História Seguir em frente - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias David Luiz, Oscar Emboaba
Tags David Luiz, Futebol!, Geezer, Romance
Exibições 199
Palavras 1.535
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Esporte, Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente, estou muito feliz! O último capítulo teve recorde de acessos e comentários. :) muito obrigada! Isso incentiva demais.

Já tenho uns capítulos a frente escritos e sempre que escrevo um novo fico achando a história melhor e querendo postar.
Estou organizando e daqui a pouco alguém que vocês gostam vai começar a dar também o seu ponto de vista na história. :) Aguardem...

Esse capítulo é marcante e acho que vão gostar. Ah, e se preparem que está só começando. Boa leitura xx

Capítulo 4 - Aquele do aniversário do Oscar


Duas semanas já tinham se passado e não falo direito com Thomas desde o dia da festa e aquilo estava me deixando mal. Quer dizer, ele até me mandou mensagem pedindo desculpas por ter sido grosso comigo e que só estava tentando me proteger. Na hora eu não quis responder porque ainda estava com raiva mas conforme os dias foram passando eu comecei a sentir falta dele. Kate estava viajando então eu passei a semana praticamente só. De casa para o trabalho. Do trabalho para casa. 

Minhas alegrias se resumiam à sexta-feira quando eu ia encontrar os meninos na empresa para organizar a campanha. Nesse meio tempo posso dizer que nos aproximamos e como essa era a última reunião prevista, eu já começava a sentir falta de conversar com os três. Tá, confesso que principalmente com um certo cabeludo. O vídeo estava pronto e os folhetos começariam a ser distribuídos nas lojas na segunda-feira. O clima era de despedida. A equipe era ótima e todos estavam contentes com o resultado. O Sr. Seixas veio me parabenizar e pediu para que essa semana fosse assinar o contrato. Sim,  consegui o emprego! Meus pensamentos se resumiam nisso até Oscar me puxar pra um canto trazendo-me de volta ao mundo real.

- Planeta chamando a Maitê - ele disse e eu ri.

- Oi! Desculpa, estava com o pensamento longe.

- Eu percebi - ele riu dessa vez - olha, amanhã é meu aniversário e vou fazer uma festinha só para amigos lá no meu apartamento pra comemorar. A Ludy quer te conhecer e eu conto com a sua presença, tá?

- Sim senhor - falei em tom brincalhão - estarei lá.

- Maravilha, eu te mando o endereço por whatsapp. 
(...)
 

Eu estava há meia hora de frente ao espelho tentando ver se minha roupa estava boa para a ocasião. Não que essa preparação tenha algum motivo especial e sim porque a gente nunca sabe o que pode encontrar numa festa dessa e sempre deve-se estar bonita. Né? É isso. Sim. Eu estava com um vestido curtinho amarelo estilo "ciganinha" no ombro e com o meu adidas superstar branco com listras pretas. Meus ombros estavam à mostra e minha tatuagem aparecendo. Eu a fiz com 18 anos e é uma frase de uma  música do Coldplay, em português significa "ninguém disse que seria fácil". 

O sr. Jhonny fez-me a gentileza de chamar um táxi e em 30 minutos eu já estava na porta do apartamento de Oscar. Toquei a campainha algumas vezes e bati na porta até escutar um "só um minuto" em inglês. Um cara desconhecido abriu a porta pra mim e deu um sorriso. Nossa. Acho que conheço esse rostinho lindo. Deve ser jogador do Chelsea para parecer tão familiar. Ele fez o sinal para que eu entrasse e me acompanhou até onde estavam Oscar, Ludmila, Willian e Vanessa, sua esposa, Diego Costa e David. Cumprimentei todos. 

- Finalmente você chegou. Pensamos que tinha nos dado um bolo. Prazer em te conhecer - Ludmila se pronunciou - Os meninos falam bastante de você principalmente esse aq... - Oscar pigarreou e eu fiquei sem entender o motivo.
 
- E aí, tetê louquinha. Demorou heim? - David falou visivelmente tentando mudar o assunto

- É que eu moro um pouco longe -falei sem graça- não que eu estivesse me arrumando pra você me notar. É claro que essa última frase não foi dita.

- Parabéns, Oscar! -dei um abraço nele- Obrigada pelo convite. A festa está linda.
(...)
 

Tudo acontecia normalmente até o cara que abriu a porta pra mim, o Azpilicueta, sugerir que brincássemos de "Eu nunca". Pra quem não sabe, a  brincadeira é assim: alguém fala uma frase tipo "Eu nunca caí de bicicleta" e quem já tinha caído deveria tomar uma dose de cachaça. Essas coisas eram ótimas para deixar as pessoas bêbadas rápido e por isso fui relutante em aceitar mas eu não iria ser a única a dizer não.

Eu dei a sugestão, então eu começo. Vou ser bonzinho com vocês - Azpilicueta falou - EU NUNCA LEVEI UM FORA

Todo mundo bebeu. 

Minha vez, eu adoro essa brincadeira. - Diego Costa se pronunciou - EU NUNCA FIQUEI COM MAIS DE UMA PESSOA EM UMA NOITE

Todo mundo bebeu, menos eu. Olharam pra mim como se eu fosse a estranha do grupo. Ok. Próxima.

- Sou eu! - Ludmila disse - EU NUNCA QUIS BEIJAR ALGUÉM DESSA FESTA

Os casais beberam referindo-se a eles mesmos, claro. Umas duas mulheres desconhecidas beberam também, Azpilicueta e David. Tá, eu bebi também. Confesso que quis beijar o David naquele dia no jardim e fiquei me perguntando se ele bebeu por minha causa também. Será?...

iiiiiih - Oscar falou já um pouco alterado - David, que tal você contar por quem você bebeu essa dose? - todos riram.

- Vai se ferrar, Oscar. - ele disse- é melhor pararmos por aqui antes que alguém dê PT.
(...) 
 

A festa ia acabando e bem, eu não conseguia parar de pensar naquela cena anterior. David. Eu. Quase Beijo. Jardim. Olhares. Ahm... digamos que, eu continuei a beber consideravelmente. Percebi que tinha passado dos limites quando era hora de ir embora e olhei para a porta e vi tudo girando. David riu da minha situação mas depois me olhou com cara de preocupação. Alguém já disse a ele que ele fica extremamente lindo assim e..

- Tê, vamos pra casa, eu te ajudo - ele disse, tão compreensivo. 

Ele avisou ao pessoal que eu não estava me sentindo bem e que iria me levar para casa, tenho quase certeza. Fui falando coisas aleatórias durante todo o caminho até lá. Os enjoos foram ficando maiores e eu estava tentando me segurar pra não vomitar. Ele saiu do carro e me levou praticamente no colo até entrarmos no apartamento.

- Vem, vamos tomar um banho. - ele disse

- Juntossxxx? - eu disse sem pensar. - Por que diabos eu falei aquilo? Com certeza iria me arrepender amanhã

- Não - ele riu bastante - eu vou te molhar no chuveiro pra você melhorar. Eu concordei com a cabeça e tentei ignorar o duplo sentido daquela frase.
 

David levou-me até o banheiro social, ligou o chuveiro e me colocou lá dentro com roupa e tudo. O tecido do meu vestido era clarinho e tive a certeza que minha lingerie estava à mostra quando ele prendeu os olhos nos meus seios. Se eu estivesse sóbria com certeza estaria morrendo de vergonha disso mas agora eu só consigo achar graça do jeito que ele tenta não olhar mais. Depois de um tempo eu disse que já estava me sentindo melhor e ele me levou até o meu quarto para eu colocar uma roupa seca. Ficou esperando na porta até que eu me vestisse e eu podia sentir uma sobriedade voltando. Quando terminei a tarefa, falei que podia entrar e ele me trouxe um copo d'água.

- Cueca boxer? É sério isso? - ele riu-

- Sim, ué. Calcinha é muito desconfortável, isso aqui é bem melhor. - falei e fui deitando na cama. Ele me acompanhou.

- Posso? - assenti com a cabeça. Ele deitou do outro lado da cama, ficamos nos olhando por um tempo até que ele decidiu quebrar o silêncio.

- Sabe... eu não sei se é a melhor hora pra falar isso, mas vou aproveitar que estou com coragem. - ele colocou uma mecha do meu cabelo molhado atrás da orelha - Você me deixa louco. Comecei a te notar desde que você entrou na sala lá da SDox pela primeira vez. No dia da festa dos clubes, você estava tão linda que eu quis te agarrar assim que te vi. Lá no jardim, eu juro que ia te beijar se não fosse aquele idiota do teu amigo pra atrapalhar. E hoje, bem, eu fiquei perto o tempo todo pra nenhum cara querer chegar em você antes de mim. Nesse instante quando estávamos no banheiro eu quis te agarrar pela milésima vez e digamos que você não estava ajudando com aquele sutiã de renda. Não sei se estou estragando tudo falando isso mas é que você é meio indecifrável e.. e.. E agora nós estamos aqui. Puta merda.

Eu não sabia o que falar depois de tudo que ele me disse e me limitei a aproximar nossos corpos e tocar os seus lábios devagar. David me respondeu à altura. Sua boca era macia e a sua língua parecia conhecer a minha. Suas mãos desceram do meu pescoço e foram até a minha cintura. O ritmo do beijo foi ficando mais rápido e, bem,  eu já estava voltando ao normal e sabia que era melhor parar por aqui. Ele pareceu me entender e deu uma risada. Dei um selinho e olhei para seus olhos cor de mel.

- Fica aqui essa noite? Digo, pra dormir, que fique bem claro. - falei em tom brincalhão.

Assim como eu tinha feito minutos atrás, ele não me respondeu com palavras. Apenas girou meu corpo para que eu ficasse de costas para ele e me abraçou. Estávamos na famosa "conchinha" e, no momento, aquele parecia ser o melhor lugar do mundo para estar. (...)
 


Notas Finais


E aí? Comentem o que acharam do primeiro beijo, por favor! Eu achei fofo demais o David ficar se policiando para não olhar para a lingerie da Maitê. Hahahah, o próximo capítulo promete!!!!! Estou aguardando o feedback. Beijo em todas :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...