História Sempre será você... - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Annie Leonhardt, Armin Arlert, Connie Springer, Dot Pixis, Eren Jaeger, Erwin Smith, Grisha Yeager, Hange Zoë, Hannes, Jean Kirschtein, Kalura Yeager, Levi Ackerman "Rivaille", Marco Bott, Mikasa Ackerman
Exibições 343
Palavras 1.888
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oieeee genteeee!!!! Eu finalmente estou aki para postar o bônus.
Desculpem pela demora, mas ñ estava com tempo para escrever.
Esse bônus iria ficar grande, então dividi em duas partes.
Espero q gostem.
😃😃😃

Capítulo 32 - Ao seu lado Pt. 1 (Bônus - Armin e Erwin)


Fanfic / Fanfiction Sempre será você... - Capítulo 32 - Ao seu lado Pt. 1 (Bônus - Armin e Erwin)

                    - Armin -

 
Olho estático para o resultado na minha mão, minhas pernas ficam bambas e tenho que me segurar na parede para evitar de cair. Fecho meus olhos fortemente e penso em como isso pôde acontecer.

Faz cinco anos que estou trabalhando com o Levi e o Erwin no negócio dos dois, foram cinco anos tentando conter a forte atração entre mim e o Erwin. Ele é cheio de confiança e isso só piorou as coisas, a primeira vez que ele me beijou foi incrivelmente intenso e as coisas na minha cabeça começaram a ficar confusas.

Sabe, eu já me envolvi com um cara do tipo dele, confiante, charmoso e que só precisa estalar os dedos para conseguir uma pessoa na sua cama. Prometi a mim mesmo que nunca mais iria fazer a mesma burrice de acreditar nas palavras bonitas que saem desse tipo de gente, mas aí apareceu o Erwin e começou a dar em cima de mim. No começo fui completamente frio com ele, porém quando começamos a conversar percebi que poderia me machucar feio caso rolasse alguma coisa entre nós.

Eu acho essa situação hilária, o garoto idiota que não consegue parar de pensar no chefe, porra, por que isso ficou tão complicado?

Respiro fundo tentando manter a respiração normal e saio do banheiro. Vejo que o corredor do cursinho está vazio e ando rapidamente em direção à saída.  Preciso esfriar a minha cabeça e pensar no que vou fazer.

Vocês devem estar se perguntando o está acontecendo, então vou contar pra vocês. Tudo aconteceu na festa de comemoração por conseguirmos parceria com uma universidade grande, então fomos para um bar que tinha na cidade. No começo estava tudo normal, mas depois que o álcool começou a invadir as minhas veias a minha mente ficou mais relaxada. Não demorou muito para a merda bater no ventilador e no momento que o Erwin me beijou meu corpo simplesmente não conseguiu resistir ao seu  toque. E foi naquele momento que descobri que estava apaixonado pela pessoa que poderia acabar com a minha sanidade.

Com o tempo os nossos beijos foram se tornando cada vez mais desesperados e ele sugeriu de irmos para minha casa, e o que foi que eu fiz? Sim, concordei e agora estou nessa situação.

Nós podíamos estar alterados por causa da bebida, mas nós nos protegemos... Bem... Pelo menos na primeira rodada da noite, estávamos completamente suados quando terminamos e meu corpo estava em chamas. Merda, nunca senti tanto prazer em uma noite e depois resolvemos tomar banho, foi aí a causa do meu problema. Veja bem, ele começou a ser gentil e quando vi estávamos transando de novo no balcão do banheiro, tudo foi tão rápido que ambos nos esquecemos de usar proteção. No dia seguinte acordei sozinho na cama e sabe o que eu achei no balcão da cozinha? Um bilhete contendo as seguintes palavras:

Você foi ótimo, podemos repetir qualquer dia desses.

Quando li as sua palavras não consegui evitar as lágrimas que começaram a descer pelo meu rosto. Então era assim? Mas eu já devia saber, foi apenas uma noite sem compromisso nenhum. O problema é que para mim foi a noite mais incrível da minha vida e eu estou apaixonado por ele.

Então foi isso que aconteceu, estou esperando um filho do Erwin e ele nem está na cidade. Não sei muito bem o que aconteceu, mas ele precisou sair da cidade urgentemente.

Chego em casa um completo lixo e me jogo na cama sem me preocupar em comer ou fazer outra coisa, deixo meus pensamentos voarem e não demora muito para o Erwin entrar na minha mente. Fecho meus olhos com força e deixo as lágrimas descerem sem controle pelo meu rosto, por que ele tinha que escrever aquele bilhete? Não conseguiu enxergar o quanto eu o amo?

Coloco a mão sobre a boca para conter um soluço e me encolho em posição fetal, fico assim até meus olhos pesarem e finalmente eu caio no sono coseguindo deixar de lado a angústia que estou sentindo.

                     .   .   .

Chego no trabalho parecendo um zumbi, meus olhos estão inchados de tanto chorar na noite passada, pra completar quando passo pela porta a secretária fala toda alegre.

- O Sr. Erwin chegou de viagem! – Exclama e eu congelo. Ele já chegou?

Ando lentamente em direção ao seu escritório e vejo que a porta está entreaberta, me aproximo e quando estou prestes a bater escuto a voz do Erwin falando.

- Cara... Eu tô um caco, preciso relaxar depois dessas semanas de estresse. Fala aí Levi, você conhece alguma garota que esteja disponível?

Meu coração aperta ao escutar suas palavras e começo a me distanciar da porta, mas o que o Levi diz me faz parar.

- Eu pensei que você estava com o Armin...

Escuto uma risadinha e logo a voz divertida do Erwin diz.

- Não, nós tivemos uma noite boa, mas foi apenas isso que aconteceu. Sabe que... Ele até que dá pro gasto...

- Erwin... – O tom de voz do Levi fica tenso e escuto um suspiro – Você não pode brincar com os sentimentos do garoto por você.

Meu coração parece que vai parar, a sala fica em silêncio por um momento até o Erwin falar.

- Ele não falou de sentimento nenhum... – Fala descrente  - Mas ele deve saber que pra mim foi apenas diversão...

No momento que ele fala isso meu mundo quebra e me seguro na parede quando minha visão fica turva.
 
Foi apenas diversão. 

As suas palavras ecoam na minha mente e meus olhos começam a arder.

Nunca fui desses de chorar, mas escutar a pessoa que você ama dizer que o que tivemos foi apenas diversão quebra o escudo das pessoas mais fortes. E o meu já tinha rachaduras a muito tempo...

Não posso escutar mais nada, bato na porta e a sala fica em silêncio novamente.

- Pode entrar – Diz o Levi com a voz calma.

Abro a porta e no momento que entro na sala os meus olhos são atraídos para a silhueta do Erwin parado, vejo que seu corpo fica tenso quando me vê e isso é como uma facada no meu coração. Abro um sorriso trêmulo para ele e falo tentando manter o tom de voz calmo.

- Bom dia... – Ele apenas balança a cabeça e desvia o olhar rapidamente. Então é assim? Não vai nem olhar para minha cara? Ele realmente não sentiu nada na noite em que transamos? – Sr. Levi...

- Já falei que pode me chamar de Levi – Responde abrindo um sorriso simpático – Com o Erwin também, não precisa nos tratar tão formalmente.

- Prefiro Sr. Erwin – O tom rude de Erwin me faz estremecer e eu abaixo a minha cabeça.

- É claro, seria muito desrespeito de minha parte chamá-los tão informalmente – Minha voz sai trêmula e fecho meus olhos com força, mas no momento que faço isso flashes do Erwin me beijando surgem na minha mente e eu abro os olhos completamente desolado – Desculpem interrompe-los, mas hoje vou precisar sair mais cedo...

Encaro o Levi e ele me olha com preocupação.

- Você está bem? Está um pouco pálido... – Pergunta e eu sinto uma onda de tontura invadir os meus sentidos, se não fosse pelo Levi teria caído no chão.

- Sim... Só não tomei café da manhã – Respondo baixinho e me afasto indo em direção à porta, porém o Erwin está impedindo a minha passagem – Com licença, senhor...

Abaixo a minha cabeça e observo os meus pés esperando ele se afastar, mas ele coloca a mão no meu pescoço e eu congelo.

- Você não está com febre, deveria comer alguma coisa – Fala preocupado e isso me machuca ainda mais. Como ele tem coragem de falar aquelas coisas e depois agir preocupado?  

Afasto-me rapidamente do seu toque e encaro os seus olhos, eles estão me encarando intensamente e tento encontrar a minha voz sem me deixar abalar.

- Quando chegar a hora do almoço eu como algo... – Vejo seus olhos estreitarem e ele me encarar pasmo.

- Vai passar esse tempo todo sem comer? – Pergunta incrédulo – Vem...

Ele segura a minha mão e começa a me puxar em direção à saída.

- Não precisa... – Exclamo tentando me soltar, mas sem sucesso.

- Não discuta comigo – Fala decidido e eu fico em silêncio.

Caminhamos lentamente em direção ao pequeno café que tem perto do trabalho e olho para as nossas mãos juntas, por que ele não solta?

Quando entramos no local ele solta a minha mão e me manda  sentar em uma mesa, sento lentamente na cadeira e espero ele fazer os pedidos. Não demora muito para ele voltar e abrir um meio sorriso.

- Então, como foram esses dias? – Pergunta como se tudo estivesse bem.

O encaro em silêncio e abaixo a minha cabeça. Não vou contar nada, não para a pessoa que disse que o que tivemos foi diversão. Se não passou de uma brincadeira então por que ele iria querer esse filho?

- Foram normais... – Respondo baixinho e escuto o seu suspiro.

- Por que você está agindo dessa maneira? – Pergunta com a voz irritada.

- Estou agindo como sempre.

- Não, se você estivesse agindo normalmente falaria comigo olhando nos meus olhos e não abaixando a cabeça toda hora – Retruca e eu o encaro sem acreditar.

- Era você que queria ser tratado como o chefe.

- Eu não pedi para abaixar a cabeça toda vez que falar, que porra foi que aconteceu para você começar a agir assim? – Pergunta me olhando com curiosidade e eu sinto o meu sangue sumir.

- Nada... – Respondo e desvio o olhar.

- Isso não me convenceu...

Solto uma respiração trêmula e o encaro sentindo meus olhos arderem.

- Se você quer realmente saber, eu vou dizer o que aconteceu – Falo e vejo ele estreitar os olhos – Primeiro você transa comigo e depois vai embora sem nem avisar e quando eu procuro você o que eu descubro? “O senhor Erwin está viajando”, foram essas palavras que tive que escutar... E sabe o que é pior? É escutar a pessoa que você ama dizer: “Foi apenas diversão”... Não foi isso que você falou?

Vejo o Erwin me olhar pasmo e completo sentindo os meus olhos se encherem de lágrimas.

- Eu estou esperando um filho seu... – No momento que as palavras saem da minha boca ele solta um ofego e me encara chocado, mas logo se recupera e me encara seriamente.

- Não... Esse filho não é meu... Nós só transamos naquela noite e depois passei a semana fora. Você pode muito bem ter ido para cama com outra pessoa e...

Não espero ele terminar de falar, levanto da cadeira rapidamente e saio do café sentindo as lágrimas escorrerem pelo meu rosto. Minhas mãos estão tremendo e quando começo a atravessar a rua as coisas parecem acontecer em câmera lenta.

Primeiro escuto o grito do Erwin me mandando correr e depois ouço o barulho alto da buzina se um carro.

A última coisa que sinto é uma pancada forte na lateral no meu corpo antes da minha visão ficar completamente escura.


Notas Finais


E aí?!?! O q vcs acharam?!?
Ai q pena do Armin gente...😢😢😢
O Erwin foi um completo fdp.
Espero q tenham gostado e até a parte dois.
Bjssss no kokoro de vcs!!!!!
😘😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...