História Sekkusu to Aijou - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Gray Fullbuster, Happy, Natsu Dragneel
Tags Bara, Gratsu, Hyper Cock, Love, Muscle, Yaoi
Exibições 226
Palavras 2.020
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Nem sei quantas vezes eu já acordei hoje, mas agora é pra valer. Já acordei e trouxe para vocês mais um capítulo gostoso e safado dessa fanfic! De agora em diante, as indicações de romance vão aparecer mais, hai? E logo vem o Tanabata Matsuri para deixar tudo mais perfeito.
Boas Lonjuras!

~Rockeiro Sem-Noção.

Capítulo 13 - Briga Por Bolinhos


 

O cheiro de açúcar e o som de fritura enchia a cozinha toda naquela tarde fria de inverno. Tais cheiro e som atraíram Gray para fora da cama até porque Natsu não estava lá com ele. Gray foi andando pelo corredor, vestido somente com uma cueca boxer negra e, quando chegou à cozinha, encontrou Natsu diante do fogão fritando os seus suculentos sata andagi – os bolinhos fritos de açúcar mascavo originários de Okinawa.

 

Gray amava aqueles bolinhos desde que viera à Okinawa pela primeira vez na vida e tudo ficava ainda mais gostoso quando era Natsu que os fazia enquanto vestia aquele lindo e fofo avental branco de lagosta vermelha por cima daquele corpo musculoso vestido só com uma calça de moletom branca.

 

Natsu pareceu sentir a presença de Gray o olhando de cima a baixo encostado no balcão da cozinha porque ele desligou o fogo quando terminou de fritar os sata andagi e se virou com um prato fundo cheio deles.

 

-Está com fome?-Natsu perguntou num sorriso sedutor.

 

-Olha, se você fosse chef de um restaurante, eu ia sempre dar a desculpa esfarrapada de “meus cumprimentos ao chef” para transar com você no seu escritório.-Gray brincou.

 

-E se você fosse um crítico gastronômico...-Natsu sorriu divertidamente.-Eu ia largar o meu pau na sua boca para você dar uma nota pra ele.

 

-5 mil estrelas.-Gray diz, se aproximando do seu macho.

 

-Só isso?-Natsu riu em diversão.-Um devorador de paus não daria essa nota para um pau tão gostoso como o meu.

 

-É. Tem razão.-Gray assentiu, suspirando.-5 mil estrelas vezes infinito.

 

Os dois marmanjos sorriram juntos.

 

-Agora, passa pra cá esses bolinhos doces!-Gray tomou o prato das mãos de Natsu e saiu correndo para a cozinha.

 

-Oh, tanuki do pau grande! Volta aqui!-Natsu riu e saiu correndo atrás do seu macho.

 

Os dois marmanjos ficaram correndo em círculos pela sala de estar. Happy, que estava se lambendo perto do janelão nevado da sala, parou com isso para observar os seus donos musculosos e dotados correndo por aí.

 

Eventualmente, Natsu conseguiu alcançar Gray e o agarrou por trás com os seus braços longos e fortes. O marmanjo dos olhos índigos ficou afastando o prato de sata andagi enquanto o marmanjo dos cabelos rosados ficava apertando os gominhos de seu abdômen definido e torcendo seus mamilos bicudos, só para fazê-lo deixar de ser tão guloso toda vez que fazia aqueles docinhos okinawanos.

 

-Me deixa comer esses bolinhos, Gray!-Natsu ordenou aos risos.-Eu estou nos meus direitos!

 

-Que direitos você tem?-Gray diz, rindo.-Além de ficar transando por aí o dia todo feito um gato no cio?

 

-O direito de comer o que eu quiser!-Natsu respondeu, ainda rindo.

 

-Ah, tá bom.-Gray riu mais.-Está aqui dentro da minha cueca.

 

-Me dá, cretino!-Natsu berrou, rindo.

 

-Está bem!-Gray exclamou e se soltou do seu macho tão logo se virou para ele.-Eu deixo você comer os bolinhos com uma condição.

 

-Qual?-Natsu perguntou ao tirar o avental de lagosta e deixá-lo sobre a mesa de centro.

 

-Esfregar os bolinhos nos meus mamilos e depois chupa eles.-Gray diz descaradamente.

 

-Não seria muito mais simples você ficar de quatro para eu descer o pau nessa bunda?-Natsu provocou, sorrindo.

 

-Mas é que eu gosto de te torturar.-Gray sorriu divertidamente.

 

Em derrota, o marmanjo dos cabelos rosados pegou dois dos bolinhos lindamente empilhados no prato de porcelana. O marmanjo dos olhos índigos deixou-o sobre a mesa de centro e pegou um deles para si.

 

Em seguida, Natsu segurou os dois bolinhos dourados, doces e fritos nas mãos e começou a esfregá-los nos mamilos bicudos de Gray. Seu macho sorriu e enfiou o sata andagi em sua boca. Natsu esfregou os bolinhos em movimentos circulares nos mamilos até estes ficarem bem durinhos e açucarados. Quando terminou isso, ele enfiou os dois bolinhos goela abaixo e caiu de boca nos mamilos de Gray.

 

Natsu sugou o mamilo direito com força até que a aréola rechonchuda fosse puxada por seus lábios babados. Os mamilos estavam bem docinhos e ele tratou de chupá-los com força até deixá-los extremamente babados e bem durinhos. Gray sorriu com malícia para os seus mamilos chupados e enfiou na boca o seu sétimo sata andagi.

 

-Hmm, Gray, você tem mamilos tão gostosos de chupar!-Natsu exclamou antes de começar a apertar os mamilos do seu macho.

 

-Eu sei, cara.-Gray dá um sorriso safado.-Acho que até os bebês vão preferir os meus mamilos aos das mães deles.

 

-São tão carnudos e bicudos como se tivessem malhado.-Natsu riu e torceu os mamilos em seus dedos.-Eu estou louco para chegar o verão, assim eu vou poder comer sorvetinho em cima do seu corpo.

 

-E eu acho bom que vá fazer isso no verão.-Gray responde, sorrindo.-Porque, no ano retrasado, você me deixou resfriado por causa dessa sua mania de engolir comida gelada no meio do inverno.

 

-Você sabe que eu prefiro o calor ao frio, Gray.-Natsu faz um beiço manhoso.-Assim eu posso mostrar o meu corpo pra todo mundo babar por mim.

 

-Eu sei, você é um grande exibicionista pervertido.-Gray não deixa de rir.-Agora, vem cá.

 

Num instante, o marmanjo de olhos índigos puxou o marmanjo de cabelos rosados para perto de si e os dois se beijaram ao mesmo tempo em que seus corpos musculosos se colaram gostosamente. Suas mãos grandes e fortes apertaram seus músculos definidos, só para deixá-los na vontade de fazer sexo uma outra vez.

 

Suas línguas se lamberam e seus lábios se chuparam bem lentamente ao passo que seus mamilos bicudos se tocavam e seus paus grandes pulsavam um contra o outro por baixo dos tecidos que eles usavam.

 

Quando finalmente separaram suas bocas, os dois marmanjos sorriram um para o outro com uma insondável perversão.

 

-Estou com uma vontade de te comer...-Gray murmurou.

 

-Vamos ao parque?-Natsu perguntou antes de se soltar do seu macho e sair andando.

 

Por sua vez, Gray olhou para baixo e viu seu pau monstruoso quase rasgando a cueca para se libertar. Decididamente, Natsu lhe devia uma transa gostosa.

 

:

 

As árvores do Parque Ueno eram cobertas por xales de neve e em seus galhos longos e confusos haviam vários sincelos de cristais de gelo – o que lhes conferia a tradicional e maravilhosa beleza do inverno.

 

No Parque Ueno, as crianças corriam de um lado para o outro para brincar de guerra de bola de neve enquanto os adolescentes riam e tagarelavam animadamente com seus amigos de tribos da moda. Os sons da agitada e incansável Tokyo pareciam ser abafados quase que completamente pela paz e harmonia de uma brisa gelada que sopra o furin mais próximo de uma janela.

 

Natsu e Gray andavam juntos lado a lado pelos caminhos nevados do Parque Ueno. No momento, eles estavam numa discussão sobre os prós e contras do inverno enquanto bebiam de copos de cappuccino quentinho.

 

-É que eu não vejo graça, Gray.-Natsu está dizendo.-No inverno, nós temos que nos esconder do frio como se fôssemos um bando de animais da floresta. Mas eu gosto de me mostrar!

 

-É. Eu sei que você gosta de se mostrar.-Gray assentiu, dando um sorriso divertido.-Você vuve querendo postar vídeos seus na Internet, mas eu nunca deixo.

 

-Porque você é tão chato quanto o inverno...-Natsu diz meio emburrado – depois sorri.-Mas no verão, eu posso ficar sem camisa, eu posso passar sorvete no meu corpo, eu posso ficar pelado o dia inteiro, eu posso me masturbar debaixo do Sol quente só para suar e ter prazer.

 

-E o que você não pode no inverno?-Gray quis saber.

 

-Ah, eu não posso fazer nada dessas coisas gostosas.-Natsu diz, cabisbaixo.-Eu quero me bronzear mais, mas o Sol está trancado atrás de uma nuvem.

 

O marmanjo dos olhos índigos sorriu para o marmanjo dos cabelos rosados e passou o braço por cima do ombro dele.

 

-Natsu, tente pensar que, no inverno, você querer se aquecer do frio é uma desculpa genial para fazer sexo o dia todo.-Gray diz carinhosamente.-Você não gosta de transar comigo debaixo do edredom.

 

-É...-Natsu volta à sorrir.-Nós transamos tanto que ficamos molhados de suor e temos que trocar todo o jogo de cama.

 

-É que nós somos machos de verdade.-Gray explicou, brincalhão.-E machos de verdade suam e gozam bastante no sexo.

 

Em resposta, Natsu riu e passou seu braço na cintura de Gray.

 

-Acho que você tem razão.-Natsu diz pensativamente.-No inverno, a gente pode transar mais para se aquecer e eu amo transar. É a coisa mais maravilhosa do mundo. É um presente dos deuses.

 

-Fico pensando se Susanoo não sente tesão pelo pai dele.-Gray brincou.

 

-Mas é claro que sente!-Natsu afirmou.-Ele deve causar a maior tempestade de esperma toda vez que se masturba pensando no pai dele.

 

-Ah, você é louco.-Gray riu e beijou a bochecha do seu macho.

 

-Tá. Que seja.-Natsu dá de ombros.-Mas o verão ainda vai continuar sendo o meu favorito até porque não vamos precisar comprar lubrificante, já que estamos suando bastante no sexo anal.

 

-Pervertido.-Gray sorriu.

 

-Gostosão!-Natsu riu.

 

Eles se beijaram e continuaram passeando através da brisa gelada de inverno no Parque Ueno.

 

:

 

A sala de malhação parecia exalar testosterona histericamente em várias direções. Perto da grande janela do cômodo repleto de aparelhos de musculação, Happy observava os flocos de neve caindo do céu nublado com certo fascínio.

 

De um lado, Gray estava deitado no banco do supino e levantava um peso enorme – ele trajava uma cueca boxer azul-escura, junto de uma regata cavada azul-clara, o que era estranho porque, geralmente, ele vivia sem camisa dentro de casa, mas isso era apenas uma provocação, pois Natsu exigia uma boa visão dos seus mamilos bicudos todos os dias. Do outro lado, Natsu levantava um par de halteres de aço e vestia nada mais que uma cueca boxer vermelha, juntamente do seu lenço branco enrolado em volta do seu pescoço.

 

De um jeito quase obsessivo, Natsu encarava o peito musculoso e suado de Gray parcialmente oculto pela regata cavada. Como a regata era bem apertada, dava para ver claramente os seus mamilos bicudos apontando por debaixo do tecido azul-claro.

 

Aquilo era uma tortura. Natsu não poderia deixar que mamilos bicudos fossem escondidos assim sem mais, nem menos. Ele precisava chupá-los.

 

Então, o marmanjo dos cabelos rosados deixou os seus halteres de aço no chão e saiu andando até o marmanjo dos olhos índigos.

 

Natsu parou ao lado de Gray no supino e o encarou com um ar de seriedade.

 

-Konnichiwa.-Gray sorriu divertidamente.

 

-Levanta, seu cretino!-Natsu rosnou tão logo apertado o pau grande do seu macho por cima da cueca.

 

Gray gemeu, é claro, porque, por algum motivo, malhar lhe dava tesão. Ele deixou o grandioso peso de lado e se levantou do banco do supino para ficar diante de Natsu.

 

Por sua vez, Natsu agarrou as alças da regata cavada e as puxou para juntá-las – o que faz aparecer os mamilos bicudos de Gray que estavam bem molhadinhos de suor. Natsu sorriu e se abaixou. Sua língua lambeu o primeiro mamilo bem devagar e seus lábios chuparam a aréola rechonchuda do mamilo.

 

O marmanjo de olhos índigos não deixou de morder o lábio enquanto sentia o marmanjo dos cabelos rosados chupar seu mamilo com muita fome. Natsu mordeu o mamilo e o puxou com os seus dentes até esticá-lo bastante e soltá-lo. Ele passou para o outro e o atacou com sua boca faminta e babada. Seus lábios babados chuparam o mamilo bicudo até deixá-lo bem durinho e inchado como o outro.

 

Natsu deu uma lambida longa e arrastada no mamilo e voltou à ficar ereto. Gray sorriu divertidamente para ele.

 

-Você sabe que eu odeio quando você esconde esses mamilos bicudos.-Natsu murmurou sensualmente, abraçando o seu macho pela cintura.

 

-Sempre funciona.-Gray riu, envolvendo o pescoço do seu macho com seus braços longos e fortes.

 

Os dois marmanjos sorriram um para o outro e logo depois se beijaram. Seus mamilos bicudos se tocaram e se esfregaram bem gostoso enquanto um lenço branco ficava entre dois deles, deixando-os cada vez mais durinhos com a fricção gostosa. E, lá embaixo, um par de paus enormes pulsavam bem inchados um contra o outro.

 

Natsu e Gray separaram suas bocas babadas e sorriram um para o outro.

 

-Gostoso!-Disseram isso ao mesmo tempo e riram por isso.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...