História Sei Que És Meu Amor - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Amor Doce, Aventura, Colegial, Shoujo Romântico
Exibições 51
Palavras 2.876
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie, galera S2

Bem... a parte 4... digamos que... bem...

A letra mais votada foi a letra "A"!!

Boa leitura ;)

Capítulo 32 - Episódio 10. Parte 4


Fanfic / Fanfiction Sei Que És Meu Amor - Capítulo 32 - Episódio 10. Parte 4

Lua: Com licença! Você é o Dakota? - ele não me respondeu.

Não acredito. Ele deve ser um garoto preguiçoso, viciado em video-game e animes. Sei lá, para a Peggy está gostando dele, devem ter os mesmos gostos. Mas ela e o Castiel não se parecem.

Lua: Hm! - dei de ombros e...

O chamei mais uma vez.

Lua: DAKOTA! ACORDA!

Dakota: QUÊ? - com o susto, caiu no chão sentado e o livro caiu fechado.

Lua: Eita! - dei um pulo para trás.

Dakota: Mas quem foi o filho da mãe que... - quando se levantou furioso e olhou para mim, desfez a expressão de raiva. - Hm?

Lua: Oi! - acenei e sorri de canto.

Dakota: Quem... "caham"... é você? - se endireitou e colocou as mãos nos bolsoos.

Lua: Meu nome é Lua Colis! - estendi a mão.

Dakota: Lua? - segurou minha mão por segundos e sorriu. - Que nome diferente.

Lua: Minha mãe escolheu. Digamos que minha família gosta de coisas diferentes.

Dakota: Sua mãe deve ser linda, porque você é a imagem perfeita de uma princesa. - sorriu.

Lua: Quê? - pisquei repetidas vezes.

Um galantiador? Paquerador? Conquistador? Seja o que for, isso me cheirou mal!


Franzi as sobrancelhas.

Dakota: A-Ah! Não pense que sou um sacana ou algo do tipo! - balançou as mãos. - Minha sinceridade me julga. - sentou-se no banco e pegou o livro.

Lua: Ok...! - disse desconfiada. - Vim aqui para conversar com você. Posso?

Dakota: Conversar comigo? - sorriu. - Pode sim.

Me sentei ao lado dele.

Ótimo! Como devo começar agora?

Dakota: Com uma garota linda dessas ao meu lado. Não posso deixar passar em branco este momento, primeiro vou escutá-la. - sorriu de canto.


Castiel estava ajudando um outro garoto a por duas mesas da sala ao lado do porão transformado em sala de vídeo para lendas.

Garoto: Obrigado, cara! - sorriu.

Castiel: De nada.

O garoto foi embora e a diretora se aproximou.

Diret. Shermansky: Hm. - sorriu de canto. - Que bom saber que está ajudando seus colegas. Seus pais irão ficar orgulhosos de saber disso.

Castiel: Eles se orgulham por qualquer coisa que eu faça. Já me acostumei. - colocou as mãos nos bolsos.

Diret. Shermansky: Só diga aos alunos para tomarem cuidado com a porta do terraço. Ela parece está com defeito.

Castiel: Defeito? Hum! Essa porta só hoje, foi conferida umas cinco vezes. Te garanto que não tem defeito nenhum nela. - se afastou.

Diret. Shermansky: Não tem defeito? - franziu a testa.  A imagem de Lua passou em sua cabeça. - Essa garota. - sorriu de canto e se afastou dali.

Casitiel andava pelo corredor, até Nathaniel abri a porta do banheiro e quase acertá-lo se Castiel não houvesse parado no mesmo instante.

Castiel: Está maluco? - franziu as sobrancelhas.

Nathaniel: O quê? - se virou para ele.

Castiel: Quase me acerta com a porcaria da porta, idiota!

Nathaniel: O único idiota aqui é você por se irritar por algo tão bobo como isso. - sorriu de canto.

Castiel: Ouça aqui, palhaço! - o segurou pelo colarinho. - Eu já não vou com a sua cara por aquele assunto do passado! E você disse que não entraria mais em meu caminho!

Nathaniel: Se prender ao passado não é algo sensato a se fazer. - franziu as sobrancelhas. - Principalmente quando você se prende por algo que nem fiz!

Castiel: Eu tenho vontade de socar a sua cara e você não sabe o quanto!

Nathaniel: Eu também sinto, mas como não sou deliquente, eu me seguro.

Castiel: O que quis dizer com isso?

Nathaniel: Achei que fosse esperto demais para entender uma direta. - Castiel o largou bruscamente.

Castiel: Ora, seu... - levantou o punho para ele, mas parou quando na mesma hora...

Diret. Shermansky: CASTIEL! - franziu as sobrancelhas. - Vocês dois! Se espalhem ao invés de brigar! Tem muita coisa para ser feita! Adiantem! E se eu souber que houve alguma briga, estarão suspensos e trarei seus pais aqui! - quando os dois pareciam calmos, ela se afastou.

Castiel: Detesto essa velha!

Nathaniel: Castiel!

Castiel: Hm? - olhou para ele e franziu as sobrancelhas.

Nathaniel: Eu ainda estou fora do seu caminho. Então não entendi sua acusação sobre isso.

Castiel: "Tch"! Se fazendo de idiota como sempre! - o empurrou para sair.

Nathaniel: Por que esse idiota está tão agitado? É brincadeira, viu?! - se endireitou e virou o corredor.

No terraço...

Dakota: Eu surfo. Embora as prais da Austrália não fizessem tanto o meu tipo.

Lua: Entendi...! - sorri forçadamente.

Até agora, não sei como juntar ele e a Peggy. Por isso, fiz perguntas que vinham na minha cabeça. Tudo relacionadas sobre a vida dele. Devo me preocupar se fiz algo de errado?

Dakota: Muitos acham que sou um conquistador barato, só os garotos claro, mas eles não entendem o que é ser cortejo com uma mulher.

Lua: Eu achei que você fosse um cara de pau.

Dakota: Mas não sou. - sorriu. - Sou apenas um apaixonado incompreendido.

Isso não colou.

Dakota: Sabe, Lua, você foi a primeira garota que parou para perguntar sobre a minha vida e me escutou.

Lua: Como? - arregalei os olhos.

Eu acho que fiz... MERDA! Meu alarme de "fazer merdas" está apitando se um jeito maluco agora. SOCORROOOO!!

Dakota: As outras garotas só querem saber em me ter, me beijar, só me querem, sabe? E você não. Talvez... você seja especial. - sorriu de canto, olhando para mim.

Lua: Não, acho que não sou! He he! - sacudi a mão direita. - Nem um pouco! Mas conheço uma pessoa que é.

Dakota: E é? Quem?

Ótimo! Achei uma brecha!

Lua: O nome dela é Peggy.

Dakota: Peggy? Está falando sobre a Peggy que participa do clube de jornalismo? - parecia tee ficado agitado.

Lua: Sim! - assenti, contente. -- Sabe quem é, então? - sorria.

Dakota: Claro!

Uia! Um "claro" é bom, não é mesmo? Huahua!

Lua: Então! Ela é uma garota especial. Ela...

Dakota: Ela é minha ex-namorada! - me interrompeu, arqueando uma das sobrancelhas.

Lua: Ex? - congelei o sorriso. Então arregalei os olhos. - Espera! EX? - dei um pulo do banco.

Dakota: Sim! Eu terminei com ela.

NÃO PODE SER! EU ESTOU AJUDANDO UMA EX-NAMORADA A VOLTAR COM O GAROTO O QUAL ELE MESMO TERMINOU?

Lua: Não acredito... eu devia ter pedido mais informações. - me sentei novamente no banco.

Dakota: Ela pediu para você vim aqui?

Lua: Eu vi que ela está apaixonada e resolvi ajudar.

Não é nem uma mentira, e a metade de uma verdade. Sendo que não é o certo, mas ainda não posso entregar tudo assim.

Dakota: Pois não deveria ter feito isso. Sabe pelo menos por que terminamos?

Lua: Hm. - balancei a cabeça.

Dakota: Ah...! - suspirou. Se levantou e cruzou os braços. - Eu e a Peggy terminamos porque tudo o que fazíamos ela postava em seu blog. Tudo!

Lua: Quê?

Dakota: Eu disse para ela preservar nossa intimidade, e ela não quis nem saber, disse que precisava deixar o blog dela popular. Achei que estivesse sendo exagerado e deixei. - franziu as sobracelhas. - Para quê? Foi o maior erro da minha vida! - fechou a mão em punho perto do rosto. - Ela postou que o primeiro beijo dela em nosso encontro foi horrível, pois não tive atitude! Ainda aconselhou os vários caras a não fazerem isso! "Gh"! Ela ainda colocou nossa foto se beijando! Quando foi que ela tirou aquela foto? - atirou o livro no chão.

Lua: Nossa...! - me afastei um pouco dele ainda sentada.

Dakota: É por que hoje em dia... - fez pose dramática e olhou para o céu. - Eu não me relaciono mais sério com alguém. Preferi... viver a vida.

Lua: Mas nem toda garota é jornalista. E a Pegy deve ter se arrependido. Por que não conversa com ela?

Dakota: É mesmo. - se virou para mim.

Lua: Né? - sorri.

Dakota: Nem toda garota é jornalista. Como você, certo? - vinha em minha direção.

Lua: E-Ei! Não foi isso que quis dizer.

Dakota: Lua! - segurou meu pulso, colocando-me de pé.

Lua: Me larga! - tentei me largar sem sucesso. Ele aproximou seu rosto do meu, porém virei o meu para o lado direito.

Dakota: Você é uma garota linda e especial. Deixe eu te mostrar como posso satisfazer uma mulher como você. - segurou o meu outro pulso.

Lua: NÃO! Me larga! Me laarga! - tentava me largar sem sucesso.

Dakota: Calma! Não vou te machucar! - me largou, dei passos para trás até cair sentada no chão.

Lua: VOCÊ É MALUCO? - quando estava prestes a me levantar, ele ficou por cima de mim e segurou meus pulsos contra o chão. - Ei... - arregalei os olhos.

Dakota: Você é uma garota preciosa. - disse ao meu ouvido.  - Porém muito cruel.

Eu não posso chutá-lo... não está no alcance certo. Já sei! Peggy!

Lua: PEGGY! SOCORRO!

Dakota: Ha ha! Peggy não vai te ajudar.

Lua: Como ? - arregalei os olhos.

Peggy estava sentada no degrau de cabeça baixo, segurando a foto de um garotinho, com o cenho franzido.

Dakota: Foi ela quem me pediu para fazer isto com você. Foi tudo armado, Luazinha! - sorria.

Lua: Não... pode ser... É mentira... É MENTIRA!

Peggy: Nada é mentira, Lua! - apareceu ao meu lado. Olhei para ela, vi segurar uma foto.

Lua: Peggy...? Por que... por que fez isso...? - minhas lágrimas escorriam.

Peggy: "Por que"? Ham! - sorriu de desdém. - Por isso! - me mostrou a foto. - Se lembra, Lua? Se lembra dele?

Lua: Não. Por favor! Não sei quem é e nem o que aconteceu!

Peggy: Então refrescarei a sua memória. - guardou a foto no bolso do blazer e se agachou. - Temos muito tempo para essa conversinha. - sorriu maldosamenre. - Já que tranquei a porta do terraço. - do outro bolso tirou o molho de chave e me mostrou.

Lua: Essa chave e esse chaveiro de livro...! - arregalei os olhos.

E em minha mente veio.

Era o mesmo chaveiro que a Melody abriu à porta do porão ...

A mesma que vi na fechadura de dentro da porta quando saía do porão acompanhada de Frederick...

E foi a mesma que vi no balcão da sala dos professores.

Peggy: Esse é o único molho de chaves com esse chaveiro. Trás algumas recordações para você?

Minhas lágrimas escorriam. Em minha mente veio Melody e os três garotos.

Lua: Eles... você...

Peggy: Tudo isso era nada mais, nem nada menos que um plano. Eu já desconfiava que a Melody sentia algo pelo Nathaniel, ela era tão boba. - sorriu. - Eu precisava de provas concretas e sempre desconfiei da gargantilha com uma chavinha dourada enpendurada. Como pensei "puxa, ela é do tipo de garota que tem diário", e acertei na mosca! Na aula de natação fui até o armário dela, peguei a gargantilha e fui na sala, peguei o diário da mochila, tirei fotos das páginas e pingo! - deu um pulo empolgada. - Lá estava minhas provas para ameaça-la.

Lua: O que você disse para ela?

Peggy: Só que... se ela não fizesse um favorzinho para mim, iria expor os sentimentos dela na primera página do jornalzinho do colégio. Aproveitei da fragilidade dos ciúmes dela, como notei que você e o Nathaniel estavam se falando, usei isso para encher a cabeça da coitadinha. - se sentou no banco e dobrou a perna. - Apesar de eu ter prometido que não faria mal alguma você, que era só uma brincadeirinha para acertar as contas.

Lua: Peggy, você é... - tentava me largar sem sucesso.

Peggy: Genial? - sorriu. - Awn! Obrigada!

Lua: Mas que acerto contas está falando?

Peggy: Vou chegar lá. Ainda falta falar sobre o Paolo, o Frederick e o Zack.

Lua: O que tem eles? - fiquei abismada quando ela soube o nome dos três.

Peggy: Você ainda ousou pensar que só você sabia que três garotos entravam à noite no colégio para fumar e beber? Querida, eu já sabia bem antes! HA HA! Eu também os ameacei. Disse "se caso não fizerem o que eu pedir, irei chamar a polícia". Tinha fotos para acusá-los. Mas eles não fizeram como o combinado! Aquele líder, Frederick! É um fresco idiota!

Lua: O que você pediu...?

Peggy: Que abusassem de você. Mas dou minha palavra que disse só um pouquiiinho! Nada de exageros! Claro!

Foi por isso que...

Lembrei do Paolo tentou me colocar medo como se fosse fazer algo comigo, e em como o Frederick e o Zack não queriam isso.

Lua: Eles preferiram a polícia do quê me tocar. - veio a imagem de Frederick em minha cabeça. - Frederick... não quis me tocar. - abri um sorriso de orgulhosa.

Dakota: Ele não te tocou porque ficou com pena de ver você passando mal.

Lua: NÃO! - franzi as sobrancelhas. - Ele não fez nada porque não é como vocês. - tentava me largar. - SOCO... - mas neste momento, Peggy colocou uma fita isolante em minha boca. - Hm! Hmmm! - desta vez estava agoniada de medo.

Peggy: Deixei a chave na sala dos professores para fazer você pensar que eles haviam se arrependido e ficado tudo bem. Mas sabe onde eles estão agora?

Olhei para ela com as lágrimas saindo dos meus olhos.

Peggy: Isso mesmo. Estão presos!

Peggy e Dakota: Ha ha ha ha!

Dakota: Que idiotas. Ao invés de aproveitar dessa gatinha... - olhou-me da cintura até a cabeça. O que me fez sentir pavor. - ... preferiram ir para a prisão.

Lua: Hm! Hmmm!

Peggy: A única coisa que foi sorte, foi em chutar o nome do Castiel nessa ladainha de ajuda. Ele não tem nada a ver com essa história. Esse evento foi a melhor coisa que me aconteceu, pois... - passou a mão no meu cabelo. - ... pude organizar e adiantar meus planos. Com o pessoal ocupado, não teremos preocupações. - sorriu e se levantou novamente. -- Lua! - sentou-se no banco. - Você nunca foi uma cupido execelente, e nem uma amiga que vale a pena contar.

Em minha mente veio a garotinha de cabelo castanho, olhos azuis e pele morena que apareceu em minhas memórias e eu não havia lembrado muito bem quem era.

Eu lembro agora! Eu estava ajudando uma colega a conquistar o garoto que ela gostava muito. Mas... aquela garotinha não era a Peggy. Era a...

Peggy: Você deve ter se lembrado da Priya. Minha melhor amiga. Ao invés de ter pedido a minha ajuda para conquistar meu irmão, ela decidiu pedir para você. E por que? Por que seria estranho pedir ajuda para a irmã do garoto em que estava apaixonada? Que bobona! Mas o meu coração doeu quando o meu irmão falesceu pela doença no coração e ela ficou depressiva por não ter contado dos sentimentos dela. Fiquei com tanta raiva de você, Lua. Tanta raiva! RAIVA! - franziu as sobrancelhas. - O meu irmão falesceu... AMANDO VOCÊ E NÃO A PRIYA! POR ISSO TE ODEIO! - suas lágrimas escorreram.

Minhas lágrimas ainda escorriam pelo meu rosto.

Priya... antes do falescimento do irmão de Peggy, ela se mudou... eu pedi desculpas, mas... será que ela me perdoou?

Peggy: Por isso você pagará pelo seu erro! - colocou as mãos no banco. -- Pagará da pior forma possível! - olhou para Dakota e assentiu.

Arregalei os olhos.

Dakota: Certo! - sorriu. - Sabe, Lua, a Peggy ainda é minha namorada... a amo muito, e como você a deixou com muita raiva... irei fazer o que ela pede.

Peggy: É por isso que te amo.

Amor? Isso não é amor! Isso já mais sera amor! Disso eu sei!

Peggy, mais uma vez, veio na minha direção e se ajoelhou ao meu lado direito, segurando o meu pulso. Tentei me largar, mas não consegui.

Peggy: Você lembrará disso pro resto da sua vida. Assim como me lembro desses momentos tristes até hoje.

Não! Não! Alguém e ajude! Por favor! Não posso gritar! Não consigo tirar a fita isolante da boca! NÃO CONSIGO FAZER NADA!

Peggy: Dakota, a trate com carinho.

Dakota: Sim, meu bem. - sorriu.

Lua arregalou os olhos quando sentiu que a mão de Dakota passou por baixo de sua camisa e tocava sua barriga.

Não! NÃO! ALGUÉM! ALGUÉM! SOCORRO! ISSO NÃO! JÁ ESTÁ FORA DO CONTROLE! NÃÃO!

Ainda na esperança, tentava me largar, mas nada acontecia em questão de liberdade.

Dakota: O que será que tem mais em cima? - Lua sentiu a mão dele subir mais um pouco.

Peggy: Acho que você não é tão sem graça, certo, querida?

Eu chorava, mas a fita não deixava minha voz sair.

Alguém... Eu não quero passar por isso!
ALGUÉM ME AJUDE! EU NÃO QUERO QUE ALGO MAIS ACONTEÇA!

Por... favor...!

Enquanto Lua chorava, Peggy e Dakota riam.





(No próximo episódio...)

Eu não acredito que estão fazendo isso com a Lua! Que raiva 😡!

Será que alguém conseguirá chegar há tempo? Será que alguém conseguirá impedir que uma tragédia aconteça?

Castiel está andando pelo corredor e Nathaniel está procurando Lua! Alguém a achará antes que... iiiih... 😭!!

Lua! Não pare de relutar!













Notas Finais


😶...
Bem... digamos que não sei bem o dizer... é... ah! Tomara que tudo fique bem para a Lua, ela não merece isso 😟, não é?

Até o próximo episódio!!!
Bjoos de Sakura 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...