História Sedução - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Exibições 92
Palavras 2.159
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


~Entõn gente, plena madrugada e eu postando essa história. AIMDS. AUSHAUI Tá! Vamos lá!
Gente, dedico essa história linda a minha amiga Aoi Haruki (cuja autora é de Satisfaction e Prófufos, deixo links no final), que me ajudou e continua me ajudando em todos os momentos <3 Já fala que a história só tem coisas pervertidas!!!!!!! Preparar vocês! AUHSDAIUS Nessa madrugada goxtosa, porque não ler algo goxtoso? :D Bem, vejo vocês no final do capítulo (:

Capítulo 1 - 1. Contra as Regras


Mais uma vez na semana eu me preparava para ir para a escola. Tinha um ritual que precisava ser seguido: acordar, tomar banho, comer alguma coisa, arrumar-me e só então ir para a escola. Sempre fui uma aluna muito estudiosa, então nunca tive problemas com atraso ou notas baixas. Algo completamente diferente das amigas.

Ah sim! Onde está a minha educação? Sou Juvia Lokser, tenho dezesseis anos e estudo na Fairy Tail, a escola mais anormal e com o diretor mais pervertido que conheço. Possuo longos cabelos azuis que cacheiam no final, e assim como o cabelo, meus olhos são azuis. Boa a genética, né? Não me medi ou pesei ainda esse ano, então não sei quanto peso ou qual minha altura, mas deve ser algo mediano. Bem… Pelo menos mais que uma garota azulada que conheço.

Ando calmamente entre as ruas calmas da manhã de Magnólia, as lojas estavam começando a abrir e de longe era possível sentir o cheiro de comida que vinha da padaria. Se já não tivesse tomado café da manhã, compraria alguma coisa. Não demoro para ver o enorme prédio da escola, aperto o meu passo para chegar logo, muito provavelmente serei uma das primeiras alunas a chegar na sala.

Entrando na sala, vi Erza com os cadernos abertos e muito séria. Muito, muito séria. Coloquei minha mochila na mesa, andando para o lado dela me surpreendendo com as folhas de exercício dos professores estarem praticamente em branco. Erza sempre foi um exemplo de aluna – melhor do que eu e Levy na verdade –, ela não é de não fazer exercícios, isso é muito suspeito.

– Por que sua folha está em branco?

A ruiva pulou de susto e virou para mim com a com o capeta encarnado no corpo dela.

– CREDO JUVIA! CUTUCA, RESPIRA, MOSTRA TUA PRESENÇA, MAS NÃO FAZ ISSO NÃO! – Assenti assustada pedindo desculpas. Com um monstro na sua frente, isso é o mínimo que se deve fazer. Erza suspirou. – Meus pais resolveram brigar, entrei no meio porque tinha parente lá em casa, deu o maior problemão com isso… Pensei em nada o final de semana inteiro. – Coloquei minha mão no ombro dela, eu sabia da situação familiar dela. A ruiva virou para mim com os olhos brilhando, lá vem coisa, quer ver? – Amiga linda que existe no meu coração, me empresta sua folha? Não consigo resolver nada com a cabeça cheia de dor de cabeça. – Não disse?

– Você não tem jeito Erza.

A ruiva encapetada me respondeu sorrindo, entreguei para ela meu caderno com todas as respostas e rapidinho ela começou a copiar. Amigas são para essas coisas né? Mesmo quando o capeta parece estar do seu lado, tem que ajudar de vez em quando. Mas isso é normal dentro do grupo de amigos que tenho. Cada um tem suas peculiaridades, porém é certo dizer que todos adoram uma briga. Seja em discussão, seja no tapa.

As pessoas do grupo em que ando são, por natureza, muito briguentas e muito explosivas. Por qualquer motivo eles começam a brigar e no final, suas maiores recordações são o número bandaind que cada um tem colado no rosto. É engraçado quando queremos provocá-los, tocando afetuosamente – sinta a ironia – o machucado que eles mesmos provocaram. É muito amor dentro de um grupo só.

Quase dando o horário de bater o sinal, os alunos começaram a encher a sala, os primos, com genética tão bizarra quanto a minha, chegaram também colocando suas coisas nas cadeiras e vieram fazer companhia para mim e para Erza. Nós quatro aqui temos um ótimo senso de horário, mas os outros quatro não se salvam. As vezes conseguem ter o milagre de chegar antes do professor, mas tem um trio que, não importa a situação, chega dez minutos depois que a aula começou. Então não foi surpresa quando Lucy, Natsu e Gray chegaram arfando cansados de tanto correr.

– Olha, o trio de patetas. – O professor falou fazendo todos rirem. – Qual a desculpa dessa vez? – Cruzou os braços olhando para o trio que ria sem graça. – O despertador da Heartfilia quebrou? As roupas de Fullbuster tiveram um encontro com o chão? Ou foi Dragneel que arrumou briga?

– Pior professor. – Lucy falou andando para o lugar dela, que é do meu lado, sorri para ela e Lucy retribuiu. Cansada, se jogou na cadeira. – Os dois patetas começaram uma briga e quebraram o vaso de uma velha, passamos esses minutos inteiros fugindo dela pela cidade. – Colocou a cabeça na mesa. – Nossa, como tô cansada.

– Aquela velinha sabia correr, credo. – Natsu falou sentando atrás da Erza. – Chegou um ponto que tive que carregar a Luce, sabe a dificuldade que isso deu pra gente?

– EI! – A loira jogou o estojo dela no rosado. – CALA ESSA BOCA SE NÃO QUER MORRER!

Outra demônia, só que essa dava problemas especificamente para o Natsu. O professor pediu silêncio para a turma que não parava de rir e recomeçou a aula. Gray já tinha ido sentar, ele fica do lado do Natsu, pegados seus materiais e anotado o que o professor tinha escrito. Menino eficiente esse, viu?

A aula passou tranquila para todo mundo, Lucy tinha recuperado o estojo dela e uma hora ou outra me perguntava o que não entendia. As vezes, sequer eu entendia, então respondia que depois perguntávamos para os gênios da sala, provavelmente eles sabem mais do que a gente. Mas, era inevitável que eu olhasse para Gray. O cabelo bagunçado fazia parte de seu estilo bagunçado. O uniforme nunca estava arrumado, sempre havia uma parte que ou estava amassada ou estava fora do termo normalidade.

Fiquei dessa forma durante as três primeiras aulas. Percebia que ele me olhava também, mas mais furtivo e de forma assustada. Parece que a antiga mania de só observar estava voltando, espero que não traga o resto, porque é problema na certa. Faz alguns meses desde que me confessei para Gray, e ele, com seu coração frio igual gelo, disse para mim que jamais daria certo entre nós dois. Quando as meninas ouviram o relato, quase que foram matar o menino, mas nada como um choro mais dramático para fazerem elas voltarem porta adentro.

– Juuuuuvia! – Senti Lucy pulando em cima de mim. – O que trouxe de delicioso hoje?

– Mas é uma aproveitadora mesmo. Ô Juvia, como você aguenta essa menina? – Jellal falou apontando para a loira. – Aproveitadora e gorda.

Doido, Jellal é doido. Lucy começou a correr atrás dele pronta para matar, levantei da cadeira rindo, peguei meu sanduíche e segui com o bando para o refeitório. Erza falava para mim e para Levy sobre o terrível final de semana que teve enquanto os dois patetas falavam sobre algum jogo. Chegamos no refeitório indo em direção a nossa mesa de costume, com os olhares nada discretos das meninas. Certo, garotas eu sei que os meninos do grupo são lindos e tudo mais, só que… Precisa de tudo isso?

– Sabe o que acho estranho? – Comentei e todos me olharam. – Gajeel não chegou até agora. – Instintivamente viramos para Levy querendo saber.

– P-p-or que estão olhando para mim? – Ficou vermelhinha, vermelhinha.

– Porque baixinha, nós sabemos que vocês estão ficando. – Natsu comentou com o queixo apoiando na mão olhando maliciosamente para a azulada.

– N-n-ada a v-ver! Is-is…

– Tadinha Natsu! – Abracei a coitada do meu lado. – Não precisa jogar na cara dela que a gente sabe. – Ai a azulada emputeceu.

– Como vocês sabem? – Levy levantou batendo as mãos na mesa. – Ele contou alguma coisa? Eu vou matar ele!!!

– Credo Levy, se acalma ai. – Erza falou. – A gente não sabia, mas…

– Você só confirmou as teorias. – Gray completou sorrindo.

Ficamos gozando com a cara da Levy até Jellal e Lucy chegarem mortos de fome, a loira roubou o que tinha do meu sanduíche e o azulado foi cutucar a onça com vara curta. Esse povo é masoquista, só pode. Ainda mais Jellal, mas temos a teoria de que ele faz isso apenas para se aproximar da ruiva, sabemos o quanto eles se amam. Obviamente, ao pedir e quase roubar o pedaço de bolo da Erza, ele levou um belo tapa na cabeça. Bem, antes ele do que eu, tenho certeza que todos pensaram isso.

Voltamos depois para a sala quando terminou o intervalo, andamos junto com aquele bando de animais para as salas. Estava com sede, falei com as meninas que iria para o bebedouro e encontrava eles depois. Até então, achava que estava sozinha pelo caminho, tanto que comecei a cantar sozinha no meio do silêncio. Contanto que ninguém perceba que estou cantando, tá ótimo.

Como disse, achei que estava sozinha. Na volta, fui puxada para uma pequena sala com vassouras. Sério? Tanto lugar para me puxar e me trancar, a pessoa resolve me colocar no lugar que tem vassouras? Mas… Com ele não precisava de um lugar apropriado.

– Já tava louco sem poder te tocar. – Gray dizia beijando o meu pescoço.

Arfei em resposta. Essa atitude não era tanta novidade para mim. Sempre que ficava um tempo sozinha, o moreno vinha me procurar. O Fullbuster disse para mim que, entre nós, nunca daria certo, mas também não negou quando começamos a ter esse tipo de relação. É algo muito simples: prazer sem sentimentos. Eu o dava o que ele queria, em troca, recebia apenas uma parte que ele desejava me mostrar. Não era algo ruim, nem todas conseguiam ver o que eu via.

Os beijos violentos no pescoço fazia com que sorrisos e arrepios involuntários surgissem, não poderia negar que ele era bom. Era difícil ter controle com Gray, minhas mãos poderiam passear pelo corpo, mas conduzir era um sonho. Com bastante dificuldade, trouxe seu rosto para meu e o beijei fervorosamente. Suas mãos passeavam pelo meu corpo procurando, de alguma forma, abrir o uniforme.

Se não soubesse a punição divina que o diretor tem para quem é pego dessa forma, com certeza o deixaria continuar. Esforço não foi o que me faltou. A raiva faiscava em seus olhos ao me observar. Ele nervoso e eu me arrumando. Claro, não chegaria na sala de aula com cabelos bagunçados e roupa desarrumada, as meninas poderiam desconfiar de algo.

– Por que está se arrumando? – Ele cruzou os braços. – Ainda não terminei.

Suspirei.

– Não estou a fim de ser punida por Makarov. – Gray revirou os olhos. – Que foi? Quer ser punido pela Erza, então? – O que é pior ainda. Cruzei os braços e fui saindo do armário. – Vai você, eu estou bem com a minha pasta limpa.

Antes que ele pudesse me puxar novamente, fechei a porta. Não queria saber de seu humor quando saísse, por isso corri desesperada para a sala, deixando ele para trás com sua raiva acumulasse. Entrei na sala, percebi que o professor não tinha chegado ainda e me sentei. Fiquei conversando com as meninas durante esse tempo. Junto com o professor, entrou Gray tão puto como qualquer outro dia. Antes que fosse sentar, olhou para mim de uma forma que quase me fez rir, algo que fez aumentar sua raiva.

As aulas passavam sem qualquer problema, algumas coisas não entendia, mas depois tiraria dúvida com as garotas. Lucy me falou que, enquanto eu tinha ido beber água, elas decidiram ir para o apartamento dela para passar o dia fora. Concordei sem pensar duas vezes, lá sempre tem comida! O último sinal tocou, o que fez a sala inteira, incluindo meus amigos, arrumar as coisas rapidinhos e saírem loucos para a saída, eu em. Na maior paz, guardei as coisas no estojo e mochila. Novamente naquele dia, acreditava estar sozinha. Tomei um susto quando percebi a presença do ser divino.

– Qual é a da mania de surgir do nada? – Coloquei a mochila nos ombros. – Primeiro no corredor, agora na sala, não entendi o motivo.

Em silêncio, Gray andou em minha direção. Em resposta a isso, decidi sair da sala. Se não fizemos nada naquele armário pequeno, ele achava que poderíamos tentar alguma coisa aqui? Desculpa Fullbuster, mas se quer ser expulso, vá fazer sozinho.

– Vai me deixar sozinho de novo? – Virei para ele assustada pelo timbre da voz. – É, porque me deixou antes, pelo menos, deveria ser punida por isso. – Sorriu diabolicamente.

– Não te deixei sozinho, estava bem acompanhado com os objetos no armário. – Ele me olhou cínico. – Não né. O combinado é ou na minha casa ou na sua, sem mais.

– Sabe que lá em casa tá complicado. – Desviou o olhar de mim e eu dei de ombros.

– Esse é o combinado. Tem a minha casa, mas parece que você se recusa a entrar lá, não sou eu que vou obrigar algo. – Virei-me para a saída novamente. – Estou indo para a casa de Lucy, se quiser alguma coisa hoje ainda, me espere em casa.

Inconscientemente, eu sabia que ele estaria me esperando na porta de casa. Não sei como dizer isso, mas me sinto uma mercadoria prestes a ser comprada, a diferença é que no momento, sou eu que estou dizendo se quero ou não.

'Cause this is all we know ♫


Notas Finais


POISÉ MINHAGENTE <3
TRILHA SONORAAA: https://www.youtube.com/watch?v=lEi_XBg2Fpk
Como já devem ter percebido, é uma fanfic puramente Gruvia :D Tem os casais principais também, mas o foco é em Gruvia (: E bem, espero que tenham gostado. Só tenho a tristeza de falar que a fanfic tem trilha sonora, mas só posso colocar os links aqui D: Vou fazer postagens quinzenais, já que estou construindo a fanfic e tudo mais. E como prometido:
1) Satisfaction: https://spiritfanfics.com/historia/satisfaction-5760775
2) Prófugos: https://spiritfanfics.com/historia/profugos-6745158
Aproveite muito as duas histórias, são muito perfeitas <3
Enfim gente, MUITO OBRIGADA pela atenção!!
Os vejo nos comentários? <3
Beeeeeeeeeeijos!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...