História Segredos e Mistérios (Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Alice, Assassinos, Elisa, Imagine, Jeon Junghyun, Jungkook, Lee Taemin, Lia, Você É Uma Policial, Yang Mi
Visualizações 76
Palavras 3.998
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Festa, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, boa noite a todos.

Senti saudades de vocês, meus leitores e agradeço a quem não tenha me abandonado, eu realmente não tenho palavras para descrever o quão sentimental eu estou, foram 3 meses, de 4K palavras escritas com sacrifico, bloqueio, organização e desenvolvimento para que este capitulo pudesse sair hoje.

Obrigada pelos Favoritos, Comentários e Visualizações <3

Comecei a escrever esse capitulo dia no dia 09/08 e terminei dia 1/11. Sim, isso tudo, então eu peço a vossa devida colaboração, tanto de #criticas e #sugestões.

Eu não tenho muito a declarar neste inicio, mas vou dizer tudo nas NOTAS FINAIS e espero que leiam, por favor. Não vai ser algo tão expressivo, porque eu não sou dessas, mas estará tudo esclarecido por lá.

Só sei, que até os leitores fantasmas vão aparecer, pra me matar, por causa do final do capitulo.

Beijos e carinhos da Luh

Capítulo 21 - Cap. XXI


________Pov On

 

Andar 13, Sala de Interrogatórios

 

Vários arrepios percorrem o meu corpo de maneira incessante, e por mais habituada que eu esteja em interrogar pessoas, desta vez parece diferente, mas um diferente péssimo, um mal pressentimento passa pela minha mente após as seguintes palavras de minha irmã.   

- Ao entrar dentro daquela sala será o momento de tomar decisões e posicionar-se, porque provavelmente será um caminho sem volta, entendem ______ e Elisa. – Disse Alice séria, enquanto ainda estamos enfrente a sala de interrogatórios.

Suspiro fundo, antes de colocar a mão na maçaneta e abro a porta, adentrando no local sendo acompanhada por Elisa.

Os suspeitos estão sentados nas cadeiras e as mãos algemadas em cima da mesa, seus rostos encapuzados, deixa meu interior ainda mais alarmado, permitindo sentir vários frios na barriga, que chega a incomodar.

Aproximo-me da mesa, sendo a Lisa a sentar na cadeira, pousando alguns materiais de apontamentos, enquanto eu permaneço em pé, ao lado dos suspeitos, nos entreolhamos para ver quem dá início com interrogatório, que após alguns minutos de muita pressão da minha parte, a Lisa toma a vez.

- Olá, eu sei que pessoas do vosso caráter estão pouco se lixando para o que eu vou dizer, mas para que a nossa conversa seja menos durável e mais respetiva, eu espero a vossa devida colaboração, e de preferência civilizada. – Explica, com calma. – Nós somos as oficiais Park, e a minha colega de momento está ao vosso lado e vai tirar as vossas máscaras, já que nós trabalhamos de preferência com rostos, entendido! – Conclui, num tom severo.

Cumpri com o que foi dito e sem nenhuma reação brusca dos indivíduos, fico atrás deles e puxo a máscara de cada um, tendo o privilégio de ver as expressões faciais de Elisa mesmo usando a máscara, que por si só, não é nada daquilo que eu esperei.

Seus olhos arregalados, e sua expressão incrédula.

Elisa simplesmente trava no sítio completamente abismada, como se tivesse visto alguma assombração, e claro eu como curiosa que sou, além de ser o meu trabalho, vou até ao lado dela e óbvio que a minha reação não foi nada agradável, é claro.

- Mas que merda é está! – Grito, indo em direção a porta, quando oiço o trinco desta ao ser trancada.

Agora entendo, toda aquela preocupação vinda da Alice, mas na minha humilde opinião não serve de nada, pois a realidade bateu a porta, na hora errada.

Sinto a minha mente em branco, eu não estou preparada para isso, e olha que só teve uma única vez, em que deparei-me com essa situação inusitada e a sério, não foi nada fácil, deixar a vida pessoal de lado, e saber manter um postura séria e profissional é complicado, suspiro mais uma vez, antes de sentar na cadeira, e pegar as fichas de identidade deles, eu posso sentir os olhares deles em nós e isso deixa-me ainda mais apreensiva, eu sei que não devia ter reagido dessa maneira, mas não tinha o que dizer além daquilo.

- Pelo que vejo, não têm antecedentes criminais e isso é muito bom, ainda dá para salvar a vossa pele, se é que entende-me, mas para que isso aconteça, tenho que saber o que faziam exatamente em plena duas da manhã, dentro da Biblioteca Nacional, o que pretendiam, de lá, hum? – Pergunto, olhando séria na direção deles, vendo qualquer mudança mínima corporal de cada um.

- Apenas diversão. – Encaro Yoongi, com uma expressão relaxada no rosto.

Impressionante, a maneira como ele distorce os factos, que podia convencer qualquer um, mas se acha que consegue, está muito enganado! – Penso, ao olhar profundamente em seus olhos, vendo-o vacilar ao ver minha postura, que fazia questão de transmitir deboche, mesmo importando seriedade.

- Diversão? – Questiono – Sério, que não tem mentira mais persuadível do que está, para mim? – Pergunto como não quero nada e aproximo o meu corpo para frente, com os cotovelos pressionados contra a mesa, enquanto as minhas mãos entrelaçadas, sustentam o meu rosto.

Bingo!

- Aish, para quem está bastante a risco e língua afiada, até que aparenta ser bem inseguro, por acaso o gato comeu a sua língua, Min Yoongi? – Persuadi, sorrindo de canto, desviando o meu olhar em direção no meu próximo alvo – Será que pode responder por ele Jung Hoseok? Que tipos de diversão procuravam, huh?

Hoseok apenas abre e fecha a boca, talvez a procura ou reformulando qualquer coisa, que possa confundir minha mente, mas isso será uma missão completamente impossível! – Penso, desviando o olhar em direção a Elisa que permanece em silêncio, mas que na verdade deve estar se corroendo para não mostrar um sorriso vitorioso.

- E-ele, não quis dizer diversão. – Gagueja Park Jimin, ao responder.

-Se não era isso, é o quê afinal? – Pergunta Elisa, arqueando as sobrancelhas, transmitindo um ar de falsa dúvida.

- Não tem como sermos presos, sendo que não roubamos nada! – Disse Yoongi, irritado ao perceber na teia de aranha, que as policiais fazem questão de empurra-los para dentro, sem chance de escapatória, aproveitando assim para confundir as suas mentes.

- Hum…, isso não importa, pelo que eu saiba, a biblioteca fecha a meia-noite em ponto, depois desse horário, apenas permanece a segurança vigilância do local, ao menos que foram contratados, pela empresa que faz esse serviço?

~Silêncio~

- Não vale a pena, pedir pelo vosso advogado e falar sobre os seus direitos e blá, blá, blá, porque eu estou pouco me fodendo para eles.- Bati a mão com força na mesa, irritada.

- Será mais fácil se contassem a verdade, assim posso facilitar o vosso processo, mas vocês, não querem. – Olho com uma expressão decepcionante.

- Quando trouxeram vocês para aqui, imediatamente foi uma equipe de coletar pistas, que acabou por achar impressões digitais…. – Falo com calma, sendo interrompida.

- Isso é mentira! Nós somos muito profissionais, para deixar esse detalhe mínimo e tão importante passar, sabendo que podíamos ser presos… – Grita Jimin nervoso.

Coitado, nem deu conta, que apenas está se enterrando nas minhas armadilhas com perguntas falsas para obter uma confissão, não acho muito conveniente usar esse método, mas tenho que admitir que é muito eficaz.

- Ué, como tem certeza disso, Park? – Pergunto - Se nem cheguei a mencionar que as digitais vos pertencem! – Um belo sorriso adorna, em meus lábios, enquanto via Jimin engolir em seco, tendo olhares fuziladores de seus companheiros em si, ao perceber a burrada que fez.

- Interessante, o quanto este interrogatório, está sendo. – Proferi, enquanto mexia levemente na folha de apontamentos. – Vamos ver o quão profissionais são, em serem interrogados sozinhos, hum? – Levanto da cadeira, indo em direção a porta, dando duas batidas, ouvindo está ser aberta, e vendo alguns policiais passando por ela.

- Levem eles, para celas separadas e de preferência na solitária, por favor. – Pedi, vendo a Elisa levantar e aproximar-se de mim. – Assim vão poder refletir, e depois veremos até quando vão permanecer calados. – Sorri de canto ao ver eles sendo levados.

 

[…]

 

Jin Pov On

- Fiz esse chá para si hyung, espero que fique mais calmo. – Diz Jeongguk ao entregar a chávena nas minhas mãos.

-Obrigada. – Respondo, ao sorrir de canto.

Mas com os pensamentos ao longe, só de imaginar os garotos presos por um descuido meu, deixa-me com o coração despedaçado, e o pior é que eu sinto algo de estranho, como se avisa-se que a minha alma e nem a minha sanidade vão ficar tranquilas, enquanto eles não estiverem aqui, do meu lado, onde eu posso assegurar que nada de mal vai-lhes acontecer, isso é tão lastimam-te e deprimível.

E para piorar a situação, NamJoon saiu tão, mas tão irritado que não vou ficar surpreendido se daqui algumas horas ou até minutos receba um telefonema a dizer que ele sofreu um grande e grave acidente.

Porra! O que se passa comigo, eu não sou assim…, tão pessimista, sou?

Desde quando fiquei tão inseguro comigo mesmo e o mundo ao meu redor, quando foi que eu, Kim SeokJin comecei a ter medo da vida que levo há anos?

Será, que foi preciso acontecer uma enorme avalanche que avaloou tudo, sem que eu perceba?

Tenho que parar de esconder-me na sombra dos outros, tenho que achar uma solução, para que consiga resgatar os garotos sãos e salvos.

- Já sei! – Grito, assustando os meus dongsaengs. - Eu sei, que isso pode ser uma enorme e péssima loucura, mas é a única que temos, e que se for para morrer e salvar o Jimin, Hoseok e Yoongi, é isso que eu vou fazer. – Disse decidido.

- Tentem ligar, para NamJoon e digam imediatamente para ele voltar em casa, sobe as ordens do Chefe Bang. – Explico, batendo palmas, para que se dispersem, enquanto eu vou falar com o Chefe.

 

[…]

 

NamJoon Pov On

Aish! Que ódio estou sentindo de mim mesmo, a culpa já é enorme, mas inevitável, e tudo por eu ter sido tão possessivo e orgulhoso, em tentar achar um método que possa nos livrar da prisão, mas no final três dos meus comparsas podem estar trancados entre quatro paredes sujas e cheias de histórias integráveis por contar.

E mais um balde de lixo é chutado para longe, assustando quem está ao meu redor, sendo assim agraciado com olhares reprovadores que fazia questão de revidar e ainda oferecendo o dedo do meio, assim continuando andar pela calçada, tragando um cigarro, para ver se acalmo essa raiva que está instalada no meu interior de tão instável que ela aparenta persuadir a minha alma.

Entro no beco, bem conhecido por mim e que faz algum tempo que não venho aqui, andando até ao fundo vejo dois homens fisicamente estruturados em frente a uma porta marrom, ao ver que me aproximo deles, suas posturas ficam sérias.

- Quanto é a entrada? – Pergunto grosso.

- São 13.288.499 Won.

Pego na carteira que está no meu bolso traseiro, abro-a retirando o valor pedido e entrego em um dos seguranças, que conta para ver se está certo, permitindo a minha entrada.

O corredor é longo, e a cada passo que dou, ainda é mais perceptível ouvir as ondas sonoras da música Sorry Not Sorry da Demi Lovato, vibrar pelas paredes de tão alta que está, assim dando finalmente de cara, com várias mesas e sofás forradas ocupados por clientes, a volta do extenso palco que percorre ao redor cheio de vários pole dance (dança do varão) posicionados em pontos específicos para que assim seja ainda melhor a visibilidade das strippers a dançarem sensualmente, algumas delas praticam o lap dance (dança no colo) nos clientes, rebolando e movendo-se com ou sem topless com calma pressionando assim ambos os sexos de maneira sofrida e excitante.

Algumas enquanto praticam tal proeza nos respetivos clientes, ainda têm a cara de pau de piscar o olhar, e dar várias mordidas em seus lábios inferiores, na ideia de ter um treesome, sendo que eu amo foder sozinho, ignoro todas indo até ao bar que está posicionado ao fundo, vendo-o bem movimentado, mas com alguns bancos vazios, sento em um deles.

- Boa noite sirva-me um Whisky Chivas Regal Royal Salute, por favor. – Peço dando as costas ao barman, quando ele entrega o copo com uns dos whiskies mais caros do mundo, sendo que o bar de stripper é de luxo, apenas os bem-sucedidos vinham nesse lugar, que fica localizado em Gangnam.

A música que veio a seguir ainda é mais mexida do que anterior, sendo está He Like That, assim vários jovens levantam dos sofás, sendo acompanhados pelas strippers que fazem-lhes companhia e eu aproveito essa deixa e vou em direção do alvoroço de corpos sendo esfregados uns nos outros, de bocas sugando, mordidas e trocas de línguas selvagens, talvez tendo a sorte de encontrar a minha diversão perante todo o amanhecer.

Mmm, salto alto e uma bela bunda

Você tem essa atitude de bom menino e meio que eu gosto disso
Você tem essas tatuagens em seu braço, deixam uma garota excitada
Você coloca o grave na batida, não quer vir soltá-lo aqui dentro?
Eu tenho aquele salto alto e belas curvas e você sabe que quer experimentar

Sinto várias mãos percorrendo o meu corpo, algumas atrevidas chegam até a segurar com firmeza minha bunda, continuando o trajeto até meu membro teso, viro o meu corpo para trás, vendo uma morena mordendo os lábios inferiores, ao perceber o tamanho do meu potencial, aproximo-me dela, colocando as mãos na sua cintura, segurando com firmeza e possessão.

- Vai aguentar? – Sussurro em inglês, sendo que a garota é ocidental.

E a resposta que recebo são os seus lábios finos bem marcados com um batom vermelho vivo, serem pressionados contra os meus, sua língua adentrando a minha boca com maestria, sendo está bem recebida e caprichada, sendo sugada com pressão e imitando uma penetração, enquanto as minhas mãos descem direito em sua bunda apertando com satisfação, fazendo um impulso, tendo as suas pernas prendendo em minha cintura e mantendo-a firme em meu colo, ando com ela para fora da pista de dança.

Salto alto e uma bela bunda, salto alto e uma bela bunda
Ele gosta de salto alto e uma bela bunda
Salto alto e uma bela bunda, salto alto e uma bela bunda
Eu sou essa garota de salto alto e uma bela bunda

Separamos do beijo, quando o ar faz falta e aproveito a chance de sentir a textura da pele do seu pescoço contra os meus lábios, humedecendo a área, antes de pressionar os meus dentes com força, depois passando a língua lentamente por sua clavícula até seu queixo, recebendo em troca vários arrepios, tendo a sua cabeça virada para o lado, dando ainda mais espaço para deixar as minhas marcas negras, enquanto ela aproveita deixar seu pescoço mais perto de mim, gemendo deliciosamente em meu ouvido.

Chego finalmente ao corredor dos quartos, entrando no primeiro que esteja livre, fechando a porta a seguir, prensando-a contra a mesma, começando a movimentar o meu corpo num vai e vem lento, e bastante provocante sendo agraciado com o seu quadril requebrando a altura e simplicidade, deixando-me ainda mais excitado se isso ainda fosse possível.

Ele gosta dessa empinada, empinada, empinada
Ele gosta desse requebrado, requebrado, requebrado
Ele gosta desse amor, amor, amor
Eu sou como aquela droga, droga, droga
Ele viaja quando está dopado, só um gostinho e ele quer

Ela desce do meu colo, começando a empurrar-me possivelmente até a cama, sentindo a ponta desta, sento, mas antes retirando o meu casaco e a minha blusa, tendo seu corpo por cima do meu enquanto as suas pernas ficam cada uma ao lado das minhas.

Suas mãos percorrendo o meu corpo, com leveza e pressão, tendo as suas unhas médias, pressionadas no meu tronco descendo com firmeza, arrancando gemidos roucos de mim.

-Hum… caralho…gostosa…- gemi, dando um tapa forte na bunda dela.

Seguro sua mão guiando-a contra o meu pénis duro, sentindo agarra-lo com força, antes de descer do meu colo e ficar sentada entre as minhas pernas, olhando com luxúria para mim, enquanto desaperta o botão e a fivela da minha calça puxando-a juntamente com a minha boxer branca húmida de pré-sémen.

Seu dedo indicador, passa com leveza e firmeza por minha glândula inchada, retirando o sémen, e direccionado em seus lábios finos chupando com gosto.

-Puta que pariu- gemi anestesiado.

Voltando a segurar, desta vez com os cinco dedos ao redor do meu pénis, movimentando de cima para baixa, num ritmo lento e torturante a meu ver, enquanto eu gemia com volúpia.

- Vai deixar o oppa gozar na sua boca, né?

Ela sorri de canto, e abre a boca aproximando seu rosto de meu pénis, e não aguentando mais essa demora por parte dela, seguro em seu coro cabeludo forçando sua boca abrigar cada centímetro do meu pénis, até senti-lo tocar no fundo da sua garganta, esperando enquanto ela tenta aliviar o desconforto eminente.

Afinal eu não sou nada pequeno e muito menos tenho falta de grossura.

Ela posiciona suas mãos em cada lado das minhas coxas, segurando com força, dando inicio aos movimentos de cima á baixo lentos e torturantes, que ao passar do tempo virão para sucessões rápidas, brutas e barulhentas, sempre que meu pénis sai da sua boca no estalo *blop* o pré-sémen espalhado ao redor de meu pénis com a sua saliva deixando ainda mais lubrificado, mas claro sem esquecer de usar a camisinha, vai lá saber que doenças têm, eu estou na merda, mas não sou ingénuo.

Levanto o seu corpo, atirando-a contra a cama, deitando meu corpo em cima do seu, tendo suas pernas entrelaçadas em minha cintura pressionando com necessidade os nossos sexos, o meu que encontra-se sem nenhum tecido apertado, enquanto ela permanece de lingerie.

Quando ia desapertar o cos do seu sutiã, meu celular toca, eu bufo irritado, tendo a intenção de ignorar e voltar com o que pretendia fazer, quando ela sussurra no meu ouvido ao dizer “que pode ter acontecido algo de grave” depositando um selar em meus lábios, afastando-se de mim.

Decido atender o celular, deixando na alta voz afinal, ela é desconhecida e nunca mais vamos nos ver, então, não tenho nada que possa-me preocupar.

- Alô, Jeongguk o que quer a essa hora?- Tento manter meu tom de voz calmo, mas na realidade eu quero gritar com esse empata foda, isso sim.

- Hyung! Finalmente atendeu a porcaria desse celular, sabe a quanto tempo estou-lhe ligando? – Pergunta irritado.

- Não ouvi, quer que faça o quê? Sua criança agressiva? – Debocho.

- Pau no seu cú! Provavelmente para relaxar esse ódio, deve estar se divertindo bastante, quem é a garota da vez, hyung?! – Ironiza.

- Você respeita-me Jeongguk, ainda sou seu hyung! – Repreendo.

- Foda-se, eu só quero saber onde está, para que o Taehyung possa lhe buscar?

- Estou em Gangnam.

- Como foi aí bem distante, se o seu carro está aqui? – Pergunta surpreso.

- Já ouviu falar em táxi ou ônibus?

- Aish, não encha. Eu só espero que quando voltar para casa a primeira coisa que faça é pedir desculpa ao Jin hyung, ele não merecia ter sido tratado daquela forma, ele sabe que errou, mas a culpa não é dele, mas sim do NamJoon hyung por ter dado uma de obsessivo para tentar descobrir a senha do sistema informático da policia nacional, então passar bem. – E desliga a chamada.

Vire o rosto na direção da moça, vendo ela de cenho franzido e com uma expressão séria em seu rosto, preocupado passo a mão de leve pelo seu rosto, tentando chamar a sua atenção, afinal eu não sou assim tão mau ao ponto de ignorar os que me rodeiam.

- Qual é o seu nome, meu bem? – Pergunto com espetativa, quando tive seus olhos atentos em mim.

- Meu nome é Anabela. – Responde com um sorriso de canto. – E o seu? – Olha curiosa.

- NamJoon.

- NamJoon acho melhor vestir-se, daqui a pouco seus amigos estarão aqui. – Diz levantando-se, enquanto pega as suas roupas no chão.

- Não está chateada por não terminamos? – Digo preocupado.

- Ah, claro que não! – Profere descontraída – Sabe porquê?Olha com malicia.

E apenas aceno que “não” com a cabeça.

Anabela aproxima-se de mim, colocando suas mãos a volta do meu pescoço, juntando ainda mais nossos corpos, e sem que eu perceba um suspiro sai de meus lábios, ao perceber o quão enfeitiçado estou por seu olhar decisivo e sexy, seu rosto vai na curva de meu pescoço onde deposita um selar, antes de pressionar seus dentes na região, deixando-me excitado, sentindo um breve arrepio percorrer pelo meu corpo.

- Porque, eu ainda vou querer ter o seu esperma bem no fundo da minha vagina!- sussurra com tanta naturalidade.

E afasta-se de mim, voltando a vestir-se enquanto eu permaneço estático, sem saber como reagir a tanta provocação vinda de Anabela.

Caralho, essa mulher tira-me dos eixos!

Depois de sairmos da boate, decidi deixar a Anabela em sua casa, e acabei por descobrir que é ela não é uma acompanhante de luxo ou stripper, mas sim filha do dono daquele lugar, o que deixa-me aliviado por saber desse detalhe da sua vida.

Porque ela é diferente, um diferente do qual eu pretendo ir mais a fundo.

 

[…]

 

Taehyung estaciona o carro, enfrente a porta de casa, e desço ao fechar a porta atrás de mim, entrando na residência, ando pelo longo corredor que vai dar acesso na sala de estar, e encontro Jeongguk sentado no sofá maior, com uma expressão nervosa em seu rosto.

- Cheguei, então o que o chefe Bang quer em plena madrugada? – Pergunto, quando Jeongguk nota a minha presença no local.

- Por enquanto não pretende nada, mas daqui algumas horas teremos uma reunião de urgência na sede principal da Big Hit, então eu recomendo que durma bastante, porque as próximas 48 horas serão as mais corridas e perigosas que vamos enfrentar. – Responde Jin hyung, que aparece encostado na porta de seu quarto.

 

[…]

 

Autora Pov On

 

Horas Depois…

Reunidos na sala de reuniões na sede principal da Big Hit, encontram-se os membros que restam do esquadrão BTS e seus superiores (Chefe Bang e o seu braço direito Jun-Ho).

Jin prevendo que aquele é o momento certo para esclarecer a presença de todos naquela sala, levanta da cadeira e fica em frente de um quadro branco, onde utiliza-se para discutir as próximas atividades propostas e disponíveis para a empresa, afinal a existência dela é apenas para desviar atenção da polícia, da organização de assassinos e espiões, a mesa ampla estende-se na vertical, dando privilegio de todo mundo dar a devida atenção a ele.

- Annyeong sejam bem-vindos, a reunião que tem como ponto de discussão, a permissão para que possamos salvar Jimin, Suga e J-Hope, da possível prisão preventiva em que eles estão…- foi interrompido.

-Quê? – Grita todo mundo.

- Está louco SeokJin? – Questiona incrédulo Jun-Ho – De todas as propostas de salvamento que já fez, essa é a mais sem fundamento! Imagina se os formos salvar? Acha que a polícia não vai descansar até descobrir quem foi? – Olha irritado.

- Eu sei, de todos os perigos que estarão há espreita, mas se não fizermos nada, para mim será considerado uma traição! – Esclarece nervoso – Acha que eu não sei que isso pode dar cabo da organização, não tem uma semana desde que foram presos, e infelizmente, eu não consigo ter uma boa noite de sono sabendo que eles estão a um passo de ficar atrás das grades!

- Não permito, que faça uma loucura dessas por causa de três garotos irresponsáveis, só pela sua incompetência! – Grita, batendo as duas mãos com forças em cima da mesa de madeira feita de orvalho – Sendo que no final, todos, ouviu vem porra! Todos serão penalizados!

- Apenas, não permite pelo seu próprio bem, é tão egoísta ao ponto de ignorar até os que convivem consigo, que arriscam a vida, para que Jun-Ho, tenha uma vida de luxo, sem mexer na merda de uma palha sequer, então o que custa-lhe aceitar? – Respira fundo - Eu não estou pedindo que vá invadir o Departamento da Policia Nacional com a gente, mas apenas por respeito a si, que não já tenho mais de agora adiante, estou pedindo para que dispense alguns dos seus melhores agentes, mas já que não quer sujar essa sua pele imunda, pode sair por essa porta agora, porque no final a última palavra será do Chefe Bang! – Diz severo.

Jun-Ho apenas engole a seco, mas sentindo a raiva consumir seu sistema nervoso, porque vontade não falta-lhe para levantar da cadeira de couro, e espancar SeokJin até que fique em coma, ou melhor que morra. Nunca sentiu tanto ódio de alguém, como sente de SeokJin, mas se esse garoto pensa que Jun-Ho vai deixar isso passar está muito enganado.

Kim SeokJin não sabe, mas já têm os seus dias ou meses contados, para ficar no caixão a sete palmos abaixo da terra! – Pensamento de Jun-Ho que olha sério na sua direção, antes de sair porta fora.

 


Notas Finais


1º Siga-me @Lady_Luh ajudem-me a passar dos 150 seguidores ou melhor dos 100 (que ainda não alcancei :/ ).

2º Sugestões - Interação para os leitores

- O interrogatório, foi bom ou podia ter sido melhor?
- Presos na solitária (O que será que vai acontecer aos garotos?)
- Anabela já começou arrasar corações!!!!
- Joonie está xonado Kyaaaaaaaaaa /// Eu sei que estão shipando com a Alice, não vale mentir
- Jun-Ho quer matar, Jin? Oh My God *o*
- Será que Jin vai conseguir a permissão para invadir o Departamento da Policia Nacional?

3º Eu comecei a ter um bloqueio, quando eu vi que em alguns projetos de fanfics, eu não era selecionada para beta reader, e com toda a sinceridade, eu devo dizer que doeu muito, eu sentia e pensava que minha escrita não era boa e isso meio que deixou-me em decadência e insegura de mim, mesma.

Eu sou do tipo de pessoa, que leva a opinião dos outros, muito em conta, eu sei que não devo dar muito atenção nesse aspecto da minha vida, mas como eu disse, eu sou insegura e quando isso acontece eu faço sacrifícios para que tudo saia, consoante aquilo que planeio, ou seja nada pode sair dos trilhos.

Mas felizmente, eu consegui entrar em alguns projetos, onde fiz e faço várias amizades, que podem ver logo na minha biografia. E hoje recebi a noticia, que entrei em mais um projeto, eu sinceramente não esperei por isso e meio que a fixa não caiu.

4º Também podem ver a minha #ListadeLeitura onde estão as fanfics que foram (One-Shot) e são (longs-fics) betadas por mim.

O próximo capitulo sai em breve, apenas deixem eu ficar de férias dia 17 deste mês.
@Historiadora100 Não me esqueci de você, bebé. Muito obrigada a sério, o teu incentivo ajudou-me bastante, naquele dia a conseguir dar o máximo de mim, para dar um avanço significativo e do qual eu gostei de escrever, então eu espero, que tenha gostado/ amado ler esse capitulo.

Sorry Not Sorry - Demi Lovato
He Like It - 5H
DDD - EXID


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...