História A Colorful Hybrid - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, Yugyeom
Tags Abo, Alpha, Bambam, Bangtan, Beta, Bts, Hoseok, Hybrid, Hybrid!bambam, Hybrid!jimin, Hybrid!yoongi, Jackbam, Jackson, J-hope, Jin, Namjin, Namjoon, Ômega, Sobi, Suga, Yaoi, Yoongi, Yoonseok
Exibições 184
Palavras 2.651
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Super Sentai, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Volteeei, mais rapido agora 💕
Então
Não tenho mais o que falar :v
Enfim, obrigada td mundo.

AVISO:
Contém cenas lemon :v

Capítulo 8 - Canvas


Fanfic / Fanfiction A Colorful Hybrid - Capítulo 8 - Canvas

O quartinho de entulho estava uma completa anarquia.


Suga transformou o quarto onde dormia - agora ele dorme com Hoseok, é claro (embora ainda reclame pelo ruivo mexer tanto) - em um pequeno estúdio de artes. Havia tinta em suas roupas, no chão e nas paredes. Também havia tinta misturada em seus dedos, um marrom claro na ponta do nariz e amarelo nas pontas dos cabelos.


- E ainda acha que tudo que eu comprei até hoje ainda é pouco - Hoseok entrou no quarto, empurrando a caixa que bloqueava a porta para o lado e lamentando pelas paredes branquinhas agora manchadas. Yoongi riu, planejando fazer uma bela obra de arte naquele lugar. 


Faz alguns dias que recebera o presente, e não largava mais aquele quarto. E sempre pedia mais coisas. Começava de tarde e terminava apenas quando Hope chegava. Havia dias que Seokjin passava as tardes com ele, e mesmo assim não saia, apenas para comer e ir à "caixinha de areia".


- O que você pintou ? - perguntou tentando ver o quadro nas mãos do menor.


- Não. Hobi não pode ver agora - disse o afastando da obra, brincando com um sorriso nos lábios.


Hoseok franziu o cenho desconfiado, e Suga lhe beijou os lábios rapidamente, antes de pegar o pequeno quadro do cavalete e colocá-lo em um lugar arejado para secar, para que o ruivo emburradinho não pudesse ver. 


Pegou outro quadrinho em branco, e começou a pensar, olhando para a tela, com o olhar ansioso do Jung em cima de si.


- Hobiii... - falou manhoso para ele. Ele ficava constrangido quando alguém o olhava pintando, nem mesmo Jin podia vê-lo.


- Ta bom, ta bom... - mas continuou ali parado. Yoongi revirou os olhos e se concentrou em pensar - Está sem ideias, não é ?... - cruzou os braços e colocou a mão no queixo pensando - Que tal uma foto ? 


- Foto ? O que é ? - se virou para o ruivo ao seu lado com uma interrogação na cabeça.


- É... Bom... Como que eu vou explicar ?...


[...]


- Suga, está pronto ? - sorriu vendo o outro acenando posivamente - Vai.


[Foto]


Pegou aquele peculiar aparelho nas mãos. Já havia visto nas mãos de outras pessoas, mas nunca se atreveu a pegar um. Era tão estranho e legal ao mesmo tempo. Suga ficou eufórico com a capacidade do pequeno objeto a gravar imagens. Imagens suas e de Hoseok. Recordações.


Sorriu gengival para Hoseok, que também sorriu satisfeito, retirando o boné branco do menor, bagunçando seus cabelos e cruzando os braços. Suga parecia uma criança descobrindo um sabor diferente de sorvete ou indo na roda gigante pela primeira vez. 


Agora Yoongi já sabia o que iria pintar.


A vida dele com Hope. Suas vidas, suas lembranças, seus momentos, daqui em diante.




Jimin se espreguiçava no cantindo do chão, onde passara a noite de castigo, apenas com um travesseiro. Como sempre, iniciou seu dia tão radiante quanto o próprio Sol. Começou a fazer seus alongamentos matinais enquanto seu dono dormia todo largado na cama, onde uma poça de baba era visível no travesseiro. 


Começou a alongar seus braços e suas mãos pequenas, sua cabeça e costas. O de cabelos de furacão azulado já estava despertando quando Jimin terminava de alongar suas pernas, abaixando seu tronco o mais perto possível de suas coxas, dando a visão panorâmica de sua bunda para o outro.


- Bom dia, daddy ! - disse com tom de voz um pouco infantil, retirando a guia de sua coleira, e subindo na cama em cima do sonolento, o fazendo massagens no abdômen e rebolando mínimamente, porém perceptível em cima do membro do outro.


- Me deixa, caralho - falou ainda com sua voz rouca, retirando o moreno de cima de si, e cobrindo sua cabeça com o travesseiro. 


- Vou fazer o café... do jeito que você gosta - sorriu se dirigindo a cozinha, depois de sair do banheiro e fazer sua higiene matinal. Realmente, ele gostava do café que Jimin preparava, o fazia lembrar de... Hoseok.


Particularmente, era o momento do dia que o Park mais gostava. Quando seu amado, pela única vez no dia, sorria. Seu sorriso diferente, que ninguém jamais iria ter ou imitar. E Jimin adorava esse sorriso, único e especial. 


Pena que o motivo não era ele.


Primeiro provou um pouco do café, se estava muito doce ou tinha pouco café torrado. Estava perfeito. O homem era minuncioso e perfeccionista em relação a isso, e o cão, fazendo suas vontades de bom grado, não arriscaria perder o "amor" de seu pudinzinho.


O café ainda estava sendo testado pela língua sensível do moreno, quando as mãos bobas passeavam por sua barriga e descendo em direção as coxas.


- O café está bom ? - sussurrou no ouvido do mais novo o fazendo arrepiar até a cauda, lambendo o lóbulo de sua orelha.


- Está sim. Prova... - se virou para o ainda descabelado e juntou seus lábios, o fazendo sentir o gosto do café derretendo em suas bocas, juntamente com o sabor de menta de suas pastas de dente.


Logo, as mãos do maior tiravam a blusa de cupcake e agarravam a sua cintura, o fazendo virar de costas novamente para o balcão, lambendo suas costas do meio ao fim com sua língua ainda quente, que fez o cachorro arfar com o calor.


- Já que está sendo um menino bonzinho... Vou te dar... Uma coisa... Que você vai adorar - disse pausadamente enquanto dava beijos e chupões entre a area do pescoço e o ombro do garoto. Os seus piercings nos lábios eram como se fossem gelo na pele de Jimin.


- O que é daddy ? O que é ? - disse manhoso, sentindo seu membro se enrijesser dentro da cueca preta.


- Você só vai saber se fizer o que eu mandar - sorriu safado e malicioso, vendo o outro assentir por cima do ombro, ansioso.


Começou retirando a boxer de Jimin, deixando-o apenas com sua meia, e em seguida abrindo sua calça, seu membro gotejava duro. Posicionou-o entre as nádegas do outro, o fazendo empinar sua bunda para ele. Logo inciou seus movimentos, apenas esfregando seu pênis entre Jimin, o fazendo gemer e segurar seu membro esquecido para se masturbar, enquanto os piercings no comprimento do pênis passavam gelado em sua entrada.


- Não - repreendeu-o, desferindo um tapa no lado direito de sua bunda, o fazendo gemer entre dentes - Detenha sua mão - o fio da torradeira foi de grande utilidade, para amarrar as mãos de Jimin na torneira. Afastou as pernas dele com o pé, o fazendo grunhir em desconforto.


- Temos uma regrinha aqui... Você só vai gozar quando eu permitir, okay, baby ? - Jimin sorriu ao ser chamado de baby, e assentiu.


O membro ainda escorregava por Jimin, estava fazendo isso de propósito, mas estaria mentindo se dissesse que não estava adorando. Puxava seu rabo arrepiado e arranhava suas costas alheias, a ponto de rasgar sua pele, assistindo o menor se contorcendo e mordendo seu lábio inferior para evitar incomodar os vizinhos ainda dormindo, com seus gritos e berros.


Foi quando, sem nenhum aviso, estocou seu membro em sua entrada, sem ao menor se dar ao cuidado de prepará-lo, fazendo com que Jimin inevitavelmente gritasse e lágrimas de dor caissem do rosto em direção ao balcão. Grunhiu quando sentiu a respiração quente contra seu ouvido, e recebendo mordidinhas e beliscadas por toda a orelha.


- Tsk, tsk, tsk... Você não pode gemer. Não o mandei fazer isso, mandei ? - perguntou sarcástico. Quando não obteve resposta, agarrou os cabelos castanhos brutalmente - ? - balançou a cabeça murmurando um "não". As lágrimas ainda caiam doloridas, assim como seus cabelos - ChimChim... Não chore... - limpou as lágrimas do menor gentilmente com o dedo, finjindo preocupação.


- Daddy já vai te foder... Não era isso que você queria ? Vou foder você todinho. E ainda com essa meia, que você colocou pra mim, não foi ? 


Jimin acenou com a cabeça, contente por ele ter notado, mas ainda sentido incomodado com a invasão repentina enquanto o cara dos piercings o agarrava pela cintura e o metia sem dó.


- Mais fundo... Rápido - não estava nem mais aguentando ficar sem gemer alto, mas ainda sim o incentivava. Estava sendo doloroso, mas não queria parar. Não iria estragar o momento por sua culpa.


Fechou os olhos e deixou escapar um som de dor quando começou a receber estocadas mais fortes contra suas paredes, atingindo sua próstata, mas tinha que aguentar firme, se não, daddy iria ficar decepcionado consigo, ele não queria isso.


- Já que foi um menino obediente até agora... Aah... Pode gemer, baby, eu deixo... Uhn... - se entiu bem mais aliviado. Agora seus gemidos tinham muito mais liberdade para ecoar nos ouvidos do outro, o excitando ainda mais, e o fazendo gemer junto. 


Ele gemia chamando um nome, mas não era o de Park Jimin. 


Mesmo assim, ele não se importava. Ele estando consigo já era o bastante.


Mas ainda não poderia gozar, ele ainda não mandara. Estava sentindo chegar ao seu limite, e o outro acertando sua próstata não estava ajudando nem um pouco. Mas precisava segurar-se.


O outro não demoraria muito tempo a chegar ao limite também, pela força que começou a aplicar na entrada pulsando e molhada com pré-gozo. Falava arrastado, chamando por Hoseok. 


Jimim, a essa hora, já se desmancharia. Estava a um fio de acontecer. Novamente suas lágrimas escorriam, agora de desespero. Fazia muito esforço, mesmo para se manter em pé.


A última estocada, e já liberava o líquido quente e viscoso dentro da cavidade apertada. 


Retirou seu pênis de dentro do maior ainda amarrado, levantou seu zíper e saiu pegando o celular posicionado em um ponto do balcão, ignorando-o completamente o garoto ainda amarrado. Jimin, ainda ofegante, agora percebeu que ele havia gravado tudo, possivelmente para vender depois a algum site pornô. 


Finalmente pôde relaxar e deixar-se desfazer no chão da cozinha. Depois limparia. Não estava acreditando no que havia acontecido.


Veio do quarto, novamente a voz tediosa.

 - Ah... O café. Faltou açucar.


Ele havia gravado. Ele e Jimin. Os dois juntos. 


Jimin não poderia estar mais feliz. 





- Yoongi... O que é isso ? 


Hoseok olhou o menor parado na porta com cara de quem não estava entendendo - Quem é ele ? - estava enciumado.


Suga finalmente havia saido do quarto para fazer algo para os dois comerem, quando Hoseok entrou de espião e vasculhou o que tanto queria, que era ver o que estava desenhado no quadro. 


Paralisou-se quando viu o quadro. Era um menino, de um sorriso de dentes grandes e brancos, olhos castanhos, rosto bem definido, cabelos lisos e... Duas longas orelhas negras.


- Yoongi... Vai me dizer quem é ? - se virou para o menor, enciumado. Ao ver o menor se pondo triste, desejou não ter sido tão egoísta naquele momento, mas já era tarde. Suspirou e andou até Yoongi. O menor se assustou, fechou os olhos. No fundo, já sabia que isso iria acontecer, era sempre assim. 


Quando sentiu as mãos de Hoseok abraçando sua cabeça, enterrando-o em seus braços, afagando seus cabelos.


- Vai dizer quem é, Suga ?... - disse em um tom mais compreensivo, mas ainda estava com uma pontinha de ciúmes. Não imaginava seu menino com outra pessoa, mas Yoongi não tinha culpa.


- Não... Vou mostrar.




- Vamos, Jae... Mais rápido.


Pegou em sua mão e começou a correr. Estavam atrás deles. Conseguiam ouvir os passos pesados em direção a eles naquele corredor extenso. 


Havia uma janela ao final do corredor. Não havia outra saída. Pularam, quebrando o vidro, caindo no amplo quintal gramado.


- Ugh... - Jaeyong havia machucado sua perna. Ele o pegou pelo braço, o colocou envolta de si e começou a correr novamente, enquanto olhavam para trás, vendo o homem grande e raivoso com uma arma em mãos praguejar o quanto eles eram filhos da puta, se ao menos tivessem uma mãe.


- Aguenta, Jae... Estamos quase. - falou ofegante, chegando as grades de ferro. Começaram a escalar, Yoongi com dificuldades, e o outro ajudando lhe. 


Jaeyong foi o primeiro a pousar de novo ao chão, agora fora daquele presídio que o chamavam de lar. Não, lar não. Apenas casa.


Ouviu um tiro.


Seu hyung estava no chão.


Abraçava seu corpo desesperadamente.


Lágrimas de desespero.


Não iria fraquejar agora. Não iria. Por ele. 


- Jae... - o chamou baixinho, havia sangue em sua camisa branca, suja e rasgada, assim como de Jaeyong. Mas ao contrário de seu dongsaeng, que chorava e soluçava, ele sorria - Fique bem... - apertou a mão do moreno, olhando-o fixamente.


Seu sorriso se desaparecia. 


Sua mão já não apertava mais a do outro.


O moreno fugitivo abraçou o corpo desfalecido sem conter seus gritos de dor.


E foram os únicos sons que foram ouvidos, além dos grandes portões se abrindo. Precisava correr. Mas não iria deixar o corpo de seu amigo sozinho.


Toda a tragetória foi feita em silêncio. Hoseok estava nervoso, queria saber quem era esse tal menino do quadro.


O quadro, Yoongi o levava. Disse ao ruivo que iria deixar-lo com o dono. Hoseok bufou.


Yoongi parou, e Hoseok fez o mesmo, sem entender. Estavam na frente de um lugar cheio de flores e gramados, e pedras enfileiradas. Mal pressentimento, Hoseok.


O menor abriu as grades de ferro, que fizeram um rangido assustador. Hoseok estremeceu com o barulho em seus ouvidos. 


Yoongi prosseguiu o caminho, passando entre as pedras, tomando o devido cuidado para não pisar em nenhuma das flores que haviam em alguns lugares. Yoongi procurou a mão de Hoseok, e a apertou.


- Hobi... É aqui - apontou com a cabeça para o último túmulo, em um lugar isolado dos outros. Não havia gramado ou pedra, apenas uma placa de madeira, feita e escrita à mão, uma letra rústica, mas com o devido cuidado. Em baixo, havia apenas uma data. Não duas. Apenas uma. E uma cruz ao seu lado. 


Yoongi ajoelhou-se na terra, coloando o pequeno quadro encostado à plaquinha, ao lado de algumas flores murchas, margaridas e rosas brancas. As preferidas de seu amigo.


Hoseok apenas olhava a cena, seu coração se apertou. Formou-se um nó na garganta. Segurou suas lágrimas relutantes.


- Hobi, vem... - disse sorrindo reconfortante e lhe estendendo a mão. Hoseok a pegou, as suas estavam tremendo e geladas. Fungou e limpou seu nariz com as costas das mãos.


- Então... É e-ele... - falar era difícil, sem derramar alguns tantos de lágrimas. 


- Sim... Meu hyung.


Levantaram-se e ficaram um tempo olhando para o lugar onde fora enterrado seu amigo. Logo começou a chover, mas não se moveram. Suas mãos dadas, se apertaram. 


Yoongi encarou Hope sorrindo, por entre os pingos de chuva. 


- Gosto de chuva. Me lembra ele.


Hoseok não sabia por que, ou como, mas o sorriso o aqueceu. Seu coração estava batendo mais forte, admirando a beleza daquele contraste entre o tempo nublado e chuvoso, os encharcando, e o brilho do sorriso de Suga. Uma obra de arte perfeita, que era aquele serzinho miúdo.


No meio daquele cinza, Yoongi era a cor. O roxo, o vermelho, o branco, amarelo. Era colorido. 


Passou a mão por seus cabelos negros molhados, e fechou os olhos pelo contato de seus narizes. Depositou um beijo molhado nos lábios macios de Suga.


- Vamos pra casa.


Estava chovendo quando o conheceu.


Chorava em um canto, com as pernas entre os braços e a cabeça entre os braços. Havia acabado de ser comprado. 


- Por que chora ? - um menino sorridente, que estava na mesma "cela" que ele, se aproximou e pôs a mão em seu ombro. 


Jaeyong se assustou e levantou a cabeça, se encolhendo. Mas o menino não retirou a sua mão.


- Hey, por que não brincamos ? - continuava sorrindo. 


Era a primeira vez que alguém o chamava para brincar. Primeira vez que o tratavam bem. Primeira vez que sorriam para ele, não o olhavam com nojo e desprezo. 


Ele era bonito. Seu sorriso era bonito, reconfortante. Jaeyong sorriu. O garoto, o híbrido coelho, de orelhas e cabelos negros, lhe estendeu a mão.


- Sou Jeon Jungkook.


- Ate logo, Kookie...


Notas Finais


Sim. O nome do Yoongi era Jaeyong :v enfim
Kooooookieeeee 😭💕 eu chorei
Ai, deu uma dor no coração
Mas calma
Respira
UI.
Enfim :3
*esta fanfic também esta no WattPad, então, se por acaso verem ela lá, não é plagio*
Beijos beijos beijos a todo mundo
//corre pq vão me caçar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...