História Sekkusu to Aijou - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Gray Fullbuster, Happy, Natsu Dragneel
Tags Bara, Gratsu, Hyper Cock, Love, Muscle, Yaoi
Exibições 151
Palavras 2.592
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gomen nasai. Eu acabei esgotando o estoque de capítulos escritos e salvos na pasta do meu notebook e acabei tendo que escrever em tempo real, por isso o atraso inusitado, hai?
Bom, este é o derradeiro capítulo de Sekkusu to Aijou e sempre que isso acontece, eu penso:"Isso está acontecendo mesmo?!". É surreal, de verdade.
Mas uma história termina para outra começar e vem muitas outras por aí...
Boas Lonjuras!

~Rockeiro Sem-Noção.

Capítulo 30 - Marmanjos Apaixonados


 

A luz do Sol veio iluminando o quarto do casal com total placidez como se tivesse medo de acordá-los de seu sono profundo.

 

O chão acarpetado do quarto tinha uma certa bagunça de cuecas boxers, regatas cavadas, frascos de lubrificante vazios e halteres de aço. Em um canto quente e aconchegante perto da janela ensolarada, Happy dormia confortavelmente na sua caminha artesanal com mantinha azulada. Ele dormia tão profundamente quanto os seus donos.

 

Já num futon macio de lençóis brancos com algumas manchas suspeitas, Natsu e Gray estavam imersos num profundo sono. Ou, pelo menos, Gray estava porque Natsu estava começando a acordar. Ele se encontrava meio que deitado em cima do seu namorado e, como ambos estavam desnudos, seus músculos fortes e definidos se esfregavam gostosamente para trocar o calor corporal daqueles corpos musculosos e deliciosamente másculos.

 

Natsu olhou para Gray e sorriu ao ver o rosto belo e másculo dele tão calmo e silencioso como uma manhã de inverno. Por outro lado, Natsu já estava picante e atiçado como uma tarde de verão. Ele passeou a mão grande e forte por todo o peito musculoso e desnudo de Gray e depois ficou alisando os gominhos tonificados do seu abdômen definido. Decididamente, aquele era o macho mais gostoso que ele já comeu e já amou em toda a sua vida.

 

-Hmm, Gray...-Natsu sussurrou com um sorriso carinhoso e bem safadinho.-Você fica tão lindo dormindo... e os seus mamilos bicudinhos parecem tão quietinhos. Eu vou acordar ele pra você, machão.

 

Em resposta, o marmanjo dos olhos índigos apenas suspirou preguiçosamente e virou a cabeça para o lado no travesseiro com os cabelos preto-azulados caindo sobre o rosto. Com um sorriso divertido no rosto, o marmanjo dos cabelos rosados se colocou todo em cima do seu namorado e se preparou para o ataque.

 

Primeiramente, a pontinha da sua língua carnuda e babada começou a cutucar a pontinha do primeiro mamilo bicudo e rosado. Gray gemeu fracamente. Então, Natsu passou toda a sua língua por cima do mamilo antes de lamber ele em círculos. Não demorou muito para o mamilo começar a endurecer e se eriçar todinho. Seus lábios já bem babados chuparam o mamilo com tanta força que sua aréola carnuda e a pele ao redor dela foram puxadas com tamanha sucção faminta.

 

Natsu lambeu o mamilo bem rápido e depois o mordiscou repetidas vezes. Ele se deitou um pouco sobre Gray e lambeu seus dedos com tanta cerimônia que estes já estavam pingando de saliva. Natsu levou os seus dedos lambuzados até o outro mamilo de Gray e ficou o torcendo com força, deixando ainda mais durinho e eriçado.

 

Só agora o marmanjo de olhos índigos começou a despertar do seu sono profundo. Assim que acordou, ele nem precisou olhar para saber que o seu namorado estava chupando seus mamilos com muita fome e já dava para senti-los bem inchados e babados. O marmanjo de cabelos rosados nem notou o despertar do seu namorado e continuou chupando seus mamilos bicudos e carnudos.

 

-Natsu...-Gray o chamou.

 

-Hmm?-Natsu diz na maior cara de pau e com a boca no mamilo.

 

-Eu acabo de acordar de um sonho maluco, onde tinham tubos de silicone grudados nos meus mamilos.-Gray está dizendo em sussurros sonolentos.-Mas os meus mamilos estavam tão inchados que tinham o tamanho de dedos gordos e as aréolas tinham quase o tamanho de anpans.

 

Natsu gemeu e chupou o mamilo com mais força.

 

-E, por algum motivo, você era um fazendeiro gostosão que estava me ordenhando.-Gray continuou.-Você estava tirando leite dos meus mamilos e bebendo tudo feito o grande safado que é. Sai daí!

 

Gray se apoiou pelos cotovelos e olhou para os seus mamilos. Natsu sorriu e simplesmente cuspiu num dos mamilos antes de dar um tapa forte no peitoral definido e apertá-lo com força. Seu namorado gemeu com isso.

 

-Se você quiser, pode chupar os meus mamilos...-Natsu sorriu, todo sapeca.

 

-Eu estou com fome mesmo...-Gray sorriu.

 

Gray começou lambendo o primeiro mamilo em círculos para deixá-lo bem babado e durinho. Seu namorado começou a gemer e a sorrir feito um bobo pervertido. Seus lábios chuparam o mamilo com muita força até que fosse esticado um pouco. Gray passou para o outro mamilo e o lambeu com muita rapidez e fricção, fazendo com que Natsu gemesse mais como se fosse um gato no cio.

 

O marmanjo dos olhos índigos sugou o mamilo bem forte e ainda esfregou os dentes nele sem deixar de mordiscá-lo. Seu namorado continuou gemendo e agora dava para senti-lo esfregar o próprio pau duro no seu que também já começava a endurecer e a inchar poderosamente. O marmanjo dos cabelos rosados olhou para baixo e sorriu ao ver o seu namorado chupando seu mamilo como se o mamasse em busca de leite.

 

Por fim, Gray soltou o mamilo e usou seus dedos para esfregar os dois bem rápido. Natsu soltou gemidinhos agudos e chorosos, e seu sorriso era a essência da malícia. Gray torceu os mamilos bicudos e os puxou com força antes de soltá-los enfim. Ele plantou beijinhos doces e quentes nos mamilos inchados e vermelhos, e depois abraçou a cintura delgada de Natsu com os seus braços longos e fortes.

 

-Gostou, meu machão safadinho?-Gray brincou, sorrindo.

 

-Hmm, Gray, eu não consigo me decidir.-Natsu não deixa de rir.-Ou você é bom em chupar mamilos, ou em mamar um pau, ou meter com força.

 

-Digamos que eu sou o pacote completo.-Gray ri em diversão.-Mas agora... nós estamos bem durinhos... o que você recomenda para isso, hein, lindão?

 

-Eu recomendo um bom café da manhã.-Natsu responde, sorrindo.

 

-O quê?-Gray desesperou-se.-Mas o que comida tem a ver com sexo?

 

-Bom, na verdade, tem muita coisa a ver.-Natsu explicou.-Mas vamos deixar isso para mais tarde, hai?

 

-Hai...-Gray faz uma carinha emburrada muito fofa.

 

Natsu não resistiu e beijou Gray – o que o fez sorrir.

 

:

 

Agora, tomar café da manhã juntos era simplesmente um ritual amoroso para Natsu e Gray. Ees sempre comiam outras coisas que iam contra o asagohan e ainda as comiam na cama, ou no sofá. Mas agora eles eram um casal apaixonado e se deleitavam em comer a primeira refeição do dia juntos.

 

A mesa da cozinha já estava quase posta. Natsu e Gray até decidiram tirar a mesa e as cadeiras de estilo ocidental e trocar por uma mesa baixa e almofadas do estilo japonês que estavam guardadas num porão debaixo da casa. Eles queriam deixar tudo mais autêntico.

 

Natsu abrira uma lata de ração cremosa e despejou tudo num prato de porcelana sobre a bancada da cozinha. Ele abriu um armário e jogou a lata na lixeira de metais para reciclagem – depois pegou Happy do chão e o colocou de pé sobre a bancada da cozinha. O gatinho russo-azul olhou para o prato de ração deliciosa e já foi logo avançando sobre este. Ele ficou agachadinho e ficou devorando aquela ração suculenta. Natsu sorriu para o seu gatinho e fez carinho na nuca gorducha e peluda dele.

 

Enquanto isso, Gray tinha acabado de colocar um prato os filés grelhados de salmão e atum, e agora enchia dois copos de porcelana com chá verde de um bule florido. Os dois marmanjos só vestiam cuecas boxers naquela linda manhã ensolarada. Natsu deixou Happy comer sua ração em paz e foi se sentar ao lado de Gray nas almofadas macias.

 

Eles se sentaram juntos lado a lado e foram se servindo de todas as delícias japonesas que tinham na mesa baixa. Tinha arroz branco, misoshiru, natto, legumes em conserva, nori, tamagoyaki, peixes grelhados, salada de pepino e chá verde. Eles comiam de suas cumbucas de arroz branco enquanto pegavam algumas delícias com seus hashis coloridos.

 

Porém, nenhum dos dois marmanjos não paravam de se olhar. Eles sempre lançavam olhares rápidos e tímidos um para o outro. Era aquela coisa clássica de um olhando quando o outro não está olhando. Eles nem pareciam ser os marmanjos safados que se comiam todos os dias – eles mais pareciam dois garotinhos lindos com vergonha de dizer que gostam um do outro até que venha o verdadeiro amor.

 

Essa brincadeira durou mais um tempo. Pelo menos, um 5 minutos.

 

-Tá legal.-Gray olhou para Natsu.-Vai parar com isso, ou não vai?

 

-Parar com o quê, lindão?-Natsu dá um sorriso bobo.

 

-De ficar me olhando sem parar.-Gray responde sem rodeios.

 

-Você também está fazendo isso, seu bobão.-Natsu começa a rir.

 

Foi o suficiente para Gray rir também. Os dois marmanjos ficaram rindo juntos. Happy até parou de comer um pouco para olhar os seus donos rindo juntos – mas voltou à comer logo em seguida até porque a sua ração estava gostosa demais para ser interrompida.

 

Alguns poucos minutos depois, Natsu e Gray pararam de rir e voltaram à respirar com calma. Eles se olharam. Seus olhos, negros e índigos, brilhavam com um doce amor. Era um brilho de amor que podia ser até mais quente e radiante do que o próprio Sol da manhã que brilhava em todo o Japão.

 

-Olha...-Gray sorriu carinhosamente.-Eu nem sei o que dizer... só sei que sinto como se fosse um menino de escola... que quer fazer amor com você o dia todo.

 

-E eu?-Natsu não deixa de rir.-É como se eu estivesse com os hormônios à flor da pele e o coração quase saltando da boca, só por você ter sorrido para mim.

 

-Você é fofo.-Gray elogiou.

 

-E você é um amor.-Natsu elogiou também.

 

Os marmanjos ficaram se olhando por um tempo. Eles se conheciam há tanto tempo como também transavam há muito tempo. Mas agora que estavam loucamente apaixonados um pelo outro é como se eles não só estivessem ascendendo o seu antigo relacionamento bizarro e picante à um novo patamar como também tinham um novo relacionamento.

 

Algo mais doce e lindo do que o seu próprio esperma que ejaculava em dias, tardes e noites dos anos em que ficaram juntos e que permanecem juntos até o momento presente.

 

Então, Gray se aproximou de Natsu e beijou seus lábios. Tudo bem que ele estava com gosto de misoshiru e sua própria boca tinha gosto de chá verde. Mas eles pouco se importavam para isso. Eles só queriam desfrutar do seu amor, dos seus corações e dos seus corpos em cada momento, sendo ele doce, picante – ou os dois lindos sabores juntos.

 

Eles separaram os seus lábios após uma eternidade de beijos e ficaram contemplando os olhos um do outro como se assistissem suas almas bailando através das íris.

 

E o café da manhã fora esquecido completamente.

 

:

 

Por algum motivo desconhecido, Natsu chamou Gray para ir à praia. Disse que tinha algo de suma importância para acontecer lá. Seu namorado aceitou o convite por curiosidade e também por querer ficar bem pertinho daquele corpo musculoso e bronzeado.

 

Dessa vez, eles foram andando até a praia vestidos com bermudas escuras e chinelos. Como sempre, carregavam uma bolsa grande com toalhas de praia, óleo de bronzear e toalhas menores para se enxugar, mais uma bolsa térmica para alguns picolés Suika Baa e garrafas d’água.

 

Eles chegaram à Kondoi Misaki e ela estava bem quente e ensolarada. Não era comum ver muitas pessoas por ali como qualquer praia de clima tropical, então a praia era toda deles naquela hora da manhã. As ondas vinham fortes e poderosas do mar e se arrebentavam calmas e pequenas na areia molhada e escura. E as borboletas de cores vivas e exuberantes voavam para lá e para cá, conferindo à Kondoi Misaki um ar de beleza extraordinária.

 

Natsu e Gray estenderam as toalhas de praia na areia fofa e branca. Eles se sentaram ali e ficaram olhando para o mar vasto.

 

-Então?-Gray olhou para o seu namorado.-O que viémos fazer aqui?

 

Em resposta, o marmanjo de cabelos rosados sorriu e simplesmente despiu-se da sua bermuda de labaredas de fogo. Seu namorado sorriu lindamente ao ver o seu pau monstruoso e já duro pulando alegremente entre as suas coxas definidas e bronzeadas. Rapidamente, o marmanjo de olhos índigos se despiu também da sua bermuda de ondas azuis-escuras, revelando o seu pau gigantesco e inchado de tesão.

 

Como há 6 anos atrás, eles passaram suas pernas torneadas por cima e por baixo umas das outras como se fosse um laço e isso fez com que os seus paus dotados ficassem bem grudadinhos um no outro. Com as mãos apoiadas nas toalhas de praia, os marmanjos usaram suas mãos livres para masturbarem os seus paus juntos e numa masturbação dupla.

 

-Gray Fullbuster.-Natsu diz num sorriso divertido e de um jeito cerimonial.-Há 6 anos atrás, nós fizemos um pacto de esperma que consistia em termos um relacionamento bizarro que não envolvesse amor e nenhuma outra emoção. Apenas o sexo selvagem e gostoso.

 

-Hai, Natsu Dragneel.-Gray assentiu com um sorriso bobo e safado.-Esse relacionamento foi muito gostoso por muito tempo.

 

-Mas agora que estamos apaixonados e namorando, não faz sentido em manter esse pacto.-Natsu continuou.-Por isso, eu proponho a quebra desse pacto e um novo pacto.

 

-Qual?-Gray quis saber.

 

-Nada de mentir, nada de trair e nada de abandonar.-Natsu está dizendo.-Só teremos um ao outro pela eternidade. Vamos nos amar todos os dias. Cada beijo será um presente e cada transa será um dom. E nossos corações permanecerão entrelaçados no fio vermelho do destino que nos manteve unidos por tanto tempo.

 

-Concordo plenamente.-Gray gemeu.

 

Os marmanjos gemeram de prazer à medida que se masturbavam cada vez mais. Suas duas mãos agiam como um grande masturbador que escorregava freneticamente nos paus duros e dotados desde os seus talos até as glande rosadas e babadas. Eles ficaram se olhando com os rostos ruborizados e os olhos brilhando lindamente.

 

Logo mais, os marmanjos sentiram uma pressão familiar em seus testículos e acabaram gozando com carga total. Ao pararem de se masturbar, esguichos grossos e cremosos de esperma quente e salgado saíram voando pelos orifícios de suas glandes e foram banharam seus próprios paus, testículos, mãos, pélvis, abdômens, peitos e até rostos.

 

Eles gemeram de prazer. Seus paus pulsavam fortemente com as derradeiras gotas de esperma rolando por suas glandes rosadas e rechonchudas. Eles soltaram seus paus e olharam para os seus dedos envoltos no esperma pegajoso.

 

Então, simplesmente, os marmanjos apaixonados entrelaçaram seus dedos mindinhos e começaram a cantar a música de Yubikiri Genman.

 

-Uso tsuitara hari sen.-Natsu e Gray cantaram juntos e sorrindo.-Bon nomasu yubi kitta...

 

Após isso, seus dedos mindinhos continuaram entrelaçados. Eles sorriram apaixonadamente um para o outro. Seus olhos brilhavam com todo o amor que nutriam um pelo outro com seus corações doces e sorridentes.

 

-Anata wo aishiteru...-Natsu murmurou.

 

-Kimi wo aishiteru...-Gray sussurra.

 

Pois bem, Natsu Dragneel e Gray Fullbuster se aproximaram um do outro e trocaram um beijo doce, quente e apaixonado, selando uma promessa de eterna lealdade com o toque mágico de um misto idílico e erótico de amor e luxúria unidos como um todo. Eles logo se deitaram nas toalhas de praia sob aquele mesmo céu e sobre aquela mesma praia em que se encontraram há 6 anos atrás com o fio vermelho do destino já amarrado em seus tornozelos.

 

Por um momento, o mundo e todos os seus habitantes e culturas deixou de existir. Agora, só existiam Natsu e Gray perdidos no amor e nos braços um do outro. Seus olhos, negros e índigos, se contemplavam como se jamais tivessem visto algo tão maravilhoso assim.

 

-Aishiteru...-Eles sussurram juntos. Seus sorrisos eram de puro amor verdadeiro.

 

O amor sempre chegava para todos mais cedo, ou mais tarde, aliás machões como Natsu e Gray também podem se apaixonar e se amar como um verdadeiro casal de marmanjos apaixonados.

 


Notas Finais


Tenho que confessar que fiquei meio paralisado ao escrever o finalzinho dessa fanfic até porque não é sempre que eu escrevo um bara tão picante assim que acaba no amor de um yaoi assim. ;3
Decididamente, eu não acreditava que iria escrever uma fanfic de yaoi de algum anime na minha vida. Foi por causa de todas as fanarts safadas e picantes de Gratsu que eu vi na Internet que eu pensei:"Tenho que escrever algo sobre eles". Quando tive inspiração, eu não quis forçá-la, colocando um monte de personagens, amigos e inimigos do casal para dar uma variada na situação porque era um mar não-mapeado por mim. Como um Novo Mundo para os europeus bundões, sabem? Vejamos se a inspiração chega de repente para me fazer escrever mais sobre Gratsu e, talvez, algum outro anime. ;3
Quero agradecer à todos que leram, comentaram, acompanharam e favoritaram essa minha fanfic. É por causa de vocês que eu sinto o desejo de escrever coisas malucas e maravilhosas para deixar as pessoas felizes - e mais loucas do que já estão. As melhores pessoas são assim, hai?
Arigatou to jaa ne!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...