História Segredo entre irmãos - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~malmag

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Incesto, Instagram, Jeongguk, Jikook, Jimin, Jimin!bottom, Jungkook, Kookmin, Meio-irmãos, Sugargonweek
Visualizações 1.376
Palavras 2.277
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Incesto, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


sugargon: Olá! Desculpem o atraso, acabou que postamos na segunda por que domingo é um pouco complicado de postar. Como vocês estão? vou tentar responder todos os comentários dessa vez, vai ser difícil, mas vou tentar! Beijos, espero que gostem <3

malmag: oi bebês, tudo bem?
Perdoem a demora, podem me culpar. Eu quem atrasei pra fazer minha parte MAS AQUI ESTAMOS NÓS.
Espero que gostem do cap, boa leitura. :3

Capítulo 3 - Nunca mais faça isso!


Fanfic / Fanfiction Segredo entre irmãos - Capítulo 3 - Nunca mais faça isso!

Isso não pode mais acontecer, Jeongguk.

 Era só isso que passava pela minha cabeça, que não poderia mais acontecer de jeito nenhum.

 Eu sempre fui um cara ciumento, com pai, mãe, amigos. Mas meu ciúmes com Jimin foi muito diferente naquele dia, foi como se eu não pudesse mais vê-lo ficar com outra pessoa, ou sequer saber que ele estava com alguém.

 Já faz alguns dias desde que aquilo aconteceu, e eu estou fugindo da maneira mais idiota possível, mas pelo menos tem funcionado. Eu só saio do quarto quando ouço ele trancar a porta, ou só fico  sala quando ele não está em casa. Mas é melhor para minha sanidade. Desde que descobri suas fotos não paro de pensar nisso.

 Sobre as fotos, evitar Jimin pessoalmente era possível, mas não podia deixar de vê-lo em seu instagram. Aquilo não ajudava em nada minha sanidade, seu corpo era perdição demais pra mim. As fotos ainda eram postadas com frequência e eu me excitava todas as vezes que abria para olhar. Eu estava confuso e minha perdição morava dentro de casa.

 Saí das aulas e segui o caminho contrário de Taehyung, me despedindo. Era sexta-feira, para meu azar – já que teria que conviver mais com Jimin – então pensei em chegar em casa e dormir o quanto pudesse, aí poderia ficar acordado de madrugada e andar livremente já que Jimin estaria dormindo.

 Mas assim que entrei em casa, subi direto as escadas e cheguei no meu quarto, meus planos foram por água abaixo, afinal, meu irmão estava ali, na minha cama, com os braços cruzados.

 —  Oi. —  Jimin disse simples, enquanto eu jogava a mochila em qualquer canto. Ele parecia querer conversar e eu já sentia minha mão suar de nervosismo.

 —  Oi —  respondi tirando minha jaqueta e dando as costas —  Vou na cozinha.

 —  Jeongguk, espera. — Jimin falou rápido e não pude fugir, afinal, foi tão rude que não pode sequer fingir que não ouvi. — Senta, vamos conversar.

 Suspirei fundo, apertando minhas próprias mãos. Andei em passos lentos até ele e mordendo os lábios, sentei no colchão, vendo Jimin me olhar dos pés a cabeça.

 —  Jimin, sabe que não gosto que entre no meu quarto sem permissão. —  Puxei outro assunto, propositalmente.

 —  Por que está me evitando? — Jimin foi direto, me olhando nos olhos enquanto eu senti o corpo tremer. —  É sério, você sabe que está e não adianta dizer que não. É por causa daquilo que rolou aquele dia ou você está bravo comigo por causa do Taehyung?

 —  O que? Não! —  Eu podia sentir meu rosto pinicar por estar corado. Jimin era audacioso e falava sobre qualquer coisa, enquanto eu ficava com tanta vergonha, sobre tudo. —  Nao rolou nada aquele dia, Jimin.

 —  Não se faça de desentendido, seja sincero comigo. Somos irmãos, afinal.

 Irmãos. Céus, aquilo parecia tão errado que podia sentir uma angústia subir em meu peito.

 —  Estou confuso —  falei baixo. Segurei o cobertor entre os dedos e tentei me focar nele, já que não queria encarar Jimin. —  Confuso sobre ser, que nem você.

 —  Jeongguk, eu não estou entendendo. Não consigo saber o que se passa na sua cabeça.

 —  Sobre gostar de… garotos. É isso, sobre gostar de garotos também.

 — Mas Taehyung falou que você ficou com o Yoongi. Você não gostou? —  Jimin tinha uma voz mais gentil, afetuosa. Conversar com ele era bom. —  Se você quis, é porque tem interesse. Não tem mal nenhum nisso.

 —  Eu gostei, hyung. Gostei mais do que ficar com garotas. Foi… —  minha boca foi calada da pior – ou melhor – forma possível, com um pequeno selar de Jimin, como uma bitoca rápida. Eu quase saltei da cama, simplesmente me afastei assustado, enquanto Jimin continua de joelhos na cama, com um sorriso no rosto. —  JIMIN! POR QUE FEZ ISSO?

 —  E aí, você gosta? —  ele falou tranquilamente, como se aquilo fosse indiferente. Eu estava surtando por dentro, meu coração batia rápido. —  Ai, Guk, não precisa se apavorar tanto, foi só um selinho. —  Jimin riu e bateu com suas mãozinhas na cama, pedindo para que eu sentasse novamente perto de si, mas não fiz.

 —  Não faça mais isso!

 —  Por que? Era só ‘pra ver se você gosta mesmo. Afinal, você só beijou um cara. —  Jimin disse ainda sorrindo para mim, só que um sorriso diferente e… provocador.

 —  Nós somos irmãos.

 —  E daí? — sua calma era um absurdo, ele simplesmente não ligava para nada.

 —  E daí que isso é estranho! Jimin, não faça mais isso. Nunca mais. — Jimin riu e me levantei, indo para a cozinha. Podia ouvir seus passos atrás de mim e respirei fundo, tentando ignorar.

 Se eu já estava confuso, imagina agora. A diferença é que não era sobre sexualidade, e sim uma confusão interna perante meu irmão mais velho, que me excitava como ninguém.

 —  Você gosta de garotos. — Ele chegou, já afirmando. Escorou seus cotovelos na bancada e apoiou seu rosto nas mãos, me olhando como se analisasse. —  Aigo, precisamos sair juntos. Ir em alguma festa, sei lá.

 —  Melhor não. —  Respondi seco, enquanto me servia de achocolatado. Não conseguia tirar seus lábios do meu pensamento. Sua boca era tão macia, tão gostosa.

 —  Jeongguk-ah, não fique assim! Não farei mais, é nosso segredinho.

 —  Jimin, você faz cada coisa! É sério, você é impossível, tem cada atitude. Aish, você me deixa louco com suas ações. —  falei nervoso enquanto ele ria de mim, claramente se deliciando com meu pequeno ataque.

 —  Você também me deixa louco, Jeongguk.

 Eu estava começando a achar que eu era um brinquedinho em suas mãos. E ele estava adorando brincar comigo.

 Apenas revirei os olhos com suas palavras, seguindo para fora da cozinha a fim de me afastar do mais velho, necessitando urgentemente de um tempo pra esfriar a cabeça. Como uma ajuda divina, meu celular começa a tocar no mesmo instante, era Taehyung.

 — Guk, chega aqui em casa. Os garotos vão vir pra cá, vamos beber e conversar. – Tae já foi dizendo, sem me dar sequer um “oi”.

 — Tô indo agora. – disse, já finalizando a chamada e indo pro meu quarto e fechando a porta, antes que Jimin brotasse por lá.

Tomei apenas um banho rápido, vesti uma calça e uma blusa preta, meus tênis e saí do quarto, já seguindo até a porta, evitando qualquer contato com meu hyung, que estava na sala vendo tevê.

 

 

Eu havia passado a tarde inteira na casa de Taehyung, evitando ao máximo qualquer assunto sobre Jimin ou coisas do gênero. Era cerca de oito da noite quando nossos amigos, Hoseok, Seokjin e Namjoon chegaram na casa do meu amigo e, adivinhem minha surpresa ao ver que Yoongi também estava presente? Pois é.

 De começo, me senti um pouco desconfortável com o mais velho ali conosco, mas conforme o álcool entrava por meu organismo, a conversa fluía mais naturalmente entre nós, até eu me sentir inteiramente à vontade com o mesmo, o bastante para ficarmos em um canto os dois bebendo nossas cervejas e jogando conversa fora.

 Min, em determinado momento, disse que ficar comigo foi bom, mas pediu para eu não me sentir ofendido com o fato de não querer novamente e, para minha surpresa, me pediu ajuda para ficar com Taehyung. Dá pra acreditar? Eu, claro, respondi que aquilo não era problema e que eu o ajudaria com meu melhor amigo afinal – assim, Tae desencanava de vez do meu irmão, mas claro que eu não admitiria ser por esse motivo – e acho que, no fim da noite, posso dizer que nos tornamos bons amigos.

 Cheguei em casa e o relógio batia mais de três da madrugada, eu estava muito bêbado e só tinha vindo embora por pura insistência de Yoongi, que fez questão de pagar um táxi para mim.

 Não liguei luz alguma quando entrei em casa, com medo de não acordar meus pais – ou pelo fato de eu realmente não lembrar onde o interruptor ficava – e tirei, com um pouco de dificuldade, os tênis, os deixando jogados perto da porta. Espreguicei meu corpo, olhando para a sala escura e tendo a impressão que tudo estava girando, efeito da quantidade de álcool no meu organismo, me fazendo soltar um risinho bobo.

 Eu já me direcionava até as escadas, meio cambaleante, quando percebi que a luz da cozinha se encontrava ligada. Com o cenho franzido, segui até o cômodo afim de apagar a luz para, enfim, seguir até meu quarto e dormir.

 Mas, o que de fato eu não esperava era a imagem de um Jeon Jimin na pontinha dos pés tentando alcançar um pote dentro do armário. Ele apenas usava uma blusa branca listrada de mangas longas e pelo fato de estar todo esticado, eu tinha a perfeita visão de suas pernas torneadas e expostas, o bumbum arrebitado coberto apenas pela cueca cor de rosa bebê. Não consegui evitar secar aquela parte de seu corpo sem pudor algum ao mesmo tempo que mordia meus lábios.

 Ficava cada vez mais difícil não querer foder meu hyung daquele jeito.

 O mais velho não parecia ter notado minha presença até então, tamanha sua concentração naquela tarefa árdua que estava; por esse motivo, segui em passos silenciosos até si – o que, incrivelmente, fui capaz de fazer mesmo com meu estado de embriaguez – e então colei meu corpo no seu, enquanto esticava o braço e alcançava com a maior facilidade o pote que o mais velho almejava, que descobri serem de cookies.

 — Aqui, hyung. – sussurrei em seu ouvido, minha voz saindo mais rouca que o normal.

 Eu estava com meu corpo inteiramente colado ao do mais velho, sentindo o calor alheio me invadir, me fazendo querer mais daquilo, mais contato. A vontade de separar meu corpo do seu, nesse momento, era nula, por isso não consegui me conter quando abaixei meu rosto para perto de sua nuca e pescoço, onde seu cheiro de morango era inebriante.

 — Obrigado, Gukie-ah. – Jimin respondeu fraco, soltando um arfar quando deixei um selar em seu pescoço macio.

 — Sabe, hyung… – ditei baixo, ainda sentindo o cheiro de sua pele e distribuindo pequenos selares ao mesmo tempo que minhas mãos se apossaram de sua cintura. — Acho que você faz isso de propósito.

 — Isso o que, Jeonggukie? – o mais velho perguntou ao mesmo tempo que tombava a cabeça para o lado, me dando mais liberdade em distribuir beijos por toda sua tez.

 — Isso de me provocar… – continuei, minha voz ainda baixa e levemente rouca; Jimin soltou uma pequena risadinha. — Olha o jeito que você está agora, merda… – praguejei ao passo que Jimin empinou sua bunda, tendo um contato melhor com meu membro que já começava a dar sinal de vida.

 — Ah, Jeonggukie… Mas eu nem comecei ainda. – sua voz saíra em um tom totalmente provocante e eu sequer tive tempo de responder qualquer coisa, pois o rosado tratou de começar a rebolar sua bunda gostosa em cima de meu pau semi-desperto, me fazendo perder a linha de raciocínio por total.

 Ele estava me deixando maluco.

 — Jimin… – sussurrei em seu ouvido, a voz grave enquanto eu tentava, por mais impossível que estivesse sendo, manter a mínima sanidade.

 Entretanto, apenas para me foder ainda mais, as reboladas tornaram-se mais intensas e suspiros saíam pelos lábios do mais velho, me fazendo não conseguir me focar em nada mais além daquele pequeno som e do quanto eu queria mais daquilo.

 Decidido a mandar tudo pra puta que pariu – com, talvez, ajuda do álcool no meu corpo – afastei meu corpo de si e puxei Jimin dali, levando o mesmo até perto da mesa de jantar, onde debrucei o corpo alheio sobre o vidro deixando sua bunda bem empinada para mim. Sorri malicioso ao reconhecer aquela cueca de algumas fotos suas e não me contive ao deixar um tapa estalado em sua bunda, ouvindo o mais velho arfar surpreso.

 Jimin apoiou os cotovelos na mesa e levantou um pouco, se empinando mais para mim e me olhando de lado, um sorriso malicioso dançando por seus lábios rosados. Eu permaneci compenetrado em seu rabo farto, apertando a carne macia entre meus dedos e quase gemendo em deleite quando o mesmo começou a rebolar pra mim. Eu estava com tanto tesão acumulado que não estava dando uma foda para a razão ou qualquer outra coisa que não fosse um Jimin rebolando pra mim e gemendo meu nome.

 Eu não tinha como evitar mais, queria mais do que tudo foder meu irmão mais velho até não ter mais forças no meu corpo.

 Meu pau já pulsava dolorido dentro da calça e eu não tinha como negar o quão excitado estava no momento. Jimin ainda rebolava em minha mão e apenas colei minha virilha na sua bunda, deixando ele rebolar em meu membro, mesmo que estivesse ainda com minha calça, aquilo era de enlouquecer. No escuro, eu estocava em Jimin por cima das roupas e aquilo era tão bom...Que poderia enlouquecer.

 — Gukie… – o rosado gemeu baixinho e aquele foi o estopim pra mim puxar o corpo do mais velho pra cima novamente, o virando para mim e colocando-o sentado sobre a mesa, me encaixando entre suas pernas.

 Não percebi quando paralisei, apenas observando sua beleza; seu rosto, as bochechas, a boca carnuda e atrativa sendo molhada pela língua rosada, as coxas totalmente à mostra bem ao alcance de minhas mãos, o pescoço branquinho parecendo implorar por marcas minhas; as mãos de Jimin que foram para minha calça sem que eu sequer me desse conta.

 — Você só vai me comer com os olhos ou o que? – Jimin sussurrou em meu ouvindo extremamente provocativo, mordendo o lóbulo em seguida, me fazendo abrir um sorriso safado na hora.

 Virei meu rosto para si, pronto para provar daquela boca e de cada mínima parte daqueles lábios quando, de repente, tudo pareceu rodar e minha visão ficou preta.

 Maldito álcool em excesso.

 


Notas Finais


malmag:
Bru e eu as maiores empata-foda desse jikook ahaushau
Desculpe por isso. Espero que tenham gostado e até mais. xo~ :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...