História Sempre irei precisar de você! - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Nalu
Exibições 57
Palavras 1.564
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Ecchi, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Desculpem essa demora horrível. Esses dias tenho me obrigado a estudar, tenho uma prova mega importante amanhã (da qual sei que não irei passar, porém quero tirar uma boa nota) para a Federal da minha cidade TuT Me perdoem.
Boa leitura~

Capítulo 10 - Capítulo 10


“-Ahh, meu Ouro.. Como seu gosto é bom.. –A voz masculina a minha frente estava rouca, estava sentindo algum tipo de prazer.

-Quem é você? –Estava sendo prensada na parede de um beco qualquer. Os lábios do homem estavam com a cor do meu sangue, uma gota desceu por seu queixo.

-Não lembra de mim? Ah, verdade! Não me apresentei, perdoe-me Meu Ouro. –O mesmo disse com pena e tentou me beijar, virei meu rosto fazendo-o dar um beijo em minha bochecha. –Me chamo Katsuo. E você, princesa?

-Não me chame de “Meu Ouro” ou de “Princesa”. Me chame de Violet. –Minha voz estava estranhamente firme. Katsuo sorriu de lado, olhando no fundo dos meus olhos. –E agora, o que quer de mim? –Balançou a cabeça negativamente enquanto ria.

-É algo bem simples, Violet.. –Sussurrou em meu ouvido. –Seu sangue.” 

Levantei rapidamente. Uma sensação horrível percorreu todo meu corpo. Minha respiração estava falha, doía um pouco puxar o ar. Ao olhar para o lado da cama, senti falta de Natsu ali. Me levantei com as pernas tremulas, isso tudo não poderia ser medo, não podia.

Fui até o banheiro me segurando nas paredes e nos móveis que eu sabia que não desabariam com meu apoio. Fiz minha higiene matinal com um pouco mais de demora e voltei a me sentar na cama. Respirei fundo algumas vezes e soltei todo o ar. Alguém batia na porta, e como eu não estava muito capaz de abrir, pedi para que entrasse.

-Lucy, você.. –Natsu travou ao me ver. Seu olhar percorreu todo meu corpo. Os olhos inchados, o cabelo não tão penteado, minha respiração acelerada assim como meus batimentos, ele observava tudo com atenção e até mesmo preocupação. –O que houve com você?

-Eu não sei. Ultimamente, venho não sabendo demais das coisas. –Ri um pouco, mas parei assim que vi Natsu com a mesma expressão séria. –Eu não sei o que aconteceu, apenas tive um pesadelo e acordei assim.

-Pesadelo? Que tipo de pesadelo? –Eu não sabia como responder aquela pergunta, ninguém nunca havia me perguntado algo sobre meus pesadelos freqüentes.

-Sonhei com o homem de ontem.. No sonho, ou pesadelo, seu nome era Katsuo. –O rosado arregalou os olhos ao ouvir o tal nome.

-O que aconteceu no sonho? –Ele sentou-se ao meu lado na cama e continuou me observando.

-Eu não lembro, até um tempo atrás lembrava, agora parece ter sumido. –Ele assentiu sem tirar sua expressão séria do rosto.

-Venha. –Se levantou e estendeu sua mão para mim. O olhei confusa esperando alguma resposta ou explicação. –Igneel quer todos nós na sala de jantar. Consigo ouvi-lo. –Assenti e segurei sua mão. Só depois que havíamos chegado na sala que percebi que estava esse tempo todo de mãos dadas com Natsu.

-Lucy, querida! Como se sente? –Grandine me olhou com a mesma expressão do filho quando me viu.

-Estou bem, obrigada. Mas por que nos queriam aqui? –A mesma fez um gesto para que eu sentasse e a obedeci.

-Iremos nos dividir. Eu e Igneel iremos com Akira procurar por outros amigos que sejam a favor da sua segurança, só com uma grande quantidade de ‘testemunhas’ poderemos fazer algo quanto a essa perseguição do inferno.. –Ela estava mesmo estressada. –Vocês irão para a casa dos Fullbuster, ficarão lá até contatarmos um dos dois. –Fullbuster? Gray Fullbuster?

-Depois lhe explico. –Natsu sussurrou em meu ouvido, como se soubesse que estava pensando no Gray.

-Lucy, tomei a liberdade de comprar algumas roupas para você, coloquei tudo no seu armário esta manhã. Peguei também uma mala extra de Yuna para colocar suas coisas. –Assenti. Já estava tudo pronto. Eles sempre tinham um plano B,C ou Z. –Podem ir arrumar suas coisas, o transporte de vocês chega daqui a meia hora. –Ao terminar, deu meia volta e sumiu de vista. Então é assim?

|...|

Grandine disse que o transporte iria nos fazer parecer.. normais. Não levantaríamos muitas suspeitas se fossemos de carro. Nele, tocava várias músicas de vários tipos, hora eletrônica, hora hip hop, e por ai vai. Minha cabeça estava encostada levemente no vidro fechado do carro. O ar condicionado gelava todo local. Natsu conversava sobre algo com o motorista, também variando os assuntos. Quase não paravam em um e conversavam sobre o mesmo por mais de cinco minutos.

-Natsu? –O chamei e o mesmo se virou para me olhar. –Pode me explicar agora? Sobre os Fullbuster? –Ele assentiu e se aproximou mais de mim.

-Por onde eu começo... –Ele estava pensativo, provavelmente procurando as palavras certas, mas minha curiosidade não agüentava esperar por elas.

-Pelo começo seria uma boa. –Ele sorriu e voltou a olhar o lado de fora da janela.

-Eu conhecia o Gray antes mesmo de me tornar o que sou, éramos melhores amigos, inseparáveis, fazíamos tudo juntos, éramos irmãos. Quando fui transformado não sabia o que fazer, a quem recorrer, ou o que dizer para quem resolvesse me ajudar. E então tive a brilhante idéia de ir até a casa dele. Seus pais não estavam em casa, estavam sempre viajando, mal davam atenção ao garoto. Se estiver pensando que fui eu quem o transformei.. –E eu estava realmente pensando nisso. –Pensou errado. Contei a ele que de primeira não acreditou, até eu me descontrolar e tentar atacá-lo. Sua idiotice subiu a cabeça quando passou a achar tudo aquilo as mil maravilhas. Depois desse dia, passou a me ajudar a conseguir sangue, a me controlar mais, ele mesmo humano me ensinou muito. Quando seu pai voltou de viagem, eu estava lá. Silver chegou completamente enlouquecido, estava totalmente sujo de sangue, seu rosto, seus lábios, suas roupas.. Tudo coberto por sangue. Tentou atacar Gray mas o defendi até que quebrasse meu pescoço e me deixasse lá, caído, sem mais nem menos. Quando acordei, Silver não estava mais em casa e Gray... Gray estava em um canto da sala encolhido, implorando para todas aquelas vozes calarem a boca. Pedindo que tudo aquilo acabasse, repetindo para si mesmo que era um monstro e que o pai havia matado a própria mãe. –Minha boca se abriu num perfeito “o”. –Ele era meu melhor amigo e não poderia deixá-lo morrer, mesmo que estivesse me implorando para matá-lo. Fiz com que ele terminasse a transição, se tornando um vampiro completo. Enquanto o tentava ajudar, o mesmo matava cada vez mais inocentes, e só parou quando recebeu em sua porta o corpo morto de seu pai com os dois caninos arrancados. Gray até hoje procura pelo assassino de seu pai, e jura matá-lo quando o encontrar. –Ele suspirou, julguei ter terminado a história do moreno.

-Que cruel.. –Disse e o mesmo assentiu. –Então todos seus amigos são alguma.. coisa, ou apenas você e Gray? –Ele negou com a cabeça.

-Eu, Gray, Gajeel, Jellal e Levy. –O encarei assustada. Levy também era assim? –Erza e Juvia não sabem de nada ainda, decidimos manter segredo das garotas, exceto Levy, claro.

-O que eles são...? –Não era possível que todos ali fossem vampiros.

-Como acabei de lhe dizer, Gray é um vampiro, Gajeel e Jellal são lobisomens e Levy, uma bruxa. –Certo, agora acho que preciso de uma cartela de rivotril e de uma cama. –Tudo bem, Lucy?

-Oi? Ahhh sim, acho que sim. –Disse um pouco baixo, mas o mesmo ouviu e assentiu como resposta. O resto do caminho foi em silêncio, nem mesmo o motorista ousou falar nada. Se pronunciou apenas para dizer que havíamos chegado ao nosso destino.

Agradecemos e saímos do carro. Natsu me colocou ao meu lado e junto com as malas, fomos andando até a entrada da casa. Batemos algumas vezes na grande porta marrom escura e não tivemos respostas. Natsu chegou a ligar para o celular de Gray mas sem sucesso. Começamos então a ouvir gritos vindo de dentro da casa. Gritos femininos.

-SOCORRO! –A menina gritava, sua voz estava falha, provavelmente estava chorando. Naquele momento, eu queria apenas entrar e tirá-la de lá.

-Você precisa fazer alguma coisa! –Ordenei para Natsu, que me olhava buscando uma solução para aquilo. O mesmo se afastou e tentou algumas vezes arrombar a porta, na quarta tentativa a mesma se abriu. E ali, encontrei uma garota loira, usando apenas roupas intimas, chorando no canto.

-Hey! –Corri até ela e me abaixei. –Você está bem? –Ela balançava a cabeça em desespero, algo a deixou realmente com medo.

-E-E-Ele... Ele tentou me matar! –A loira apontou para trás de mim, quando virei, dei de cara com Gray apenas de cueca e com a boca cheia de sangue. –Precisamos sair daqui! –Ela levantou e tentou me puxar com ela, mas a parei. –O que está esperando? Temos que dar o fora daqui!

Natsu a segurou, fazendo com que olhasse no fundo de seus olhos.

-Você veio até aqui para transar com ele, mas não conseguiu. Com raiva, saiu em direção a rua e foi para casa. –Ele dizia alto e firme, a garota apenas concordava, sem chorar ou espernear. Natsu a entregou suas roupas que estavam jogadas no sofá e a mesma as vestiu, logo saindo da casa.

-O que você fez? –Disse o olhando assustada. Ele me encarou por uns segundos procurando uma resposta.

-A hipnotizei, só lembrará do que eu disse quando acordar. –Assenti, tentando digerir aquilo que havia acabado de acontecer. –Mas então.. –Encaramos Gray, que estava ainda de pé na mesma situação. –O QUE PORRA PENSOU QUE ESTAVA FAZENDO?   


Notas Finais


Katsuo: https://br.pinterest.com/pin/456833955935684863/

Espero que tenham gostado! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...