História Seduction game - Jikook - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Italia, Jikook, Jimin!bottom, Jungkook!top, Poesias, Shotacon
Visualizações 537
Palavras 4.641
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Fluffy, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi xuxus :')
Eu demorei um pouco, não sei se vocês notaram (mas eu notei, e senti falta de vocês seus nenes)
Espero que gostem e uns bejo (╯3╰)( ˘ ³˘)❤

Capítulo 15 - Capítulo XV


Não somos apenas o que pensamos ser. 

Somos mais; somos também o que 

lembramos e aquilo de que nos 

esquecemos; somos as palavras que 

trocamos, os enganos que cometemos, 

os impulsos a que cedemos, sem querer

a estrela cadente

me caiu ainda quente

na palma da mão

E eu desejei vocês.


—Papai, como assim papai?— Jeon emitia uma risada nasal incrédula, estava morrendo de felicidade, porém encarava o médico como se aquilo fosse uma pegadinha. 

—Sim, seu noivo está grávido.— o doutor tentava dizer de forma calma, para que ambos entendessem bem. Jimin tinha a expressão desesperada, não sabia o que dizer ou fazer. —Jimin você não tomava remédio?— ele falava com um tom de voz alto, fazendo com que Jimin interpretasse errado as coisas. O pequeno ajuntou algumas palavras com dificuldade, mas ainda estava em choque, esperava tudo, menos um bebê. 

—Jimin! Eu estou falando com você.— a voz saiu arrogante, mas não por conta do bebê e sim porque Jeon estava nervoso, não sabia lidar com aquele sentimento de desespero e alegria. —Jungkook tente falar com mais calma— o médico dizia, assentindo para o mesmo, que não entendeu bem.

 —Eu...eu tomo Jungkook— a voz era mofina e gaguejada, o maior chegou a cogitar que Jimin não teria ficado feliz pelo bebê.

 —Só não tomei na primeira vez— tinha cabeça apontada para baixo enquando falava. —E por que não tomou?— o médico perguntou arqueando à sobrancelha e escrevendo algo nos papéis, mas Park pareceu ignora-lo. —Por que não tomou?— Jeon ditou devagar, para que o menor entendesse que deveria responder.

 —PORQUE EU NÃO SABIA QUE ÍAMOS TRANSAR!— o pequeno estava se sentindo pressionado e achando que Jungkook não havia ficado feliz, bateu um medo de ser abandonado, largado, rejeitado. —Calma Jimin, não precisa ficar nervoso, estamos apenas perguntando— o senhor dizia gesticulando. Mas de uma hora para outra Jimin entrou em uma crise de choro, o que de imediato preocupou Jungkook. 

—Amor...— Jeon chamou baixinho, mas não foi atendido. O médico sentia-se um tanto constrangido de estar no meio daquele tumulto de casal. —Bom, novos papais, quero avisar que tem exame marcado para vermos ao certo.— ele falava com humor, na tentativa de melhorar o ânimo, o mesmo havia notado que Jeon ficou bobo de imediato, mas pareceu que o outro não havia percebido o mesmo. Entregou um papel para Jeon, que sorriu e logo saiu da sala junto a Jimin.

Ambos andavam até o carro, Park nem sequer olhava para o maior, lhe deixando um tanto triste. Visto que eles teriam um bebê, e isso era apenas motivo de alegria ao ver de Jungkook. 

—Amor, você não está feliz?— perguntava olhando para o pequeno. Que ficou surpreso com a pergunta, claro que estava feliz, só estava com medo. —Você está?— revidou, fazendo Jeon abrir um sorriso enorme.

 —Claro! Jimin. Eu vou ser pai, eu estou tão feliz que quero explodir— ele dizia puxando o outro em um abraço.— Jimin-ah,eu vou ser papai, vamos ter um bebê!— dizia o óbvio olhando nos olhos do outro, que já tinha a expressão completamente diferente de antes. Deu um pequeno selar em Jimin ainda sorrindo. —Achei que você não ficaria feliz, que iria nos rejeitar— só em falar aquilo os lábios voltaram a ser um bico e sentia um gosto amargo na garganta. 

—Jimin, eu amo você. Por que eu não ficaria feliz?— perguntava incrédulo. —Eu não sei— desviava o olhar para os cantos, diferente de Jeon, que os mantinha firmes.

 —Você é minha família, e agora nós somos uma família— disse colocando a mão na barriga ainda sem nenhum relevo, ou amostra de gravidez. Aquele pequeno ato tocou o coração do menor de uma forma inimaginável, realmente amava Jungkook e agora muito mais. 

—Eu amo você— o menor sussurrou e selou os lábios em um selar singelo. —Agora entendemos porque você queria jaca— parecia que uma luz havia acendido encima da cabeça, as vezes oca, de Jeon, e fez o menor rir. —Nem fala nessa fruta amor, eu ainda estou com vontade— só de pensar Jimin sentia a boca salivar.

 —Ta, ta. E como iremos contar isso a todo mundo?— perguntava ainda em um abraço com o outro. —Kookie, eu chamo e você fala— aquela frase soou como se estivessem em uma encrenca escolar, mas Jeon achou de fato uma boa ideia, sempre funcionou, não é!?

Jungkook digiria com um sorriso enorme nos lábios, parecia não ter fim, e aquilo deixa o outro ainda mais alegre. Porém ao nada o sorriso se desfez e uma expressão seriamente boba tomou conta do outro —Jimin-ah por onde esse bebê vai sair?— a pergunta deixou Park envergonhado. —Jungkook-ah! Dirija logo— revirava os olhos rindo.

O mais velho admitia, se assustou ao saber que iria ser pai, e bem, ele não sabia nada sobre isso, nadinha mesmo. Mas tinha  recordações de sua irmãzinha, e de como cuidava dela, logo sorriu sozinho.

Já em frente a mansão, Jeon deixou o carro do lado de fora, e adentraram o grande portão. —Kookie, temos que dar a notícia a família, meu deus, eu estou nervoso— Jimin falava ansioso, mostrando sua mão que estava tremendo. —Amor, se prepara para ficar viúvo, porque teu pai vai me matar— a voz cheia de humor fez o mais novo cair na gargalhada.

Seguravam as mãos com os dedos entrelaçados, e quando estavam na sala de estar pareceu que o clima se tornou um pouco denso pelo nervosismo. 

—Kookie, vá chamar a Noona que eu chamo os outros— ele dava pequenos empurrões no outro enquanto falava. 

 —O trato não foi esse— disse com deboche, mas a carranca que Jimin fez logo o convenceu a mudar de ideia. —Já estou indo meu amorzinho— a fala ainda foi um tanto debochada, mas ele foi.

O menor foi até o escritório, era o lugar mais óbvio dos três estarem, viviam lá, sempre resolvendo mil e uma questões empresariais. 

Abriu a porta sem muito cuidado, assustando os que estavam no escritório, havia algumas pessoa a mais do que seus sogros e seu pai, e automaticamente sentiu-se envergonhado. —É...é...— gaguejou um pouco deixando os demais intrigados. —Diga filho— seu pai dizia com a voz simpática. 

—Eu preciso falar com vocês— ele tentava soar sério, mas por incrível que pareça não conseguia. —Precisa ser agora?— Sr. Jeon dizia, pensando nos demais que ficariam, sei lá quando tempo os esperando. —É importantíssimo, vocês podem trazer eles juntos.— ele já não sabia o que dizia, se contar na frente da família iria ser difícil, agora teria de contar como uma reunião.

Ao chegarem na sala, Jeon se assustou com a quantidade de pessoas, olhou para Jimin mostrando sua confusão, mas o menor apenas sacodiu os ombros e silabou em mudo "Só vai". Jungkook até sentiu vontade de rir, mas estava segurando. 

Quando seu pai o viu, um enorme sorriso se formou em seus lábios. 

—Jungkook filho, preciso apresentar a você algumas pessoas importantes para nossa empresa.— o velho sorria enquanto falava, seu filho apenas sorriu de volta, em um breve comprimento. 

—Tudo bem pai, mas precisamos dizer algo primeiro.— falava cortando o papo que o seu pai desejava iniciar. —Certo, fale— ditou, enquanto todos sentavam, ele abraçava Jimin, e ambos sorriam de nervoso. 

—Bem, amanhã...— sua fala foi atropelada pela de sua mãe. 

—Isso filho, amanhã você e Jimin precisam ir resolver a data do casamento— a mulher mostrava os dentes de tanta satisfação. Todavia, quando Jeon imaginou que poderia falar, seu pai pegou seu espaço.

 —Amanhã ele precisa ir para empresa, tem reunião importante.— ditou, como se o outro não tivesse escolha.

 —Claro que não querido, Jungkook já tem hora marcada, não pode desmarcar.— crente ela de que aquilo era argumento suficiente.

 —É, mas precisamos dele na empresa. Como vamos fechar os negócios sem ele!?— a pergunta retórica vez a mulher revirar os olhos. Todos a sala estavam em uma espécie de vai e vem com a cabeça, de um lado para o outro, e bem, todos estavam perdido naquilo. 

—Você da seu jeito!— a convicção de que Jeon iria arrumar seu casamento primeiro era grande, ele já havia aberto mão de muita coisa pela empresa, era isso que sua mãe pensava.

 —CALEM A BOCA E ESCUTEM!— Jimin berrou em um ato de desespero, assustando todo mundo. Em menos de dois momentos, estavam calados e vidrados na imagem de Jimin. Jungkook pigarrou de leve antes que pudesse começar. 

—Não venham dizer que estão se separando de novo— Sr. Park disse atrapalhando pela milésima vez.

 —Calem a boca— Jimin repetiu usando toda a sua má educação. —Não é isso senhor Park— Jeon esclareceu. 

—Diga logo!— uma voz desconhecida disse, era um dos futuros sócios, até mesmo o desconhecido estava curioso. 

—Como vocês sabem, eu e Jimin, nos gostamos, na verdade nos amamos muito, e por isso iremos nos casar.— e mais uma vez foi interrompido. 

—Sim, e precisamos marcar amanhã— sua mãe disse, o olhar mortal de Jungkook sobre ela foi tão intenso que a mesma desviou o olhar. 

—Como eu estava dizendo, iremos nos casar. E algo até mais importante aconteceu conosco— os olharem confusos, eram evidentes. —E queremos dividir essa alegria com vocês. Jimin está grávido.— rodou, rodou e acabou sendo mais direto que bala de traficante. 

Park abraçava Jeon, e ambos sorriam para os outros que estavam perplexos, parecia cena de novela mexicana. 

—GRÁVIDO?— os três disseram em uníssono. 

—EU VOU TER UM NETO?— em uníssono novamente, aquilo fez ambos rirem. A expressão de alegria de foi grande, eles nem imaginavam que séria tão positivo assim.

 Começaram a abraçar Jimin de forma desesperada, dava para ver os olhos de Jeon brilhar. Quando acabaram com toda aquela cena de família que se ama Sr. Park foi até Jeon, apertando sua mão. 

—Eu odeio você— as palavras que na realidade foram afetuosas fizeram o outro sorrir. 

—Não se preocupe Sr. Park, é recíproco.— o sorriso sarcástico era evidente. 

De surpresa pegou Jimin no colo, —Se me der licença eu vou subir— deu uma piscadinha, fazendo os demais rirem. 

—Parabens Jeon Jungkook, nossa empresa deseja tudo de bom para vocês.— um dos rapazes ditou isso, e Jungkook apenas sorriu assentindo com a cabeça.

E antes que pudesse sair do local, advertiu os seus pais. —Amanhã eu vou na empresa pela manhã e a tarde resolvemos as coisas do casamento.— dizia sendo justo com ambas as partes.


Quando chegaram ao quarto, Jeon colocou o outro na cama. Ficaram se encarando por breves momentos. —Jungkook-ah, você está feliz mesmo?— para Jeon a pergunta era a mais besta possível.

 —Eu estou feliz— era extremamente sincero com que falava. Selou os lábios em um beijo, bem calmo, era daqueles que tinha muito sentimento. —Eu vou tomar banho— Jungkook disse levantando-se. 

—Não demore Kookie, eu quero carinho— a voz era manhosa e arrastada.

Jimin ficou deitado pensando e como as coisas iriam ser agora, sentia-se feliz, mas tinha medo. 

Teria uma família, uma de verdade mesmo, poderia sair quando quisesse e melhor, poderia sair com Jungkook, ter aquela liberdade tão sonhada. Nem lembra em qual momento começou a gostar verdadeiramente de Jungkook, mas era intenso e ele sabia que era amor. Jeon havia sido o primeiro homem pelo qual se apaixonou, o primeiro que o beijou e o tomou de diversas formas e vezes. Nesse momento surgiu um pequeno sorriso malicioso ao lembrar de alguns momentos. 

Foi atrapalhados dos seus devaneios pela porta do banheiro sendo aberta por Jungkook, que saiu com a toalha enrolada na cintura, os cabelos estavam molhados e sem nem mesmo notar Jimin mordia os lábios, observava o peitoral de Jeon desnudo, e aquilo lhe deixava quente. 

Jungkook o fitava entendendo bem o que o menor estava fazendo. Arqueou a sobrancelha, andando em direção ao pequeno que apenas ficou o fitando de volta, deu um sorriso meia lua esboçando toda maldade.

 O mesmo subiu encima de Jimin ficando entre suas pernas e sem nenhum pestanejar grudou os lábios em um beijo lento, chupava a língua do outro, e Jimin arfava entre o beijo, o gosto era incrivelmente bom. 

Os membros ainda semi acordados se chocavam, causando levas calafrios. O mais novo levou sua mão até o membro do outro, o tocando e apertando sobre a toalha, ouvindo um arfar. 

Jeon colocou a mão por dentro da camisa do outro, tocando delicadamente seu mamilo, ouviu um grunhido, parou o beijo e tirou a camisa do mais novo, vendo seu peitoral liso e pálido. 

Começou a distribuir selares molhados por toda aquela área. Os membros já estavam completamente duros e se tocavam cada vez mais, Jimin fazia movimentos intensos, seu quadril mexia de uma forma incrível, arrancando muitos arfares de Jeon.

O beijo era cada vez mais devorador, intenso e afobado. 

Jimin queria tanto transar, como nunca, podia sentir cada parte do seu corpo implorar por aquilo. Porém lembrou-se que iriam casar, queria uma lua de mel realmente especial, com mais "graça". 

Parou o beijo deixando deixando Jungkook sem entender —Kookie, só vamos fazer depois que nos casarmos— disse afastando um pouco o outro. 

—Que?— o maior tava desacreditado. —Mas falta muito Jimin— falou ainda encima do outro. —Mas vai ter que esperar—  o menor olhava fazendo um bico, não queria chatear o outro. 

—Oh Jimin, por favor— até se sentiu um bobo de pedir daquela forma, mas estava com tanta voltade que chegava a doer. 

—Não Jungkook!— disse empurrando o outro, fazendo o mesmo cair do seu lado. Jeon bufou, fazendo uma expressão imediata de raiva. Estava realmente com raiva, na realidade estava puto. Saiu da cama sem nem olhar para Jimin, e foi buscar uma roupa. Não que ele fosse ficar birrento com o outro, porém estava irritado, irritado a ponto de não querer conversa.

Nem achou muita lógica em esperar, séria bom de qualquer jeito. E eles já haviam transado, aquela mágica já não existia, não era como se Jimin fosse virgem.

 Ele respirou fundo, bufando todo ar, e para ressaltar, se encontrava muito puto. 

Park até se sentiu culpado, notava a seriedade do outro, e não foi como se quisesse brochar o mesmo, jamais. No entanto, se manteve tranquilo, sabia que Jeon iria deixar a raiva para lá depois de um tempo.

Jimin ainda não havia dormido, muito menos Jungkook, que acabou ficando impaciente de raiva e desceu para sala, deixando o outro sozinho. 

Park olhava as horas e o tempo parecia não passar, não gostava de brigar com o outro, muito menos ficar longe. Ficou de certo modo irritado com Jeon por ter ficado com raiva de algo tão banal. Talvez o casamento demorasse um pouco, mas nada que não desse para aguentar. Estava determinado, mesmo que Jeon ficasse furioso, só iria fazer sexo depois que casassem. 

—Eu vou ser firme— disse para si mesmo, prevendo que séria bem complicado.


Saiu da cama e desceu as escadas na intenção de ficar perto de Jeon, que apesar da raiva não iria o recusar. Viu o maior sentado no sofá, assistia um filme, mas o cenho estava franzido, mostrando toda sua impaciência. 

—Kookie-ah— a voz era manhosa. 

—Hã?— fez um som nasal, sem olhar para o pequeno. 

— Posso ficar ai com você?— ele fazia uma carinha fofa e a vozinha ainda mais dengosa. 

—Pode— as falas de Jeon eram um tanto secas. Park foi para perto, se aconchegou ao lado de Jeon, abraçando seu braço, vendo o mesmo ainda não olhar para si. 

—Amor...— o menor falava em uma voz arrastada e fofa, mas ficou sem resposta. 

—Amor— repetiu quase que da mesma forma, a intenção era amolecer o mais velho, aquilo costumava funcionar, mas continuou sem resposta. 

—Kookie-ah!— sacodiu o braço do mais velho. 

—O que é Jimin?— a pergunta foi ríspida, apesar de não ter alteração de voz, soou mal. —Você vai realmente ficar com raiva somente porque não vamos transar hoje?— quem agora estava com raiva era Jimin.

 —Não estou com raiva— disse simplista, sem nem desviar o olhar do filme. —Você não está com raiva!?— riu irônico. 

—Claro que está Jungkook. Vamos casar logo, desnecessário ficar com raiva— a intenção de Jimin era passar para o outro que não iria demorar. 

—Que dia é hoje?— o maior perguntou fitando Jimin com seriedade, o mesmo fez uma cara pensativa —Segunda dia 2— respondeu sem entender bem. —E quando vamos casar?— perguntou arqueando a sobrancelha. 

—Próxima semana, talvez. Você sabe que ainda não sabemos.— Jeon assentiu —Exato.— finalizou. 

—Jungkook-ah, não custa esperar. Você por acaso só se importa com isso? — ele fazia a pergunta sabendo que a resposta era não, mas precisava fazer alguma pressão no outro. —É o que você acha de mim?— ele olhava nos olhos do pequeno

—Não...— respondeu engolindo a seco. 

Jeon apenas levantou, selou os lábios de Jimin em um ato rápido, para mostrar que não era de total o aborrecimento. Levantou-se indo para o quarto, deixando o outro sozinho.

Jimin estava dormindo, ou pelo menos tentando. Jeon havia dormido primeiro, apenas para não criar mais alguma discussão. 

Park apesar do sono bom estava sentindo-se quente. Ele realmente queria ter feito coisas com Jungkook, dormiu pensando naquilo e agora se remexia pela cama, seu membro estava semi acordado, sentia uma agonia percorrer seu corpo, terrível, era como se necessitasse daquilo exatamente agora.

Abriu os olhos sentando-se na cama, olhou Jeon e de imediato mordeu o lábios, tendo a vista do maior sem camisa, coberto por poucos lençóis. 

Fez um carinho no peito do mesmo, e deus, Jungkook era gostoso demais.

 —Kookie— chamou baixinho, se aproximou do maior dando um selar, que os lábios se grudaram um pouco. Subiu encima do mesmo, fazendo peso, Jungkook abriu os olhos. Contudo, antes que pudesse falar Jimin juntou os lábios em um beijo que já começou intenso, por impulso o mais velho apertou o outro contra si, tomando comando sobre o beijo. 

O pequeno realmente estava morrendo de vontade de ter Jeon dentro se si, nem acreditava que ele mesmo iria quebrar a promessa que fizera logo cedo. 

Fazia fricção com suas nádegas encima do membro de Jungkook, que estava completamente duro. —Kookie, eu quero tanto você— a voz parecia mais um gemido, e soava como musica para o maior. 

O mais velho apertou as nádegas fartas, a puxando com brutalidade e destilando um tapa na mesma, o pequeno soltou um gemido, enquanto mantinha os olhos fechados, rebolava cada vez mais forte, fazendo o roçar ser mais intenso. 

Parou o beijo somente para tirar seu short, mas foi surpreendido por Jungkook. —Não, não Jimin!— disse com a expressão de vencedor, enquanto fazia negação com a cabeça, deixando o pequeno confuso. 

—Só depois do casamento— tirou o mais novo de cima de si. Aquilo soou como uma boa vingança. 

Mas ele subiu novamente, fazendo os membros se chocarem e continou com a fricção, por segundo arrancou gemidos roucos de Jeon.

—Não Kookie, por favor— ele pedia ainda fazendo os movimentos torturantes. Jeon fechou os olhos, sentindo aquele prazer, era gostoso, mas soltou o ar e começou a falar mentalmente consigo, era com uma placa PARE!. 

—Você mesmo disse Jimin, só queria transar depois do casamento— parecia que o outro estava anestesiado, nem escutava o que Jeon falava, o que só piorava, deixando Jeon cada vez mais excitado. Sorriu como se fosse uma ótima chance de fazer uma verdadeira vingança. 

Tomou os lábios do mesmo novamente, fazendo sua ereção bater contra o meio das nádegas de Jimin. O pequeno estava entregue, gemia a cada movimento do outro, queria alívio para aquele fogo que tinha dentro se si e estava lhe consumindo.

 —Vamos parar Jimin, se não seu desejo de esperar até o casamento não será concedido — a voz cínica de Jeon deixou Jimin enfurecido, respirava ofegante e pareceu que estava entendendo a raiva que o outro havia sentido mais cedo, e não era banal.

A luz do sol batia no rosto de Jimin, em uma quantidade incomoda. Fazendo o mesmo resmungar sobre as malditas cortinas inúteis. 

Sentou na cama, notando que Jeon já não estava mais lá, respirou fundo lembrando-se da madrugada e parecia que agora estava muito mais irritado do que ontem. 

—Ta vendo bebê? Seu pai é malvado— disse tocando na barriga lisa e de imediato se sentiu um leso.

Após ter feito as higienes foi direto para o andar de baixo, na intenção de encontrar seu noivo. 

Mas apenas viu a Sra. Jeon vendo televisão. —Senhora Jeon, cadê o Jungkook?— ele tocava na nuca e fitava a mais velha. —Oh! Está na empresa. Ainda bem que você acordou, vamos resolver as coisas do casamento agora.— ela sorria grande e falava com entusiasmo. 

—Sem o Jungkook?— a voz soava desesperada. 

—Não, não. Iremos passar na empresa e você vai com ele no carro e eu vou no meu.— ela era explicativa e gesticulava enquanto falava. 

—Vou só trocar a roupa, Não irei demorar.— avisou.

Estavam adentrando a grande empresa. Jimin nunca havia visto ela até aquele momento. Era muito grande e bonita, extremamente luxuosa e estabilizada. 

—Jiminie, aqui é a sala de Jungkook. Você entra e logo a frente tem outra porta, só seguir. — ela apontava o caminho para que ficasse melhor de ser entendido. 

Park nem cogitou em não ir na sala de Jeon, claro que iria. Abriu a porta sem bater, vendo alguns computadores e funcionários, fitou a outra porta e logo notou que era o lugar certo. 

Entrou, mas quando estava perto da outra porta foi barrado por uma das funcionárias. 

—Ei garoto, não pode entrar aqui.— o tom era ignorante, ela nem sequer perguntou quem ele era. 

—Mas é que...— tentou explicar, mas foi cortado por ela. —Saia daqui.— dizia puxando o braço do mesmo, mas Park relutou. 

—Ei! Me solte!— dizia puxando seu pulso da mão dela. 

—Eu quero falar com o Jungkook— falava revirando os olhos em puro tédio. 

—Todos os dias tem pessoas querendo ver o Sr. Jungkook— o pequeno franzia o cenho em uma expressão de raiva. 

—Mas não é todo dia que meu noivo e meu bebê vem até aqui me ver— a voz grave de Jeon fez o outro sorrir. 

—Noivo? Bebê?— a mulher parecia estar mais desinformada que cego em tiroteio. 

—Suzan, se você prestasse mais atenção no seu trabalho notaria que peço meus documentos para o casamento a dias.— ele não fôra seco, mas também não amigável. 

—Vem, vamos para minha sala— Jeon disse segurando a mão do mesmo. Todos por um momento só deram atenção para a cena de Jungkook sendo o mínimo carinhoso. 

Ele pigarrou e todos em um sustinho voltaram a fazer o que faziam antes.

Adentraram na grande sala, logo fechando a porta. 

 —Amor, a gente precisa resolver as coisas do casamento — ele abraçava Jungkook, e fazia um bico fofo. 

—Certo, vamos então — tocou no bolso, sentindo sua carteira e as chaves do carro, puxou Jimin para que saíssem, mas por segundo Park o puxou de volta. Juntou os lábios e pediu passagem com a língua.

Jeon logo notou as intenções nada inocentes de Jimin. 

—Kookie-ah, você fica tão sexy nesse terno— dizia em forma se sussurro enquanto mexia na gravata do outro, o fazendo lembrar da primeira vez que dormiram juntos. 

— Você fica sexy de qualquer jeito Jimin-ah— disse no pé de seu ouvido, fazendo o mesmo arrepiar. Jimin juntos os lábios de novo, de forma menos controlada. 

—Shiu! Você já sabe. Só depois do casamento, você que quis assim— antes mesmo que Jimin pudesse falar algo, Jeon o puxou, fazendo com que os dois saíssem da sala.

 Park estava carregando uma carranca no lugar do rosto, e a raiva que já havia passado agora dobrou.

Adentravam o local aonde séria a festa, era de certo modo bem luxuoso, tudo era branco, pronto para ser decorado como você quisesse. 

Ficaram de frente a um escritório, tão bonito quanto os outros lugares. Uma senhora abriu a porta, não tinha cara de muitos amigos, conquanto, viu a Sra. Jeon e o sorriso se formou nos seus lábios.

 —Entrem, podem sentar e sentir-se a vontade.— ela sentava-se enquando falava. —Bom vocês devem ser Jimin e Jungkook. Me chamo Pety. Sra. Pety— Dizia sorrindo ainda sem muita simpatia. 

—O objetivo hoje é somente marcar o casamento.— dizia mexendo nos papéis. 

—O mais rápido possível— Jeon disse sorrindo e a mulher o olhou de volta retribuindo o sorriso. —Bem, temos aqui o prazo de um mês. O que acham?— a mulher lia todas as datas, mas pareciam estarem ocupadas.

 —Não tem nenhumazinha mais próxima?— a voz fofa de Jimin fez a senhora mostrar os dentes enquanto procurava. 

—Oh! Tem uma para daqui 18 dias. Está melhor?— ela desejava que estivesse porque senão, só iriam casar em 2020. 

—Está ótimo— Jeon disse já imaginando o quanto faria Jimin se arrepender daqueles dias. Ainda faltavam 16 dias para o casamento.


Jungkook dirigia atentamente enquanto Jimin fazia um bico enorme e cruzava os braços. 

—Ei— o mais velho o chamou, virou o rosto que tinha o cenho franzido fitando o mais velho. —O que é?— disse seco, porém não fôra ignorante.

 —Por que você está assim?— ele mantinha a atenção no volante. Fez a pergunta somente para provocar.

 —Jungkook não se faça de sonso. Você sabe o porquê.— disse revirando os olhos e fazendo um estalar de desgosto com a boca. 

—Você não respondeu minha pergunta— tirou a atenção, virando ela para Jimin, que mantinha a expressão de ódio puro e genuíno. 

—A gente vai ficar sem sexo por dezoito dias Jungkook— disse alto, fazendo o mesmo se assustar. 

— Dezesseis, para ser exato e você sabe. "E é apenas um tempinho, você consegue aguentar."— debochou das antigas falas de Jimin.

 —Jungkook, você me acostumou de um jeito e agora quer mudar!? Sabe vai ser tão difícil para você quanto para mim— tentava manipular o mais velho de alguma forma. Porém não surtiu efeito. 

—É poucos dias, e na lua de mel eu irei recompensar— a voz em um tom sexy era evidente, o fitava com malícia, fazendo Jimin morder os lábios

☆♡☆

15 dias depois

Os dias passavam tortuosamente devagar, agora Jimin não só estava nervoso porque queria transar e sim porque iria se casar em breve.

Sentia-se estressado demais, sobrecarregado do casamento, tanta coisa em pouco tempo, se via louco, e Jeon não o ajudava a relaxar, nem uns amassos rolava, ele precisava daquilo como nunca, nem que fosse bem rapidinho.

Já estava furioso com Jeon, e naquele dia sentia que iria explodir. Levantou pegando seu celular e descendo as escadas com pressa. A casa vazia era mais silencioso que o normal, mas não deu importância e saiu de casa, apanhando um táxi.

Não demorou muito para que ficasse de frente para a empresa. Adentrou aquele elevador com ódio de dois submundos.

Ele pisava fundo e pesado enquanto andava até a sala de Jeon, fazendo todos notarem seu comportamento irritado. 

Abriu a porta com violência e a fechou no mesmo nível, assustando Jungkook. 

—Amor!?— perguntou retoricamente colocando a mão no coração mostrando sinais de susto. Notou a face nada amigável de Jimin e ele já sabia o que o seu noivo tinha. 

—Amor, você está bem?— continuou a falar, levantando-se e indo em direção ao menor, que mantinha o olhar caído e cenho franzido, sem contra o bico enorme nos lábios grossos. 

—Olha Jeon Jungkook. Eu vou ser claro e objetivo com você— ele apontava o dedo na cara de Jeon o deixando meio impaciente. 

—Ou você vai me foder agora encima daquela mesa ou eu vou atrás de alguém que faça isso. — ele gesticulava e apontava para a mesa. 

Deixou Jeon extremamente irritado por breves momentos. Puxou Jimin em um beijo violento, tinha voracidade e vontade, mas nada muito demorado. Empurrou o mesmo até a mesa, derrubando vários objetos, fazendo seu superior ficar encostado nela e sua bunda empinada. 

Roçou seu membro semi-acordado nas nádegas fartas, fazendo Jimin arfar levemente. 

—Repita o que você disse Park Jimin, ouse repetir— sussurrou no ouvido do outro em um tom de voz nada feliz.


Notas Finais


Perdoe os erros, amanhã eu reviso. Um milhão de beijos (´ε`*)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...