História Segredos revelados. - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Itachi Uchiha, Kabuto, Kakuzu, Kisame Hoshigaki, Konan, Naruto Uzumaki, Obito Uchiha (Tobi), Orochimaru, Pain, Rock Lee, Sasori, Sasuke Uchiha, Zetsu
Tags Kakuhida, Kisaita, Leegaa, Narusasu, Orokabu, Painkonan, Sasodei, Tobizet
Exibições 223
Palavras 3.195
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Queremos ser compreendidos
mas não sabemos compreender
queremos ser amados
mas não sabemos amar
queremos ser perdoados
mas não liberamos perdão.
Esses são os confrontos de Deidara Nakaiama.
Curtam babys.

Capítulo 18 - Arrependimento.


Fanfic / Fanfiction Segredos revelados. - Capítulo 18 - Arrependimento.

- olha aqui Deidara, você ter se metido com o homem que eu amo no passado e uma coisa que já não importa mais, porém agora Itachi está comigo, ele é meu, e eu não vou permitir que você brinque com os sentimentos dele, como brincou com o Sasori.

- todo mundo fala como se eu fosse o vilão da história, hn!

- e quem é você Deidara? De todos nós você é o que tem menos motivo para está na Akatsuki.

- isso não é verdade.

- você é um moleque mimado, rebelde, um filhinho de mamãe, uma criança birrenta que nunca suportou levar um não.

- não fale assim comigo, hn!

- o Yahiko perdeu os pais na merda de uma guerra e ficou morando na rua, a Konan igual ele passou toda sorte de privações, eles conheceram o Jiraya que tentou passar um pouco de esperança para eles, mas o ditador Salamandra levou tudo embora, Yahiko passou pela morte causada pelo Nagato, e depois o Nagato não suportando trocou a vida dele pela do Yahiko, ele vai carregar essa morte pelo resto da vida nos ombros dele, assim como a coitada da Konan que sabe que o Nagato se matou também por que ela amava o Yahiko e não ele. O Kakuzu viu os pais declinarem de uma vida boa a total pobreza foi escravo e sofreu vários tipos de castigos e torturas. O Hidan foi gerado num ritual pagão, a mãe dele ficou grávida e os sacerdotes a sacrificaram a Jashin assim que o Hidan nasceu, o pai dele fez o bebê tomar do sangue da própria mãe, e o pai do Hidan foi o primeiro sacrifício que o Hidan ofereceu ao deus Jashin, todos nós passamos pelo diabo nessa vida, e você?

- meus problemas são meus e não interessam a ninguém, hn!

- você não tem problema nenhum Deidara, e o neto do Tsuchikage, nasceu no palácio, sempre teve fartura na mesa, roupas de tudo que é modelo num closet recheado, sapatos para perde de vista, sua mãe era uma princesa e seu pai um militar de alta patente, o que você sofreu? O QUE VOCÊ SOFREU? VOCÊ NÃO SOFREU NADA, VOCÊ É UM MERDA, E UMA CRIANÇA MIMADA, UM MOLEQUE, VOCÊ É UM MOLEQUE!

- PARE!

- você já destruiu a vida de muita gente, ouça bem Deidara se você chegar perto de novo da minha família, eu juro que acabo com você, e não será rápido, e muito menos indolor, eu vou te fazer implorar pela morte, agora suma.

Kisame foi até o lago em que todos estavam brincando, ao ver seu tubarão Itachi se jogou em seus braços e Kisame correspondeu com um beijo, Itachi era o amor da vida de Kisame, e sem duvida o tubarão jamais permitiria que alguém tentasse ameaçar sua felicidade.

Deidara estava chorando embaixo de uma árvore se sentia tão sozinho, desamparado, todos estavam felizes, tinham suas vidas, estavam com as pessoas que amavam, somente ele havia ficado só, seu filho era sem dúvida seu grande amor, porém ele sentia falta de um carinho, um afago, alguém que cuidasse e se importasse de verdade com ele, Deidara tinha dentro de seu coração uma carência muito grande, sempre sentiu que não era amado por ninguém, nem mesmo por seus pais, para seu avô ele era uma arma e seu filho poderia ter o mesmo destino.

- Dei.

- Danna, o que faz aqui?

- ouvi você chorando, o que foi?

- nada, hn!

- quer um abraço?

- quero hn!

- o que foi querido?

- Danna o que você realmente pensa sobre mim e a minha entrada na Akatsuki?

- Deidara, eu conheço você até do avesso, eu sei que você nasceu num palácio cercado de regalias, empregados, pessoas que puxavam seu saco vinte quatro horas por dia, mas no fundo de seus corações eram tão falsos quanto uma nota de oito ienes. Seu pai era um importante ninja, mas nunca teve tempo de sentar no chão e brincar com você, as poucas vezes que vocês se viam ou era na hora de dormi ou era na hora de acorda apenas recebendo um embaraço nos cabelos, um tchau filho!

- eh!

- sua mãe era a filha do Tsuchikage, ela vivia para ajuda-lo com as obrigações com a aldeia, era uma mulher amorosa e gentil, porém ela também não tinha tempo para cuidar de você, cresceu num palacete totalmente sozinho, só tendo uma babá que mais cuidava de si mesma que de você, e os outros empregados que só reclamavam nas suas costas.

- isso parece uma vida boa? Hn!

- parece uma merda aquela que transborda o pinico.

- hum! Danna!

- essa foi pra você sorrir.

- bobo!

- quando seus pais morreram você era apenas um pré-adolescente sem conhecimento nenhum da vida, seu avô só falava em ficar mais forte, em aprender mais jutsus, ele queria te transforma no seu pai e também queria que você fosse tão prestativo como sua mãe, se ele pudesse te fazer ser como seus pais, a morte deles seria esquecida mais depressa.

- ele nunca me amou.

- você se sentia só, num inferno, aprisionado numa gaiola de luxo, mas mesmo sendo de ouro, ainda era uma gaiola.

- você me entende, Danna.

- eu sempre entendi você.

- como acabamos assim Danna?

- você sabe por que.

- você poderia pedir perdão.

- ainda que eu peça, você não vai pedir e eu não errei sozinho.

- eu amei o Itachi, segui meu coração.

- e por que ficou comigo mesmo estando com o Itachi?

- por que você me entendia, era o meu parceiro, eu passava mais tempo com você que com o Itachi, mas depois que a gente voltava de missão, a saudade me fazia voltar para o Uchiha.

- eu nunca fui suficiente pra você.

- eu queria deixar o Itachi, mas não conseguia.

- vou pedi perdão, pelas ofensas, pela minha raiva descontada, por todas as brigas, e por toda magoa que te causei. Perdão Deidara.

- Danna! Eu não esperava por isso, você sempre foi tão orgulhoso.

- orgulho nunca me levou a lugar nenhum, estou perdoado?

- sim, eu te perdoou.

- queria poder te abraçar, te beijar, te amar nesta areia, e voltar a tudo como era antes dessa tremenda confusão, mas e impossível, por que você não se arrepende, e eu não posso pisar na minha dignidade, mas estarei aqui quando você se decidi.

- eu vou voltar pra minha tenda ficar com o nosso filho, hn!

- eu posso vê-lo amanhã?

- pode.

- obrigado.

- de nada.

Deidara entrou na tenda que dividia com Pain e Konan, o casal nem sentiu a presença do loirinho, Deidara olhava para Daitaka que dormia profundamente, o loiro sentia seu coração pesado, pensava no passado, ele poderia ter evitado todo aquele estresse, mas era difícil dá o braço a torce, se deitou e pensou nos seus momentos passados com seu Danna, Deidara estava entre seu orgulho e sua saudade.

Ao amanhecer do dia, todos os papis saíram para pegar sol com seus filhinhos, Naruto estava com Sasuke passeando pelo deserto enquanto era bem cedinho, o bebê Kurama apreciava a companhia de seus pais sorrindo e comendo a mão, o bebê era bem bochechudo e gorduchinho, dava vontade de morder. Kazumi adorava o colo de Itachi, sempre que Kisame o colocava no colo o bebê chorava, e Suigetsu gargalhava pela falta de jeito do paizão, Hidan andava lado a lado com Kakuzu os dois eram discretos como casal, mas se tratando de Hiro eles só se uniram ainda mais, Konan brincava com Nagahy, Zetsu babava em sua Kaguya, Deidara voava com Daitaka.

Palácio Kazekage.

- é então?

- está feito, o senhor feudal do vento irá me receber na próxima semana.

- tem certeza, moranguinho?

- eu preciso tirar essa dúvida de detrás da minha orelha, Lee.

- me deixe ir com você.

- já disse que não, pare de insistir.

TOC! TOC!

- o que houve?

- Kazekage-sama, ninjas da pedra tentaram invadir nosso território.

- precisamos fazer alguma coisa, Gaa-chan.

- avise ao Pain, peça que ele pendure uma bandeira com o símbolo da Akatsuki nas portas de Suna, que todos saibam que tipo de sodomita a aldeia da areia tem abrigado.

- acho que isso causará intimidação meu amor?

- preciso acreditar Lee.


Em Konoha.

- Tsunade-sama, foram enviados para prisão mais dez ninjas chunnins.

- Shizune, eu já não suporto mais esse tipo de noticia, não me fale mais nada apenas prenda esses imorais e ponto final.

- se me permiti senhora, acho que deveríamos nos juntar a eles.

- acha que eu gosto disso? Acha que eu estou satisfeita de ver meninos que eu vi crescer, que batalham desde pequenos em prol do bem dessa aldeia, atrás de grades, como criminosos comuns? Mas o que mais eu posso fazer? Shizune o pagamento efetuado mensalmente pelo senhor feudal do fogo e mais de cinquenta porcento que essa aldeia acarreta, sem o apoio dos feudos nenhuma aldeia resistirá.

- então por que não fala com o senhor do fogo?

- você ficou louca?! Jogar tudo no ventilador?! E depois? Com o que sustentaremos a vila? Que comida colocar na mesa? Acorde Shizune histórias felizes são contos da Disney.

TOC! TOC!

- O QUE É?

- desculpe Tsunade-sama.

- o que é Sakura?

- nasceu outra aberração em nossas cadeias.

- não fale assim Sakura. (Shizune)

- e quer que eu fale como? São aberrações, monstrinhos, que vieram ao mundo de uma sem-vergonhice.

- quem é o genitor?

- Sai Yamada.

- ele já disse quem é o pai?

- não, permanece incomunicável, diz que foi ameaçado, e não pode revelar nem sobre tortura, e preferível mata-lo logo.

- Sakura! (Shizune)

- foi ele quem pediu pela morte, Shizune.

- quando foi que você se tornou essa pessoa tão maquiavélica?

- quando roubarão tudo de mim.

- Sakura!

- CHEGA DESSE DRAMALHÃO DE NOVELA MEXICANA NA MINHA SALA! Marque o dia do nascimento daqui a seis meses imprima o documento de abstenção e tire o bebê para ser entregue a uma família normal.

- sim senhora.

- quem será o sem-vergonha que fez isso com esse garoto? (Tsunade)

 

Relâmpago.

- senhor.

- o que é?

- Karui quer falar com o senhor.

- mande ela entrar.

- bom dia Raikage-sama.

- o que você quer? Se for interceder pelo seu irmão, vou logo avisando que é perda de tempo, ele só sai daquela prisão, morto.

- eu sei, por isso vim lhe pedir, que eu morra com ele, não vou conseguir viver sem o meu irmão.

- perfeito, então que Karui seja morta junto com Omoi, são dois inúteis não se perde nada, FORAA!

- meu irmão. (Bee)

- não começa Bee, nossa vila está cheia de viados e tarados insolentes, eu quero o total extermínio dessa praga, se essa vadia quer morrer com aquele fresco que fique a vontade, e você mantenha essa boca fechada.

- tem vídeo chamada dos Kages, Raikage-sama. (secretária)

- se manda Bee.

- vou deixa-lo com seus segredinhos irmão.

- um dia você vai me agradecer, seu ingrato.

Vídeo chamada.

- olá Raikage querido.

- Mei, minha sereia.

- não se esqueçam que também estou aqui. ((Onoki)

- e será possível esquecer, Tsuchikage? (Mei)

- Tsunade continua prendendo os ninjas da folha, um terço de todos os ninjas já está encarcerado, alguns fugiram e foram mortos pelos ninjas da pedra. (Onoki)

- muito bom Tsuchikage. (Raikage)

- acha que já está na hora? (Mei)

- eu sinceramente queria invadir Konoha, depois que colocar as minhas mãos naquela maldita cobra. (Onoki)

- vamos encontrar Orochimaru assim que lutamos contra Suna e invadirmos Konoha. Deixando o mundo ninja menor, Orochimaru não poderá se esconder para sempre, em algum território aquele retardado vai ter que aparecer. (Raikage)

- acha que o senhor do fogo e do vento vão colaborar com nossas ambições? (Mei)

- querida, os senhores feudais só querem saber de nossas armas e proteção, se tudo permanecer como está, eles estão cagando, vamos destruir Suna, invadir Konoha, e excluir o som, seremos imbatíveis com esses moleques dos viados. (Raikage)

- a vitória. (Onoki)

- VITÓRIA! (Mei)

 

Sunagakure.

Durante o almoço que era servido para todos os refugiados a Akatsuki não tinha vergonha em se alimentar com um monte de outras pessoas de tudo que é canto do mundo ninja, Deidara novamente olhava para os casais, Pain cheirava os cabelos de Konan, Kakuzu apesar de gosta do peito do frango

preferia separa-lo para Hidan, Kisame olhava vez ou outra para Deidara com sangue no olho, Tobi babava em Zetsu seu neguinho, Naruto e Sasuke almoçaram junto com Gaara e Lee no palácio Kazekage.

- então já está marcado? (Sasuke)

- sim, eu vou até o senhor do vento na próxima semana.

- admito que me impressionou está disposto a sacrificar tudo por um bando de ninjas que nem a sua vila pertencem.

- esses homens confiaram suas vidas e de suas famílias a mim, não posso simplesmente virar as costas e meu dever como ser humano.

- Gaara sempre teve um bom coração eu tinha certeza, só precisava de um pouco de polimento, dattebayo!

- Naruto, cuidado!

(ÁUREA ASSASSINA DE SASUKE)

- amor?! Dattebayo!

- chantilly meu moranguinho? (Lee)

- Lee?!

Gaara não resistiu ao chantilly e acabou beijando Lee sujando ambos com a decoração da sobremesa de frutas vermelhas e iogurte light, o beijo era desinibido, as línguas exploravam a boca um do outro sem nenhum constrangimento, Naruto e Sasuke olhavam tudo de olhos arregalados, o casal havia sido completamente ignorado pelo anfitrião e seu namorado, os dois só se separaram quando o ar pediu licença.

- te amo. (Lee)

- minha tartaruga.

- meu moranguinho.

- ainda estamos aqui, alô? Dá licença. (Sasuke)

- desculpem, isso não costuma acontecer em publico, eu me empolguei. (Gaara)

- ah moleque! Dali Lee, dattebayo!

A semana passou e Deidara soube assim como todos os outros moradores refugiados que na manhã de segunda o Kazekage partiria com os semes da Akatsuki rumo ao templo do vento em busca de achar uma solução diplomática para o caos do mundo ninja, ao saber dessa novidade o loirinho percebeu que poderia não ver Sasori novamente, o ruivo estava visitando seu filho, mas mantinha a distancia de Deidara para não cair em tentação, Deidara precisava se decidir ou queria a volta ou esperava a pior noticia.

- Danna.

- Deidara meu anjo, você trouxe o nosso neném.

- trouxe, você vai com os outros para o templo do vento?

- farei isso por nosso Dai-chan.

- mas e se houverem armadilhas?

- pensei que queria que eu morresse dentro da minha marionete.

- você sabe que eu estava zangado, foi dá boca pra fora.

- não se preocupe sou um dos melhores ninjas da Akatsuki e prometi ao menino que o veria crescer, ainda que de longe.

- me perdoa Danna, eu feri você, magoei seus sentimentos, te trai, te enganei, eu me arrependo, desde que nos conhecemos você me amou e cuidou de mim, eu fui um ingrato, procurei nos braços de outro o que já tinha dobrado nos seus, perdão?

- você me ama?

- eu te amo, eu te adoro, eu preciso de você.

- eu te perdoou, eu vou voltar pra você, pro nosso filho, pra nossa família.

- Sasori no Danna.

- meu anjinho.

(Beijo)

No quarto do Kazekage.

No quarto de Gaara, Rock Lee chupava delicadamente a pele do pescoço do ruivo, Gaara sentia em suas costas o membro rígido de Lee, o moreno não só estava excitado como já mal conseguia segurar todo o seu desejo, o casal dormia toda noite de conchinha, mas não passava disso, os beijos estavam cada dia mais sôfregos, as caricias mais assanhadas, o corpo do Kage já havia sido explorado pelas mãos do moreno, mas na hora H, Gaara sempre recuava, o que deixava Lee inseguro pela presença de Naruto.

- precisamos dormi, dormi e dormi, amanhã e o grande dia, e tudo ou nada, eu preciso acorda disposto.

- Gaara, por quê?

- o que?

- meu amor, eu prometi que esperaria o tempo de fosse, mas preciso saber, eu sou o homem que você desejou se entregar? Ou ainda tem esperanças que o Naruto, venha a ocupar o lugar na sua cama?

- Lee, o Naruto foi por quem eu me apaixonei de mente, eu sonhava com seus olhos, seu sorriso, seu jeito alegre e extrovertido, sonhava em passar horas conversando, ouvindo, brincando, tinha desejos de criança, o desejo mais profano que despertei por Naruto Uzumaki foi um beijo que nunca se realizou.

- e agora?

- Lee, você me deixa em combustão, quando você chega perto de mim, o meu corpo se arrepia, os meus músculos tencionam, a boca fica seca, a minha pele te chama, eu queimo de desejo, eu quero tanto me perder nesses braços, tanto dar-te todo o meu corpo, e ter-te somente meu, Lee, você é como uma droga que me deixa fora de mim, me alucina.

- Moranguinho.

- mas eu não posso, não sem saber a verdade, Lee, você não esteve na reunião dos cinco kages, não ouviu o que eu ouvi, eu preciso saber se o senhor feudal permitirá que pessoas do mesmo sexo se relacionem nas vilas ninjas, ou se eles pediram a imediata exclusão dessas pessoas ou cortaram nossas despesas, sem o dinheiro dos feudos passaremos fome.

- se eles disserem que não aceitam o que fará?

- por Suna, eu sou o Kazekage, e minha primeira obrigação e com está vila, se os senhores Feudais disserem não, eu abrirei as portas para a pedra, relâmpago e nevoa levarem seus ninjas, mesmo que seja para a morte, e terei que pedir a você que regresse a Konoha, e nunca mais me veja.

- por Suna sacrificaria até mesmo seu amor?

- por Suna, eu morreria.

- entendo.

- se fizemos amor, eu não vou conseguir te mandar embora, eu já sinto meu coração sangrar só com a possibilidade da tua partida.

- eu entendo, e acredite, te admiro também por ser esse governante tão apaixonado, por uma vila que no passado não sabia te dá valor, eu me pergunto se te mereço.

- Lee, o Naruto me salvou da escuridão, mas foi você que me ensinou o que significa o amor.

- vou esperar moranguinho, aconteça o que acontecer, você sempre será o meu moranguinho.

Pela manhã o Kazekage saiu com os semes da Akatsuki, a despedida não foi fácil para os ukes, Lee que sabia de todos os planos de Gaara rezava por um milagre, Orochimaru tinha certeza que a boa noticia chegaria, de longe na torre Kazekage, Naruto e Sasuke viam a despedida, o loiro contemplava a vila de Suna pelos olhos de um kage e percebia o peso da responsabilidade de seu sonho, o que ele faria se fosse o Hokage, arriscaria sua vila, família e entes queridos por pessoas que ele nunca conviveu, até mesmo bandidos procurados?!

 


Notas Finais


Vou ser sincera eu não perdoaria o Deidara
mas sei que por um filho tem gente que preferi recomeçar.
Tanto Sasori como Deidara fizeram escolhas erradas
e isso são marcas que não se apagaram tão facilmente.
Quem será que emprenhou o Sai?
Tsunade sente que está errada, mas o medo não a deixa raciocinar
os kages preparam seus planos do mal.
O que vocẽs acham dos planos do Kazekage?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...