriso. - Vamos Luanna.

- Tenho que ficar com o JP. - Disse a morena.

- Eu cuido dele... - Diz Theo. - Odiaria ver vocês duas famintas.

- Voltamos já. - Alex puxa a Luanna.

Elas andaram por uma rua um pouco mais afastada, ali perto havia um casal namorando, a testosterona a adrenalina nos corpos deles deixava tudo melhor.

- Eu fico com ela. - Disse Alex.

- E eu fico com o excitado? Eca! - Elas correm e cada um puxa um pro beco escuro que tinha ali perto.

Ambos gritavam a garota cedeu rapidamente porque sabia que era inútil já que a Alex era mais forte, porém seu namorado gritava várias vezes o nome dela e pedia para soltar lá, o rapaz deu um soco na cara da Luanna mas piorou tudo. Com os olhos pretos e famintos ela enfiou suas presas no pescoço do cara e se alimentou dele, mas não por completo, elas só queriam matar a fome e não matar ninguém.

- Esse sangue é seu ou dele? - Alex olha pro rosto da irmã e ver que seu nariz sangrava.

- Dele. - Luanna morde a mão e da um pouco de sangue pro casal beber mesmo que a força. - Por que sempre fico com os maiores?

- Porque você é a mais velha. - Alex pega a garota para hipnotiza lá. - Vocês vão voltar para aquela rua e esquecer tudo como se nada tivesse acontecido e vão se divertir. 

- Nós vamos voltar pra aquela rua e esquecer tudo como se nada tivesse acontecido e vamos nós divertir muito.  - Repitiu a garota.

- E vão parar de ficar se agarrando em lugares escuros porque isso é perigoso de mais.  - Luanna hipnotizava o rapaz.

- Vamos parar de nós agarrar em lugares escuros, isso é perigoso. - Repetiu ele.

- Tchau. - Alex acenou quando eles estavam longe. - Ate que ele é bonitinho.

- Esse cara? Bonitinho é o murro dele. - Luana rir.

- To falando do JP... aqueles olhos! - Alex suspira.

- Ele é bonitinho mas burrinho também. - Diz Luanna. - Quando vínhamos chegando na cafeteira e eu estava olhando pra ele, era porque ele conversava com um dos caras do Taylor.

- Ouvi que a Lilly Lancaster e o Douv Martinez não se desgrudam mais dele. - Elas estavam de volta a rua da festa e de longe vêem JP, Theo e a Becca que havia voltado.

- Não sabemos se foi o Taylor que fez aquilo com o Eikko, mas devemos evitar que mais alguns se machuquem. - Todos voltam a ss divertir. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...