História Sempre Te Encontrarei - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Inuyasha, Kagome, Miroku, Rin, Sango, Sesshoumaru
Tags Rin, Sesshoumaru
Exibições 365
Palavras 2.356
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoas! Boa noite! ^^

Esse capítulo é especial para os fãs do casal Sango e Miroku. Espero que gostem.
Okaasan, muito obrigada pelas dicas e opiniões. Sabe que esse capítulo é dedicado a você, né? <3

Boa leitura a todos! :)

Capítulo 22 - Uma noite especial


Fanfic / Fanfiction Sempre Te Encontrarei - Capítulo 22 - Uma noite especial

Capítulo Vinte e Dois

Uma noite especial

Na sala...

Rin: Sesshy, é melhor pararmos. - Tentou afastá-lo, sem êxito

Depois que InuYasha foi para o quarto, o Dai-Youkai voltou a beijar a menina; porém ela estava relutante.

Sesshoumaru: Por que? - Arqueou a sobrancelha

Rin: Porque agora estou morrendo de vergonha. O Inu disse que estávamos quase nos comendo. Eu não estava assim.

Sesshoumaru: Que pena! Porque eu estava. - Sorriu de lado e voltou a beijá-la, parando logo em seguida - Ah não! Não! Isso não! - Sentou-se no sofá e colocou as mãos nos ouvidos

Rin: O que houve, Sesshy? Você está com dor? - Perguntou preocupada

Sesshoumaru: Não, não é isso.

Rin: Então o que é?

Sesshoumaru: InuYasha está transando com a Kagome e eu consigo ouvir. Eu não quero essa imagem na minha cabeça. - Disse, ainda com as mãos nos ouvidos e de olhos fechados

Rin: Calma Sesshy!

Sesshoumaru: Calma? Como pode me pedir isso? Eu tenho uma audição apurada. Todo e qualquer ruído que vier daquele quarto, eu vou ouvir.

Rin: Você consegue ouvir da minha casa?

Sesshoumaru: Conseguir até consigo, mas não muito.

Rin: Então vamos pra lá. - Segurou nas mãos dele e foram até a casa em frente

Os pais da menina estavam no trabalho, então não iriam interferir no momento íntimo do casal.

Sesshoumaru: Tinha esquecido o quanto seu quarto é rosa.

Ele estava parado perto da porta, olhando a decoração do quarto da menina. Paredes rosa bebê, bichinhos de pelúcia de vários tamanhos e cores, um quadro rosa choque com várias fotografias e cortinas brancas que vão até o chão.

Rin: Por acaso não gosta dessa cor? - Cruzou os braços

Sesshoumaru: Nada contra, mas um pouco de azul na sua vida não faria mal. - Ele a viu revirar os olhos

Rin: Ta dizendo isso só porque é sua cor favorita.

Sesshoumaru: Exatamente! - Abriu um largo e belo sorriso, o qual fez a menina se derreter

Rin: Bom, aqui você está livre dos ruídos. - Sentou-se na cama e fez sinal para o youkai fazer o mesmo

Minutos se passaram e os dois já estavam rolando na cama, enquanto se beijavam com fervor.

Final de tarde

Não muito longe dali, Sango estava sentada na cama do namorado, enquanto ele mantinha a cabeça apoiada na perna da menina e os dois assistiam a um filme na TV.

Miroku: Ta a fim de sair?

Sango: Pra onde?

Miroku: Não sei. Você pode escolher.

Sango: Ah eu não quero sair, não. Está tão bom ficar aqui com você. - O garoto sorriu de lado

Miroku: Está é? Posso fazer com que fique melhor. 

Ele sentou sobre os próprios joelhos e então começou a beijar a hanyou. O momento foi esquentando e o moreno deitou por cima da namorada. Suas mãos deslizavam pelas laterais do corpo da menina, porém ele parou e se afastou.

Miroku: Me desculpe, San. Eu não queria me aproveitar de você, nem nada.

Sango: Está tudo bem, Mi. Na verdade... – Desviou o rosto, corada – Eu estava gostando.

Miroku: Fico feliz em saber disso, mas não podemos extrapolar. Seu pai cortaria o que tenho entre as pernas e faria ensopado, pra comer no jantar.  – A garota gargalhou – Não disse nenhuma piada, essa é a verdade.

Sango: Eu sei que é. Meu pai é do tipo que faria isso mesmo, mas foi engraçado ouvir você falando.

Miroku: Bom, já está anoitecendo. Quer que eu te leve em casa?

Sango: Seus pais se incomodariam se eu dormisse aqui? É porque InuYasha deve estar fazendo a maior festa com a Kagome, meu pai deve estar na mesma com a Rin, ou então está brigando com o Inu, por causa do barulho. Eu não quero voltar, não hoje.

Miroku: E não vai ter problema você ficar aqui? Sabe como ele é ciumento.

Sango: Me resolvo com ele amanhã.

Miroku: Então tudo bem. Nem precisamos falar com os meus pais. Eles gostam de você e não vão se importar com a sua presença.  

Sango tomou um banho, depois foi a vez do Miroku e então eles foram jantar. Como ele havia dito, os pais dele não se importaram com a presença da menina; já que gostam muito dela. Quando souberam do namoro de seu filho com a jovem hanyou, eles ficaram muito felizes por saber que o filho finalmente estava interessado em alguém e que iria “sossegar o facho”; palavras da mãe do menino.

Quando deu a hora de se recolher, todos foram para os quartos e Sango dormiria com o namorado.

Miroku: Olha, eu posso dormir no quarto de hóspedes, ou então me ajeito em um colchão no chão. Não precisamos ficar na mesma cama, se você não se sentir a vontade.

Sango: Está tudo bem, Mi. Não me importo de ficar na mesma cama que você.

Para dormir, o moreno deu uma blusa sua para a menina. Ela ficou envergonhada, mas vestiu mesmo assim. Era uma blusa cinza, de mangas longas e que batia no meio de suas coxas. Sango não queria sair do banheiro daquele jeito, mas ai ela pensou:

Que besteira! Miroku é meu namorado e um dia vou me entregar a ele. Ele me verá nua e eu não posso ter vergonha. Tudo bem! Já estou mais aliviada.

Ao ver a menina saindo do banheiro, Miroku quase teve um ataque do coração. Ele já a achava bonita, mas, naquele momento, ela parecia uma deusa aos seus olhos. Tentou não olhá-la muito, pois sabia que ela ficaria com vergonha, então ele entrou no banheiro e se preparou para dormir.

Minutos depois, ambos já estavam deitados, abraçados, na cama. Sango mantinha a cabeça apoiada no peito do namorado, enquanto aproveitava para sentir ainda mais o cheiro dele.

Miroku: Boa noite, San. – Mas não houve resposta

Achando que a menina já estava dormindo, ele simplesmente fechou os olhos e esperou o sono lhe pegar. Ficou surpreso ao sentir a mão direita da sua namorada deslizando pelo seu corpo.

Miroku: San? Você está acordada?

Novamente não ouve resposta, mas a mão dela continuava a estudar o corpo do rapaz. Miroku ficou arrepiado, claro, mas estava tentando disfarçar. Sango estava, cada vez mais, embriagada com o cheiro do seu amado. Estando ali, sozinha com ele e tão perto, ela começou a ter novas sensações.

Miroku: San? Você está me ouvindo?

Ela foi tirada de seus pensamentos, nada comportados e puros, ao ouvir a voz do seu namorado.

Sango: O que você disse?

Miroku: Eu estava dizendo que vou colocar um colchonete no chão, pra mim. Não acho que seja uma boa ideia dormirmos na mesma cama.

Sango: Mas eu quero dormir com você. – Olhou para o menino, enquanto fazia uma carinha triste

O moreno suspirou, pois ela sabia muito bem que era só fazer aquela carinha, que ele fazia tudo o que ela pedia.

Miroku: Tudo bem, San. – Ele voltou a fechar os olhos, mas os abriu novamente, quando ela o beijou – O que você está fazendo?

A afastou levemente, porém a hanyou é mais forte, então voltou a beijá-lo com fervor. Ele retribuiu ao beijo, mesmo sabendo que era errado.

Miroku: Sango, é melhor pararmos. Não quero que você faça algo e se arrependa depois. – Tentou afastá-la, mas foi em vão

A hanyou deu um baixo rosnado, em forma de reprovação, e começou a beijar o pescoço do amado. Ele tentava afastá-la, não ia desistir tão fácil, porém ela também.

Sango, sem querer, durante a presa e afobação, acabou rasgando a camiseta do namorado. Ele não se importou com a roupa, mas percebeu que ela estava fora de controle e isso era um problema.

Miroku: San, é sério, você precisa parar. – Ela o olhou e seus olhos estavam levemente vermelhos – Essa não é você, amor. Busque se concentrar.

Sango o beijou e ele não a negou esse beijo. Não era voraz, como o anterior, era calmo e intenso, ao mesmo tempo. Rapidamente, Miroku ficou por cima dela e, ao se afastarem em busca de ar, ele a olhou novamente. A hanyou já estava mais calma e seus olhos voltaram a ser castanhos.

Miroku: Está melhor, princesa? – Ela o olhou e percebeu o que tinha feito

Sango: Me desculpe! Eu rasguei sua roupa e ainda te machuquei. – Viu os pequenos arranhões no peito do rapaz

Miroku: Não foi nada. Eu nem tinha percebido, até agora. Mas me diz, o que houve com você?

Sango: O seu cheiro tirou o meu controle. Ele é muito bom e é excitante. – Admitiu corada

Miroku: Eu sabia que era irresistível, só não sabia que era tanto. – A menina riu e ele também

Sango: Desculpe novamente.

Miroku: Não precisa se desculpar, minha hanyou linda. – Esfregou o nariz no da menina – Vamos dormir agora?

Sango: Na verdade, quero te pedir uma coisa.

Miroku: E o que seria? – Arqueou a sobrancelha

Sango: Faz amor comigo. – Ele arregalou os olhos

Miroku: Não! – Saiu de cima de dela – Isso não está certo.

Sango: Por que não? Você não quer fazer comigo? É isso?

Miroku: Não, claro que não é isso. Só estou com medo de um certo Dai-Youkai cachorro, que pode me matar em um piscar de olhos.

Sango: Meu pai não vai fazer nada com você.

Miroku: Como pode ter certeza?

Sango: Eu vou te defender, por isso tenho certeza. Por favor, Mi. – Fez uma carinha com olhinhos pidões e um bico enorme

O moreno achou a coisa mais fofa que já viu na vida. Aquela hanyou o encantava cada vez, conforme os dias que passavam. Ele não queria negar um pedido dela, e ele também queria fazer amor com ela, mas o medo falava mais alto. E, além do mais, ele estava inseguro com aquilo tudo.

Miroku não era mais virgem, porém ele só havia feito sexo uma vez na sua vida e não foi nada bom. Ele tem medo de fazer algo errado e estragar a primeira vez da sua namorada. Tudo o que ele quer é que seja perfeito.

Miroku: É melhor deixarmos pra outro dia. – Abaixou a cabeça

Ao sentir uma movimentação na cama, ele voltou a erguê-la e viu a hanyou sentada sobre os próprios joelhos, de frente pra ele. Sango sorriu para o namorado, como se estivesse lhe passando confiança. Seus lábios se tocaram e veio um beijo calmo.

Miroku voltou a deitar sobre o belo corpo da jovem e, um pouco receoso, começou a deslizar suas mãos por ele. Sem presa, ela tirou a blusa que ela usava, a deixando apenas de calcinha branca a sua frente.

Miroku: Você parece um anjo. – Ela corou imensamente e ele sorriu

Incentivando a namorada, o rapaz fez com que ela retirasse a bermuda que ele usava. Com um movimento rápido, a fez ficar por cima e deixou que ela o analisasse. Sango olhava para cada canto do corpo de seu namorado, como se quisesse memorizá-lo. Ao olhá-lo nos olhos, sorriram um pro outro e voltaram a se beijar.

Com muitos beijos e carinhos trocados, não demorou até que ambos estivessem completamente nus. Lógico, a menina corou, mas não desistiu da ideia de se entregar a ele.

Miroku: Tem certeza disso? – Perguntou, novamente por cima da hanyou, com seus lábios roçando aos dela

Sango: Certeza absoluta.

Miroku: Espero não te decepcionar. – Suspirou

Sango: Apenas pare de pensar tanto. – O puxou para um beijo e os dois suspiraram, ao sentir suas intimidades se chocando

Devagar e com muito carinho, Miroku começou a tão aguardada penetração. Sango sentiu dor e um grande incômodo, mas sabia que era normal. Estando completamente dentro daquela cavidade úmida, o moreno permaneceu parado, dando a chance de sua amada se acostumar.

Ela chorava e suas garras estavam cravadas nas costas de seu namorado, mas Sango não estava arrependida.  Pra ela, aquele momento estava sendo perfeito e levaria até o final.

Com o incentivo de Miroku, que a beijava o tempo inteiro, deixando pequenas marcas no pescoço alvo da hanyou, Sango já não pensava mais na dor. Não querendo ser bruto, nem nada do tipo, o moreno começou a se movimentar. Lógico, a menina sentiu um incômodo e gemeu de dor, porém, conforme os minutos passavam, ela começou a gemer de prazer.

Longos minutos se passaram e os corpos de ambos já estavam suados. Suas respirações ofegantes e os corações acelerados indicavam que ambos estavam sentindo um intenso prazer. O forte cheiro de sexo impregnava o quarto e, para alguém com o olfato apurado, era de se levar a loucura.

Sango sentia seus olhos ficando vermelhos novamente, então ela inverteu as posições e cravou as garras no peitoral do seu namoro. Ele gemeu de dor, mas não se importou com aquilo. O momento estava bom demais para se reclamar de alguma coisa.

A hanyou, já com as presas e garras maiores, levou a boca até o pescoço do rapaz e o beijou ali, enquanto dava ritmo ao ato de amor deles. Não conseguindo aguentar a excitação e o calor do momento, Sango foi descendo os beijos até o peito de seu amado e o mordeu no lado esquerdo. Por essa ele não esperava e a dor era grande, então Miroku acabou gemendo mais alto.

Depois dessa mordida, não demorou muito até que ambos chegassem ao clímax. Exausta e mais calma, Sango saiu de cima dele e deitou ao seu lado na cama. Viu que seu namorado já estava dormindo e só ai percebeu a marca de mordida.

Sango: Essa não! Eu fiz uma merda muito grande. – Começou a falar consigo mesma – Não estou arrependida, mas eu deveria ter conversado com ele sobre a marca. E se ele não gostar do que fiz? O que eu vou fazer? Não tem mais volta.

Suspirando, ela os cobriu com o lençol e se aninhou nos braços do moreno, que dormia intensamente por causa da marca.

Mesmo sendo feita sem o consentimento dele, Sango estava feliz com aquela marca. Ela ama o Miroku, e tem quase certeza de que ele a ama, então qual o problema de marcá-lo? Eles ficariam juntos pra sempre mesmo.

Com esse pensamento e com as lembranças da incrível noite de amor que tiveram, ela fechou os olhos e pôde, finalmente, dormir. 


Notas Finais


É, a treta está tretosa. Sango marcou o Miroku *o* Qual será a reação do Sesshoumaru? - Carinha pensativa - Deixem suas opiniões nos comentários. Vou adorar ler =D

No final de semana, lancei novas parcerias com a @Siljin. Vou deixar os links abaixo.

Nem tudo é sofrimento, o amor transforma tudo: https://spiritfanfics.com/historia/nem-tudo-e-sofrimento-o-amor-transforma-tudo-6677840

Um amor de verão: https://spiritfanfics.com/historia/um-amor-de-verao-6668631

Amor sem limites: https://spiritfanfics.com/historia/amor-sem-limites-6663897

Um mafioso em minha vida: https://spiritfanfics.com/historia/um-mafioso-em-minha-vida-6658251

Um amor inesperado: https://spiritfanfics.com/historia/um-amor-inesperado-6504548

Obrigada pela presença de todos. Bjs e até o próximo *Sem previsão*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...