História Segredos ao Acaso - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 21
Palavras 1.379
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um capítulo. 😘
A partir daqui, começará a ficar mais interessante .
Aproveitem, leitores! 💙

Capítulo 4 - Que Audácia!


Fanfic / Fanfiction Segredos ao Acaso - Capítulo 4 - Que Audácia!

Sheen Luster


Damon finalmente foi embora.

Acho que, depois do susto que levou, ele pensará duas vezes antes de tentar algo novamente.

Fiquei em casa o domingo todo, lendo bastante e compondo algumas músicas. Vez ou outra eu componho músicas de estilos variados. Sei tocar alguns instrumentos, entre eles, o piano, a qual aprecio muito.

Não espero que Damon venha me visitar tão frequentemente, pelo menos é o que desejo. Meu tornozelo já está perfeitamente bem, então não há motivos para que ele venha até mim.

(...)

Acordo já pronta para o trabalho.

Entro em meu escritório e começo a trabalhar. Pelo que ouvi nos corredores, temos uma nova contratada. Não tenho tempo para conhecê-la, talvez a observe um pouco antes que isso aconteça. Enfim, isso não é importante agora.

Volto a me concentrar em minhas papeladas satisfatórias.

Ouço batidas em minha porta.

— Entre. — murmuro confusa.

Pensei que se tratava da assistente Bochechas, mas me deparo com uma mulher de cabelos verdes puxados para o azul brilhante em um estilo degradê ainda mais curtos que os meus, um tanto alta... seus olhos eram negros como as trevas, era bem bonita. Supus ser a nova contratada.

— O que deseja? — perguntei casualmente.

— Ah, sim. — ela parecia levemente nervosa, o que não combinava em nada com seu estilo ousado e sua expressão forte. — Desculpe-me, me chamo Katherine Adams e sou a nova contratada. Me disseram que a Srta seria a mais qualificada para me ajudar e me orientar, por isso vim aqui.

— Por favor, me chame apenas de Sheen e, com certeza, irei te orientar e mostrar a você toda a empresa, só espere um instante enquanto termino isso aqui. — digo de uma forma séria, me esforçando ao máximo para ser simpática, mas isso é tudo o que consigo. Afinal, eu tinha gostado dela. — Ah, e não é necessário falar formalmente comigo.

— Ok, e obrigada Sheen — ela deu um pequeno sorriso, se sentou e me esperou.

Eu a entendo. É seu primeiro dia em um novo emprego... Deve estar ansiosa. Ela balança sua perna freneticamente, enquanto mexe em seus variados piercings, mostrando um pouco de ansiedade. Sabia que ela não era assim, na verdade, a achava um pouco parecida comigo, porém sem essa ousadia chamativa e interessante. Não sei a sua idade, então resolvo perguntar:

— Quantos anos você tem?

— 19 anos. Farei 20 daqui a alguns meses. — responde ela, casualmente. — E você?

— 23. — ela me olha um tanto surpresa.

— Você é bem interessante, digo, sua personalidade. Além de ser muito bonita. — diz ela, como uma criança fofa, o que é um tanto contraditório. — Seus olhos são reais? Porque se forem, são magníficos!

Muitas perguntas, mas não são invasivas, então não vejo problema em responder.

— bom... Obrigada, mas acho que exagerou um pouco. Não sou tudo isso. E sim, meu olhos são reais. — solto um pequeno sorriso.

— Uau! — é tudo o que ela consegue falar.

Mostro toda a empresa à Katherine como prometido. Durante nosso passeio, fui conhecendo mais dela. Aí está uma coisa a qual não somos parecidas: ela não é tão reservada quanto eu. Não que eu não seja confiável para que ela esteja me contando da vida dela, mas é... Diferente. Entretanto, apesar de tudo, ela não me fez nenhuma pergunta pessoal. Acho que ela percebeu que eu não iria falar... Garota esperta.

Saio do trabalho e volto para casa. Hoje estava um tanto cansada, então fiquei um pouco com Nico e depois fui dormir.

(...)

A semana passou voando e logo já era Sábado.

Eu e Katherine nos aproximamos mais um pouco. Não chega a ser uma amizade, mas é bem mais do que simples colegas de trabalho.

Hoje vou sair, mas só à tarde. Pensei em convidar Katherine, porém foi apenas um pensamento distante e rápido. Ainda prefiro ir sozinha.

Minha manhã está perfeitamente normal. Coloco música e fico escutando no meu Headphone preto, enquando faço o almoço.

Saio para comprar algumas coisas no mercado. Como o tempo está um pouco frio, uso um moletom preto. Adentro o supermercado e compro apenas algumas coisinhas. Pago tudo e vou embora.

 Estou andando pelas ruas raramente vazias de Los Angeles, até que algo prende minha atenção. Olho para o outro lado da rua e vejo Damon, mas ele não me percebe, talvez por causa da distância. Ele está formalmente vestido e seu rosto está sério e retesado. Confesso que ele estava bem bonitinho e parece que as mulheres ao redor também perceberam.

Damon entra em um caso luxuoso preto. Ele está acompanhado de uma mulher loira, com estilo secretária. Fico olhando até o carro ir embora. Não vou negar, tenho certas curiosidades com relação ao Damon que irei descobrir. Mas, por enquando, serei sigilosa.

Entro em casa e volto a cozinhar.

Como só irei sair quase perto do anoitecer, resolvo dormir. Preguiçosa? Nem um pouco.

(...)

Acordo com o som infernal da campainha tocando. Continuo na cama. Toca mais uma vez e novamente eu ignoro na esperança de quem quer que seja o desocupado, fosse embora.

Toca de novo, e toca, e toca, e toca... Até que eu não aguento mais, me levanto rapidamente e saio em disparada, completamente irritada.

Abro a porta e vejo um Damon totalmente sorridente em minha frente. Ele percebe minha cara de poucos amigos e fica sério.

— O que diabos você quer!??? — grito, irritada. — Mais que inferno!! Eu estava dormindo, demônio!!

Ele fica assustado por um segundo, mas depois substitui sua expressão para um sorrisinho provocante.

— Hoje em dia não somos mais recebidos com educação em uma singela visita. — dramatiza.

Eu reviro os olhos e suspiro, tentando me controlar.

— Olha, presta bem atenção, você me acordou, me deixou estressada e afim de arrancar sua cabeça fora, então por favor Desembucha! — digo, trincando os dentes e me contendo. — Fala logo o que diabos veio fazer aqui, praga!

— Calma, eu vou ser direto. — ele suspirou. — Eu quero que você saia comigo hoje...

Eu não espero nem mais um segundo antes de bater a porta na cara dele.

— Realmente não foi uma decisão sábia eu ter te acordado, — ele riu pro detrás da porta. — mas voltarei daqui a meia hora, quando você estiver mais calma.

Eu apenas o ignorei e fiquei largada no sofá.

Estava assistindo TV, quando a campainha toca. Vou destruir isso, sinceramente, que barulho chato!

Me levanto e vou atender. E não é que o demônio veio mesmo... Aish!

— Então, você vai comigo? — ele pergunta, esperançoso

— Não — respondo friamente.

— É o que veremos.

Ele entra com tudo, me pega pelo braço e me leva até a parte de cima da casa, me coloca de frente para o meu quarto e pega em minha cintura, assim me empurrando para dentro do quarto, porém eu me viro de frente para ele e o encaro.

— Eu não gosto quando as pessoas me mandam fazer algo a qual eu não queira. — digo, secamente.

Ele suspira.

— Ok, então por favor Sheen Luster, a srta poderia sair comigo hoje? — Diz ele com uma falsa formalidade e um sorriso galanteador.

— Para onde vamos? — pergunto, séria.

Ele revira os olhos e me prensa na parede.

— Pare de fazer tantas perguntas, só quero te mostrar uma coisa. — ele ficou me encarando por um curto período, enquanto eu permanecia séria, apesar de estar desconfortável por dentro.

— Certo, eu vou. — falo com falsa animação. — só espere um pouco equanto me arrumo. — tento sair de seus braços, mas ele não se mexe. — E... Já pode me soltar.

Ele sorri travesso e passa seu dedo indicador pelo meu nariz, descendo pela minha boca, fazendo um leve carinho. Como seu eu fosse uma criança.

— Muito bem, Sweet. Vou estar te esperando — ele se afastou, porém não muito.

— Ei,— chamo sua atenção e ele se vira, então desfiro um chute em seu abdômen e ele se curva no chão. — Nunca mais faça isso, ouviu bem? Que audácia!

Ele se levanta com uma cara de dor  e sorri cético.

— Eu sabia que você não deixaria passar em branco.


Notas Finais


Eu shippo com certeza!😂💙
Até o próximo, bilautas...🤗
E desculpem qualquer erro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...