História SemiDeuses - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Itachi Uchiha, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Itasaku, Itasakusasu, Naruto, Sasusaku
Exibições 470
Palavras 1.595
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Ficção, Hentai, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoal, ainda não respondi os comentários do capítulo anterior, prometo mais tarde responder. Eis aqui um capítulo novo, espero que gostem. Gostaria de agradecer aos favoritos, nunca esperei isso tudo. Para quem chegou agora, bem-vindos ao bonde hueheh :) .

Capítulo 11 - Power


Fanfic / Fanfiction SemiDeuses - Capítulo 11 - Power


Hinata Hyuuga

Estava sentada próxima a barreira que escondia nossa presença do mundo humano, era um tipo de barreira mágica. Foi uma benção de todos os deuses no intuito de deixar esse lugar seguro, o bosque se expandia muito além de nós. As criaturas que nos perseguiam não conseguiam farejar nosso cheiro enquanto essa barreira estivesse rodando todo esse lugar. Minha espada repousava do meu lado, era um presente de minha própria mãe. 
Uma voz rompeu meus devaneios

— Hinata. – Me virei notando os olhos do meu primo me fitando. — Algo te perturba? – Seus olhos me analisavam minuciosamente, sabia que não poderia esconder nada dele. Ele sabia exatamente quando algo me perturbava. 

— O que você está fazendo por aqui? – Perguntei naturalmente e peguei uma pedrinha, jogando-a um pouco longe e notando o olhar do meu primo acompanhar meus movimentos. 

— Não respondeu minha pergunta. – Ele insistiu. — Parece chateada. 

— Não estou chateada. – Retruquei. — Algo está começando a ficar errado aqui Neji. 
Notei que ele engoliu em seco e começou a movimentar os pés com um pouco de nervosismo, franzi o cenho em sua direção. 

— Algo errado? – Indaguei cautelosamente, observando suas reações. 

Ele olhou para o local que a barreira ficava rapidamente e voltou o olhar para mim, muito rapidamente. Eu não teria percebido se não tivesse prestando atenção em todos os seus movimentos. 

— Não. – Ele disse seco, logo mudou de assunto. — Sabe aquele garoto, o novato? – Suas palavras me fizeram prestar ainda mais atenção no que ele iria falar. — Ele está na enfermaria, parece que o Uchiha resolveu dar as boas vindas. – Torci um pouco os lábios e não deixei transparecer a preocupação que me assolou de imediato, por que esse novato me chamou tanta atenção? Apesar de estar preocupada, não pude deixar de notar o tom de desprezo que Neji usou ao falar Uchiha, o que significa que só poderia ter sido o Itachi, já que eles possuem um tipo de antipatia. 

Peguei minha espada que estava encostada em uma rocha e coloquei ela novamente na bainha de minha cintura. 

— Eu vou dar uma volta por lá dentro, preciso verificar algumas coisas. – Neji apenas assentiu, eu tinha que ver como ele estava. Ele me intrigava de certa forma... 
 

Os corredores pareciam estar vazios, muito vazios. Dei de ombros e continuei a caminhar a enfermaria, não encontrei Sakura nem os irmãos Uchiha. 

Ao que parecia a enfermaria também estava vazia, mas quando abri a porta notei o cabelo loiro que sabia só pertencer a uma pessoa. Quem era esse garoto? Por que ele me chamava tanta atenção? 

Caminhei em passos lentos até a cama que ele estava, seus olhos estavam fechados e seu rosto sereno. Mas estranhamente suas sobrancelhas estavam franzidas, um pesadelo talvez? 

Notei que seu peito estava desnudo, apenas um lençol branco cobria metade de seu corpo. 

Seus braços continham algumas cicatrizes, aproximei minha mão de seu braço e fiz um leve carinho onde as cicatrizes estavam e meu coração disparou quando sua mão me livre segurou meu pulso rudemente em um piscar de olhos, abri um pouco os lábios surpresa. 

Ele piscou os olhos algumas vezes, antes de abri-los totalmente. Logo o azul de seus olhos estavam se focando em minha direção, mas ele ainda não havia largado meu pulso. 

— Quem é você? – Interpelou me encarando, seus olhos azuis estavam começando a me hipnotizar, desviei o olhar para o lado antes de responder. 

— Posso te responder, mas antes você poderia soltar meu pulso. – Sorri de leve quando ele afrouxou o aperto do meu pulso e em seguida o soltou totalmente. 

— Sou Hinata, filha de Atena. – O encarei firme e seus olhos pareciam ainda estar absorvendo a informação que eu tinha acabado de passar. 

— Seus olhos são... – O interrompi

— Estranhos? – Ele sorriu com minha pergunta e balançou a cabeça negativamente. 

— Eu estava prestes a dizer que eram bonitos, mas você cortou meu elogio. – Minhas bochechas coraram levemente e novamente desviei o olhar.

— Obrigada. – Sorri minimamente, mas estava contente por ele achar isso. 

— É um prazer te conhecer Hinata. 

Olhei seus olhos azuis novamente, mas naquele momento minha fala simplesmente saiu dos meus lábios: 

— Acredite, o prazer é meu. – Ele sorriu e eu devolvi o sorriso. 

Sakura Haruno

Passou um dia desde o incidente com Itachi e Naruto. Sasuke ficando grande parte do tempo próximo de mim e Itachi decaia para pior em todos os momentos, sempre o via com uma garota diferente. Sasuke me disse que essa fase iria passar e que esse não era realmente o Itachi. 

Eu estava melhor, dessa vez não havia mais indícios do veneno que o tal kabuto atirou em mim através daquele dardo. Me sentia finalmente bem, mas uma má sensação se apossava do meu corpo. 
Já estávamos no fim da tarde, eu comecei a treinar sozinha e para falar a verdade me senti mais confortável desse jeito. 

O campus estava lotado de Semideuses e sorri com isso, nunca pensei que iria encontrar tantas pessoas que fossem exatamente como eu. Uma ruiva me fitava de longe, ela sorriu para mim, no entanto não era um sorriso simpático, pelo contrário. Era cheio de veneno, ignorei e voltei o olhar para o lugar que minha espada estava e quando iria devolvê-la a bainha nas minhas costas, um estrondo se fez presente. Todos olharam em direção ao estrondo, coloquei minha espada nas costas e corri em direção ao barulho, vários me seguiram e involuntariamente abri a boca surpresa. 

Como era possível uma criatura atravessar a barreira que deveria nos camuflar? 

Era enorme, dois chifres em sua cabeça; como um touro. Ele continha uma cauda, mas seu corpo era de um homem. Eu conhecia aquela criatura, era um Minotauro. Perigoso e mortal. 

Engoli em seco, seus passos eram lentos, entretanto quando ele atravessou a barreira, seus olhos cintilaram em nossa direção, mordi os lábios em nervosismo e saquei a espada de imediato. 

Eu tinha que impedir antes que ele causasse algum estrago, os Semideuses que estavam atrás de mim pareceram acordar do transe pois também sacaram suas espadas. 

Me atentei a seus movimentos, mas foi muito rápido. A criatura surgiu diante de mim e em um único golpe me jogou em direção a uma árvore, meu corpo colidiu com força e soltei um grunhido. Franzi o cenho e levantei a cabeça, alguns filhos de ares tentavam contê-lo, mas ele os derrubava um por um. 

Peguei o cabo da minha espada e notei um escudo caído perto de mim, o peguei e o ergui, não era muito pesado quanto parecia. Ele era redondo e parecia ser bem resistente, corri em direção do Minotauro e quando ele tentou desferir um golpe em mim, ergui o escudo.

O barulho da mão enorme do Minotauro se chocando com o meu escudo foi bastante alto, todavia o escudo serviu perfeitamente bem para o que eu precisava fazer. Quando o metal se chocou contra ele, ele ficou desorientado e essa foi a oportunidade perfeita para que eu desferisse um golpe em um de seus chifres, ele grunhiu alto e eu sorri, mas ele usou as duas mãos para me afastar e dessa vez nem o escudo conseguiu absorver o impacto, meu corpo se chocou contra uma pedra, a árvore parecia macia perto dela. 

Minha cabeça bateu com força e minha visão ficou ligeiramente turva, levei uma mão a minha cabeça e um pouco de sangue escorria.

Apertei os olhos e coloquei um dos meus braços para buscar apoio, olhei para a figura apenas notando um vulto e outros menores que tentavam a impedir. 

Fechei os olhos, estavam muitos pesados... 

Uma voz ecoou em minha cabeça:

Levante-se

Levante-se agora, Sakura. 

Descubra o poder que você possui. 

Você é filha do rei dos deuses. 

Abri os olhos, minha visão tinha voltado ao normal. Me levantei sem nenhuma dificuldade, eu me sentia diferente, poderosa. 

Meu corpo parecia funcionar por instinto, ergui as mãos para os céus e o céu escuro começou a formar raios, abaixei uma das mãos e deixei uma erguida. Eu podia sentir a energia que fluía nas nuvens, o poder. 

Movi a mão em direção ao Minotauro e um raio caiu sob ele no mesmo momento, o grunhido de dor da criatura era assustador, mas eu estava gostando, gostava de sentir esse poder todo. Sorri sadicamente e continuei a direcionar o raio para ele, eu não iria parar até sobrar apenas as cinzas. 

Quando a criatura se desfez em pó, todos me encaravam abismados. E eu gostei, gostei da sensação de poder. Eu queria mais, mais. 

— Seus olhos... – Um filho de Atena sussurrou me encarando. — Estão faiscando. 

Os raios continuaram a brilhar o céu escuro, fechei os olhos com força e respirei fundo. Do mesmo jeito que começou, parou. O céu ficou limpo e todos ainda me encaravam e eu pude ver um pouco distante, Sasuke e Itachi me encaravam. 

Uma sensação ruim começou a fluir em meu corpo e sai correndo em disparada da multidão, Sasuke e Itachi prontamente me acompanharam, mesmo que eu tenha tentando despistar ambos. 

Cheguei em uma parte afastada do bosque que parecia não ter ninguém e comecei a tossir, uma tosse que ardia toda minha garganta e quando olhei para minha mão. O vermelho cobria boa parte dela, era sangue. 

— Você está bem? – Sasuke perguntou e escondi a minha mão. Itachi apenas me encarava intrigado. 

— Eu estou bem. – Quando terminei a frase, comecei a tossir. Sangue respingou na grama e Sasuke olhou imediatamente para o local, Itachi fez o mesmo. 

— Sangue? – Eles se perguntaram em coro. Engoli em seco, não teria como esconder. A questão é que não sei o que está acontecendo comigo. 


Notas Finais


Alguém sente cheiro de NaruHina?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...