História Sekkusu to Aijou - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Gray Fullbuster, Happy, Natsu Dragneel
Tags Bara, Gratsu, Hyper Cock, Love, Muscle, Yaoi
Exibições 228
Palavras 2.313
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aqui está... uma brincadeira gostosa. ;3
Boas Lonjuras!

~Rockeiro Sem-Noção.

Capítulo 14 - Brincadeira Gostosa


 

Fazer bolo de chantilly com morangos sempre resultava em bagunça por toda a cozinha. Gray sempre tentava ficar sério quando fazia a massa de baunilha do bolo e cortava os morangos orgânicos – mas Natsu insistia em lambuzar seus mamilos bicudos com chantilly para ficar os chupando o tempo todo. Em compensação, isso acabava resultando em sexo selvagem em cima da mesa da cozinha.

 

Mais uma vez, tinha caixas vazias de morangos, rastros de massa e farinha, respingos de chantilly, claras de ovos e vestígios de açúcar, tudo isso espalhado pelas bancadas da cozinha, na pia e também sobre a mesa, onde um lindo bolo redondo coberto e recheado com chantilly e morangos, já cortado.

 

De um lado da mesa, Natsu comia uma fatia generosa de bolo bem feliz como se nada tivesse acontecido. Já do outro lado da mesa, Gray o encarava com raiva – mas não deixara de comer a sua fatia de bolo bem suculenta – porque seus mamilos estavam inchados, babados e vermelhos por terem sido chupados sem dó por uma boca esfomeada.

 

Natsu lambeu seu garfo melado de chantilly e olhou para Gray, fingindo um olhar de inocência.

 

-Não vai comer mais, Gray?-Natsu sorri divertidamente.-Esse bolinho está tão gostoso. Eu tenho que confessar que nós acertamos em todas as medidas. Talvez, a gente possa vender bolos para os ocidentais no Natal deles.

 

-Você é muito descarado mesmo, não é?-Gray murmurou, largando seu garfo no prato.

 

-Por quê?-Natsu piscou os olhos negros, mas ele estava se deleitando com a situação.

 

-Você tem alguma fantasia sexual doentia de procurar leite nos mamilos de machos?-Gray exigiu saber.

 

-Você já retratou isso numa pintura sua.-Natsu ecoa.

 

-Olha só para os meus mamilos!-Gray rosnou raivosamente.

 

Por sua vez, o marmanjo dos cabelos rosados olhou para o peito musculoso e desnudo do marmanjo de olhos índigos. Seus mamilos pareciam mais bicudos do que de costume, estavam vermelhos e completamente ensopados numa saliva quente.

 

-Onde é que você arranjou isso aí?-Natsu perguntou.

 

-Ah, safado!-Gray saltou da cadeira e pegou uma espátula de bolo da mesa.-Eu vou enfiar isso em você, seu cretino!

 

Natsu arregalou os olhos negros e saltou de sua cadeira quando Gray veio correndo em sua direção.

 

Happy, que estava andando tranquilamente pela sala de estar, soltou um guincho e saltou para baixo de uma poltrona quando viu seus donos pervertidos virem correndo da cozinha. Natsu jogava almofadas, cobertores, bentos vazios e garrafas de Calpis e chá verde pelo caminho para fazer Gray tropeçar, mas ele parecia um shinkansen em velocidade máxima, atropelando tudo que estava em seu caminho.

 

Isso durou por alguns minutos e eles ficaram correndo em círculos pela sala de estar como dois malucos. Eventualmente, Happy saiu debaixo de um divã do outro lado do tapete perto do janelão da sala de estar. Enquanto isso, Natsu estava passando ali bem na hora e conseguiu pular por cima de seu gato para não machucá-lo e saiu capotando pelo chão. Gray veio logo atrás e se jogou em cima do seu macho.

 

A espátula de bolo saiu deslizando pelo chão e Happy assistiu-a parar do outro lado da sala.

 

Os dois marmanjos musculosos que só vestiam cuecas apertadas ficaram fazendo algo estranho e delicioso que ficava entre uma luta e uma transa. Vez, ou outra havia socos leves, apertões nos músculos, torções em mamilos, pressão sobre os paus dotados e muitos chupões.

 

Gray sempre tentou bater em Natsu por ele fazer alguma sacanagem por ele – só que o seu macho era gostoso e lindo demais para ter sua beleza e sensualidade danificadas, então eles caíam de boca um no outro.

 

Os marmanjos rolaram pelo chão acarpetado da sala até pararem perto da longa cortina roxa do janelão. Gray ficou todo deitado sobre Natsu, ele agarrava os seus cabelos rosados enquanto sentia os braços musculosos dele o envolver pela cintura. Suas bocas se lamberam e se chuparam gostosamente, emitindo estalos babados e barulhentos que só os deixavam ainda mais excitados.

 

Naquela altura do campeonato, Gray enroscara a sua mão no lenço branco de Natsu que já enfiava a mão dentro de sua calça jeans para esfregar seu pau duro por cima da cueca azul-escura.

 

De repente, o marmanjo de olhos índigos se levantou de cima do marmanjo de cabelos rosados e o fitou bem. Ambos estavam tão duros que seus paus dotados poderiam rasgar suas cuecas e calças para se libertarem.

 

-Eu vou te castigar pela bagunça da cozinha e pelos meus mamilos.-Gray diz tão logo agarrou seus mamilos inchados com os dedos.

 

-Você fica muito quente pegando nos mamilos assim...-Natsu mordeu o lábio e ficou esfregando a mão em seu pau duro por cima da calça branca.

 

Só de raiva, Gray saiu marchando para a cozinha e voltou um minuto depois com um par de luvas de borracha amarelas que ele jogou no peito musculoso e desnudo de Natsu.

 

-Vá lavar a louça.-Gray ordenou imperiosamente.-E só saia da cozinha quando tudo estiver brilhando!

 

Gray saiu marchando para a sala de malhação e Natsu ficou sozinho na sala de estar com as luvas de borracha no colo.

 

Por algum motivo bizarro, aquelas luvas amarelas lhe pareceram muito excitantes.

 

:

 

Alguns minutos depois, Gray terminou de fazer as suas abdominais. Todo o seu corpo musculoso estava molhado de suor e acabou umedecendo o chão acarpetado debaixo dele. Ele vestia uma regata verde cavada extremamente apertada, cujas alças finas revelava um dos seus mamilos bicudos. Gray olhou para o seu mamilo e começou a esfregar a ponta do dedo nele em movimentos circulares.

 

Gray mordiscou o lábio e lambeu seu dedo para esfregá-lo em seu mamilo de novo. E o mamilo fora endurecendo instantaneamente. Ele passou sua outra mão sobre seu pau grande por cima da cueca azul-escura, sentindo-o inchar ali dentro.

 

De repente, ouve-se gemidos:

 

-Oh... ohhh... Gray... hmm, Gray... ohhhhh...

 

Eram os gemidos de Natsu e pareciam vir da cozinha. Num pulo, Gray saiu da sala de malhação e foi marchando velozmente pelo corredor até a cozinha.

 

Quando chegou lá, sentiu que poderia gozar litros de esperma em um décimo de segundo só com a visão que teve.

 

Natsu estava sentado sobre a mesa da cozinha. Ele estava completamente desnudo com o lenço branco enrolado no pescoço e jogado para trás enquanto todo o seu corpo musculoso brilhava em puro lubrificante. Suas mãos tinham luvas de borracha amarelas muito bem lubrificadas que ele usava para masturbar seu pau gigante e duro, e esfregar seu mamilo esquerdo enquanto o outro era preso por um pregador vermelho.

 

Gray não acreditou no que viu. Natsu olhou para ele e lambeu os lábios babados com um sorriso safado.

 

O marmanjo de olhos índigos veio andando até o marmanjo de cabelos rosados e parou na frente dele. Gray olhou para Natsu da cabeça aos pés. Tinha lubrificante desde os seus ombros largos e tonificados até as suas coxas fortes e definidas. O pregador vermelho apertava seu mamilo com força enquanto o outro era esfregado pelos seus dedos com luva de borracha. Já o seu pau grande pulsava fortemente com sua outra mão com luva deslizando freneticamente por todo o comprimento grosso e duro do pau.

 

-Isso é gostoso, Natsu?-Gray quis saber, sentindo seu pau enorme pulsar dentro da cueca.

 

-É muito gostoso...-Natsu ofegou, sorrindo.-Uma delícia até a próstata...

 

Natsu parou de esfregar seu mamilo e segurou seu peitoral esquerdo. Gray sorriu maliciosamente e atacou o mamilo bicudo no mesmo instante. Ele sugou o mamilo com os lábios, fazendo Natsu gritar e jogar a cabeça para trás. Dava para sentir a língua do seu macho raspando seu mamilo durinho enquanto dentes o mordiam repetidas vezes.

 

Gray lambeu a aréola rechonchuda do mamilo com sua língua e o sugou até soltá-lo. Ele pegou um segundo pregador vermelho de uma cestinha de plástico da lavanderia na mesa e o prendeu no mamilo do seu macho, arrancando um gemido choroso dele.

 

Então, Natsu parou de se masturbar e agarrou a barra da regata cavada de Gray – ele a puxou para cima até embolá-la acima de seu peito musculoso, revelando seus gostosos mamilos bicudos e carnudos. Natsu agarrou os mamilos e os esfregou bem rápido com as luvas de borracha lubrificadas que ele usava. Seu macho gemeu, jogou a cabeça para trás e flexionou os peitorais definidos ao mesmo tempo em que seus mamilos eram puxados e torcidos.

 

Natsu agarrou Gray pela cintura e o trouxe para mais perto de si para poder chupar seus mamilos suculentos. Ele mordeu o primeiro mamilo e o puxou com os dentes tão logo começou a chupá-lo com força. Seu macho sorriu e ficou esfregando a mão no seu pau grande e duro para fazer bastante fricção. Natsu ficou chupando o outro mamilo com força, chupou-o atá deixá-lo todo lambuzado em sua saliva e todo inchado como o outro.

 

O marmanjo dos cabelos rosados se afastou dos mamilos inchados e babados e pegou um frasco de lubrificante sobre a mesa da cozinha. Ele despejou tudo sobre o peito musculoso e desnudo do marmanjo de olhos índigos que se apressou em despir-se de sua cueca azul-escura, fazendo com que seu pau monstruoso pulasse todo animado e duro.

 

Natsu deu à Gray mais um par de luvas de borracha e ele as lambuzou no lubrificante. Seu macho teve todo o prazer de prender dois pregadores azuis em seus mamilos bicudos. Gray subiu na mesa e se sentou ao lado de Natsu. Eles, então, começaram um suculento e delirante troca-troca em que um masturbava o pau todo outro. A sensação da luva de borracha lubrificada se esfregando nos paus e os apertando parecia que iria fazer aqueles membros enormes explodirem em litros de esperma sem fim.

 

Os dois marmanjos se olharam e gemeram um para o outro num prazer alucinante. Eles tiraram apenas um pregador dos seus mamilos, se abraçaram com seus dois braços livres e começaram a se beijar gostosamente. No mesmo instante, seus mamilos inchados e lambuzados se chocaram e ficaram se esfregando bem gostoso. Os paus monstruosos pulsavam com força e peso de puro tesão. Eles sentiam que iriam explodir à qualquer momento.

 

Houve um momento em que os marmanjos soltaram seus paus gigantes e subiram de vez na mesa da cozinha com os dois pregadores em mãos. Eles ficaram ajoelhados no meio da mesa já limpa, um de frente para o outro. Eles trocaram dois pregados de mamilo para que pudessem esfregar os mamilos um do outro sem aquele problema chato de canhoto e destro. E, assim, Gray e Natsu agarraram seus paus juntos com as mãos e voltaram à se masturbar em dupla.

 

Seus dedos com luvas de borracha esfregavam seus mamilos bicudos em círculos e masturbavam seus paus duros juntos e colados. É claro que eles não resistiram em se beijar ao passo que ofegavam e gemiam de prazer.

 

Não levou muito tempo para que Natsu empurrasse Gray na mesa e os dois caíssem deitados nela um sobre o outro. Natsu pegou, de algum lugar, uma quinta luva de borracha também lubrificada e, de algum jeito, conseguiu amarrá-la ao redor do seu e do pau de Gray, juntando os dois membros duros. Os marmanjos começaram a esfregar seus paus uns nos outros em ritmos freneticamente sincronizados. Eles pegaram os mamilos bicudos um do outro e ficaram os esfregando desesperadamente sem mais nenhum pregador. Os dois marmanjos gemiam chorosamente e suavam de prazer.

 

 De repente, eles esfregaram seus paus uma última vez e esguicharam vários jorros longos e grossos de esperma quente, branco e pegajoso sobre os seus abdômens e peitos. Natsu e Gray ficaram gemendo e respirando pesadamente enquanto seus paus duros e melados pulsavam após terem ejaculado tanto esperma.

 

Natsu desabou em cima de Gray, fazendo com que seus mamilos e paus se esmagassem uns contra os outros.

 

Eles apenas se abraçaram e se beijaram com toda a doce safadeza de suas mentes poluídas.

 

:

 

Olhando pela janela larga do quarto, era possível contemplar-se um céu branco como papel se estendendo por cima de Roppongi com algumas poucas manchas cinzentas que eram as nuvens de neve fria. Lá embaixo, Tokyo fulminava eternamente com todo o seu entretenimento de bairros exóticos, lojas caras e restaurantes bem convidativos, onde podia-se encontrar jovens de cabelos coloridos, botas pesadas e roupas lindamente bizarras.

 

Gray estava de pé diante da janela e sem vestir roupa nenhuma – mas ele nem se importava de ser flagrado assim da janela de algum vizinho. Virou-se para o lado e viu Natsu todo largado na cama. Ele fazia carinho na nuca gorducha e peluda de Happy que tinha acabado de adormecer sobre os travesseiros da cama depois de comer uma boa tigela cheia de salmão grelhado.

 

O marmanjo dos olhos índigos sorriu e foi fazer companhia para o marmanjo de cabelos rosados e seu gatinho russo-azul. Ele subiu na cama e se deitou ao lado de seu macho. Por um momento, eles ficaram se encarando como se nada mais houvesse naquele mundo à não ser eles.

 

Num instante, os marmanjos sorriram e começaram a rir. Eles fizeram carinho em suas cinturas delgadas com as mãos e trocaram um beijo doce e meigo. Natsu e Gray separaram seus lábios.

 

E, de repente, tudo ficou intenso.

 

Os olhos, negros e índigos, se fitavam profundamente como se quisessem decifrar os seus segredos mais belos e obscuros.

 

Gray tocou o rosto belo e másculo de Natsu com sua mão e ficou parado assim mesmo. É como se ambos quisessem sussurrar alguma coisa um para o outro, mas não pareciam ter coragem o suficiente para isso.

 

Em um instante, seus rostos ganharam uma suave tonalidade avermelhada.

 

E, em vez de acontecer qualquer coisa chocante, Gray se virou de costas para Natsu que apenas o abraçou por trás – e eles ficaram assim.

 

Happy espiou tudo no seu travesseiro com um olhar de pura desconfiança e depois voltou para a sua soneca na cama, assim como os seus donos adormeceram juntos de conchinha.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...