História Segunda Chance - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), TWICE
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Jungyeon, Nayeon, Rap Monster, Suga, V
Tags Amizade, Automultilaçao, Bullying, Colegial, Drama, Fantasma, Jungkook, Kokkie, Morte, Noona, Oppa, Patinação, Romance, Segredos, Taehyung, Tragedia
Visualizações 40
Palavras 3.694
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa tarde amoreeeessss!! Já somos "40" UhUhUhUHuH

Como vcs estão nesse feriadão????
( Dia das crianças e eu não ganhei nada kkk )

Triste ><

Mas eu estou sobrevivendo... Principalmente depois de termos alcançado 100 milhões!!! UhUhuH

Capitulo ainda narrado pela Amy!
Atualizações as quintas e sábados.

Boa leitura!

Capítulo 10 - Pronto! ganhei um defensor


Fanfic / Fanfiction Segunda Chance - Capítulo 10 - Pronto! ganhei um defensor

 

 

 

Acordei sentada no chão do quarto encostada na beirada da cama, minhas costas estavam doendo e minhas pernas estavam dormentes, aquele maldito curativo na minha testa era mais feio que a cicatriz do Príncipe Zuco no Avatar a lenda de Aang.

Eu estava tentando me lembrar do que havia acontecido para eu estar no chão, olhei ao redor do quarto vazio e não demorou muito para eu descobrir.

- Bom dia Noona! Eu faria seu café da manhã se eu pudesse tocar nas coisas, mas como não posso você vai ter que se virar sozinha. – ele diz mostrando os dentinhos de coelho.

Encarei o ser a minha frente ainda sonolenta. Inacreditável, como ele pode fingir que nada havia acontecido depois de dizer todas aquelas barbaridades para mim ontem?

- Não foi um sonho? – resmunguei. – Que droga.

Ele mantinha um sorriso idiota na cara, me perguntei no que poderia estar pensando mesmo sem querer muito saber a resposta. Resolvi levantar e ir para o banheiro.

- Noona como você vai para aula eu pensei em ir com você assim eu não fico sozinho e...

- De jeito nenhum! – disse incrédula. – Você não vai comigo, não vai a lugar nenhum.

- Mas Noona...

- Nem pensar Oppa! – fiz uma voz infantil e ele ficou irritado.

- Eu não gosto de ficar preso, e ficar aqui sem fazer nada o dia inteiro é muito entediante.

- Arranje algo para fazer. – fui malcriada.

- Eu sou fantasma se você não percebeu. O que eu posso fazer?

- Eu sinto muito não poder te ajudar com isso, mas eu não quero você na minha escola, você já me tira do sério aqui em casa, imagine como será em público? Já tem pessoas demais me fazendo passar vergonha, não precisa de mais uma.

- Então é isso? Você sabe muito bem que se eu quiser, eu simplesmente saio e vou por que você não manda em mim!

- Faça como quiser só não vá até a minha escola. Eu volto mais tarde.

Após terminar minha higiene matinal, coloquei minha jaqueta preta de sempre e minhas roupas baratas e fui para a escola, ele não me seguiu o que foi um verdadeiro alívio.

 

(...)

 

 

 

Chegando a escola fui procurar por Hoseok, que correu para me abraçar assim que me viu. Ele e essa mania de abraço.

- Como você está? Eu te liguei varias vezes ontem e você não me atendeu.

- Me desculpe eu estava resolvendo algumas coisas e acabei me distraindo. – se ele soubesse o que eu estava fazendo.

- Bem que a Nanny fala que você vive no mundo da lua. – ele diz revirando os olhos.

- Já estão formando um complô contra mim é isso? – Eu estava me sentindo esquisita, porém estava tentando soar o mais normal possível para o Hoseok não perceber. Abri meu armário para pegar os dois livros de química para a primeira aula, enquanto conversava com Hoseok.

- Desculpa. – Hoseok mudou de assunto do nada. – O seu trabalho começa semana que vem você já teve algum ideia para a introdução do vídeo?

- Ainda não, acho que só vou pensar em algo quando começar as primeiras filmagens.

- Tudo bem, eu tive algumas ideias. Podemos começar só com a filmagem do treino... - Hoseok falava empolgado enquanto nós andávamos pelos corredores, eu ouvia tudo atentamente, ele tinha tido ideias ótimas, eu estava tão concentrada que acabei esbarrando em uma pessoa e derrubando os dois livros que carregava.

- Me desculpe, foi sem querer eu não queria... – comecei a dizer, no entanto parei que aquela voz extremamente grossa e familiar chegou aos meus ouvidos deixando escapar um “Tudo bem, não foi nada”. Levantei o rosto para encara-lo, não podia ser. – Te... – eu esqueci o nome dele. Como posso ter esquecido o nome dele? Nos meus sonhos eu sabia! Eu devia ter anotado! A culpa é daquele coelho infeliz!

- Taehyung. – Ele disse rapidamente me olhando com aquelas duas pérolas negras e aquele sorriso fechado que me deixou sem fôlego.

Meu coração começou a disparar, a luz da lua eu tive a impressão de que ele poderia ser bonito, mas olhando para ele a luz do dia vendo melhor seu rosto e suas expressões eu tive certeza. Ele era lindo, parecia mesmo um anjo. Seus lábios eram bem desenhados e em formato de coração, seus olhos era penetrantes, ele era alto e seu cabelo descolorido em tom acinzentado passava a sensualidade de alguém que parecia estar pronto para me devorar de forma lenta e deliciosa. Minhas mãos começaram a soar, eu não acreditava que ele estava falando comigo normalmente. Era mágico demais para meu cérebro processar.

- O-o que faz aqui? – mudei de assunto antes que começasse a demonstrar meu nervosismo.

- Eu estudo aqui e é bom saber que você estuda aqui também. – ele diz com um sorriso ladino totalmente sexy, eu comecei a piscar varias vezes, ai meu Deus como que controla isso? Alguém me empresta um controle preciso mudar de canal. – O que foi? Aconteceu algo? – perguntou gentil.

- Não eu... Eu só não esperava te encontrar aqui. Por acaso esta me se-seguindo? – Meu Deus eu preciso de ar, alguém me empresta um pulmão? Por que estou gaguejando? Língua não me traía.

- Não é uma perseguição, é só o inicio de uma futura amizade. – pra que usar tanta sedução numa única frase? Aquela voz rouca saiu como um convite para o pecado, eu não sei se posso continuar olhando para ele e sustentando meu próprio corpo ao mesmo tempo.

- Sempre diz isso para suas vitimas?

- Ainda achando que sou um maníaco?

- Não. – sorri sem mostrar os dentes e ele me encarou divertido. Como não achar que ele é um maníaco, só sendo um para vim falar comigo.

- Você poderia me dizer seu nome? – Ele pergunta com um sorriso quadrado nos lábios, caramba que soco no estômago. Alguém me empresta os dois pulmões?

- Eu me chamo Amy. – Eu tento sorrir apesar da minha desinquietação a parente.

- Amy? É um nome bonito, pode me chamar de Tae. É como os mais íntimos me chamam.

- Não era V? – Eu perguntei fazendo o sinal de V com dois dedos. E ele deixa escapar propositalmente um sorriso ainda mais maravilhoso, que quase me faz derreter.

- V são para amigos, para você é Tae. Enfaixaram seu dedinho. – ele diz tocando minha mão delicadamente para não magoar meu “dedinho” e eu sinto um choque elétrico percorrer por todo meu corpo.

- Então tá. – eu respondo ainda sem entender o porquê disso tudo. Parece até que o universo se lembrou de mim. Eu vou surtar com tanta beleza. Eu estava tremendo e acredito que tenha percebido, ele me encarou como se me analisasse, seus olhos eram tão profundos que pareciam um oceano.

- Mudando de assunto como você está? Depois daquele dia eu não te vi mais, eu até fui a sua casa e...

 

Obrigada Universo!

 

- Que bom que se reencontraram, mas se não perceberam eu ainda estou aqui. – diz Hoseok irritado.

Meu Deus eu me esqueci do Hoseok.

- Hoseok desculpa, este é o Tae ele me salvou de morrer afogada na ponte naquele dia. – que merda lembrar isso. – E Tae este é o Hoseok ele é meu melhor amigo. – a cara do Hoseok não era uma das melhores.

- Para você é só Kim Taehyung mesmo. – ele diz estendendo a mão para o Hoseok que não demora a aperta-la. Os dois ficaram apertando a mão um do outro por um longo tempo enquanto se encaravam como dois rivais em um ringue.

- Taehyung que nome comum. – Hoseok o provoca.

- Hoseok também não é lá grande coisa não é?

- Não ouse falar do meu nome. Você não tem moral para isso, agora que está claro para mim que você é o irresponsável que em vez de leva-la a um hospital a levou para casa.

- Ela não estava com machucados tão graves. – ele diz serio e depois sorri. – Além disso, eu cuidei dela.

- Você é médico por acaso para saber?

- O que? – agora foi minha vez de me pronunciar, como assim cuidou de mim?

- Não é nada disso que você pensou Amy. – ele diz soltando a mão de Hoseok e erguendo os braços em um claro sinal de defesa.

- Então o que pode ser? – perguntei desconfiada.

- Sempre com as perguntas erradas. – ele brinca.

- Você sempre com essa. – eu tento parecer uma garota decidida, quando na verdade estou tentando sustentar minhas próprias pernas diante dele.

- Escuta senhor Hoseok eu quero conversar com a Amy sem interrupções. – ele diz se virando para o meu amigo emburrado.

- Amy? Amarílis você já falou seu apelido para ele? – Hoseok parecia indignado, filho de uma mãe agora eu vou ser zoada pelo crush.

- Amarílis esse é seu nome verdadeiro? – Tae volta a olhar para mim de um jeito doce.

Eu afirmei já imaginando a chuva de risos do outro, em vez disso ele abriu um sorriso ainda mais largo, cada vez que ele sorria era um tiro na minha testa machucada. Eu já morri diversas vezes em menos de dez minutos.

- Que nome bonito, bonito como a dona. – eu sei que eu fiz cara de boba, eu esqueci como respirava. Por que ele estava me dizendo aquilo? Se for mais uma daquelas brincadeiras imbecis eu... – Quer almoçar comigo mais tarde? – Eu estava prestes a responder que sim quando Hoseok me lançou aquele olhar ameaçador e eu fui obrigada a rejeitar.

- E-eu não posso, eu tenho um compromisso, talvez outro dia.

- Tudo bem, marcamos para outro dia. – ele continua sorrindo. Hoseok pigarra atrás do mesmo e levanta o pulso mostrando seu relógio para mim, o sinal já iria bater. Droga.

- Está na hora de entrar. – quase não consigo falar, de tanta “empolgação” que eu estava sentindo, acho que é isso que eu estava sentindo, se aquele imbecil estivesse aqui eu iria esfregar essa cena na cara dele – eu ri – Por que estou pensando naquele idiota?

- Até mais tarde então. – ele diz me dando um abraço e eu não consegui retribuir de maneira apropriada, estava surpresa demais, apenas o encarei com minha face queimando como se ela fosse entrar em erupção, meus joelhos estavam tremendo como varas Verdes. É assim que a gente fica quando o crush nos nota? Ele nem era meu crush, mas depois dessa. Eu preciso contar isso pra alguém.

- Sim. – eu digo e saio em disparada na frente. Meu Deus meu coração vai explodir, eu estou sentindo umas coisas estranhas o que é isso afinal? Nanny Socorro.

 

(...)

 

 

Durante toda a aula de química Hoseok me ignorou, ele estava bravo comigo e eu nem fiz nada. Será que era por causa do Taehyung? Eu queria perguntar, mas ele nunca olhava para mim na aula.

Acabei saindo sozinha para o intervalo por causa da birrinha chata do Hoseok. Resolvi que iria aproveitar para guardar os livros de Física. Contudo tenho que confessar que fui até meu armário morrendo de medo, parecia até que estava num filme de terror. Olhei para todos os lados várias vezes, eu nunca fui até meu armário só - justamente porque Hoseok estava sempre comigo e a Vivian poderia tentar fazer alguma coisa se eu estivesse sozinha.

Fechei o armário com cuidado – como se não fazer barulho fosse me ajudar de alguma forma - Voltei a olhar para frente e quase morri de susto com a pessoa que estava parada a alguns centímetros de mim. Como ela chegou aqui?

- Me desculpe eu não quis assusta-la. Você estava distraída...  – ela tentou se desculpar.

- Tudo bem, só não chegue tão perto de mim...

- Está tudo bem? Eu só vim conversar...

Eu voltei a encara-la, ela estava sozinha então acho que ela não iria me machucar não é? Mesmo assim todo cuidado é pouco.

- Eu sou Yoo Jeongyeon. – diz estendendo a mão para mim e sorrindo. Não pude deixar de reparar que ela usava um lenço no pescoço, não incomodava usar aquilo naquele calor? Depois a Nanny diz que eu sou doida.

- Eu sei quem é você. – Não apertei a mão dela.

- Que bom. – ela diz sem graça, colocando a mão no bolso da calça. – O professor de história me disse que você está encarregada de fazer um vídeo sobre a equipe de patinação, eu fiquei te procurando esses dias, mas eu imagino que você estivesse doente... Enfim eu pensei em conversar com você antes, quem sabe trocar algumas ideias e... – ela parecia empolgada. Falou em se aparecer era com essa gente. Sinto muito, mas ela não vai se intrometer no meu projeto.

- Primeiro é um projeto acadêmico, e não uma telenovela e segundo é uma dupla, você deve falar com os dois juntos. – eu não queria ser tão mal educada, mas essa gente me da nos nervos.

- Claro. Foi só modo de falar, me desculpa... Eu só achei que seria uma boa ideia avisar o dia e horário de treino, como líder eu achei que...

- Eu já sei o horário e o dia não se preocupe. Agora se me der licença. – eu me retirei deixando ela sozinha no corredor.

Eu vou fazer o vídeo por causa da bolsa, eu não quero nenhum tipo de envolvimento com essas pessoas, para mim elas são todas iguais, são frescurentas e esnobes. Eu não quero saber de gente assim perto de mim.

 

Entrei no refeitório apressada e dei de cara com a mesa dos populares, mesa a qual se encontravam Vivian, seu namorado Namjoon, Suga, Seokjin, Kelsey e Lorraine amiguinhas de Vivian. E para minha surpresa junto com eles naquela mesma mesa estava ele, Taehyung, que me olhava com um ar de interrogação. Não acredito que ele foi se juntar logo com aquela gente, ele deve ser da mesma laia que eles, não acredito que fui tão idiota a ponto de me deixar derreter por aquele imbecil. Aposto que eles estão caçoando da minha cara de boba agora mesmo.

Eu apenas desviei o olhar e dei meia volta para sair rápido dali, mas eu senti meu braço ser puxado bruscamente, olhei para o dono daquela mão.

- Me desculpe, vem comer comigo. – ele tinha um sorriso tímido no rosto, eu nunca vi o Hoseok com um sorriso tímido, a não ser no dia em que ele foi a minha casa, mesmo assim foi por causa da Nanny que o deixou constrangido com tanta pergunta desnecessária. Comigo ele nunca agiu assim.

- Tá bom. – deixei que ele me guiasse até a mesa.

 

Sentamo-nos em nossa mesa de sempre, conversávamos hora ou outra enquanto comíamos, mas o clima entre mim e Hoseok não era um dos melhores ainda. Ele estava estranho, eu queria entender o porquê, mas meu foco não estava na minha mesa e sim na mesa de Taehyung. Olhei algumas vezes para a mesa onde ele estava sentado e em todas às vezes ele também estava olhando para mim. Eu ficava cada vez mais nervosa com aquela situação inusitada. Meu coração acelerava cada vez mais. E novamente eu me peguei sorrindo feito uma boba.

Como sou imbecil.

- Do que está rindo? – Hoseok pergunta desconfiado.

- De nada, só estou feliz. – dou de ombros.

- Por causa do garoto? – ele me encarou desconfiado.

- Ele salvou minha vida.

- E quase te deixou morrer depois.

- Não exagera Hoseok.

- Amy se eu não tivesse te levado ao hospital sabe se lá o que aconteceria contigo.

- Obrigada Hoseok, você é um anjo em minha vida. – por que mentir se o meu anjo estava do outro lado do refeitório?

Quando o sinal tocou, eu me dirigi à sala de aula novamente, seria aula de física e o professor havia dado vários exercícios na semana passada para serem entregues essa semana. Eu não estava preocupada, os meus estavam prontos.

- Que bom que fez todos Amy. – Diz Yoongi tomando minha folha de minhas mãos.

- Me devolve isso!

- Não. Agora está folha pertence à Min Yoongi.

- Está escrito meu nome.

- Estava. – ele diz usando um branquinho para apagar o meu nome. – Viu?

Eu queria enfrenta-lo, mas eu comecei a tremer de nervoso e a controlar a vontade de chorar, eu não queria chorar na frente dele. Eu não dou sorte com nada, quando eu penso que a situação vai melhorar ela piora. Que mal eu fiz pra merecer isso? Só pode ser aquele Rio, minha tia sempre disse que o Missouri dava arrepios, deve ser alguma praga.

O professor entrou em sala e começou a recolher a folha de exercícios, e quando chegou a minha vez me olhou decepcionado. Mais uma vez eu não entregaria meu trabalho no prazo.

- O que eu faço com a senhorita?

Abaixei a cabeça já imaginando a bronca que viria. O professor recolheu todos os trabalhos e se sentou em sua mesa para começar a chamada, só então eu me dei conta de que havia alguém sentado atrás de mim, geralmente a mesa atrás de mim ficava vazia, hoje tinha alguém sentado lá.

- Primeira aula juntos. – ouço sua voz grave soar e não consigo evitar um sorriso, de algum jeito a voz dele me acalmava.

- Eu resolvi que iremos fazer a correção dos exercícios em sala, e já temos uma voluntaria senhorita Flores. – o professor me estendeu o marcador, ele só podia estar de brincadeira. Eu?

Senti as pernas travarem.

- Eu não... – comecei a falar.

O professor caminhou até minha mesa e disse.

- Isso ou um F senhorita Flores. – me senti intimidada, mas de certa forma ele já havia sido muito bonzinho comigo, eu só teria que ir até a lousa e resolver os exercícios. Não seria difícil, não é?

Respirei fundo e caminhei até o quadro devagar, com as mãos tremulas parei de frente do mesmo segurando o marcador e esperando uma iluminação divina, eu sabia o que deveria fazer, mas minha mão travou a poucos centímetros do quadro e um desespero começou a tomar conta da minha mente, o ar começou a faltar e eu comecei a ficar tonta de nervosismo, tentei engolir a saliva, mas minha garganta estava mais seca do que o deserto do saara.

Virei-me para a classe, pior escolha que fiz na vida, olhar para o rosto deles apreensivos esperando algo de mim, era aterrorizante. Yoongi mantinha um sorriso de deboche no rosto e outros colegas de classe me olhavam com desprezo, cada um tinha uma expressão diferente. Eu me senti como no dia em que eu a vi pela ultima vez, a situação era diferente, porém a sensação era a mesma, e depois de alguns minutos em que as pessoas pararam para admirar sua desgraça ela me disse Adeus.

Respirei fundo me preparando para correr dali o mais rápido que eu pudesse, procurei por Tae, mas minhas vistas estavam tão embaçadas por causa das lágrimas que insistiam em se formar que eu não o encontrei, virei-me em direção a porta decidida, entretanto fui impedida na primeira tentativa por braços fortes que me seguraram com força, eu sabia a quem pertenciam, eu já havia sentido sua força uma vez. Olhei para o dono deles sem entender o que pretendia e aquele mesmo sorriso gentil e caloroso se apossou de seus lábios.

- Não se preocupe são só exercícios de física, eu sei que você é capaz de resolve-los, eu vou ficar aqui para te ajudar, hoje eu serei seu assistente particular. Você aceita?

Eu assenti e ele sorriu.

- Então mãos a obra chefe, finja que só estamos nós dois aqui e tudo ficara bem. – ele me da uma piscadela.

Eu senti meu coração se aquecer, aquele garoto não podia ser real, nem o Hoseok faria algo assim – e tínhamos aula de história juntos – resolvi não olhar para a classe, fingi que só Taehyung estava comigo e comecei a explicar os exercícios, imaginei que vários Taehyungs estivessem sentados naquelas cadeiras e pareceu menos vergonhoso explicar os exercícios. Hora ou outra Yoongi soltava uma piada para atrapalhar minha explicação, fazendo com que todos rissem de mim, mas Taehyung sempre rebatia de alguma forma o deixando sem palavras, o professor só observava surpreso demais para comentar algo a respeito. No final eu havia – com a ajuda do meu anjo – resolver todos os dez exercícios e explica-los para a turma. Eu havia até tirado duvidas dos colegas, estava realmente impressionada com o que estava acontecendo, mal podia esperar para contar ao Hoseok.

- Obrigada. – sussurrei para Tae antes de ir me sentar e ele assentiu indo se sentar também.

 

(...)

 

 

 

Na hora da saída eu encontrei Hoseok já no portão da escola, eu estava eufórica e animada, ele se espantou com minha felicidade repentina. Eu respirei fundo buscando me concentrar na história para conta-lo. Eu estava inerte em pensamentos quando pude escutar a voz de Vivian atrás de mim, droga lá vem encrenca.

Não olhei para ela, decidi que pegaria meu caminho e iria embora. Mas a mesma me puxou pelo braço.

- Aonde você pensa que vai? – senti todos os olhares se voltarem para mim. Eu apenas a encarei. – Você deveria ter sido expulsa pelo que fez comigo, deveria ter sido presa. Gente como você merece apodrecer numa cadeia.

- Eu não fiz nada que você não merecesse.

- Ainda admiti o que fez. Você não passa de uma vadia.

- A única vadia aqui é você! – Tirei coragem de onde não tinha.

- A língua contínua afiada, parece que o cabelo não foi o suficiente, eu vou te dar uma lição que você nunca ira esquecer sua vaca. – ela estava com Kelsey e Lorraine, com elas duas ela se sentia a valentona, mas nem eu e nem ela achávamos que eu teria um defensor.

Ela estendeu a mão para me bater, e a mesma parou a centímetros do meu rosto e não fui eu quem a parou e muito menos Hoseok.

Foi ele.

- Chega de palhaçada. A partir de hoje para encostar um dedo nela, você vai ter que passar por cima de mim primeiro, eu espero que tenha sido bastante claro.

 

 

 

 


Notas Finais


Bom meus amores foi isso ><
kkkkkkkkkkkk
Achei esse capitulo meio... bosta, porém necessário kkkkkk

Me desculpem se tiver algum erro. Eu revisei, mas sempre passa alguma coisa.

Bjoosss até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...