História Sempre ao seu Lado - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Gajeel Redfox
Tags Fary Tail, Gale, Gruvia, Jerza, Nalu
Exibições 237
Palavras 1.128
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


cap novo pessoal espero que gostem

Capítulo 10 - Rogue


Fanfic / Fanfiction Sempre ao seu Lado - Capítulo 10 - Rogue

Cap. 9

Gajeel

Estava dormindo com a baixinha quando sou acordado por alguém batendo na porta, era Cana, ela estava com um semblante triste e cansando

Cana: Gaj-kun podemos conversar como nos velhos tempos

Gajeel: ok deixa só eu lavar meu rosto, eu sei que a conversa hoje vai ser seria.

Depois de sair do banheiro vou pra sala, Cana estava no sofá perdida em seus pensamentos

Gajeel: vai querer uma cerveja está bem gelada

Cana: não obrigado, vou querer apenas conversar mesmo

Gajeel: Cana, oque foi que o Laxus te fez, te conheço há anos e nunca te vi nesse estado, nem mesmo quando você namorava com aqueles babacas que te traiam.

Cana: eu estou gravida Gajeel

Gajeel: você sabe que às vezes esses testes de farmácia podem errar você fez algum tipo de exame medico pra ter cem por cento de certeza

Cana: o teste medico saiu hoje de manha e deu positivo

Gajeel: Cana se acalme, não e o fim do mundo.

Cana: Gajeel eu consigo cuidar de um peixe ou uma planta, quanto mais uma criança.

Gajeel: você e o Laxus serão ótimos pais, o Laxus assim como eu já fez muita merda no passado, mas o coração dele e bom e ele aprendeu a lição.

Cana: eu sempre me vi independente de qualquer homem, ter meu próprio bar assim como a Erza tem seu café, porque eu tinha que me apaixonar pelo Laxus.

Gajeel: não deixe seu sonho morrer Cana, você ainda e jovem só tem vinte e quatro anos, e quem sabe o Laxus não te ajuda a realizar.

Cana começou a chorar e me abraçou forte, depois de alguns minutos ela se acalmou.

Cana: eu sinto saudades de quando nos éramos crianças Gaj-kun, não ter responsabilidades, sinto falta de quando você e a Juvia iam lá pra casa, das brincadeiras e do sorvete do fim da tarde.

Gajeel: eu era um capeta quando criança, eu sinto falta dos sermões que você me dava cada vez que eu pregava uma peça na Juvia

Cana: eu ainda te do sermão seu idiota, não ache que meus conselhos e sermões vão acabar.

Gajeel: fico feliz em ouvir isso

Cana: mudando de assunto Gaj-kun, como anda você e a Levy, você gosta dela não e.

Gajeel: a baixinha meche muito comigo e eu acho que ela gosta de min também, e isso me deixa preocupado, talvez seja melhor ela morar com a Juvia, não acho que ela vai me amar se descobrir meu passado, afinal de contas quem seria capaz de amar um monstro.

Cana: Gaj-kun você não e um mostro, pode ter esse jeito grosseiro, mas no fundo você e muito amável, você tentar se separar dela vai ser pior pra os dois, eu acho que se você se abrir ela vai te entender, sabe Levy e uma menina muito amável e doce.

Gajeel: talvez você tenha razão, só não sei se consigo me abrir com ela, meu passado e algo que nem eu gosto de lembrar.

Cana: Gaj-kun você não pode morrer com isso entalado na garganta, esta ficando tarde acho melhor eu ir já te importunei demais esses dias.

Depois que a Cana foi embora vou pro quarto, deito na cama, pra minha surpresa a baixinha me abraça com força.

Levy: a cama fica fria sem você, porque demorou tanto

Gajeel: estava conversando com a Cana, eu devia ganhar um Nobel por aguenta aqueles dois.

Cana: oque o Laxus fez pra ela ficar daquele jeito

Gajeel: o Laxus a engravidou, não conte pra ninguém ok

Levy: prometo não contar

Gajeel: Levy me responda com sinceridade você seria capaz de amar um monstro

Levy: depende, se esse monstro tiver uns dois metros de altura for forte tiver piercings e cicatrizes pelo corpo, e o mais importante deve ter olhos rubros, acho que eu adoraria amar um monstro assim

A pequena estava com uma cara de sono que deixava ela ainda mais fofa, dou um beijo na sua linda boca, quando o ar faz falta somos obrigados a se separar

Gajeel: baixinha esqueci de te avisar que sábado vai ter uma festa na casa da Erza, você quer ir

Levy: claro só que vou precisar comprar umas roupas novas as poucas roupas que couberam em min são de quando a Lu-chan tinha catorze anos , acho que vou amanha fazer compras no shopping

Gajeel: não gaste todo seu dinheiro de uma vez pequena, e vamos dormir que já esta muito tarde

 

                                                                                  Levy

Me acordo tarde essa manhã, já são 11h decido não tomar café, Gajeel deixou um envelope com dinheiro e um bilhete me desejando boas compras, realizo minha higiene matinal, coloco uma blusinha branca e uma saia preta simples, calço minha sapatilha e vou pro shopping, passo um bom tempo batendo perna pelo shopping atrás de roupas boas com um preço acessível, vejo que já são duas da tarde e decido almoçar, a praça de alimentação estava bem cheia levo um tempo pra encontrar uma mesa vazia, estava almoçando quando um rapaz alto de cabelos pretos como o do Gajeel, porem o seu cabelo era curto, ele era muito bonito por sinal.

Rogue: com licença eu posso me sentar aqui

Levy: tudo bem fique a vontade

Depois de algum temo ele tenta puxar conversa comigo

Rogue: você e a nova garçonete nanica do Fairy Bar e sabia que já tinha te visto em algum lugar, a muitos clientes falando sobre você.

Levy: eu nunca te vi lá, acho que ainda não te atendi, ultimamente o bar anda bem cheio.

Conversamos bastante enquanto comíamos, Rogue contou suas historias da faculdade, quando eu terminei de comer me despedi dele e sai da mesa, o rapaz segurou meu pulso com delicadeza.

Rogue: Levy você não gostaria de ir pro cinema comigo, e depois podemos tomar um sorvete e ir pro bar juntos, oque acha.

Levy: desculpe, mas eu marquei de me encontrar com uma amiga, nos vemos mais tarde no bar.

O rapaz soltou meu pulso, ver a cara dele me fez se sentir mal por inventar uma desculpa pra não sair com ele, vou pra livraria, vejo que o Gajeel estava bem ocupado, a livraria estava bem movimentada essa tarde, decido falar com ele mais tarde quando o movimento baixar, vou na seção de fantasia procurar por um livro bom, acabo me encontrando com a Lucy, ela estava lendo um livro bem grande de contos

Lucy: Le que bom que você esta aqui, e pelo visto hoje as compras foram boas.

Levy: comprei algumas roupas novas e um par de sapatilhas que eu achei lindas

Natsu: vamos logo Lucy esta ficando tarde

Saio da livraria com os dois e vou pra parada esperar o ônibus, estava perdida em meus pensamentos quando ouço uma voz familiar


Notas Finais


pessoal acabei demorando pra postar o cap novo porque meu word deu problema e tive que rescrever o capitulo
bem espero que tenham gostado do cap


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...