História Selfish - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Fantasia, Hopega, Jimin, Jungkook, Kookmin, Mermaid, Namjin, Selfish, Taehyung, Taekook, Taekookmin, Vmin
Visualizações 56
Palavras 2.299
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Magia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eaê vey
Ahm, o que falar? Desculpas?
Acho que já se cansaram disso, me desculpa, aushuab
Acontece que eu andei tendo alguns probleminhas comigo mesmo e com tudo a minha volta, tive bastante bloqueios e, enfim, houveram problemas e eu não consegui escrever nada por MUITO tempo
Mas esse "mini-hiatus" acabou, e agora vou pagar um pouquinho do que andei devendo para vocês <3
Me perdoem qualquer erro, e se o capítulo estiver muito curto, apemas aguardem. Depois deste sairá outro :)

[L E I A M - A S - N O T A S - F I N A I S]

Capítulo 8 - Swimming in Tears


- JeongGuk? - perguntou por impulso, engolindo tão seco que sentiu a garganta doer. Olhou mais uma vez em volta, encontrando uma luz estranha no outro lado do bosque, vindo das árvores - Senhor Axel? - ventava tão forte ao mesmo tempo em que serenava, que teve de usar o antebraço como proteção para os olhos

Não podia ser...

O que aquele corpo pequeno fazia ali...

Exposto ao sol?

- YoonGi...

...

O vento fazia com que tudo naquele bosque cantasse alto seu desespero, acompanhando a confusão mental do Kim. Seu braço ainda cobria um pouco de seu rosto, numa tentativa falhar de evitar toda aquela luz e ventania violenta. Sua respiração pesava, e assim que sentiu aquela luz e fala se intensificarem, sua cabeça pareceu inchar

- Arh! - agarrou os próprios ouvidos, agachando-se em meio a rocha que era constantemente atingida pelas águas cristalinas agora manchadas pelo sangue da sereia daquele lago. O som não parecia-se mais com um canto e muito menos com algo coerente. Era alto, agudo e ensurdecedor. Sua cabeça doía como o inferno, e perguntava-se se era daquela maneira que o herdeiro do trono se sentia todas as noites; em busca de algo inalcansável - P-para! - sussurrou

- Kim... O que ele faz aqui..? - o rapaz de pele exageradamente clara e cabelos negros escondidos por uma manta que se assemelhava a do feiticeiro, questionou baixo. Não para alguém em específico, mas para alguém que ele mesmo sabia podê-lo ouvir. O rapaz a sua frente agoniava-se e se esperniava em dor. Min sabia o por quê e sabia que era sua culpa, mas estava confuso

Por que motivo o "caçador dos mares" deu-se o trabalho de estar naquele bendito lago, naquele bendito bosque? Não se importava com os murmúrios que tornaram-se berros de agonia e muito menos com a reação final que viria logo. Tinha as mesmas perguntas em mente, porém não queria as mesmas respostas.

- FAZ ISSO PARAR! - parecia que a qualquer momento seus ouvidos saíriam ou começariam a sangrar por tamanha dor que aquele maldito som emitia. O vento parecia levar aos poucos a sanidade e consciência  de TaeHyung, a água vermelha que tocava em si agora também parecia queimá-lo. Preferia a morte do que aquela sensação. Abriu por pouco tempo seus olhos, que nem notou ter fechado pela dor, e fitou o mais velho do outro lado. A fonte da luz vinha de algum tipo de lamparina. Uma das velas. Sua face estava tão serena e julgadora ao mesmo tempo que parecia gastar todo o tempo que podia ajudando-o, pensando no que responder ou apenas assistindo seu fim lentamente

Infelizmente YoonGi apenas queria entender o que raios fazia ali para então arrancar-lhe a cabeça fora. O mais velho até faria isso, se não fosse por um saco no outro lado da margem do lago que piscava em resposta a sua

- Não é possível... - murmurou baixo, então voltando seu olhar para TaeHyung que continuava a se esperniar apertando a própria cabeça. Ergueu a lamparina até que ficasse ao lado de seu rosto, soltando com força o ar de seus pulmões para que aquela pequena chama se apagasse

O silêncio se fez presente, os ventos se acalmaram e a luz fora apagada. Como se fosse substituído por um boneco, o corpo do garoto de cabelos castanhos enfraqueceu sem mais bem menos, sendo levado pela gravidade até as águas manchadas

YoonGi respirou fundo, depositando a lamparina na terra para que então mergulhasse no lago. Não foi preciso muito esforço para que chegasse ao outro lado, já que as águas o conheciam e não demorariam a o obedecer. Parou em um certo ponto e abaixou-se, erguendo consigo o corpo esbelto e desacordado do Kim

- Espero estar fazendo a coisa certa... - pensou alto, carregando o garoto consigo até a margem do lago em que este deveria ter vindo e o jogando na terra próximo as próprias vestes. O cavalo que estava amarrado à uma árvore o encarava aflito, mesmo sendo só um animal. Deveria ser pela água vermelha que escorria por ambos os corpos. Acariciou a face do animal, o acalmando lentamente, até que voltasse sua atenção para o saco que parara de brilhar, este que edtava próximo a uma bolsa que deveria o esconder antes

Abaixou-se e pegou o saco com uma mão, o erguendo até a altura dos olhos para visualizá-lo melhor. Estalou a língua numa breve irritação e jogou dentro da mochila num movimento bruto. Prendeu a bolsa ao corpo do cavalo e agarrou o de TaeHyung, que estava mole como um morto. Jogou-lhe em cima do cavalo e desamarrou a criatura, segurando suas rédeas para que o mesmo o seguisse

Seria perigoso levá-lo até onde JeongGuk estava, mas não seria mais perigoso do que deixá-lo ali, solto junto a todas as outras criaturas famintas por aqueles que dormem em horário errado

《》《》《》《》《》《》《》《》《》

Não era comum que o rapaz de pele clara e cabelos quase mais negros que o carvão sentisse aquela terrível sensação de desespero e confusão, mas naquele momento era a única coisa que lhe vinha em mente. Ambos os rapazes que menos desejava encontrar estavam ali, e ambos estes poderiam ter o objetivo mais negado pelo próprio Min

As velas de cisnes, como claro e óbvio, não serviam apenas para iluminar as águas ou coisa do tipo. Velas de cisnes serviam como um filtro de línguas para os seres aquáticosassim como também serviam como um 'fruto de energia', este era o motivo de sempre as pedir como pagamento. Essas velas não duravam para sempre. Tê-las por perto era quase obrigatório ou fundamental na vida do Min. Mas o problema não era tê-las, e sim o motivo. YoonGi duvidava que JeongGuk teria tentado levar uma para si para poder responder mais uma de suas perguntas curiosas, mas tal possibilidade se foi como cinzas ao ver que a vela estava com o caçador. O que ele queria? Estariam juntos "nessa"?

Não sentia-se nem um pouco culpado por estar com uma após TaeHyung ter assassinado uma daquelas sereias que protegiam o lago. Assim como dito, as velas eram como um filtro de linguagens, porém como esta havia sido usada numa criatura que havia morrido, somente o som de sua alma agonizando-se pela morte fora emitida. TaeHyung com certeza teria desmaiado por conta do chamado

Trágico.

Sereias eram ou criaturas extremamente sentimentais; ou criaturas completamente imprevisíveis. Ou elas cantavam para serem salvas, ou cantavam para que atormentassem a alma alheia. Algo triste, algo frustrante. O canto daquelaa sereias são influentes ao nível de hipnóse. Por exemplo: se uma sereia está aprisionada e quer fugir, ou sua vítma irá até si para soltá-la, ou vai passar a também pedir ajuda para ser solto mesmo que esteja livre. TaeHyung desmaiou, já que a sereia estava em dor profunda pela morte e só queria descansar

Se o Min nunca houvesse se infiltrado naquele bosque apenas para ter seus desejos realizados, não saberia se poderia de certo aprender a lidar com estes seres

JiMin era o único cujo o surpreendia, o que o fazia desconfiar de vez em quando. Porém com certeza esses desconfiava bem mais de si.

Respirou fundo ao parar de caminhar por aquele corredor rochoso, cansado de carregar aquele corpo que era deveras vezes mais alto e pesado que o seu. O que raios aquelas crianças comiam para ficarem assim sendo quase quatro anos mais novos?

Sentou o corpo de TaeHyung naquele canto de caverna, nem tão pouco distante de JeongGuk, nem tão perto. Agachou-se a frente do Kim e pegou seus dois punhos, prendendo-os juntos com uma corda, assim como havia feito com o mais novo. Sabia que logo este se soltaria ao acordar, mas não poderia se arriscar

Deu uma última olhada em JeongGuk, e bufou. Este não demoraria muito para acordar

Ergueu o próprio corpo, ficando de pé, e encarou a bolsa que agora estava presa em seu corpo pela alsa de couro. Abriu-a e tirou a camisa molhada de dentro desta, jogando no colo de TaeHyung. Panhou as botas que estavam um pouco mais no início daquele corredor - havia as abandonando por não aguentar carregar muitas coisas ao mesmo tempo - e jogou-as em cada dono. Deu alguns passos para trás para que pudesse ter vista dos dois adolescentes e bufou com as mãos nas cinturas

Era bom que fossem embora assim que acordassem. Não estava afim de ter mais trabalho.

Respirou fundo pela vigésima vez naquele dia e pegou o saco do caçador que protegia a vela de cisnes. Estava precisando de uma nova, de qualquer forma

Jogou a bolsa no espaço vazio que dividia os dois mais novos desacordados e tirou a vela do saco, vendo a mesma brilhar daquela forma tão explêndida, logo deixando os dois para trás.

《》《》《》《》《》《》《》《》《》

A caverna cujo havia se enfiado era baseada em diversos "corredores" rochosos e milhares de "espinhos". Alguém que não tivesse influência de luz difícilmente saberia se guiar até o lugar certo ou até mesmo a saída. Chegar na mesma em si era complicado

E era entre aqueles milhões de rochas e ecos de seus próprios passos que o Min se confortava e consolava. Não era sua casa, mas era onde desejava ainda manter os velhos tempos. Velhos tempos estes em que corria com sua pequena irmã, buscando uma realidade diferente daquela monárquica e cruel. Lembrava-se perfeitamente do dia em que a perdeu, ou ao menos do dia em que recebeu a notícia. Ainda tinha esperanças de encontrá-la, mesmo que esta já estivesse sumido há doze anos e sido declarada oficialmente morta

Sobreviver sozinho com sua mãe no pequeno vilarejo atrás do bosque era um de seus maiores pesadelos. Seus dias eram baseados em acordar, pegar um cavalo para ir até a cidade - atravessando todo o bosque sozinho - para então ir a escola, vender os coelhos, raposas e peixes que capturava e pescava, então voltava para casa, tomava um banho e dormia. O de sempre. Durante a adolescência, decidiu dedicar mais de seu tempo ao bosque depois da escola, esperando o anoitecer para então pescar e vender. Foram em desvios de cotidianos monótonos e batidas de corações nervosos que conhecia e se apaixonava cada vez mais pelo cais do porto daquele reino e pelas criaturas perversas do bosque

Passava os dias imaginando se seus dias teriam sido tão curiosos e perigosos se sua irmã não tivesse sumido da noite para o dia.

Parou de andar ao chegar de frente para uma enorme espécie de cortina feita de trepadeiras e galhos esverdeados, estes que deixavam apenas pequenas e poucas faixas de luz. Analisou aquela coisa já tão bem conhecida e voltou o olhar para trás

Ele só precisava de um pouco de tempo

Separou as cortinas em dois, tendo visão daquele lugar. Foi até passos firmes até as águas exageradamente escuras, por conta da profundidade e ausência de luz no lugar, os sons das árvores e pássaros soando altos como uma floresta. Encarou o próprio reflexo na água, até que este começasse a se deformar, a pele se tornando branca como a neve e os cabelos ruivos alaranjados leves como fogo

- Consegui mais uma. - falou seco, esticando o braço para que o outro a visse, este que arregalou os olhos e se esticou, tentando alcançá-la mesmo que de dentro da água. Min afastou novamente a vela, fitando a expessão vazia do ruivo e sentindo seu sangue queimar - Vou deixá-la com você, mas preciso que me diga o que mais preciso.

O ruivo apenas o fitou com os olhos sérios, para então fechá-los e nadar até a superfície. Apoiou seus braços na terra e esticou o corpo, YoonGi agachando-se a sua frente, entendendo que este sussurraria como sempre sem seu ouvido

- Híbrido..? - afastou seu rosto e encarou o ruivo, este que apenas assentiu, abaixando o corpo e mergulhando de volta na água. O moreno respirou fundo e jogou a vela, assistindo o ruivo nadar desesperado até pular e alcançá-la enquanto se levantava - Por quê você não me oferece? Sabe que não conheço nenhum e que os capricórnios foram expulsos. - viu o ruivo colocar a vela sobre a rocha que se encontrava no centro do pequeno lago e logo cruzar os braços em cima da mesma, deitando o rosto e encarando a pequena chama como se fosse algo extremamente bonito e encantador - Está me ouvindo?

O ruivo suspirou e assentiu em resposta, fazendo o Min revirar os olhos e cruzar os braços

- ...Sabe que não sou um híbrido... - ouviu a voz suave como se uma brisa calma houvesse trago a mensagem, chegando a fechar os olhos para se deliciar com o tom doce

- Desculpe, havia esquecido. - soltou os braços encarando com certa pena o ruivo que cutucava cuidadosamente o vidro que protegia a vela - Então tem alguma dica ou opção? Mas que seja mais acessível, entende? Da última vez quase fui morto por uma das fadas só por uma bússola... - falou cansado

- ...O feiticeiro tem... Peça com jeito e ele o dará... - mais uma vez aquela sensação de ventania calma e paz interior. De fato, nenhuma voz se compararia a aquela

- Grato. - esticou os braços, espreguiçando-se, voltando seu olhar para o porta de trepadeiras da caverna, voltando a sua pose normal, porém tensa. Encarou novamente o ruivo, praguejando para chamar sua atenção, estremecendo minimamente ao ter os olhos claros em si - Se qualquer um aparecer, não os responda. Estão aqui para matá-lo e levar suas velas embora. - viu o ruivo o fitar aflito, se sentindo culpado por mentir para o outro - Volto amanhã. Cuidado. - acenou minimamente e se retirou do lugar

O ruivo assistiu o moreno sair calmamente, permitindo que seu corpo deslizasse pela rocha até afundar na água escura e sem alegria assim que o outro sumiu pelas folhas. 

Encarou a superfície se afastar aos poucos, esticando o braço sem ânimo, como se a qualquer momento uma mão surgisse ali para erguê-lo e o salvar



Não demore, príncipe...


...




Notas Finais


Seja bem vindos(as) as Notas Finais, meu caro peixinho.
-q
Hm... Quem será esse ruivinho, hm?
Não sei se algum de vocês me conhece bem, ou já me acompanhava antes de Follower ou coisa assim, mas eu tenho esse costume de que: quando sei que vou demorar um pouco para atualizar ou tenho outros projetos que vão me ocupar muito, posto OneShots [OS], como se fosse um bilhetinho dizendo;
"Saí com o pessoal e só volto mais tarde. Tem comida na geladeira. Boa noite"
Ou seja: basicamente um presentinho pra não deixar vocês sem o que ler :)
E, é, é extamente isso que está acontecendo. É um hiatus? Não.
É que estou com alguns "projetos" de FanFic, e todos eles vão levar um tempinho, mas não gosto de deixar "passar em branco". Então em dias que deveriam ter atualizações mas que nã poderei postar, postarei alguma de minhas OneShots :)

Era só isso!

Flwwwww
Twitter: @saynamzzz
Twitter de Artwork: @saynamzzzart


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...