História Segredos Entre Sol e Lua - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor Gay, Gay, Principe, Romance, Romance Gay, Segredos
Exibições 21
Palavras 2.073
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um cap \o/

Capítulo 19 - Quem sou?


~ Frederick/ Lector

Perder a memória, ser salvo por pessoas que diziam ser minhas amigas a um longo tempo, trabalhar para eles como se eu fosse um escravo, ser obrigado a saquear, descobrir que sei usar uma espada, então ser emboscado pelo exército, me divertir lutando com um dos soldados que mais parecia uma criança, perder, ser preso, depois solto por bandidos, por alguma razão que não sei explicar ajudei o mesmo soldado que me derrotou, fugimos juntos para a antiga base do exército na ilha onde não ficamos nem um dia até sermos achados e capturados novamente, agora estou preso de novo com as pessoas que me prenderam da primeira vez, que sorte a minha, devo dizer que eu sou o azar em pessoa.

_ Vocês cãezinhos da corôa são tão previsíveis e patéticos, vir na antiga base se esconder aqui, é muito engraçado. - falou o cara que eu deduzi ser o líder de tudo. - olha eu não sabia que deixavam criança entrar para o exército, eu particularmente acho isso repugnante!

_ Me solta e eu te mostro o que essa criança sabe fazer! - falou o carinha engraçado.

_ Temos uma criança brincalhona, pessoal que tal um pouco de diversão?  - falou o homem que parecia o líder.

Ele soltou o carinha das cordas que o amarravam e lhe jogaram uma espada quase o dobro do tamanho dele, com aparente dificuldade pegou a espada e  a empunhou, um dos bandidos a nossa volta ficou a sua frente com duas espadas, aparentemente o bandido tinha cem por cento de chances.

O Bandido foi para cima do pequeno soldado, ele deu um pequeno sorriso canto de boca, usando a espada pesada como apoio ele se impulsionou e chutou o bandido pela costela o fazendo cair sem ar, o bandido se re erguei ainda cambaleando e furioso e novamente foi para cima, aparentemente usando toda a força jogou a espada para cima, mas foi detida pelas duas espadas do bandido que quase estava cantando vitória quando recebeu um coice no estômago e rendido pelo pequeno soldado.

_ Então alguém ainda quer brincar comigo ou as senhoras estão com medo de perder para essa "criança" aqui!? - falou o pequeno soldado soltando o bandido deixando ele cair de cara no chão.

Palmas lentas debochando o soldado estava vindo do líder que agora chegava cada vez mais perto.

_ Bravo, bravo, belo espetáculo, esplêndido, você usou a burrice dele contra ele, me impressionou, mas que tal um desafio de verdade!? - falou o líder tirando sua "capa" e jogando a para o lado.

O líder estendeu a mão e uma simples espada veio ao seu encontro, a cara dele era de alguém que já havia experimentado sangue e havia gostado, gostado até demais, o pequeno soldado pegou as duas espadas leves do antigo adversário.

_ O que eu ganho lutando com você? - perguntou o soldado.

_ Sua vida! - falou o líder.

_ Isso eu já tenho, quero o navio e uma chegada segura até o porto, sem truques por favor, meu humor hoje está péssimo! - falou o pequeno soldado.

Um riso maléfico e estridente saiu do líder, era uma risada que simbolizava que ele tinha certeza que  o soldado não venceria.

_ Ousado e direto, gostei de você pequeno, sua morte será rápida se conseguir me divertir, mas caso ganhe... - outra risada como se tivesse sido uma piada.- tem minha palavra que deixo lhes partir sem que nem um dos meus homens os interfira ou os impeça.

_ Agora sim essa luta vai ficar boa. - falou o pequeno soldado ficando em posição de defesa.

Enquanto ambos esperavam o momento certo para atacar um ao outro, senti alguém tentando me dar um tipo de faca ou sei la o que era, olhe a minha volta é vi um homem gesticulando para que eu cortasse as cordas dele, foi o que comecei a fazer.

_ Sua defesa é boa, sem nem uma brecha. - falou o líder enquanto rodavam em círculos lentamente para  ver se encontravam o ponto fraco um do outro.

Os bandidos ao redor do círculo gritavam quase em sincronia " Garlook", esse deve ser o nome do líder pois ele parecia gostar daquilo, olhei para os lados e vi que nem um dos soldados estavam nervosos, na verdade pareciam felizes.

_ Por que ninguém aqui está nervoso, se nosso amiguinho ali perder nos todos morremos! - falei baixinho para um soldado do meu lado.

_ Você lutou com ele, devia saber o porquê! Melvin é um soldado que já saiu general do treinamento pelo único motivo, à três maneiras de se tornar general, tento contatos com superiores, por méritos e se você derrotar seu general em uma disputa, Melvin é a terceira opção, ele lutou com seu general e ganhou dele sem nem mostrar toda sua habilidade, ele é um prodígio do exército. - falou o soldado.

Bem eu não conhecia o general que ele havia derrotado, mas sentia nos meus ossos que aquele cara seria uma patente muito mais alta.

Após tanta enrolação Melvin foi para cima, quando deferiu o golpe vi que nao estava usando toda sua força, mesmo que parecesse, eu já havia visto um movimento igual, mas não sabia aonde, Garlook também investiu e deferiu um golpe, Garlook usava um estilo agressivo, onde se tinha mais força do que técnica,  a cada golpe bruto de Garlook Melvin iria se afastando, só com a força dos impactos, o líder estava estasiado com a batalha, a felicidade assassina estava estampada nos seus olhos, ainda que Melvin estivesse aparentemente em desvantagem eu via que ele não estava lutando sério, ainda não, ele estava estudando o inimigo, ele sabia que aquele cara não seria fácil de derrotar sem uma estratégia.

Eu já havia cortado a corda de todos e até a minha, mas estávamos quietos fingindo ainda amarrados observando Melvin levar violentos golpes que o faziam ir para trás de tão forte.

_ Hora vamos! Cadê o lutador de agora a pouco? Onde está o garoto que achou que me venceria? Me mostre o que sabe! Ou devo pensar que não sabe nada? - falou o líder com gargalhada sombria.

Novamente o canto da boca de Melvin fez um pequeno sorriso, estava na hora da verdadeira luta começar, Garlook deferiu um golpe mais uma vez, mas Melvin foi mais rápido, desviou com mestria e feriu a perna de Garlook, o bandido ignorou o ferimento e golpeou novamente só que mais rápido, uma das espadas de Melvin voou para longe com o impacto, antes mesmo de Melvin se recuperar do ataque anterior Garlook deu outro golpe que se não fosse a destreza e a astúcia de Melvin o teria ferido gravemente, sua camisa estava cortada e um de seus braços levemente ferido, Garlook estava se cansando isso era visível, mesmo achando a luta um deleite para sua alma assassina ele estava ofegante e a força dos seus ataques estava diminuindo, mas ainda continuava muito forte.

Melvin voltará a defensiva, mas sabia que não podia ficar daquele jeito muito tempo, Garlook cansado de daquele joguinho cegou Melvin com areia e atacou quando a defensiva estava aberta, quase pulo na frente da espada de Garlook, no entanto Melvin feriu a outra perna do líder bandido que dessa vez urrou e deixou uma brexa, ele havia ferido mais profundo dessa vez, jorrava sangue para todo lado, a cara de satisfação se tornou de ódio.

_ Chega de brincar, vou acabar com você seu inseto do exército. - falou o bandido furioso.

Melvin  rolou entre ataques, até chegar na sua espada caída no chão, suas roupas estavam sugas e rasgadas,  ele teria apenas uma chance de vencer aquela luta, mas teria que esperar mais um pouco, é em questão de segundos a chance apareceu um lado onde a fúria havia pegado Garlook, ele dançou com a espada sobre o ponto cego e decepou a mão de Garlook o fazendo se contorcer de dor e de ódio.

_ Malditoooooo, maldito cão da corôa! - gritou derrotado o líder dos bandidos.

Os bandidos a nossa volta preparavam um ataque até que Garlook os impediu.

_ Eu sou um assassino, só conseguiram me prender pois me pegaram de surpresa e desarmado, foi uma captura desonrosa, mas eu ainda tenho honra e não volto atrás da minha palavra, você Cão da corôa recebe meu respeito e uma minha jura de vingança, não ouse morrer nas mãos de outro a não ser nas minhas!  Homens deixem os ir! - falou sempre apontando para Melvin que estava de camisa rasgada.

Melvin cortou as cordas que estava nos envolvendo e juntos corremos para o Navio com a escolta de alguns bandidos, o breu da noite acobertou nossa partida daquela ilha, todos que nos viram olhavam abismados como se tivéssemos feito o impossível.

_ Nem acredito que consegui! Estou surpresa... Quer dizer surpreso! - falou Melvin.

_ A senhorita foi espetacular! - falou um soldado vindo em sua direção.

_ Te... Tenente!? - falou Melvin assustado. - desde quando? Como descobriu?

_ Devo dizer que sempre desconfiei, seu cheiro é diferente, mas tive certeza quando vi suas curvas, alias belas curvas. - Melvin tentou tampar o corpo com os braços. - não se preocupe, a vi lutar várias vezes, vi sua força, sua determinação e sua lealdade a o exército, você minha cara é mais honrosa dessa farda do que muitos, e para todos aqui presentes lhes falo, aquele que vazar esse segredo me encarregarei de sumir com seu cadáver pessoalmente.

_ Obrigada Tenente, o senhor não sabe o quanto ouvir essas palavras me fazem feliz! - falou Melvin de joelhos e com lágrimas nos olhos.

_ E quanto a você, por que um pirata está conosco? - perguntou o Tenente.

_ Senhor, devo lhe minha vida a esse homem que me salvará quando nosso navio foi invadido. - falou Melvin. - ele teve várias chances de me matar e não a fez, ele me ajudou, eu confiaria minha vida a esse homem facilmente se precisar!

_ Tenente, eu sei que o senhor não tem motivos para me ouvir, mas gostaria de lhe informar, que a um tempo eu perdi minha memória no meio do mar, não sei quem sou, não sei de onde vim e não sei para onde vou, aqueles piratas me resgataram e por gratidão eu o servi, porém agora gostaria de um rumo e saber quem sou e acho que Melvin pode me ajudar, por algum motivo algo me diz que já nos vimos, talvez se eu ficar com ele mais tempo eu possa me lembrar. - falei.

_ Bem, não acho que você ofereça perigo, mas Melvin você será o responsável dele... - Melvin concorda.- agora vamos ter que dar um jeito é nesse teu visual, de longe se vê que ele não é um de nós.

Após discutimos o que iríamos fazer Melvin me levou até sua cabine e lá pegou uma navalha que usava para abrir cartas e uma tesoura e ela começou a cortar meu cabelo.

_ Então qual o seu verdadeiro nome, posso saber? - perguntei.

_ Melisa é só o que precisa saber. - falou ela ríspida.

_ Então quer dizer que aquela hora que...

_ Para alguém que perdeu a memória você sabe de mais, a menos que queira acabar com a cabeça empalhada na minha cabine você nem se atreva a completar o que está pensando. - falou ela com a ponta da tesoura no meu pescoço.

Eu apenas fiz que sim com a cabeça, Melisa não era nem um barbeiro profissional, mas até que cortou bem meu cabelo, minha barba quem a fez foi o tenente pois ele tinha instrumentos certos.

_ Você já conseguiu se lembrar alguma coisa do passado? - perguntou o Tenente.

_ Pouca coisa, mas sinto que alguma coisa está gritando dentro de mim e me dizendo que está faltando alguma coisa...

_ E está, sua memória. - falou o tenente.

_ Não nesse sentido, sinto como se estivesse vazio, um vazio que uma vez ja foi preenchido, mas agora está tão vazio que dói, eu sonho toda noite com uma pessoa que faz com que essa sensação suma, mas quando acordo e como se ate minha memória do sono tivesse sumido. - falei.

_ Quem sabe você não tenha uma família? Talvez seja isso, seu coração deve está falando para voltar, para sua esposa e filhos talvez.

_ Talvez! Mas não sei não acho que seja assim. - falei um pouco desanimado.

_ Pronto! Um novo homem devo dizer, venha vamos mostrar a Melvin. - falou o tenente chamando Melisa para ver.

Melisa entrou na cabine e me fitou pasma como se tivesse visto um fantasma.

_ Lector!?


Notas Finais


Vamos lá pessoas o que será que vai acontecer nessa história!? Deixem nos comentários e favoritem minha fic :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...